Como votou cada deputado sobre a 2ª denúncia contra Temer

Câmara aprovou parecer do deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG), que recomendou o arquivamento da denúncia contra o presidente pelos crimes de obstrução da Justiça e organização criminosa.

A Câmara dos Deputados rejeitou nesta quarta-feira (25/10) a segunda denúncia apresentada pelo ex-procurador-geral Rodrigo Janot contra o presidente Michel Temer, pelos crimes de obstrução de Justiça e organização criminosa. O resultado da votação livra o presidente de uma investigação por parte do Supremo Tribunal Federal (STF).

No mesmo processo, haviam sido denunciados também os ministros Eliseu Padilha, da Casa Civil, e Moreira Franco, da Secretaria-Geral da Presidência. Também eles não serão investigados.

Os deputados que votaram "sim" aprovaram, pelo placar de 251 contra 233, o parecer do deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG), que recomendou o arquivamento da denúncia. Aqueles que votaram "não" rejeitaram o relatório e foram favoráveis ao prosseguimento da investigação pelo STF.

Confira como votou cada deputado, de acordo com os estados:

Política | 25.10.2017

ACRE:

Alan Rick (DEM): NÃO

Angelim (PT): NÃO

César Messias (PSB): NÃO

Flaviano Melo (PMDB): SIM

Jéssica Sales (PMDB): SIM

Leo de Brito (PT): NÃO

Assuntos relacionados

Moisés Diniz (PCdoB): NÃO

Rocha (PSDB): NÃO

----------------

ALAGOAS:

Arthur Lira (PP): SIM

Cícero Almeida (Pode): NÃO

Givaldo Carimbão (PHS): NÃO

JHC (PSB): NÃO

Marx Beltrão (PMDB): SIM

Maurício Quintella Lessa (PR): SIM

Paulão (PT): NÃO

Pedro Vilela (PSDB): NÃO

Ronaldo Lessa (PDT): NÃO

----------------

AMAPÁ:

André Abdon (PP): SIM

Cabuçu Borges (PMDB): SIM

Janete Capiberibe (PSB): NÃO

Jozi Araújo (Pode): SIM

Marcos Reategui (PSD): SIM 

Professora Marcivania (PCdoB): NÃO

Roberto Góes (PDT): Ausente

Vinicius Gurgel (PR): Ausente

----------------

AMAZONAS:

Alfredo Nascimento (PR): SIM

Átila Lins (PSD): SIM

Carlos Souza (PSD): ausente

Conceição Sampaio (PP): NÃO

Hissa Abrahão (PDT): ausente

Pauderney Avelino (DEM): SIM

Sabino Castelo Branco (PTB): ausente

Silas Câmara (PRB) : SIM

----------------

BAHIA:

Afonso Florence (PT): NÃO

Alice Portugal (PCdoB): NÃO

Antonio Brito (PSD): NÃO

Antonio Imbassahy (PSDB): SIM

Arthur Oliveira Maia (PPS): SIM

Bacelar (Pode): NÃO

Bebeto (PSB): NÃO

Benito Gama (PTB): SIM

Cacá Leão (PP): SIM

Caetano (PT): NÃO

Claudio Cajado (DEM): SIM

Daniel Almeida (PCdoB): NÃO

Davidson Magalhães (PCdoB): NÃO

Elmar Nascimento (DEM): SIM

Erivelton Santana (PEN): ausente

Félix Mendonça Júnior (PDT): NÃO

Fernando Torres (PSD): NÃO

Irmão Lazaro (PSC): NÃO

João Carlos Bacelar (PR): SIM

João Gualberto (PSDB): NÃO

Jorge Solla (PT): NÃO

José Carlos Aleluia (DEM): SIM

José Carlos Araújo (PR): ausente

José Nunes (PSD): NÃO

José Rocha (PR): SIM

Jutahy Junior (PSDB): NÃO

Lucio Vieira Lima (PMDB): SIM

Márcio Marinho (PRB): ausente

Mário Negromonte Jr. (PP): SIM

Nelson Pellegrino (PT): NÃO

Paulo Azi (DEM): SIM

Paulo Magalhães (PSD): NÃO

Roberto Britto (PP): SIM

Ronaldo Carletto (PP): SIM

Sérgio Brito (PSD):  NÃO

Uldurico Junior (PV)  NÃO

Valmir Assunção (PT): NÃO

Waldenor Pereira (PT): NÃO

----------------

CEARÁ:

