25 de Abril e Independências | DW

Portugal – revolução do 25 de abril de 1974

Assistir ao vídeo 12:16
Ao vivo agora
12:16 min
26.11.2013

Entrevista Otelo Saraiva de Carvalho

Assistir ao vídeo 09:21
Ao vivo agora
09:21 min
História | 29.11.2013

Entrevista Mário Soares

Cultura

Calçada portuguesa

Na Ilha de Moçambique, antiga capital moçambicana, na província de Nampula, a calçada portuguesa estende-se à beira mar. A herança colonial que Portugal deixou aqui é imensa e está presente num conjunto de edificações históricas, entre fortalezas, palácios, igrejas e casas. Em 1991, este conjunto foi reconhecido como Património Mundial da UNESCO.

Cultura

Fortaleza de São Sebastião

A Fortaleza de São Sebastião, na Ilha de Moçambique, começou a ser erguida pelos portugueses em 1554. O motivo: a localização estratégica para os navegadores. Ao fundo, vê-se a Capela de Nossa Senhora do Baluarte, de 1522, que é considerada a mais antiga estrutura colonial sobrevivente no sul de África.

Cultura

Hospital de Moçambique

O Hospital de Moçambique, na Ilha de Moçambique, data de 1877. O edifício de estilo neoclássico foi durante muito tempo a maior estrutura hospitalar da África Austral. Atualmente, compõe o património de construções históricas da antiga capital moçambicana.

Cultura

Fortaleza de Maputo

A Fortaleza de Maputo situa-se na baixa da capital moçambicana e é um dos principais monumentos históricos da colonização portuguesa no país. O espaço foi ocupado no início do século XVIII, mas a atual edificação data do século XX.

Cultura

Estação Central de Maputo

Desde a construção da Estação Central dos Caminhos-de-Ferro (foto) na capital moçambicana, no início do século XX, o ato de apanhar um comboio ganhou um certo charme. O edifício, que pode ser comparado a algumas estações da Europa, ostenta a uma fachada de estilo francês. O projeto foi do engenheiro militar português Alfredo Augusto Lisboa de Lima.

Cultura

Administração colonial portuguesa em Sofala

Na cidade de Inhaminga, na província de Sofala, centro de Moçambique, a arquitetura colonial portuguesa está em ruínas. O antigo edifício da administração colonial, com traços neoclássicos, foi tomado pela vegetação e dominado pelo desgaste do tempo.

Cultura

"O orgulho de África"

Em Moçambique, outro de património colonial moderno: o Grande Hotel da Beira, que foi inaugurado em 1954 como uma das acomodações mais luxuosas do país. O empreedimento português era intitulado o "orgulho de África". Após a independência, em 1975, o hotel passou a ser refúgio para pessoas pobres. Desde então, o hotel nunca mais abriu para o turismo.

Cultura

Cidade Velha e Fortaleza Real de São Filipe

Em Cabo Verde, os vestígios da colonização portuguesa espalham-se pela Cidade Velha, na Ilha de Santiago. Entre estas construções está a Fortaleza Real de São Filipe. A fortificação data do século XVI, período em que os portugueses queriam desenvolver o tráfico de escravos. Devido à sua importância histórica, a Cidade Velha e o seu conjunto foram consagrados em 2009 Património Mundial da UNESCO.

Cultura

Património religioso

No complexo da Cidade Velha está a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, conhecida por ser um dos patrimónios arquitetónicos mais antigos de Cabo Verde, com mais de 500 anos. Assim como em Cabo Verde, o período colonial português deixou outros edifícios ligados à Igreja Católica em praticamente todos os PALOP.

Cultura

Palácio da Presidência

Na cidade da Praia, em Cabo Verde, a residência presidencial é uma herança do período colonial português no país. Construído no século XIX, o palácio abrigou o governador da colónia até a independência cabo-verdiana, em 1975.

Cultura

Casa Grande

Em São Tomé e Príncipe, é impossível não reconhecer os traços da colonização portuguesa nas roças. Estas estruturas agrícolas concentram a maioria das edificações históricas do país. A imagem mostra a Casa Grande, local onde vivia o patrão da Roça Uba Budo, no distrito de Cantagalo, a leste de São Tomé. As roças são-tomenses foram a base económica do país até a indepência em 1975.

