Angola

Angola: Novo Governo, problemas antigos

Nada mudará com o Governo de João Lourenço, acredita Orlando Castro. Por exemplo, a corrupção deve continuar em alta e a prova disso é o facto de Angola entrar em litígio por causa de Manuel Vicente, diz o analista.

default

João Lourenço durante a campanha eleitoral de 2017

A DW África conversou com o analista e jornalista luso-angolano Orlando Castro sobre as expetativas em relação ao novo Governo em Angola. Podem-se esperar mudanças no que diz respeito ao combate à corrupção, melhorias das condições de vida das populações conforme prometeu João Lourenço durante a caça ao voto? Angola daqui para frente: continuidade ou ruptura? Leia a entrevista.

DW África: João Lourenço nomeou 32 ministro para o seu Governo quando tinha prometido que não teria um Governo tão grande. Este é um sinal de que o seu Executivo será despesista?

Orlando Castro (OC): Naturalmente que vamos ter um Governo despesista, porque isso está um bocado no próprio ADN do MPLA. E João Lourenço já não está a cumprir com o que prometeu na campanha eleitoral, que era ter um Governo mais curto e também não está a cumprir com o que referiu no seu discurso de posse, em que também voltou a falar num Governo mais curto. Portanto, vamos ter um Governo, que como utiliza dinheiro do erário público, do povo e que apesar da crise não custa assim tanto a ganhar, vamos ter um Governo mais despesista, um Governo mais vocacionado para obras de fachada do que, de facto, para a tomada de decisões estruturais de fundo.

Interview mit dem Blogger Orlando Castro

Orlando Castro, analista político e jornalista

DW África: João Lourenço está em condições de cumprir com o que prometeu? Por exemplo, na melhoria das condições de vida para a população e combate à corrupção tomando em conta que tem mostrado uma espécie de continuidade em relação às políticas do anterior Governo?

OC: Ele não está em condições de tomar essas medidas e nem de cumprir com o que prometeu, porque desde logo é um Governo de continuidade. Alguns dos ministros transitam de um lado para o outro, e portanto, João Lourenço mesmo que quisesse, o que tenho sérias dúvidas, não vai conseguir cumprir o que prometeu. Em relação à corrupção isto é mais ou menos como prometer que se vai cuidar das galinhas e depois por a raposa dentro do galinheiro a cuidar das galinhas. Uma forma de dar sinal de que estariam interessados em combater a corrupção seria não entrar em litígio com Portugal no caso Manuel Vicente (ex-vice-Presidente de Angola). Se Vicente não deve não tem o que temer, o que é da política é da política e o que é da justiça é da justiça. E se eles dissessem que o Manuel Vicente vai defender-se em tribunal nós começaríamos a creditar que, de facto, o regime queria rejuvenescer-se, mas não me parece que isso venha a acontecer nos tempos mais próximos.

Ouvir o áudio 06:20

Angola: Novo Governo, problemas antigos

DW África: João Lourenço e alguma ala do MPLA teriam força suficiente e coragem para tentar mudar a direção do partido, tirando, por exemplo, José Eduardo dos Santos da liderança do MPLA, para que Lourenço possa ter a oportunidade de governar plenamente o país?

OC: José Eduardo dos Santos disse que ficaria na política ativa até 2018, a ser verdade ele deixará a liderança do MPLA em 2018. E se isso acontecer é natural que se notem alguns laivos de alteração na política de João Lourenço. Mas o problema todo está em que o núcleo duro do MPLA é o núcleo a que pertence também João Lourenço. Ou seja, com José Eduardo dos Santos a liderar o MPLA ou o João Lourenço a liderar a situação básica de Angola vai manter-se, porque não há um rompimento, não há uma clivagem com a filosofia do próprio partido que continua a funcionar numa tese de democracia com um partido único. Isto é, Angola é formalmente uma democracia, tem partidos, mas o partido dominante continua a funcionar como se fosse um partido único. E as pessoas que estão ligadas à José Eduardo dos Santos, ou que eventualmente venham a estar ligadas à João Lourenço comungam todas desses mesmos princípios. Portanto, é extremamente difícil fazer qualquer ruptura com o sistema.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados

Albanian Shqip

Amharic አማርኛ

Arabic العربية

Bengali বাংলা

Bosnian B/H/S

Bulgarian Български

Chinese (Simplified) 简

Chinese (Traditional) 繁

Croatian Hrvatski

Dari دری

English English

French Français

German Deutsch

Greek Ελληνικά

Hausa Hausa

Hindi हिन्दी

Indonesian Bahasa Indonesia

Kiswahili Kiswahili

Macedonian Македонски

Pashto پښتو

Persian فارسی

Polish Polski

Portuguese Português para África

Portuguese Português do Brasil

Romanian Română

Russian Русский

Serbian Српски/Srpski

Spanish Español

Turkish Türkçe

Ukrainian Українська

Urdu اردو