Moçambique

Tumultos e ataques no norte de Moçambique

A vila de Mocímboa da Praia, no norte de Moçambique, é palco de ataques, levados a cabo por desconhecidos armados, desde a madrugada desta quinta-feira. Há relatos de dezenas de feridos. A segurança foi reforçada. 

default

"Homens fortemente armados e com armas contundentes invadiram a vila enfrentando frontalmente a força policial", contou à agência de notícias Lusa um residente na localidade de Mocímboa da Praia, na província de Cabo Delgado. Segundo a mesma fonte, vários polícias deram entrada no banco de socorro do hospital rural.

Um jornalista, que não quis ser identificado, disse à DW África que um grupo "com vestes árabes" assaltou o posto policial de Mocímboa da Praia e apoderou-se de algumas armas e munições. 

A secretária permanente do distrito de Mocímboa da Praia, Rosa Flora, já confirmou os ataques desta quinta-feira (05.10). Em declarações à DW África, a responsável adiantou que membros do Governo local e alguns residentes estão fechados em casa. Uma parte da população refugiou-se nas matas. 

Polícia fala de cinco mortos e de ataques a três postos

Segundo Inácio Dina, porta-voz da polícia moçambicana, cinco pessoas morreram na sequência de ataques por um grupo desconhecido a três postos policiais, durante a madrugada, na província de Cabo Delgado.

Polizei Mosambik (E. Valoi)

Foto ilustrativa: Elementos da polícia moçambicana (Quelimane)

"Essa invasão e ataque foram feitos por mais de 30 homens com armas brancas (catanas) e armas de fogo", acrescentou Dina, durante uma conferência de imprensa, em Maputo.

Entre os cinco mortos, há dois elementos da polícia e os restantes pertenciam ao grupo de desconhecidos que protagonizou o ataque, acrescentou.

De acordo com Inácio Dina, o grupo atacou, quase em simultâneo, o posto de Auazi, a 2.ª Companhia da Polícia de Proteção dos Recursos Naturais e Meio Ambiente e o Comando Distrital da PRM de Mocímboa da Praia.

"Estão a decorrer perseguições e detenções", explicou o porta-voz da polícia, acrescentando que são ainda desconhecidas a origem e intenções do grupo de elementos mascarados, dois dos quais estão detidos para interrogatório.

"Não há indicação da natureza e das motivações", observou Inácio Dina, acrescentando que o grupo se expressava em português, suaíli e quimuane, linguais faladas localmente, concluiu. 

 

Leia mais

Albanian Shqip

Amharic አማርኛ

Arabic العربية

Bengali বাংলা

Bosnian B/H/S

Bulgarian Български

Chinese (Simplified) 简

Chinese (Traditional) 繁

Croatian Hrvatski

Dari دری

English English

French Français

German Deutsch

Greek Ελληνικά

Hausa Hausa

Hindi हिन्दी

Indonesian Bahasa Indonesia

Kiswahili Kiswahili

Macedonian Македонски

Pashto پښتو

Persian فارسی

Polish Polski

Portuguese Português para África

Portuguese Português do Brasil

Romanian Română

Russian Русский

Serbian Српски/Srpski

Spanish Español

Turkish Türkçe

Ukrainian Українська

Urdu اردو