Cultura

Palácio reconstruído em Bissau

Assim como em Cabo Verde, na Guiné-Bissau o palácio presidencial também remonta o período em que o país esteve sob o domínio de Portugal. Com arquitetura menos rebuscada, o palácio presidencial em Bissau foi parcialmente destruído entre 1998 e 1999, mas foi reconstruído num estilo mais moderno em 2013 (foto de 2012). O edifício, no centro da capital guineense, destaca-se pela sua imponência.

Cultura

Teatro Elinga

O Teatro Elinga, no centro de Luanda, é um dos mais importantes edifícios históricos da capital angolana. O prédio de dois andares da era colonial portuguesa (século XIX) sobreviveu ao "boom" da construção civil das últimas décadas. Em 2012, no entanto, foram anunciados planos para demolir o teatro. Como resultado, houve fortes protestos exigindo que o centro cultural fosse preservado.

Cultura

Arquitetura colonial moderna

O período colonial também deixou traços arquitetónicos modernos em alguns países. Em Angola, muitos cinemas foram erguidos nos anos 40 com a influência do regime ditatorial português, o chamado Estado Novo. Na foto, o Cine-Teatro Namibe (antigo Moçâmedes), um dos mais antigos do país, é um exemplo. Foi o primeiro edifício de arquitetura "art déco" na cidade de Namibe.

História

Posto de Comando do MFA: Revolução a "sandes e cerveja"

O major Otelo Saraiva de Carvalho entrou nesta sala do Quartel da Pontinha (arredores de Lisboa) por volta das 22h00 de 24 de abril. Foi daqui que coordenou a revolução: "Nunca me deitei, comi uma refeição, uma sandes com cerveja. Nunca saí do Posto de Comando porque estava, de facto, numa situação de ansiedade e stress para que tudo corresse bem", contou Otelo. A sala foi transformada num museu.

História

Rádio Renascença: Luz verde à revolução

Neste estúdio da Rádio Renascença na Rua Ivens (no bairro do Chiado, foto de 1975) foi emitida "Grândola, Vila Morena", de Zeca Afonso, a senha decisiva que deu luz verde ao golpe de Estado. "Grândola, Vila Morena" foi emitida no programa "Limite" da Rádio Renascença porque escapara ao crivo da ditadura. A música fora cantada em março de 1974 no Coliseu de Lisboa diante da polícia política.

História

Rádio Renascença: Estúdio ainda em uso

As instalações da rádio mudaram bastante nos últimos 40 anos. "Só o que não mudou foi o lugar da casa de banho", graceja hoje o locutor Aurélio Moreira, que se lembra bem dos tempos da revolução. Ainda assim, o estúdio onde foi emitido o "Grândola, Vila Morena" continua a ser usado para os programas de uma das rádios da emissora católica portuguesa (hoje são quatro).

História

Aeroporto de Lisboa: Militares fecham espaço aéreo

"Nova Iorque" – nome de código do Aeroporto de Lisboa – é tomada pelo Movimento das Forças Armadas na madrugada de 25 de Abril. Impaciente, o capitão Costa Martins chega sozinho ao aeroporto, de pistola na mão, e ordena aos controladores para fecharem o espaço aéreo. Os voos são desviados para destinos em Espanha, como Madrid e Las Palmas. Depois, uma coluna militar ocupa o aeroporto.

História

Aeroporto de Lisboa: Edifícios modernizados

Nas últimas décadas, o Aeroporto de Lisboa foi renovado e ampliado. Apesar de vários planos de mudança, continua no mesmo sítio. Certamente que muitos dos passageiros que passam por aqui não sabem que "Nova Iorque" foi o nome de código do aeroporto durante a Revolução dos Cravos - esse será apenas um destino no bilhete de avião.

História

Terreiro do Paço: Chaimites param no vermelho

Pouco antes das seis da manhã do 25 de Abril, os militares chegam ao Terreiro do Paço, a zona onde se situava a maior parte dos Ministérios portugueses. A caminho da baixa lisboeta, a coluna militar parou num semáforo vermelho. "Achei que era demais parar a revolução ao sinal vermelho. […] Mando avançar", recordaria o capitão Salgueiro Maia, citado pelo jornal português Expresso.

História

Terreiro do Paço: Menos carros e Ministérios

O Terreiro do Paço (cujo nome oficial é Praça do Comércio) é um cartão de visita da capital portuguesa. As vias laterais da praça lisboeta foram fechadas. O Terreiro do Paço deixou de servir como um grande parque de estacionamento e restaurantes e cafés ocupam agora as arcadas, muito frequentadas pelos turistas. Vários Ministérios e a Bolsa de Lisboa já não estão nos edifícios à volta da praça.

