Angola

"Que mais provas o Serviço de Investigação criminal (SIC) quer?" pergunta Rafael Marques

Adiada a publicação do relatório "O Campo da Morte" para que as novas autoridades angolanas tomem contacto direto com o documento.

Rafael Marques (DW/C. Vieira Teixeira)

O mais recente trabalho de investigação do jornalista e ativista Rafael Marques intitulado "O Campo da Morte", que deveria ter sido publicado na quarta-feira (29.11.), só será divulgado daqui a cinco dias, em resposta a um pedido de adiamento para que as novas autoridades de Angola possam ter contacto direto com o documento, disse em entrevista à DW África Rafael Marques.

"Recebi um pedido para adiar a publicação do relatório para que o documento seja encaminhado a quem de direito para que possa tomar medidas no sentido de aferirem o grau de comprometimento do novo Presidente para com a questão dos direitos humanos. E eu como cidadão engajado nas causas dos direitos humanos e por ser uma pessoa do diálogo, acedi  aguardar por cinco dias para que então as novas autoridades tomem contacto direto com o relatório. Mas também devo acrescentar que o ministro do Interior é o mesmo do Governo anterior e portanto já tem os casos. Mas vamos utilizar outras vias para que outras entidades tenham acesso à informação antes de ser divulgado publicamente".

Em resposta à pergunta se este compasso de espera (cinco dias) pode ser interpretado como um teste ao Presidente de Angola, João Lourenço, no que concerne a uma nova postura em relação aos direitos humanos no país, Rafael Marques afirmou que "fiz o meu trabalho como cidadão e espero que o Presidente faça o seu. Agora não vou dar uma opinião se o Presidente vai ou não respeitar os direitos humanos. Vou esperar para ver qual é a reação oficial porque a primeira reação oficial, a do senhor Amaro Neto (diretor provincial do Serviço de Investigação Criminal - SIC), é péssima, porque ele também falou em nome de uma instituição do Estado angolano".

Diamantes de Sangue (Tinta da China)

"Diamantes de Sangue", livro de Rafael Marques sobre a corrupção e tortura em Angola (2011)

O serviço de Investigação Criminal angolano, na verdade já rejeitou o conteúdo do relatório "O campo da Morte". O diretor provincial de Luanda do SIC, Amaro Neto, afirmou à imprensa na passada terça-feira (28.11.) que "os esquadrões da morte, em Angola, nunca existiram". Mas Marques considera muito estranho este pronunciamento. "Os esquadrões da morte existem e são indivíduos que operam sob responsabilidade do SIC e estão a dizimar dezenas de jovens nos municípios de Viana, de Cacuaco...são casos bem documentados e muitos assassinos são bem conhecidos. Por isso mesmo acho muito estranho que o departamento de investigação não tenha tido a preocupação de antes inteirar-se dos casos. O mesmo diretor provincial do SIC disse que iria enviar o caso à Procuradoria-Geral da República. E digo mais, este senhor Amaro Neto será responsabilizado pelo que disse porque é uma prova de que ele está a dar cobertura a esses assassinos".

Ouvir o áudio 03:33

"Que mais provas o Serviço de Investigação criminal (SIC) quer? pergunta Rafael Marques

E o investigador e jornalista angolano vai mais longe ao afirmar que "escrevi aos ministros do Interior e da Justiça e dos Direitos Humanos em abril reportando-lhe esses casos, carta essa com cópias ao Procurador-Geral da República, ao Comandante-Geral da polícia nacional e ao presidente da Assembleia Nacional. E aí se vê que ou o diretor do SIC está a mentir ou então o ministro. Repito, todos eles estão informados desde abril. Agora pergunto: porque é que só agora se pronunciam? Porque é que só agora falam da investigação e não quando receberam os casos numa altura que nem sequer havia conversa pública?".

Nesta quinta-feira (30.11.), Rafael Marques, denunciou um novo caso relacionado com as execuções sumárias, no qual a mãe vê quem mata o filho. "Trata-se de um oficial operativo do SIC no Comando de Divisão da polícia nacional no município de Cazenga. Este mesmo assassino foi ao funeral da sua vítima acompanhado por oficiais da polícia porque o pai da vítima é um oficial do Serviço de Emigração e Estrangeiros e não lhe aconteceu absolutamente nada com a proteção da polícia. Que mais provas o SIC quer", conclui Rafael Marques

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados

Albanian Shqip

Amharic አማርኛ

Arabic العربية

Bengali বাংলা

Bosnian B/H/S

Bulgarian Български

Chinese (Simplified) 简

Chinese (Traditional) 繁

Croatian Hrvatski

Dari دری

English English

French Français

German Deutsch

Greek Ελληνικά

Hausa Hausa

Hindi हिन्दी

Indonesian Bahasa Indonesia

Kiswahili Kiswahili

Macedonian Македонски

Pashto پښتو

Persian فارسی

Polish Polski

Portuguese Português para África

Portuguese Português do Brasil

Romanian Română

Russian Русский

Serbian Српски/Srpski

Spanish Español

Turkish Türkçe

Ukrainian Українська

Urdu اردو