Adail Carneiro (PP): ausente

André Figueiredo (PDT): NÃO

Aníbal Gomes (PMDB): SIM

Ariosto Holanda (PDT): NÃO

Cabo Sabino (PR): ausente

Chico Lopes (PCdoB): NÃO

Danilo Forte (PSB): SIM

Domingos Neto (PSD): SIM

Genecias Noronha (SD): SIM

Gorete Pereira (PR): SIM

José Airton Cirilo (PT): NÃO

José Guimarães (PT): NÃO

Leônidas Cristino (PDT): NÃO

Luizianne Lins (PT): NÃO

Macedo (PP): SIM

Moses Rodrigues (PMDB): SIM

Odorico Monteiro (PSB): NÃO

Raimundo Gomes de Matos (PSDB): SIM

Ronaldo Martins (PRB): SIM

Vaidon Oliveira (DEM): SIM

Vicente Arruda (PDT): NÃO

Vitor Valim (PMDB): NÃO

----------------

DISTRITO FEDERAL:

Alberto Fraga (DEM): SIM

Augusto Carvalho (SD): NÃO

Erika Kokay (PT): NÃO

Izalci Lucas (PSDB): SIM

Laerte Bessa (PR): SIM

Rogério Rosso (PSD): SIM

Ronaldo Fonseca (Pros): SIM

Rôney Nemer (PP): SIM

----------------

ESPÍRITO SANTO:

Carlos Manato (SD): NÃO

Dr. Jorge Silva (PHS): NÃO

Evair Vieira de Melo (PV): NÃO

Givaldo Vieira (PT): NÃO

Helder Salomão (PT): NÃO

Lelo Coimbra (PMDB): SIM

Marcus Vicente (PP): SIM

Norma Ayub (DEM): NÃO

Paulo Foletto (PSB): NÃO

Sergio Vidigal (PDT): NÃO

----------------

GOIÁS:

Alexandre Baldy (Pode): SIM

Célio Silveira (PSDB): SIM

Daniel Vilela (PMDB): SIM

Delegado Waldir (PR): NÃO

Fábio Sousa (PSDB): NÃO

Flávia Morais (PDT): NÃO

Giuseppe Vecci (PSDB): SIM

Heuler Cruvinel (PSD): NÃO

João Campos (PRB): NÃO

Jovair Arantes (PTB): SIM

Lucas Vergilio (SD): SIM

Magda Mofatto (PR): SIM

Marcos Abrão (PPS): NÃO

Pedro Chaves (PMDB): SIM

Roberto Balestra (PP): SIM

Rubens Otoni (PT): SIM

Thiago Peixoto (PSD): NÃO

----------------

MARANHÃO:

Aluisio Mendes (Pode): SIM

André Fufuca (PP): SIM

Cleber Verde (PRB): SIM

Eliziane Gama (PPS): NÃO

Hildo Rocha (PMDB): SIM

João Marcelo Souza (PMDB): SIM

José Reinaldo (PSB): SIM

Julião Amin (PDT): NÃO

Junior Marreca (PEN): SIM

Juscelino Filho (DEM): SIM

Luana Costa (PSB): ausente

Pedro Fernandes (PTB): SIM

Rubens Pereira Júnior (PCdoB): NÃO

Sarney Filho (PV): SIM

Victor Mendes (PSD): SIM

Waldir Maranhão (PP): NÃO

Weverton Rocha (PDT): NÃO

 Zé Carlos (PT): NÃO

----------------

MATO GROSSO:

Adilton Sachetti (PSB): SIM

Carlos Bezerra (PMDB): SIM

Ezequiel Fonseca (PP):

Fabio Garcia (PSB): SIM

Nilson Leitão (PSDB): SIM

Professor Victório Galli (PSC): SIM

Rogério Silva (PMDB): SIM

Ságuas Moraes (PT): NÃO

----------------

MATO GROSSO DO SUL:

Carlos Marun (PMDB): SIM

Dagoberto Nogueira (PDT): NÃO

Elizeu Dionizio (PSDB): SIM

Geraldo Resende (PSDB): SIM

Mandetta (DEM): NÃO

Tereza Cristina (PSB): SIM

Vander Loubet (PT): NÃO

Zeca do PT (PT): NÃO

----------------

MINAS GERAIS:

Adelmo Carneiro Leão (PT): NÃO

Ademir Camilo (Pode): SIM

Aelton Freitas (PR): SIM

Bilac Pinto (PR): SIM

Bonifácio de Andrada (PSDB): SIM

Brunny (PR): SIM

Caio Narcio (PSDB): SIM

Carlos Melles (DEM): SIM

Dâmina Pereira (PSL): SIM

Delegado Edson Moreira (PR): SIM

Diego Andrade (PSD): SIM

Dimas Fabiano (PP): SIM

Domingos Sávio (PSDB): SIM

Eduardo Barbosa (PSDB): NÃO

Eros Biondini (Pros): NÃO

Fábio Ramalho (PMDB): SIM

Franklin (PP): SIM

Gabriel Guimarães (PT): NÃO

George Hilton (Pros): NÃO

Jaime Martins (PSD): NÃO

Jô Moraes (PCdoB): NÃO

Júlio Delgado (PSB): NÃO

Laudivio Carvalho (SD): NÃO

Leonardo Monteiro (PT): NÃO

Leonardo Quintão (PMDB): SIM

Lincoln Portela (PRB): NÃO

Luis Tibé (PTdoB): SIM

Luiz Fernando Faria (PP): SIM

Marcelo Álvaro Antônio (PR): NÃO

Marcelo Aro (PHS): SIM

Marcos Montes (PSD): SIM

Marcus Pestana (PSDB): SIM

Margarida Salomão (PT): NÃO

Mário Heringer (PDT): ausente

Mauro Lopes (PMDB): SIM

Misael Varella (DEM): SIM

Newton Cardoso Jr (PMDB): SIM

Padre João (PT): NÃO

Patrus Ananias (PT): NÃO

Paulo Abi-Ackel (PSDB): SIM

Raquel Muniz (PSD): SIM

Reginaldo Lopes (PT): NÃO

Renato Andrade (PP): SIM

Renzo Braz (PP): SIM

Rodrigo de Castro (PSDB): SIM

Rodrigo Pacheco (PMDB): ausente

Saraiva Felipe (PMDB): SIM

Stefano Aguiar (PSD): NÃO

Subtenente Gonzaga (PDT): NÃO

Tenente Lúcio (PSB): SIM

Toninho Pinheiro (PP): SIM

Weliton Prado (Pros): NÃO

Zé Silva (SD): SIM

----------------

PARÁ:

Arnaldo Jordy (PPS): NÃO

Beto Faro (PT): NÃO

Beto Salame (PP): SIM

Delegado Éder Mauro (PSD): NÃO

Edmilson Rodrigues (Psol): ausente

Elcione Barbalho (PMDB): SIM

Francisco Chapadinha (Pode): SIM

Hélio Leite (DEM): SIM

Joaquim Passarinho (PSD): NÃO

José Priante (PMDB): SIM

Josué Bengtson (PTB): SIM

Júlia Marinho (PSC): SIM

Lúcio Vale (PR): SIM

Nilson Pinto (PSDB): SIM

SIMone Morgado (PMDB): SIM

Wladimir Costa (SD): SIM

Zé Geraldo (PT): NÃO

----------------

PARAÍBA:

Aguinaldo Ribeiro (PP): SIM

André Amaral (PMDB): SIM

Benjamin Maranhão (SD): SIM

Damião Feliciano (PDT): NÃO

Efraim Filho (DEM): SIM

Hugo Motta (PMDB): SIM

Luiz Couto (PT): NÃO

Pedro Cunha Lima (PSDB): NÃO

Rômulo Gouveia (PSD): SIM

Veneziano Vital do Rêgo (PMDB): NÃO

Wellington Roberto (PR): NÃO

Wilson Filho (PTB): SIM

----------------

PARANÁ:

Alex Canziani (PTB): SIM

Alfredo Kaefer (PSL): SIM

Aliel Machado (Rede): NÃO

Assis do Couto (PDT): NÃO

Christiane Yared (PR): NÃO

Delegado Francischini (SD): NÃO

Diego Garcia (PHS): NÃO

Dilceu Sperafico (PP): SIM

Edmar Arruda (PSD): SIM

Enio Verri (PT): NÃO

Evandro Roman (PSD): SIM

Giacobo (PR): SIM

Hermes Parcianello (PMDB): SIM

João Arruda (PMDB): SIM

Leandre (PV): NÃO

Leopoldo Meyer (PSB): NÃO

Luciano Ducci (PSB): NÃO

Luiz Carlos Hauly (PSDB): SIM

Luiz Nishimori (PR): SIM

Nelson Meurer (PP): SIM

Nelson Padovani (PSDB): SIM

Osmar Bertoldi (DEM): SIM

Osmar Serraglio (PMDB): SIM

Reinhold Stephanes (PSD): SIM

Rubens Bueno (PPS): NÃO

Sandro Alex (PSD): NÃO

Sergio Souza (PMDB): SIM

Takayama (PSC): SIM

Toninho Wandscheer (Pros): SIM

Zeca Dirceu (PT): NÃO

----------------

PERNAMBUCO:

Adalberto Cavalcanti (Avante): ausente

André de Paula (PSD): NÃO

Augusto Coutinho (SD): SIM

Betinho Gomes (PSDB): NÃO

Bruno Araújo (PSDB): SIM

Daniel Coelho (PSDB): NÃO

Danilo Cabral (PSB): NÃO

Eduardo da Fonte (PP): SIM

Fernando Coelho Filho (PSB): SIM

Fernando Monteiro (PP): SIM

Gonzaga Patriota (PSB): NÃO

Jarbas Vasconcelos (PMDB): NÃO

João Fernando Coutinho (PSB): ausente

Jorge Côrte Real (PTB): SIM

Luciana Santos (PCdoB): NÃO

Luciano Bivar (PSL): SIM

Marinaldo Rosendo (PSB): SIM

Mendonça Filho (DEM): SIM

Pastor Eurico (PHS): NÃO

Ricardo Teobaldo (Pode): ausente

Sebastião Oliveira (PR): SIM

Silvio Costa (PTdoB): NÃO

Tadeu Alencar (PSB): NÃO

Wolney Queiroz (PDT): NÃO

Zeca Cavalcanti (PTB): SIM

----------------

PIAUÍ:

Assis Carvalho (PT): NÃO

Átila Lira (PSB): SIM

Capitão Fábio Abreu (PTB): NÃO

Heráclito Fortes (PSB): SIM

Iracema Portella (PP): SIM

Júlio Cesar (PSD): SIM

Marcelo Castro (PMDB): ausente

Paes Landim (PTB): SIM

Rodrigo Martins (PSB): NÃO

Silas Freire (Pode): NÃO

----------------

RIO DE JANEIRO:

Alessandro Molon (Rede): NÃO

Alexandre Serfiotis (PMDB): SIM

Alexandre Valle (PR): SIM

Altineu Côrtes (PMDB): SIM

Arolde de Oliveira (PSC):  NÃO

Aureo (SD): SIM

Benedita da Silva (PT): NÃO

Cabo Daciolo (PTdoB): NÃO

Celso Jacob (PMDB): SIM

Celso Pansera (PMDB): NÃO

Chico Alencar (Psol): NÃO

Chico D'Angelo (PT): NÃO

Cristiane Brasil (PTB): SIM

Dejorge Patrício (PRB): SIM

Deley (PTB): NÃO

Ezequiel Teixeira (Pode): ausente

Felipe Bornier (Pros): NÃO

Francisco Floriano (DEM): SIM

Glauber Braga (Psol): NÃO

Hugo Leal (PSB): NÃO

Jair Bolsonaro (PSC): NÃO 

Jandira Feghali (PCdoB): NÃO

Jean Wyllys (Psol): NÃO

Jean Wyllys (Psol): NÃO

Julio Lopes (PP): SIM

Laura Carneiro (PMDB): NÃO

Leonardo Picciani (PMDB): SIM

Luiz Carlos Ramos (Pode): NÃO

Luiz Sérgio (PT): NÃO

Marcelo Delaroli (PR): SIM

Marcelo Matos (PHS): NÃO

Marco Antônio Cabral (PMDB): SIM

Marcos Soares (DEM): ausente

Miro Teixeira (Rede): NÃO

Otavio Leite (PSDB): NÃO

Paulo Feijó (PR): SIM

Pedro Paulo (PMDB): SIM

Roberto Sales (PRB): SIM

Rodrigo Maia (DEM): presidente da Casa

Rosangela Gomes (PRB): SIM

Sergio Zveiter (Pode): NÃO

SIMão Sessim (PP): SIM

Soraya Santos (PMDB): SIM

Sóstenes Cavalcante (DEM): NÃO

Wadih Damous (PT): NÃO

Walney Rocha (PEN): SIM

Zé Augusto Nalin (PMDB): SIM

----------------

RIO GRANDE DO NORTE:

Antônio Jácome (Pode): NÃO

Beto Rosado (PP): SIM

Fábio Faria (PSD): SIM

Felipe Maia (DEM): SIM

Rafael Motta (PSB): NÃO

Rogério Marinho (PSDB): SIM

Walter Alves (PMDB): SIM

Zenaide Maia (PR): NÃO

----------------

RIO GRANDE DO SUL:

Afonso Hamm (PP): NÃO

Afonso Motta (PDT): NÃO

Alceu Moreira (PMDB : SIM

Bohn Gass (PT): NÃO

Cajar Nardes (Pode): SIM

Carlos Gomes (PRB): SIM

Covatti Filho (PP): SIM

Danrlei de Deus Hinterholz (PSD): NÃO

Darcísio Perondi (PMDB): SIM

Giovani Cherini (PDT): SIM

Heitor Schuch (PSB): NÃO

Henrique Fontana (PT): NÃO

Jerônimo Goergen (PP): NÃO

João Derly (Rede): NÃO

Jones Martins (PMDB): SIM

José Fogaça (PMDB): SIM

José Otávio Germano (PP): SIM

Jose Stédile (PSB): NÃO

Luis Carlos Heinze (PP): NÃO

Marco Maia (PT): NÃO

Marcon (PT): NÃO

Maria do Rosário (PT): NÃO

Mauro Pereira (PMDB): SIM

Onyx Lorenzoni (DEM): NÃO

Paulo Pimenta (PT): NÃO

Pepe Vargas (PT): NÃO

Pompeo de Mattos (PDT): NÃO

Renato Molling (PP): SIM

Ronaldo Nogueira (PTB): SIM

Sérgio Moraes (PTB): SIM

Yeda Crusius (PSDB): ausente

----------------

RONDÔNIA:

Expedito Netto (PSD): NÃO

Lindomar Garçon (PRB): SIM

Lucio Mosquini (PMDB): SIM

Luiz Cláudio (PR): SIM

Marcos Rogério (DEM): NÃO

Mariana Carvalho (PSDB): NÃO

Marinha Raupp (PMDB): SIM

Nilton Capixaba (PTB): SIM

----------------

RORAIMA:

Abel Mesquita Jr. (DEM): NÃO

Carlos Andrade (PHS): NÃO

Édio Lopes (PR): SIM

Hiran Gonçalves (PP): SIM

Jhonatan de Jesus (PRB): SIM

Maria Helena (PSB): SIM

Remídio Monai (PR): SIM

Shéridan (PSDB): NÃO

----------------

SANTA CATARINA:

Carmen Zanotto (PPS): NÃO

Celso Maldaner (PMDB): SIM

Cesar Souza (PSD): SIM

Décio Lima (PT): NÃO

Esperidião Amin (PP): NÃO

Geovania de Sá (PSDB): NÃO

João Paulo Kleinübing (PSD): NÃO

João Rodrigues (PSD): SIM

Jorge Boeira (PP): NÃO

Jorginho Mello (PR): NÃO

Marco Tebaldi (PSDB): ausente

Mauro Mariani (PMDB): NÃO

Pedro Uczai (PT): NÃO

Rogério Peninha Mendonça (PMDB): SIM

Ronaldo Benedet (PMDB): SIM

Valdir Colatto (PMDB): SIM

----------------

SÃO PAULO:

Alex Manente (PPS): NÃO

Alexandre Leite (DEM): ausente

Ana Perugini (PT): NÃO

Andres Sanchez (PT): NÃO

Antonio Bulhões (PRB): SIM

Antonio Carlos Mendes Thame (PV): NÃO

Arlindo Chinaglia (PT): NÃO

Arnaldo Faria de Sá (PTB): NÃO

Baleia Rossi (PMDB): SIM

Beto Mansur (PRB): SIM

Bruna Furlan (PSDB): SIM

Capitão Augusto (PR): NÃO

Carlos Sampaio (PSDB): NÃO

Carlos Zarattini (PT): NÃO

Celso Russomanno (PRB): SIM

Dr. Sinval Malheiros (Pode): SIM

Eduardo Bolsonaro (PSC): NÃO

Eduardo Cury (PSDB): NÃO

Eli Corrêa Filho (DEM): SIM

Evandro Gussi (PV): SIM

Fausto Pinato (PP): SIM

Flavinho (PSB): NÃO

Gilberto Nascimento (PSC): SIM

Goulart (PSD): SIM

Guilherme Mussi (PP): SIM

Herculano Passos (PSD): SIM

Ivan Valente (Psol): NÃO

Izaque Silva (PSDB): NÃO

Jefferson Campos (PSD):NÃO 

João Paulo Papa (PSDB): NÃO

Jorge Tadeu Mudalen (DEM): SIM

José Mentor (PT): NÃO

Keiko Ota (PSB): NÃO

Lobbe Neto (PSDB): NÃO

Luiz Lauro Filho (PSB): NÃO

Luiza Erundina (Psol): NÃO

Major Olimpio (SD): NÃO

Mara Gabrilli (PSDB): ausente

Marcelo Aguiar (DEM): SIM

Marcelo Squassoni (PRB): SIM

Marcio Alvino (PR): SIM

Miguel Haddad (PSDB): NÃO

Miguel Lombardi (PR): SIM

Milton Monti (PR): SIM

Missionário José Olimpio (DEM): SIM

Nelson Marquezelli (PTB): SIM

Nilto Tatto (PT): NÃO

Orlando Silva (PCdoB): NÃO

Paulo Freire (PR): ausente

Paulo Pereira da Silva (SD): SIM

Paulo Teixeira (PT): NÃO

Pollyana Gama (PPS): NÃO

Pastor Marco Feliciano (PSC): SIM

Paulo Maluf (PP): SIM

Renata Abreu (Pode): NÃO

Ricardo Izar (PP): SIM

Ricardo Tripoli (PSDB): NÃO

Roberto Alves (PRB): SIM

Roberto de Lucena (PV): SIM

Roberto Freire (PPS): NÃO

Sérgio Reis (PRB): NÃO

Silvio Torres (PSDB): NÃO

Tiririca (PR): NÃO

Valmir Prascidelli (PT): NÃO

Vanderlei Macris (PSDB): NÃO

Vicente Candido (PT): NÃO

Vicentinho (PT): NÃO

Vinicius Carvalho (PRB): SIM

Vitor Lippi (PSDB): NÃO

Walter Ihoshi (PSD): SIM

----------------

SERGIPE:

Adelson Barreto (PR): NÃO

Andre Moura (PSC): SIM

Fábio Mitidieri (PSD): NÃO

Fabio Reis (PMDB): ausente

João Daniel (PT): NÃO

Jony Marcos (PRB)  NÃO

Laercio Oliveira (SD): ausente

Valadares Filho (PSB): NÃO

----------------

TOCANTINS:

Carlos Henrique Gaguim (Pode): SIM

César Halum (PRB): SIM

Dulce Miranda (PMDB): SIM

Irajá Abreu (PSD): NÃO

Josi Nunes (PMDB): ausente

Lázaro Botelho (PP): SIM

Professora Dorinha Seabra Rezende (DEM): SIM

Vicentinho Júnior (PR): SIM

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Política

Câmara rejeita denúncia

25/10: Apesar da tentativa da oposição de esvaziar o plenário e adiar a votação, a Câmara dos Deputados rejeitou a segunda denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República contra o presidente da República, Michel Temer, pelo placar de 251 contra 233. A decisão livra novamente o presidente de uma investigação por parte do STF.

Política

Relator recomenda rejeição da 2ª denúncia

10/10: O deputado Bonifácio de Andrada (PSDB), relator da segunda denúncia envolvendo Temer, recomendeu em seu parecer o arquivamento da acusação, que ainda envolve os ministros Moreira Franco (foto) e Eliseu Padilha. O relatório segue para votação na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara e, depois, para o plenário. O relator alegou falta de credibilidade das delações.

Política

Brasileiros veem aumento da corrupção

09/10: Para 78% dos brasileiros, o nível de corrupção aumentou no país nos últimos anos, segundo relatório da organização Transparência Internacional publicado em Berlim. Entre os 20 países analisados, o Brasil é o quarto da lista, atrás de Peru (79%), Chile (80%) e Venezuela (87%). Além disso, 56% dos brasileiros acham que o governo não combate a corrupção no setor público de forma satisfatória.

Política

Popularidade despenca

28/09: Uma pesquisa do Ibope mostrou que a aprovação do governo Temer caiu para apenas 3%. Trata-se do menor índice obtido por um presidente desde o início da série histórica do instituto, em 1986. Antes de Temer, o pior havia sido José Sarney, que em junho/julho de 1989 ficou com 7%. A reprovação do governo Temer chegou a 77%.

Política

Segunda denúncia contra Temer

14/09: O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, denunciou Temer por obstrução de Justiça e organização criminosa. A segunda denúncia envolvendo o presidente, enviada ao STF, se baseia na delação de executivos da JBS, bem como do operador Lúcio Funaro. Segundo Janot, Temer teria poder de decisão no chamado "quadrilhão do PMDB da Câmara", além de ter atuado para comprar o silêncio de Funaro.

Política

STF mantém Janot nas investigações sobre Temer

13/09: O Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou por 9 votos a 0 o pedido de afastamento do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, das investigações sobre o presidente Michel Temer. A petição havia sido feita pela defesa de Temer, que alega perseguição e vê parcialidade na conduta de Janot nas investigações sobre o presidente, iniciadas a partir de delações de diretores da empresa JBS.

Política

STF autoriza inquérito contra Temer

12/09: O ministro do STF Luís Roberto Barroso autorizou a abertura de inquérito para investigar Temer, o ex-deputado federal Rodrigo Rocha Loures e dois empresários por acusações de corrupção ativa, passiva e lavagem de dinheiro, em caso que envolve o chamado Decreto dos Portos. A defesa de Temer rechaçou as acusações e afirmou que as investigações têm o objetivo de enfraquecer o governo.

