Campanha contra armas nucleares recebe Nobel da Paz de 2017

Prêmio destaca esforços do movimento Ican, uma coalizão da sociedade civil que promove a adesão e a implementação do Tratado para Proibição de Armas Nucleares.

Foi laureada com o prêmio Nobel da Paz de 2017 nesta sexta-feira (06/10) a Campanha Internacional pela Abolição de Armas Nucleares (Ican), uma coalizão da sociedade civil que promove a adesão e a implementação do Tratado para Proibição de Armas Nucleares.

"A organização está recebendo o prêmio por seu trabalho para chamar a atenção às consequências humanitárias catastróficas de qualquer uso de armas nucleares e para seus esforços inovadores para conseguir uma proibição baseada em tratados", disse a presidente do Comitê Norueguês do Nobel, Berit Reiss-Andersen.

Mais de 70 anos depois que bombas atômicas devastaram as cidades japonesas Hiroshima e Nagasaki, e à medida que as tensões se intensificam devido à crise na península coreana, o comitê do Nobel procurou destacar os esforços incansáveis da Ican para livrar o mundo das armas nucleares.

"Vivemos num mundo onde o risco de armas nucleares serem utilizadas é mais elevado do que nunca. Alguns países modernizaram os respectivos arsenais nucleares e o perigo de mais países procurarem tê-los é real, como é o caso da Coreia do Norte", disse Reiss-Andersen. Por isso, ela apelou às potências nucleares para que incentivem "negociações sérias" visando a eliminação das quase 15 mil armas atômicas espalhadas pelo mundo.

Assuntos relacionados

Fundada em 2007 à margem de uma conferência internacional sobre o Tratado de Não Proliferação Nuclear, em Viena, a Ican tem mobilizado ativistas e celebridades para sua causa. A Ican é formada por uma coalizão de 300 organizações não governamentais de cerca de 100 países diferentes. 

A coalizão tem sido uma força motriz em fazer pressão sobre países para que se comprometam a cooperar com todas as partes interessadas em esforços para proibir e eliminar armas nucleares. Até então, 108 estados aceitaram o chamado Compromisso Humanitário (Humanitarian Pledge).

Além disso, o grupo teve participação fundamental na adoção de um tratado histórico de proibição de armas nucleares, assinado por 122 países-membros da ONU em julho. No entanto, o acordo foi em grande parte simbólico, uma vez que não contou com a assinatura de nenhuma das nove potências nucleares mundiais conhecidas.  

O movimento Ican receberá o prêmio, composto por uma medalha de ouro, um diploma e um cheque de nove milhões de coroas suecas (1,1 milhão de dólares), numa cerimônia em Oslo, em 10 de dezembro – aniversário da morte em 1896 do criado do prêmio, o filantropo sueco e inventor da dinamite Alfred Nobel.

A Ican sucede ao presidente colombiano, Juan Manuel Santos, laureado no ano passado pelos seus esforços na restauração da paz na Colômbia.

PV/rtr/ap

Política

Uma longa discussão

Já no primeiro Prêmio Nobel da Paz, para Henry Dunant, da Suíça (à esquerda), e Frederic Passy, da França (à direita), em 1901, a Comissão do Nobel estava dividida. Dunant fundou a Cruz Vermelha Internacional e, juntamente com Passy, iniciou as Convenções de Genebra. Os membros da comissão temiam que, ao tornarem a guerra "mais humana", as Convenções de Genebra pudessem torná-la mais aceitável.

Política

Beligerante e pacificador

O ex-presidente americano Theodore Roosevelt nunca foi considerado um pacifista, por causa de seu envolvimento na Guerra Hispano-Americana. Ele ajudou os cubanos a se libertarem do colonialismo, mas logo tropas americanas chegariam a Cuba, garantindo aos EUA o controle da ilha. Roosevelt recebeu o prêmio em 1906 por outro motivo: seus esforços de paz na guerra russo-japonesa.

Política

Pacificador racista

O 28º presidente dos Estados Unidos, Woodrow Wilson, recebeu o Nobel da Paz de 1919 "por suas contribuições para o fim da Primeira Guerra Mundial e a fundação da Liga das Nações", precursora da ONU. Mas ao mesmo tempo, ele acreditava na superioridade dos brancos e era um defensor da segregação defendida pela organização racista Ku Klux Klan.

