Internacional

Ataques com granadas contra deputados do Uganda

Três deputados da oposição no Uganda denunciaram que as suas casas foram atacadas com granadas e outros explosivos. Os parlamentares estão contra a abolição do limite de idade de 75 anos para os candidatos à Presidência.

Robert Kyagulanyi: Nenhuma ameaça vai mudar a minha determinação de defender a Constituição

Robert Kyagulanyi: "Nenhuma ameaça vai mudar a minha determinação de defender a Constituição"

Segundo o deputado Moses Kasibante, uma granada foi atirada contra a sua casa no início desta semana. A polícia tratou o assunto como um caso isolado. No entanto, na terça-feira (03.10) foram atacados outros dois deputados: Allan Sewanyana e Robert Kyagulanyi.

Os parlamentares estão entre um grupo de 25 deputados que foram suspensos devido a um protesto contra um projeto de lei que prevê a suspensão do limite de idade para os candidatos à presidência.

O projeto de lei é visto como uma tentativa de permitir que o Presidente Yoweri Museveni prolongue a ocupação do cargo. Museveni, de 73 anos, governa o Uganda desde 1986, mas já não poderá concorrer à reeleição, em 2021, porque a Constituição do país coloca um limite de idade de 75 anos para os candidatos presidenciais.

Allan Sewanyana, Robert Kyagulanyi e outros deputados foram retirados com violência do Parlamento por agentes de segurança. Foram acusados de desrespeitar a ordem parlamentar, quando tentaram obstruir o processo, cantando repetidamente o hino nacional. Pelo menos dois deputados ficaram feridos nos confrontos - um deles continua hospitalizado.

Deputados sob ameaça

"Ninguém foi ferido ainda, mas não posso dizer que estamos seguros", contou à DW África Robert Kyagulanyi, que antes dos ataques com granadas já tinha sido ameaçado.

Ouvir o áudio 03:56

Ataques com granadas contra deputados do Uganda

"Isto aconteceu depois de numerosas ameaças à minha vida - mensagens enviadas através de pessoas e telefonemas que tenho recebido. As ligações foram sempre anónimas, mas o objectivo era claro: eu deveria manter a minha boca fechada e parar de me opôr à campanha contra o limite de idade", relata o deputado, garantindo que nenhuma ameaça o impedirá de defender a Constituição.

"Estou com medo, mas não vou desistir. Sou um representante do povo", afirma o deputado Allan Sewanyana, cuja casa também foi atacada. A luta continua e cabe a todos os ugandeses proteger a Constituição do país, defende. "O que mostra a seriedade dessa luta são os ataques que começaram agora contra nós, especialmente ataques envolvendo armas", sublinha.

A polícia confirmou os ataques. O comandante da Polícia Metropolitana de Kampala, Frank Mwesigwa, disse aos jornalistas que as granadas destinam-se a causar medo e pânico.
"Estas são granadas de mão, mas com um efeito menos destrutivo. Acredito que o propósito é apenas causar medo".

O partido no poder no Uganda goza de uma esmagadora maioria na assembleia nacional e espera-se que o projeto de lei seja aprovado. O limite de mandatos presidenciais foi retirado da Constituição do Uganda em 2005.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados

Albanian Shqip

Amharic አማርኛ

Arabic العربية

Bengali বাংলা

Bosnian B/H/S

Bulgarian Български

Chinese (Simplified) 简

Chinese (Traditional) 繁

Croatian Hrvatski

Dari دری

English English

French Français

German Deutsch

Greek Ελληνικά

Hausa Hausa

Hindi हिन्दी

Indonesian Bahasa Indonesia

Kiswahili Kiswahili

Macedonian Македонски

Pashto پښتو

Persian فارسی

Polish Polski

Portuguese Português para África

Portuguese Português do Brasil

Romanian Română

Russian Русский

Serbian Српски/Srpski

Spanish Español

Turkish Türkçe

Ukrainian Українська

Urdu اردو