Política

PF vê indícios de crimes por Temer e ministros

11/09: Em inquérito que apura a suspeita de crimes praticados pelo PMDB da Câmara Federal, a Polícia Federal concluiu que "ficaram comprovados indícios da prática do crime de organização criminosa". Segundo a PF, integrantes da cúpula do partido "mantinham estrutura organizacional com o objetivo de obter vantagens indevidas em órgãos da administração pública direta e indireta".

Política

Defesa de Temer pede suspeição de Janot

08/08: A defesa de Michel Temer solicitou ao STF a suspeição do procurador-geral da República, Rodrigo Janot. No documento enviado ao ministro Edson Fachin, o advogado de Temer alega que o jurista age com motivação pessoal em ações envolvendo o mandatário. Antônio Cláudio Mariz argumentou que Janot "vem extrapolando em muito os seus limites constitucionais e legais inerentes ao cargo que ocupa".

Política

Temer se salva, mas com Congresso dividido

02/08: Após uma ofensiva intensa para reagrupar forças junto aos parlamentares, Temer conseguiu se livrar do processo por corrupção passiva. A Câmara dos Deputados rejeitou a denúncia contra o presidente, com 263 votos contra o envio da matéria ao STF, e 227 a favor. Após a votação, Temer descreveu o resultado no plenário como "claro e incontestável".

Política

Líder do governo na Câmara condenado

01/08: A Justiça de Sergipe condenou o líder do governo Temer na Câmara, o deputado federal André Moura (PSC-SE), por improbidade administrativa, com a perda de seus direitos políticos por oito anos. A sentença menciona convênios fraudulentos e prejuízo de 1,4 milhão de reais ao patrimônio público.

Política

Temer vence na CCJ, mas com manobras

13/07: A Comissão de Cidadania e Justiça (CCJ) da Câmara rejeitou o parecer que recomendava o avanço da acusação de corrupção passiva contra ele. Mas a vitória foi tática e impulsionada por uma série de manobras, com a distribuição de verbas e a substituição de membros da CCJ não considerados suficientemente leais ao Planalto.

Política

Janot denuncia Temer

26/06: O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, denunciou o presidente Michel Temer ao STF pelo crime de corrupção passiva. É a primeira vez que um presidente da República é denunciado à Corte no exercício do mandato. A acusação tem como base uma investigação contra o peemedebista decorrente da delação de executivos da JBS. Ex-assessor Rodrigo Rocha Loures também foi denunciado.

Política

Avião com cocaína

25/06: Um avião bimotor com 653 kg de cocaína interceptado pela Força Aérea Brasileira causou um mal-estar ao ministro da Agricultura, Blairo Maggi. Informações preliminares davam conta que a aeronave teria decolado de uma fazendo arrendada pelo Grupo Amaggi, pertencente à família do ministro. Após analisar dados de GPS, a Polícia Federal concluiu que o avião decolou da Bolívia.

Política

STF confirma delações

22/06: a maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) votou a favor da manutenção da homologação do acordo de delação premiada dos executivos da empresa JBS. Os magistrados decidiram ainda que o relator Edson Fachin deve permanecer no caso. As delações causaram um terremoto político e colocaram Michel Temer no centro de um escândalo de corrupção.

Política

Primeira derrota

20/06: no mesmo dia em que Temer assistiu a uma apresentação de balé em Moscou, a bandeira reformista do governo sofreu uma derrota significativa. O projeto que prevê mudanças na legislação trabalhista foi rejeitado por uma comissão do Senado, graças a uma combinação de indiferença e abandono de alguns membros da base aliada.

Política

Viagem à Rússia e Noruega

20/06: numa conturbada semana, para passar uma imagem de "normalidade", Temer viaja à Rússia e Noruega, onde destaca melhora na economia do Brasil. Em Moscou, o presidente se reuniu com Putin para estreitar os laços entre os países. Em Oslo, foi alvo de críticas. A premiê norueguesa expressou preocupação com a Lava Jato e o desmatamento no Brasil.

Política

Presidente acusado por corrupção

19/06: em relatório preliminar entregue ao Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a investigação envolvendo Michel Temer e seu ex-assessor Rodrigo Rocha Loures, a Polícia Federal (PF) acusa o presidente pelo crime de corrupção passiva, mas pede um prazo maior para concluir o inquérito referente aos delitos de organização criminosa e obstrução de Justiça.

Política

Processo no TSE

09/06: A decisão do Tribunal Superior Eleitoral de absolver a chapa Dilma-Temer deu sobrevida ao governo, mas não lhe ajudou muito a melhorar a imagem perante a opinião pública: a vitória por 4 votos a 3 só se deu porque os depoimentos da Odebrecht e dos marqueteiros do PT não foram levados em conta no processo.