Política

Prêmio da paz sem paz

O então secretário de Estado dos EUA, Henry Kissinger, e o líder norte-vietnamita Le Duc Tho tiveram papel decisivo nos Acordos de Paz de Paris de 1973, para acabar com a guerra no Vietnã. Mas Tho se recusou a aceitar o prêmio, alegando que ainda não havia paz. De fato, enquanto os EUA se retiraram em grande parte após os acordos, o conflito no Vietnã, no Laos e no Camboja duraria mais dois anos.

Política

De golpista a Nobel da Paz

Em 1978, Anwar Sadat (esq.), do Egito, e Menachem Begin (dir.), de Israel, acertaram um acordo de paz entre os dois países, sob mediação de Jimmy Carter (centro). No mesmo ano, Sadat e Begin receberam o Nobel. O prêmio para Sadat, no entanto, causou polêmica, pois ele participou do golpe de 1952, que derrubou o rei Farouk.

Política

Manutenção da paz e omissão

Os capacetes azuis são as forças de paz das Nações Unidas. Pelo seu trabalho, eles receberam o Nobel em 1988. No entanto, não faltaram críticas nos anos seguintes: as tropas foram acusadas de abusar sexualmente de mulheres e crianças e forçá-las à prostituição. No genocídio de Ruanda e no massacre de Srebrenica, foram criticados por não intervirem.

Política

O homem de duas caras

Embora tenha sido considerado um defensor do apartheid antes de ser presidente da África do Sul, Frederik de Klerk desempenhou um papel fundamental para o fim do regime de segregação racial em seu país. Ele tirou da prisão Nelson Mandela e outros políticos do Congresso Nacional Africano, defendeu a liberdade de imprensa e aboliu as leis do apartheid. Em 1993, ele e Mandela receberam o Nobel.

Política

"Ganhador indigno"

Também houve polêmica em 1994, quando o chefe da Organização para a Liberação da Palestina (OLP), Yasser Arafat, juntamente com o então premiê israelense, Yitzhak Rabin, e seu ministro de Relações Exteriores, Shimon Peres, recebeu o prêmio por seus esforços de paz no Oriente Médio. Um político norueguês até renunciou em protesto contra o Comitê do Nobel, chamando Arafat de "ganhador indigno".

Política

Um mundo melhor graças à ONU?

As Nações Unidas e seu então secretário-geral, Kofi Annan, receberam o Nobel da Paz de 2001 "por seu trabalho para um mundo melhor organizado e mais pacífico". Mas os críticos acusam a ONU de não defender esses ideais e de fracassar frequentemente, porque alguns países podem bloquear resoluções e ações conjuntas no Conselho de Segurança.

Política

Louros antecipados para Obama

Barack Obama estava na presidência dos EUA há nove meses quando ganhou o prêmio em 2009 por seus "esforços extraordinários para fortalecer a diplomacia internacional e a cooperação entre os povos". Os críticos consideraram a homenagem prematura. Mais tarde, Obama ordenaria a missão que mataria o líder terrorista Osama bin Laden, algo altamente controverso, de acordo com o direito internacional.

Política

"Luta não-violenta" e ajuda a criminoso de guerra

O ex-presidente da Libéria Charles Taylor foi condenado por crimes de guerra vinculados a milhares de assassinatos, estupros e tortura. Os críticos acusam sua sucessora, Ellen Johnson Sirleaf, ministra das Finanças de Taylor, de tê-lo apoiado na violência e corrupção. No entanto, em 2011, ela ganhou o Nobel por sua "luta não violenta pela segurança das mulheres".

Política

Tratamento questionável a requerentes de asilo

Cercas de arame farpado, detenção, condições desumanas nos campos de refugiados: ativistas dos direitos humanos criticam as políticas de refugiados da União Europeia há anos. Mesmo assim, a UE foi homenageada em 2012 pelo "avanço da paz e da reconciliação, da democracia e dos direitos humanos na Europa".