História

Cais das Colunas: O braço de ferro

Às 9h00 de 25 de Abril, a fragata "Almirante Gago Coutinho" posiciona-se frente ao Cais das Colunas – é um sinal de que o regime de Marcello Caetano não cederá tão facilmente às forças revolucionárias do Movimento das Forças Armadas (MFA). Os homens da Escola Prática de Cavalaria (EPC) de Santarém, liderados por Salgueiro Maia, ficam em perigo, mas a fragata recusa disparar.

História

Cais das Colunas: Os turistas

O Cais das Colunas, na baixa lisboeta, é hoje em dia um ponto predileto dos turistas que visitam a capital portuguesa. A renovação da Ribeira das Naus, a avenida que liga o Cais das Colunas e o Terreiro do Paço ao Caís do Sodré, tornou a área muito mais atrativa. Nestas águas navegam sobretudo "ferry-boats", que ligam Lisboa a portos como Cacilhas, Seixal e Barreiro, na outra margem do rio Tejo.

História

Quartel do Carmo: Onde tudo se decidiu

Ao receber informações sobre a revolução, o presidente do Conselho de Ministros, Marcello Caetano, refugiou-se no quartel da Guarda Nacional Republicana (GNR), no Largo do Carmo. Os homens de Salgueiro Maia foram no seu encalço. Como Caetano não dá sinais de se render, o Posto de Comando do MFA manda abrir fogo. Depois de uma rajada de metralhadora, Caetano acaba por ceder. A população festeja.

História

Quartel do Carmo: Dia-a-dia pacato

Hoje em dia, os guardas da GNR têm uma vida tranquila no Largo do Carmo. Só as fotos dos turistas interrompem o dia-a-dia pacato. No centro do largo, uma placa recorda o cerco de Salgueiro Maia. Na altura, Marcello Caetano fez questão de "passar o poder" ao general António de Spínola e não ao capitão Salgueiro Maia, pois queria entregá-lo a um oficial-general.

História

Sede da PIDE: Mortos na Revolução dos Cravos

Foi aqui, à Rua António Maria Cardoso, que muitos populares se dirigiram, em fúria, no dia da revolução. Agentes da polícia política PIDE/DGS tentaram resistir e dispararam. Dezenas de pessoas ficaram feridas, quatro morreram. Foram os únicos mortos na revolução que ficou conhecida por ter cravos vermelhos a sair dos canos das espingardas dos militares em vez de balas.

História

Sede da PIDE: Condomínio de luxo em vez de centro de memória

O edifício da PIDE/DGS é hoje um condomínio de luxo. Durante a construção dos apartamentos, todo o interior foi destruído. Ao contrário da sede da Stasi, os serviços secretos da Alemanha Oriental (RDA), que foi transformada em museu, nada resta da história das violações dos direitos humanos em Portugal e nas províncias ultramarinas que a PIDE/DGS coordenou a partir da Rua António Maria Cardoso.

História

Prisão de Caxias: O sabor da liberdade

Muitos opositores foram silenciados pelas paredes da prisão de Caxias. No dia 26 de abril, um dia depois da revolução, os presos políticos foram libertados. O Estado Novo, de António Salazar e Marcello Caetano, calou muitas vozes críticas. E chegou a matar: o assassínio do general Humberto Delgado pela PIDE em 1965 é prova disso.

História

Prisão de Caxias: De delitos políticos para delitos comuns

Caxias tem ainda hoje uma prisão, mas para presos de delito comum. Em 2014, quatro décadas depois do 25 de Abril, construiu-se uma nova ala no Estabelecimento Prisional de Caxias. A capacidade da cadeia passou de 270 para 505 lugares.

História

Estação de Santa Apolónia: Mário Soares regressa do exílio em França

No dia 28 de abril de 1974, uma multidão veio à estação de Santa Apolónia receber Mário Soares. O líder socialista foi o primeiro exilado político a chegar a Portugal depois da Revolução dos Cravos. Soares fez um breve discurso na varanda, de megafone na mão. Soares foi Ministro dos Negócios Estrangeiros, de maio de 1974 a março de 1975, e coordenou o processo da independência das colónias.

História

Estação de Santa Apolónia: Memórias abafadas

"Há alguém que tenha estado aqui no dia 28 de abril de 1974?", perguntámos na bilheteira. "Não, creio que sou a mais velha aqui", diz uma das funcionárias, olhando para os colegas do lado. "Lembro-me disso, lembro-me de ver na televisão, mas ainda não trabalhava aqui." Na estação, esse episódio de há quarenta anos parece ter sido abafado pelo ruído constante das chegadas e saídas dos comboios.

