Moçambique

"Era um enorme sacrifício para a FRELIMO reconhecer a RENAMO", diz ex-mediador

Nesta quarta-feira os 25 anos do Acordo Geral de Paz de Moçambique foram recordados também em Roma, onde foi assinado.

Dokument Friedensvertrag Mosambik (DW/R. Belicanta)

Protegidos atrás de vidros, os históricos documentos que colocaram fim a 16 anos de guerra civil, estavam expostos ao lado de fora da sala onde foram assinados, a 4 de outubro de 1992. Folhas de papel que, apesar da aparente fragilidade, mantêm o equilíbrio de uma paz que perdura.

O vice-ministro da Justiça de Moçambique, Joaquim Veríssimo, falou com a DW África. Chamou de "visionários" àqueles que assinaram o acordo. "Enquanto se dialogava aqui em Roma, no terreno em Moçambique ainda ocorriam confrontos armados. Imaginem essa dualidade de situação. Se não houvesse a convicção de que estávamos no bom caminho que era o do diálogo para encontrarmos uma solução, obviamente não estaríamos hoje a comemorar os 25 anos do Acordo Geral de Paz. É aqui que devemos tirar a lição no sentido de que todos os nossos problemas podem ser resolvidos através do diálogo e nada mais".

"Fórmula italiana"

Andrea Riccardi (picture-alliance/ dpa)

Andrea Riccardi

O professor Andrea Riccardi, ex-mediador de Santo Egídio - comunidade de leigos católicos com sede em Roma - no processo de paz moçambicano exaltou o êxito da "fórmula italiana de paz".

"Os mediadores não haviam interesses próprios na reconciliação", disse no seu discurso.Ele ressaltou que os dois anos e três meses de negociações mediados pela comunidade ganharam força quando a diplomacia italiana foi envolvida nos diálogos.

Ouvir o áudio 02:24

"Era um enorme sacrifício para a FRELIMO reconhecer a RENAMO", diz ex-mediador

"Era um enorme sacrifício para a FRELIMO reconhecer a RENAMO", recordou Andrea Riccardi para acrescentar que  "eu acredito que o acordo de paz não seja uma história do passado, mas é um método por meio do qual Moçambique vive".

Moçambique moderno e democrático

O diálogo e a paz já fazem parte do DNA de Moçambique, tal como a luta pela independência, também o diálogo e a paz. Eu penso que recordar esse dia é recordar Moçambique moderno e democrático".

E para os próximos 25 anos?

"Seguramente, a paz consolidada, mas também eu acredito o crescimento, o desenvolvimento e a luta contra à pobreza", conclui o ex-mediador de  Santo Egídio.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados

Albanian Shqip

Amharic አማርኛ

Arabic العربية

Bengali বাংলা

Bosnian B/H/S

Bulgarian Български

Chinese (Simplified) 简

Chinese (Traditional) 繁

Croatian Hrvatski

Dari دری

English English

French Français

German Deutsch

Greek Ελληνικά

Hausa Hausa

Hindi हिन्दी

Indonesian Bahasa Indonesia

Kiswahili Kiswahili

Macedonian Македонски

Pashto پښتو

Persian فارسی

Polish Polski

Portuguese Português para África

Portuguese Português do Brasil

Romanian Română

Russian Русский

Serbian Српски/Srpski

Spanish Español

Turkish Türkçe

Ukrainian Українська

Urdu اردو