Zimbabué: Novo Governo toma posse com caras antigas | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 04.12.2017

Zimbabué

Zimbabué: Novo Governo toma posse com caras antigas

Tomou posse, esta segunda-feira, o primeiro Executivo do Zimbabué após 37 anos de governação de Robert Mugabe. O Governo inclui antigos ministros de Mugabe e militares. Oposição ficou de fora.

default

A prioridade do novo Governo zimbabueano é revitalizar a economia do país, anunciou esta segunda-feira (04.12) o Presidente Emmerson Mnangagwa.

"Acredito que a minha equipa está à altura do desafio", disse o chefe de Estado na tomada de posse do novo Governo. "Quero que eles [os zimbabueanos] estejam unidos, temos de fazer com que a nossa economia cresça".

A taxa de desemprego no Zimbabué ronda os 90 por cento.

O novo Executivo tem 22 membros, menos 11 do que o anterior, e, segundo Mnangagwa, terminará "o mandato do antigo Presidente, que é um período entre seis e sete meses". Depois, o Zimbabué irá a votos.


Simbabwe Amtsantritt der neuen Regierung

Presidente Emmerson Mnangagwa (centro) durante tomada de posse do novo Governo do Zimbabué, em Harare

Com aliados do ZANU-PF, sem oposição

Emmerson Mnangagwa tomou posse a 24 de novembro, depois do afastamento do Presidente Robert Mugabe.

No entanto, o novo chefe de Estado tem sido alvo de críticas por nomear ex-governantes do Executivo de Mugabe e militares que desempenharam um papel fundamental na destituição do ex-Presidente. Sibusiso Moyo, o major-general que anunciou na televisão o levantamento militar contra Mugabe, assumiu a pasta dos Negócios Estrangeiros e o marechal da Força Aérea Perrance Shiri ocupa agora o cargo de ministro da Agricultura.

Além disso, nenhum membro da oposição integra o novo Governo, contrariamente ao que esperavam alguns observadores. De acordo com Chris Mutsvangwa, um conselheiro do Presidente, Mnangagwa teria entrado em contacto com o Movimento pela Mudança Democrática (MDC) para formar um "Governo inclusivo", mas o líder do partido, Morgan Tsvangirai, teria rejeitado a proposta. O MDC nega, porém, que isso tenha acontecido, segundo a agência de notícias Reuters.

"No que nos diz respeito, nunca houve qualquer contacto entre o Presidente Mnangagwa, o ZANU-PF [União Africana Nacional de Zimbabué - Frente Patriótica, no poder] e o nosso partido sobre a possibilidade de inclusão ou envolvimento dos nossos membros no Governo", afirmou Nelson Chamisa, vice-presidente do MDC.

Leia mais

Albanian Shqip

Amharic አማርኛ

Arabic العربية

Bengali বাংলা

Bosnian B/H/S

Bulgarian Български

Chinese (Simplified) 简

Chinese (Traditional) 繁

Croatian Hrvatski

Dari دری

English English

French Français

German Deutsch

Greek Ελληνικά

Hausa Hausa

Hindi हिन्दी

Indonesian Bahasa Indonesia

Kiswahili Kiswahili

Macedonian Македонски

Pashto پښتو

Persian فارسی

Polish Polski

Portuguese Português para África

Portuguese Português do Brasil

Romanian Română

Russian Русский

Serbian Српски/Srpski

Spanish Español

Turkish Türkçe

Ukrainian Українська

Urdu اردو