História

Estádio 1º de Maio: Discurso de rivais

A 1 de maio de 1974, centenas de milhares de portugueses foram para as ruas comemorar o Dia do Trabalhador. Mário Soares (Partido Socialista - PS) e Álvaro Cunhal (Partido Comunista Português - PCP), ambos opositores mas rivais entre si, discursaram perante uma multidão no Estádio 1º de Maio, em Lisboa. Homens e mulheres gritavam palavras de ordem: "Vitória! Vitória!", os dedos de muitos em "V".

História

Estádio 1º de Maio: Desporto em vez de política

O estádio é usado hoje pela Fundação INATEL. Miúdos e graúdos vêm para aqui praticar desporto. A Fundação INATEL é hoje tutelada pelo Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social, mas as suas origens remontam à época de Salazar. Foi criada pelo regime fascista em 1935 como Fundação Nacional para a Alegria no Trabalho (FNAT).

Guiné-Bissau – independência no dia 10 de setembro de 1974

Assistir ao vídeo 09:52
Ao vivo agora
09:52 min
27.05.2014

Entrevista Manuel dos Santos

Assistir ao vídeo 10:06
Ao vivo agora
10:06 min
27.05.2014

Entrevista Carmen Pereira

Assistir ao vídeo 11:42
Ao vivo agora
11:42 min
03.07.2014

Entrevista Lilica Boal

Política

Luís de Almeida Cabral (1973-1980)

Luís de Almeida Cabral foi um dos fundadores do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) e também o primeiro Presidente da Guiné-Bissau - em 1973/4. Luís Cabral ocupou o cargo até 1980, data em que foi deposto por um golpe de Estado militar. O antigo contabilista faleceu, em 2009, vítima de doença prolongada.

Política

João Bernardo Vieira (1980/1994/2005)

Mais conhecido por “Nino” Vieira, este é o político que mais anos soma no poder da Guiné-Bissau. Filiado no PAIGC desde os 21 anos, João Bernardo Vieira tornou-se primeiro-ministro em 1978, tendo sido com este cargo que derrubou, através de um golpe de Estado, em 1980, o governo de Cabral. "Nino" ganhou as eleições no país em 1994 e, posteriormente, em 2005. Foi assassinado quatro anos mais tarde.

Política

Carmen Pereira (1984)

Em 1984, altura em que ocupava a presidência da Assembleia Nacional Popular, Carmen Pereira assumiu o "comando" da Guiné-Bissau, no entanto, apenas por três dias. Carmen Pereira, que foi a primeira e única mulher na presidência deste país, foi ainda ministra de Estado para os Assuntos Sociais (1990/1) e Vice-Primeira-Ministra da Guiné-Bissau até 1992. Faleceu em junho de 2016.

Política

Ansumane Mané (1999)

Nascido na Gâmbia, Ansumane Mané foi quem iniciou o levantamento militar que viria a resultar, em maio de 1999, na demissão de João Bernardo Vieira como Presidente da República. Ansumane Mané foi assassinado um ano depois.

Política

Kumba Ialá (2000)

Kumba Ialá chega, em 2000, à presidência da Guiné-Bissau depois de nas eleições de 1994 ter sido derrotado por João Bernardo Vieira. O fundador do Partido para a Renovação Social (PRS) tomou posse a 17 de fevereiro, no entanto, também não conseguiu levar o seu mandato até ao fim, tendo sido levado a cabo no país, a 14 de setembro de 2003, mais um golpe militar. Faleceu em 2014.

Política

Veríssimo Seabra (2003)

O responsável pela queda do governo de Kumba Ialá foi o general Veríssimo Correia Seabra, Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas. Filiado no PAIGC desde os 16 anos, Correia Seabra acusou Ialá de abuso de poder, prisões arbitrárias e fraude eleitoral no período de recenseamento. O general Veríssimo Correia Seabra viria a ser assassinado em outubro de 2004.

Política

Henrique Rosa (2003)

Seguiu-se o governo civil provisório comandado por Henrique Rosa que vigorou de 28 de setembro de 2003 até 1 de outubro de 2005. O empresário, nascido em 1946, conduziu o país até às eleições presidenciais de 2005 que deram, mais uma vez, a vitória a “Nino” Vieira. O guineense faleceu, em 2013, aos 66 anos, no Hospital de São João, no Porto.

