Especial: Fome em África | Especiais | DW | 16.10.2017

Fome em África

Especial: Fome em África

O número de pessoas ameaçadas pela fome diminuiu durante vários anos, mas agora voltou a crescer. Em África, 26 milhões de pessoas estão em risco. A DW fala sobre as causas e as soluções para este problema.

default

É uma daquelas situações em que só mais tarde nos apercebemos do que se passou. Uma médica e uma enfermeira tentam ressuscitar uma criança. Os pais estão imóveis, à beira da cama. Mas, minutos depois, a médica dá ordem para terminar a ressuscitação. Um leve soluçar quebra o silêncio na sala. E depois um grito. Um enfermeiro traz um separador, que coloca em frente à cama. Não sabemos o que se passou a seguir.

Esta cena, num centro de saúde no norte do Quénia, foi um dos momentos mais angustiantes da nossa viagem pelos territórios africanos mais atingidos pela fome. E mostra que as 26 milhões de pessoas ameaçadas não são números abstratos. A menina no centro de saúde no Quénia não morreu de uma doença incurável ou vítima de um acidente. Morreu porque não tinha o suficiente para comer.

Fala-se pouco sobre a fome

Ao longo de várias semanas, os repórteres da DW estiveram em vários países e falaram com trabalhadores humanitários, especialistas, políticos e, sobretudo, com pessoas afetadas pela fome para saber mais sobre as causas deste problema.

Não é uma coincidência o facto de este projeto ser realizado agora: no início do ano, as organizações humanitárias alertaram que a seca prolongada poderia desencadear uma das piores crises alimentares das últimas décadas em África e no Iémen. Mas, de lá para cá, o assunto deixou de ser destaque na comunicação social, apesar de a situação não ter melhorado. Só nos países mais afetados, o Sudão do Sul e a Somália, mais de 14 milhões de pessoas precisam de ajuda alimentar.

Datenvisualisierung Portugiesisch Hunger in Afrika

A fome em diferentes regiões do continente africano

A causa: o próprio homem

O que conduziu a esta situação dramática? A conclusão dos nossos repórteres não deixa margem para dúvidas: não foi a natureza que causou este problema, mas o próprio homem. As alterações climáticas, a desflorestação e o uso das terras para proveito só de alguns dificultam cada vez mais a vida dos pequenos agricultores africanos.

Mas os conflitos têm consequências ainda mais devastadoras. A violência dos grupos terroristas ou as guerras civis afetam gravemente países como a Nigéria, o Sudão do Sul ou a Somália, e o Estado não cumpre as suas tarefas básicas. Muitos cidadãos não sabem o que é ter assistência médica, educação ou segurança. Ao mesmo tempo, uma pequena elite enriquece.

Ouvir o áudio 03:15

Fome aumenta e atinge 815 milhões de pessoas no mundo, diz ONU

Otimismo moderado

Ainda assim, os repórteres da DW regressaram com histórias de esperança. A Somália, por exemplo, tem um novo Governo desde o início do ano, após 20 anos de guerra civil. Muitos analistas revelam-se moderadamente otimistas. Além disso, os repórteres conheceram pessoas que, apesar de viverem em situações difíceis, não desistem. O homem não é só a causa das crises alimentares; pode também solucioná-las.

Ao longo desta semana publicaremos diariamente artigos e vídeos sobre a fome em África aqui na nossa página, www.dw.com/portugues

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados

Albanian Shqip

Amharic አማርኛ

Arabic العربية

Bengali বাংলা

Bosnian B/H/S

Bulgarian Български

Chinese (Simplified) 简

Chinese (Traditional) 繁

Croatian Hrvatski

Dari دری

English English

French Français

German Deutsch

Greek Ελληνικά

Hausa Hausa

Hindi हिन्दी

Indonesian Bahasa Indonesia

Kiswahili Kiswahili

Macedonian Македонски

Pashto پښتو

Persian فارسی

Polish Polski

Portuguese Português para África

Portuguese Português do Brasil

Romanian Română

Russian Русский

Serbian Српски/Srpski

Spanish Español

Turkish Türkçe

Ukrainian Українська

Urdu اردو