Angola

Pacientes do Hospital do Lubango obrigados a consumir comida cara da instituição

Pacientes do Hospital Geral do Lubango, Angola, dizem que não têm escolha: ou compram refeições no hospital, ou não comem. Acusam o hospital de não os autorizarem a consumir alimentos confecionados fora do hospital.

default

Hospital Geral do Lubango, província da Huíla, Angola

Augusto Narciso fraturou a perna direita num acidente de motorizada e está há mais de duas semanas internado no Hospital Geral do Lubango, no sul de Angola. Mas Augusto só está autorizado a comer as refeições vendidas pelo hospital. Cada refeição custa dois mil kwanzas, o equivalente a 11 euros, a mais cara. Se ele quiser comprar comida mais barata fora do hospital, não pode:

Augusto Narciso fraturou a perna direita num acidente de motorizada e está há mais de duas semanas no Hospital Geral do Lubango, província da Huíla, sul de Angola. Mas Augusto só está autorizado a comer as refeições vendidas no hospital. Cada refeição custa dois mil kwanzas, o equivalente a 11 euros, a mais cara.

Patient in Lubango Krankenshaus
in Angola

Paciente do Hospital Geral do Lubango

Se ele quiser comprar comida mais barata fora do hospital, não pode: "Isto é absurdo! A minha comida está proibida de entrar aqui. Se eu tiver dinheiro para ir comprar aí em baixo no restaurante eles aceitam. E só pegar a tigela entregar e dinheiro que compram aí. Se eu quiser um sumo eles aceitam. Mas se eu pedir para irem comprar lá fora não aceitam. Assim estamos a viver como?"

Cada refeição que Augusto compra é apontada numa lista do restaurante no hospital. No dia em que tiver alta, antes de sair, o paciente terá de pagar a conta.

Maria dos Santos Ndavipwa terá de fazer o mesmo. Ela foi sujeita a uma operação cirúrgica há dias e está agora na fase de recuperação. E ela lamenta: "Custa viver. Vou fazer como? A pessoa vai recuperar como assim? Não dá." Maria diz que prefere ir para casa e fazer tratamento ambulatório, para não ter de gastar tanto dinheiro no restaurante do hospital.

Críticas ao Governo

Ouvir o áudio 02:09

Pacientes do Hospital do Lubango obrigados a consumir comida cara da instituição

No Lubango, o padre Jacinto Pio Wacussanga critica esta prática, classificando-a como um ato desumano: ¨Eu não sei quem aconselha os governantes a procederem desta maneira. Trata-se de um ato de completa desumanidade, não tem explicação; é um absurdo para uma República que se considera um Estado Democrático e de Direito ¨

A DW África tentou ouvir os responsáveis do Hospital Central do Lubango e as autoridades de saúde da província da Huíla, mas ninguém se mostrou disponível para falar.

O paciente Lourenço Gouveia apela ao Governo para mudar a situação no hospital: ¨Estamos a ver que o Governo não repara nisso, o que nos põe em pânico pois somos cidadãos angolanos e merecemos direitos iguais. Estamos a ver que somos atirados a sorte do diabo e assim não temos saída¨.

 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados

Albanian Shqip

Amharic አማርኛ

Arabic العربية

Bengali বাংলা

Bosnian B/H/S

Bulgarian Български

Chinese (Simplified) 简

Chinese (Traditional) 繁

Croatian Hrvatski

Dari دری

English English

French Français

German Deutsch

Greek Ελληνικά

Hausa Hausa

Hindi हिन्दी

Indonesian Bahasa Indonesia

Kiswahili Kiswahili

Macedonian Македонски

Pashto پښتو

Persian فارسی

Polish Polski

Portuguese Português para África

Portuguese Português do Brasil

Romanian Română

Russian Русский

Serbian Српски/Srpski

Spanish Español

Turkish Türkçe

Ukrainian Українська

Urdu اردو