Política

Raimundo Pereira (2009/2012)

A 2 de março de 2009, dia da morte de Nino Vieira, o exército declarou Raimundo Pereira como Presidente da Assembleia Nacional do Povo da Guiné-Bissau. Raimundo Pereira viria a assumir de novo a presidência interina da Guiné-Bissau, a 9 de janeiro de 2012, aquando da morte de Malam Bacai Sanhá.

Política

Malam Bacai Sanhá (1999/2009)

Em julho de 2009, Bacai Sanhá foi eleito presidente da Guiné Bissau pelo PAIGC. No entanto, a saúde viria a passar-lhe uma rasteira, tendo falecido, em Paris, no inicio do ano de 2012. Depois de dirigir a Assembleia Nacional de 1994 a 1998, Bacai Sanhá ocupou também o cargo de Presidente interino do seu país de maio de 1999 a fevereiro de 2000.

Política

Manuel Serifo Nhamadjo (2012)

Militante do PAIGC desde 1975, Serifo Nhamadjo assumiu o cargo de Presidente de transição a 11 de maio de 2012, depois do golpe de Estado levado a cabo a 12 de abril de 2012. Este período de transição terminou com as eleições de 2014, que foram vencidas por José Mário Vaz. A posse de “Jomav” como Presidente marcou o regresso do país à ordem constitucional no dia 26 de junho de 2014.

Moçambique – independência no dia 25 de junho de 1975

Assistir ao vídeo 08:59
Ao vivo agora
08:59 min
História | 10.04.2014

Entrevista Sérgio Vieira

Assistir ao vídeo 09:49
Ao vivo agora
09:49 min
08.04.2014

Entrevista Geraldina Mwitu

Lembranças dos tempos coloniais alemães

De 1888 a 1891, Bagamoyo foi capital da colónia África Oriental Alemã, atual Tanzânia. Ainda hoje, os edifícios coloniais – como o da foto – lembram aquela época. Em 1916, a colónia alemã tornou-se britânica e, em 1961, conquistou a independência como Tanganica. Pouco depois, começaram as primeiras ambições independentistas no vizinho Moçambique, então colónia portuguesa.

A casa do primeiro presidente

O primeiro presidente de Moçambique após a independência, Samora Machel, morou nesta casa. Tanganica apoiava o movimento moçambicano pela independência. Em 1962, ano de fundação da Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO, hoje no poder) em Dar Es Salaam, na Tanzânia, surgiu a escola do movimento em Bagamoyo. As instalações ficam a cerca de 5 km a sul de Bagamoyo.

Educação para uma nova sociedade

A partir de Bagamoyo, a FRELIMO planeou a independência de Moçambique, ex-colónia portuguesa. Um dos pilares da nova sociedade moçambicana deveria ser a educação. Na altura da independência, em 1975, grande parte da população moçambicana não sabia nem ler, nem escrever. Cinco anos depois, em 1980, a ONU ainda contava 73% de analfabetos. Em 2009, a taxa caiu para 45%.

Ajuda da Tanzânia

Placas apontam para a história do edifício da escola da FRELIMO – esta diz que o prédio da foto era um dormitório para combatentes pela libertação moçambicana. Durante as lutas pela independência de Portugal, a FRELIMO obteve ajuda da Tanzânia, já independente, e pôde estabelecer bases neste país vizinho, a norte de Moçambique.

Celeiro de dirigentes

Importantes personalidades atuavam no projeto educacional da FRELIMO no exílio, como nesta sala de aulas, em Bagamoyo. Um exemplo destas personalidades é a ex-vice-diretora da escola da FRELIMO no local, Graça Machel, viúva de Samora Machel. Posteriormente, ela tornou-se ministra da Educação de Moçambique e ficou conhecida como a atual esposa do antigo presidente sul-africano, Nelson Mandela.

Sobras dos potenciais intelectuais

Esta casa de lata costumava ser uma sala de estudos. Mais tarde, uma biblioteca. Agora, as instalações estão vazias. Muitos dos antigos alunos da escola da FRELIMO em Bagamoyo acabaram por ocupar cargos importantes em Moçambique, como em ministérios. Atualmente, muitos também trabalham nas universidades do país.

A Kaole High School

Depois da independência de Moçambique, os combatentes da FRELIMO saíram de Bagamoyo. Entre 1975 e 2011, a "Kaole High School" (escola secundária Kaole) passou a funcionar no local. Para que os alunos pudessem encurtar o caminho até a sala de aula, as autoridades educacionais tanzanianas construíram uma escola no centro de Bagamoyo. Na foto, um antigo dormitório.

