Moçambique

Governo de Moçambique vai cortar na despesa pública

O Governo moçambicano deverá poupar 7,2 mil milhões de meticais em 2018. Um analista ouvido pela DW África diz que a decisão ajudará a controlar custos, numa altura em que o país atravessa uma profunda crise económica.

Mosambik - Metical (DW/M. Sampaio)

O ministro da Economia e Finanças, Adriano Maleiane, disse a jornalistas nesta terça-feira (05.12) que a decisão do Governo vai permitir poupar ao Orçamento do Estado, só em 2018, um montante estimado em 7,2 mil milhões de meticais, o equivalente a mais de 100 milhões de euros.

Segundo Maleiane, o decreto agora aprovado pelo executivo vai reduzir os encargos financeiros resultantes da obrigação do Estado de garantir os direitos e regalias dos dirigentes superiores do Estado e de titulares de cargos governativos.

As novas medidas visam uniformizar os procedimentos e instituir limites para as despesas como arrendamento de imóveis, subsídios de combustíveis, comunicações e bónus especiais, afirmou Maleiane.

Compra de viaturas

Mosambik | Tankstelle

Compra de viaturas protocolares tem gerado acusações de despesismo por parte do Governo

Uma das áreas abrangidas pela decisão está relacionada com a compra de viaturas protocolares, assunto que tem estado a gerar controvérsia  na sociedade, com vários sectores a acusar o Governo de despesismo. 

Futuramente só serão adquiridas viaturas com uma cilindrada até 1.500 centímetros cúbicos. Segundo o ministro Maleiane, pretende-se mais disciplina: "No mercado, buscaremos o carro que seja ajustado às capacidades, e não só aquilo que a sociedade aceita como o razoável para poder usar".

Em relação aos subsídios de combustíveis e comunicações, atribuídos aos quadros e dirigentes do Estado, Maleiane reconheceu que "o peso de combustíveis e das comunicações é muito grande e, por isso, a decisão foi fixar um limite máximo".

O ministro da Economia e Finanças explicou ainda que, na base do novo decreto, o Estado vai deixar de comprar viaturas para alienação a dirigentes públicos. Em sua substituição, será pago um subsídio de funções.

A alienação de viaturas é um dispositivo legal adoptado pelo governo moçambicano através do qual são atribuidas viaturas a quadros superiores, funcionários com formação superior e dirigentes da função pública. É uma forma de incentivo face aos baixos salários que são pagos no setor, comparativamente às instituições privadas e ONGs.

"Decisão correcta"

Ouvir o áudio 02:30

Moçambique: Governo anuncia cortes na despesa pública a partir de 2018

Para o analista Fernando Gonçalves, ouvido pela DW África, o pacote de medidas orçamentais tem a ver com a crise económica que o país atravessa, mas também "há uma recomendação do FMI para que o governo reduza as despesas do Estado. Penso que é uma decisão correta que vai ajudar muito a controlar os custos na administração pública", diz.

Questionado se as novas medidas são suficientes face à atual crise, Gonçalves afirmou que "se houver outras medidas que forem possíveis tomar, essas são sempre bem-vindas". 

Ainda na mesma sessão o Governo aprovou um decreto sobre os procedimentos da emissão e gestão da dívida pública. Trata-se de um documento que, segundo o ministro da Economia e Finanças, Adriano Maleiane, visa conferir rigor e transparência na negociação, contratação e emissão da dívida pública, bem como na concessão de garantias.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados

Albanian Shqip

Amharic አማርኛ

Arabic العربية

Bengali বাংলা

Bosnian B/H/S

Bulgarian Български

Chinese (Simplified) 简

Chinese (Traditional) 繁

Croatian Hrvatski

Dari دری

English English

French Français

German Deutsch

Greek Ελληνικά

Hausa Hausa

Hindi हिन्दी

Indonesian Bahasa Indonesia

Kiswahili Kiswahili

Macedonian Македонски

Pashto پښتو

Persian فارسی

Polish Polski

Portuguese Português para África

Portuguese Português do Brasil

Romanian Română

Russian Русский

Serbian Српски/Srpski

Spanish Español

Turkish Türkçe

Ukrainian Українська

Urdu اردو