Moçambique

Professores em greve por tempo indeterminado em Xai-Xai

A paralisação dos professores na cidade moçambicana de Xai-Xai começou na semana passada. Em causa está o não pagamento de horas extraordinárias, que se arrasta desde 2015. Greve pode afetar milhares de alunos em Gaza.

default

Greve tende a alastrar-se pelos distritos da província de Gaza

Há mais de 7.200 professores que não receberam horas extraordinárias em toda a província de Gaza. A greve tende a alastrar-se pelos distritos e poderá afetar o aproveitamento de milhares de alunos, alguns dos quais com exames finais já a partir de novembro.

Ainda assim, persiste o braço-de-ferro entre professores e o governo provincial. E os docentes em greve já avisaram que não vão retomar as aulas enquanto não for liquidada a dívida. "Se não se pagar o dinheiro, não estou disponível para dar aulas", diz Azarias Mondlane, professor na cidade de Xai-Xai. "Depois deste ar quente arrefecer, não queremos uma onda de perseguição", apela ainda o docente.

Indignado está também João Matsinhe, outro professor que, em sinal de protesto, não se apresenta na escola para dar aulas desde a semana passada. "Estou certo que vou para o cemitério sem receber esse dinheiro", afirma o docente, lamentando que a crise em Moçambique afete sobretudo os professores. "Se é crise, vamos sofrer todos", sublinha.

Milhões de meticais em dívida

O Governo provincial deve aos professores 131 milhões de meticais (equivalente a mais de dois milhões de dólares). Em causa estão horas extraordinárias e segundos turnos referentes ao triénio 2015/16 e 2017.

Ouvir o áudio 02:54

Professores em greve por tempo indeterminado em Xai-Xai

A diretora provincial de Economia e Finanças,  Romana Baulana, não revela até quando estará disponível o dinheiro. Apenas garante que a programação financeira está feita no e-SISTAFE, a plataforma informática através da qual o Estado procede ao pagamento dos salários.

Com a crise económica e financeira, justifica Romana Baulana, a direcção provincial está dependente dos recursos internos, "que entram na medida do possível", explica. "O Tesouro vai desembolsando à medida que vai tendo os recursos. Por isso, não posso dizer que amanhã o Tesouro vai tirar todo o dinheiro", acrescenta.

Segundo a diretora provincial de Economia e Finanças, os recorrentes atrasos no pagamento devem-se, em parte, à existência de professores "fantasma" . Por causa do elevado número de professores com horas extraordinárias, o governo provincial mandou verificar nas escolas os beneficiários legítimos e apurou que houve um processamento indevido de horas que iria lesar o Estado em 11 milhões de meticais.

A governadora de Gaza, Stella Pinto Novo Zeca, reagiu à greve, afirmando que "nada justifica" paralisar as aulas. "Existe um estatuto dos funcionários e agentes do Estado e eles poderão ser responsabilizados por isso", avisa. "Os principais prejudicados são as crianças e essas crianças são primos, filhos, são parentes nossos", lembra a governadora.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados

Albanian Shqip

Amharic አማርኛ

Arabic العربية

Bengali বাংলা

Bosnian B/H/S

Bulgarian Български

Chinese (Simplified) 简

Chinese (Traditional) 繁

Croatian Hrvatski

Dari دری

English English

French Français

German Deutsch

Greek Ελληνικά

Hausa Hausa

Hindi हिन्दी

Indonesian Bahasa Indonesia

Kiswahili Kiswahili

Macedonian Македонски

Pashto پښتو

Persian فارسی

Polish Polski

Portuguese Português para África

Portuguese Português do Brasil

Romanian Română

Russian Русский

Serbian Српски/Srpski

Spanish Español

Turkish Türkçe

Ukrainian Українська

Urdu اردو