Decadência

Poucos meses depois do fechamento da "Kaole High School", as condições dos edifícios era catastrófica. Os bancos de madeira estão sujos, cabras defecam nas antigas salas de aula, janelas e portas estão demolidas.

Descaso das autoridades?

As autoridades escolares da Tanzânia praticamente desistiram dos edifícios da antiga escola da FRELIMO. O governo moçambicano também não agiu para preservar a área – um dos pilares da história do país.

Cabo Verde – independência no dia 5 de julho de 1975

Assistir ao vídeo 12:34
Ao vivo agora
12:34 min
Política | 27.08.2014

Pedro Pires: "Fui um negociador astuto"

Bastião de tortura

Construído numa das regiões mais agrestes de Cabo Verde, o Campo de Concentração do Tarrafal foi, nas palavras do então preso político cabo-verdiano Pedro Martins, “um sítio planificado, desenhado e construído para fazer sofrer as pessoas”. Para os detidos que por aí passaram, o local ficará para sempre nas suas memórias como o “Campo da Morte Lenta" devido ao regime a que eram submetidos.

Colónia para desterrados

Situada no concelho do Tarrafal, na ilha cabo-verdiana de Santiago, começou por chamar-se Colónia Penal. Entre 1936 e 1954 recebeu presos políticos portugueses desterrados pelo Governo do Estado Novo. Reabriu em 1961 para aí serem internados militantes anti-regime das colónias portuguesas de Angola, Cabo Verde e Guiné.

Inspirado nos campos nazis

O modo de funcionamento do Tarrafal e a forma como eram tratados os presos eram semelhantes aos de outros campos de concentração existentes no mundo. Castigos, tortura, trabalhos forçados, má alimentação e falta de assistência médica faziam parte do dia-a-dia dos detidos. A maior parte das detenções era feita de forma arbitrária.

“Não estou aqui para curar”

Doenças como o paludismo e a biliose ceifaram muitas vidas no Tarrafal. O pequeno posto de socorro aí existente, dividido em duas salas, também servia de casa mortuária. “Não estou aqui para curar, mas para passar certidões de óbito”, afirmava Esmeraldo Pais Prata, o médico do campo que tinha a alcunha de “Tralheira”. Gostava de assistir aos espancamentos e a dor dos presos deixava-o indiferente.

Ala dos presos cabo-verdianos

Os primeiros presos políticos de Cabo Verde foram internados no Tarrafal em 1968. O espaço onde estavam detidos era de tal modo exíguo que se tinham de acomodar "como sardinhas enlatadas”, recorda Pedro Martins, que foi detido quando tinha apenas 19 anos. Ao fundo da sala ficava a casa-de-banho, onde através de um transístor clandestino escutavam várias emissoras. Era a famosa "rádio retrete".

Sobreviver à alimentação

Era nesta cozinha que eram preparadas as refeições dos presos. Segundo os detidos, a alimentação era “péssima” e muito pouco diversificada. “Cachupa com uns vestígios de atum era-nos servida diariamente”, descreve Pedro Martins no livro “Testemunho de um Combatente”. Quando se recusavam a comer peixe estragado, “que nem os cães seriam capazes de comer”, o diretor mandava cortar-lhes as refeições.

Quotidiano duro

Nos dias de faxina, os detidos eram obrigados a carregar água em latas suspensas por um fio de arame. E também tinham de carregar a água para lavar as suas roupas para as tinas de betão armado. “Às vezes escasseava a água e tínhamos que a racionar”, lê-se no livro “Testemunho de um Combatente”. Nos meses mais quentes, a temperatura nas celas facilmente ultrapassava os 40 graus.

Testemunhos de sobreviventes

Na antiga cela dos presos políticos angolanos, uma exposição dá a conhecer os rostos de quem sobreviveu ao “Campo da Morte Lenta”. E testemunhos de Angola, Moçambique e Cabo Verde. “A ideia principal era: vim para aqui e não sei se sairei daqui”, lê-se no poster do angolano Vicente Pinto de Andrade, que esteve aqui encarcerado entre 1970 e 1974, juntamente com o seu irmão Justino Pinto de Andrade.

A temida "Frigideira"

Também conhecida como “câmara de torturas”, a “Frigideira” era uma caixa rectangular em cimento armado, dividida ao meio, com proporções para conter dois homens. Tinha uma porta em chapa de ferro com cinco pequenos furos na base, em cada divisória, e uma pequena grade de ferro no topo esquerdo. A temperatura aqui podia chegar aos 60 graus, segundo os detidos.

Tortura na “Holandinha”

No lugar da “Frigideira” foi construída outra cela disciplinar, "pouco mais alta que um homem em pé", com uma pequena janela de grades. Segundo os presos, era um “autêntico forno” onde não tinham capacidade de movimentos. A este cubículo de cimento, que ficava dentro de um espaço anexo à cozinha, deu-se o nome de “Holandinha”, numa referência ao país para onde partiam muitos cabo-verdianos.

Comunicação entre presos

A muito custo, os nacionalistas africanos das colónias conseguiam, por vezes, comunicar entre si. Com a ajuda de alguns guardas “infiltrados”, os presos cabo-verdianos enviavam bilhetes aos angolanos que estavam do outro lado do campo, a quem também procuravam aliviar o sofrimento quando estes eram enviados para a “Holandinha”. Tudo feito sob uma “pressão enorme”, recordam hoje os presos.

Estudar atrás das grades

No recinto existia também esta biblioteca, cuja instalação foi autorizada ainda na década de 40. Muitos camponeses aprenderam a ler e a escrever no Tarrafal. Segundo o cabo-verdiano Pedro Martins, quase todos os detidos na sua ala passaram a estudar e organizavam-se até horários de estudo. Os presos com mais instrução chegaram a dar formação política aos restantes companheiros.

Vítimas mortais

A detenção no Tarrafal custou a vida a 36 presos políticos: 32 portugueses, dois angolanos e dois guineenses. Entre as vítimas mortais de origem lusa inclui-se Bento Gonçalves, então secretário-geral do Partido Comunista Português (PCP). Entretanto, vários outros morreram já depois da sua libertação, em consequência dos maus tratos e das condições de vida no campo de concentração.

O dia da libertação

Foi por aqui que saíram os últimos presos do Tarrafal, no dia 1 de maio de 1974, uma semana depois da Revolução dos Cravos em Portugal. “O Tarrafal era uma prisão para o resto da vida. Se não fosse o 25 de Abril iríamos morrer todos lá”, afirmou o angolano Joel Pessoa. Nessa altura, a libertação dos presos políticos era uma das principais exigências da população.

Espaço meio abandonado

O campo do Tarrafal só foi definitivamente extinto em 1975. Acabaria por ser transformado em Museu da Resistência, em 2009. Atualmente, o espaço-símbolo da resistência anticolonialista encontra-se em estado de semi-abandono e sem grandes cuidados. Entretanto, o Governo cabo-verdiano constituiu uma comissão para preparar a candidatura do campo a Património Mundial da UNESCO.

São Tomé e Príncipe – independência no dia 12 de julho de 1975

História

Nas montanhas: a Roça Agostinho Neto

A roça organiza-se através da artéria principal que é fortemente marcada pelo imponente hospital, implantado na extremidade mais elevada, bem como pelos terreiros e socalcos que acompanham o declive. Na era colonial era esta roça que possuia o sistema ferroviário do arquipélago, a partir do qual se estabelecia a ligação e o abastecimento entre as suas dependências e o porto na Roça Fernão Dias.

História

Uma roça memorial e emblemática

A Roça Agostinho Neto recebeu este nome após a independência nacional em 1975, em memória do primeiro Presidente de Angola. É uma das mais emblemáticas e impressionantes estruturas agrícolas do país. Situa-se no distrito de Lobata, norte da ilha de São Tomé, a 10 quilómetros da capital. Foi fundada em 1865 pelo Dr. Gabriel de Bustamane e foi explorada a partir de 1877, pelo Marquês de Vale Flor.

História

Aqui começou a cultura do cacau

Fundada nos finais do século XVIII, a Roça Água-Izé foi a primeira da Ilha de São Tomé que implementou a cultura de cacau. José Ferreira Gomes trouxe a planta do Brasil para a Ilha do Princípe, inicialmente como uma planta ornamental, mas a cultura do cacau prosperou no arquipélago e tornou as ilhas o maior produtor de cacau a nível mundial. Esta roça é composta por nove dependências.

História

O hospital da Roça Água-Izé

Implantada numa zona litoral, a Roça Água-Izé é o exemplo mais representativo da necessidade de expansão. Essa urgência levou à construção de um segundo hospital, de novos blocos de senzalas e edíficios de apoio à produção, como armazéns, fábricas de sabão e cocheiras.

História

A Roça Uba Budo

Localizada na parte leste da ilha de São Tomé, no distrito de Cantagalo, esta roça foi fundada em 1875. Pertenceu à Companhia Agrícola Ultramarina, administrada na altura pelo general português Humberto Gomes Amorim. A principal cultura na Roça Uba Budo era o cacau.

História

Cenário de televisão

Nos anos 90, a Roça Uba Budo foi o cenário escolhido pela RTP Internacional, o canal internacional da televisão pública de Portugal, para rodar uma série televisiva. Retratava a história de amor entre uma escrava e o seu patrão.

História

Uma das mais antigas: a Roça Monte Café

A Roça Monte Café localiza-se numa zona bastante acidentada, na região de Mé-Zóchi, no centro da Ilha de São Tomé. É uma das mais antigas roças do país, tendo sido fundada em 1858, por Manuel da Costa Pedreira. A 670 metros de altitude, em terrenos bastante propícios para a cultura de café arábica, assumiu o lugar de destaque como a maior produtora de café, entre as restantes roças são-tomenses.

História

Uma pequena cidade: Roça Roca Amparo

O desenvolvimento e a modernização das estruturas das roças, originaram um contínuo crescimento de espaços e equipamentos, e a Roça Roca Amparo é um exemplo disso. Esta evolução permitiu que se criasse uma malha de ruas, jardins e praças, cada qual com a sua função e importância. O processo de crescimento correspondia ao de uma pequena cidade.

História

Uma noite na roça

A Roça Bombaim localiza-se em Mé-Zóchi, um dos distritos mais populosos de São Tomé. Bombaim é uma das unidade hoteleiras de referência do arquipélago que promove o turismo rural. Encravada no meio de uma floresta densa, a sua estrutura arquitetónica faz dela um espaço único para quem procura paz. Para se aceder à roça passa-se pela Cascata S. Nicolau, um dos encantos são-tomenses.

História

A Roça Vista Alegre

A casa principal da Roça Vista Alegre constitui um dos exemplos arquitetónicos de maior interesse. Desenvolve-se sobre uma planta retangular em dois pisos, parcialmente elevada e um terceiro, formando apreendas apoiadas em pilares contínuos de madeira. Conserva-se ainda em estado razoável, devido às intervenções na casa principal, sendo que os restantes edifícios requerem obras de restauro.

História

As senzalas - antigas casas dos escravos

Representa a casa do africano, oriunda do quimbundo angolano e referenciada nas pequenas povoações autóctones, formadas por cubatas (pequenas casas de madeira com cobertura de colmo). Com a exportação de mão de obra africana para o Brasil ao longo do século XVI, a dominação "senzala" foi aplicada ao conjunto habitacional onde residiam os trabalhadores escravos nas estruturas agrárias.

História

Na Roça Boa Entrada, a maioria é pobre

Hoje, a Roça Boa Entrada é habitada por pessoas de diversas proveniências. Umas vieram de outras roças do país e outras vieram de outros países de África, principalmente de Cabo Verde. A maioria da população de Boa Entrada é pobre. A roça tem uma forte densidade populacional e uma grande concentração de pessoas num espaço relativamente reduzido e organizado em torno da antiga casa senhorial.

História

O abandono das roças

A Roça Porto Real, localizada na Ilha do Princípe, faz parte das 15 grandes unidades agro-industriais criadas depois da independência e sucessivamente abandonadas. Antigamente, a roça tinha uma produção agrícola variada. Há quem diga que produzia o melhor óleo da palma de toda a ilha.

Angola – independência no dia 11 de novembro de 1975

Assistir ao vídeo 12:37
Ao vivo agora
12:37 min
18.06.2014

Entrevista Justino Pinto de Andrade

Assistir ao vídeo 07:48
Ao vivo agora
07:48 min
04.09.2013

Entrevista Júlio Baião

Albanian Shqip

Amharic አማርኛ

Arabic العربية

Bengali বাংলা

Bosnian B/H/S

Bulgarian Български

Chinese (Simplified) 简

Chinese (Traditional) 繁

Croatian Hrvatski

Dari دری

English English

French Français

German Deutsch

Greek Ελληνικά

Hausa Hausa

Hindi हिन्दी

Indonesian Indonesia

Kiswahili Kiswahili

Macedonian Македонски

Pashto پښتو

Persian فارسی

Polish Polski

Portuguese Português para África

Portuguese Português do Brasil

Romanian Română

Russian Русский

Serbian Српски/Srpski

Spanish Español

Turkish Türkçe

Ukrainian Українська

Urdu اردو