Política

O homem da mala

03/06: o ex-deputado federal Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), ex-assessor especial do presidente Michel Temer, foi preso pela Polícia Federal em Brasília. A detenção abriu mais uma frente para o governo: Loures foi apelidado de "homem da mala" pela imprensa após ter sido filmado carregando 500 mil reais entregues por um emissário da empresa JBS.

Política

Presidente acusado de obstrução à Justiça

17/05: Revelação de conteúdo de diálogo entre o presidente Temer e o empresário Joesley Barbosa, da JBS, mergulha país no caos e ameaça governo. Presidente, segundo reportagem do jornal "O Globo", teria consentido com pagamento de mesada para comprar o silêncio do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, preso em outubro de 2016.

Política

O preço alto das reformas

05/05: Diante da obsessão do governo em aprovar com celeridade a aprovação das reformas da previdência e trabalhista, Palácio do Planalto teria dado aval à aprovação de medidas para negociar dividas fiscais de empresas com a Receita Federal e também cede a interesses da bancada ruralista.

Política

Cúpula arrastada para o caos

11/04: O relator da Lava Jato no Supremo, ministro Luiz Edson Fachin, pede abertura de inquérito contra 76 políticos, entre os quais oito ministros do governo Temer, entre eles Eliseu Padilha (PMDB, Casa Civil, na foto com Temer), Moreira Franco (PMDB, Secretaria-Geral da Presidência); Helder Barbalho (PMDB, Integração Nacional); e Aloysio Nunes (PSDB, Relações Exteriores).

Política

Machismo no Planalto?

08/03: Declarações do presidente na ocasião do Dia Internacional da Mulher provocam perplexidade na sociedade brasileira e no exterior, e indignação de movimentos feministas. Presidente citou a mulher, Marcela Temer, ao analisar a importância da figura feminina na educação dos filhos e no controle do orçamento familiar, nas compras de supermercado, relegando a mulher a atividades domésticas.

Política

PMDB controla Ministério da Justiça

23/02: O presidente da República, Michel Temer, escolhe o deputado federal Osmar Serraglio, do seu partido, o PMDB, como titular do Ministério da Justiça. Assessores do presidente tinham declarado que ele buscaria alguém com perfil técnico para a pasta. Temer, porém, cedeu às pressões da bancada do PMDB. Serraglio atuou como aliado de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e defendeu que ele fosse anistiado.

Política

A blindagem sob o comando de Romero Jucá

15/02: O senador Romero Jucá (PMDB-RR), braço-direito de Temer no Congresso, protocola emenda constitucional para blindar presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), e do Senado, Eunício Oliveira (PMDB). Pela regra, eles só poderiam ser responsabilizados por atos cometidos no exercício de seus mandatos. Ou seja, seriam blindados de investigações da Lava Jato. Diante do constrangimento, Jucá recuou.

Política

A aula de fisiologismo de Eliseu Padilha

14/02: O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, diz em palestra flagrada pelo jornal "Estado de S.Paulo" que os ministérios de Temer foram montados para garantir votos no Congresso. Ele diz que havia intenção de nomear "notáveis" e citou como exemplo a Saúde. O PP indicou o deputado Ricardo Barros. "Vocês garantem todos os nomes do partido em todas as votações? Então o Ricardo será o notável."

Política

Caso Marcela: a censura de Temer à imprensa

10/02: A pedido da Presidência, Justiça proíbe o jornal "Folha de S.Paulo" de divulgar dados sobre a chantagem de um hacker contra Marcela Temer, a primeira-dama. O hacker, condenado a 5 anos e 10 meses de prisão, clonou o celular de Marcela e disse ter acesso a um áudio que comprometeria o presidente. A investigação foi coordenada por Alexandre de Moraes, depois nomeado ministro da Justiça.

Política

Nomeação de Moraes para o Supremo

06/02: O ministro da Justiça, Alexandre de Moraes (PSDB), é indicado para a vaga de Teori Zavascki no Supremo Tribunal Federal. Havia a expectativa de que Temer indicaria um nome técnico, do meio jurídico, não ligado à política. A enorme proximidade de Moraes com Temer tornou a indicação bastante polêmica, já que ele será o revisor da Lava Jato no Supremo, e Temer foi citado 44 vezes em delações.

Política

Foro privilegiado para Moreira Franco

03/02: Temer dá status de ministro a Moreira Franco, que era secretário-executivo do Programa de Parceria de Investimentos. Ele virou ministro da Secretaria-Geral da Presidência. Citado 34 vezes em delações da Lava Jato, com o codinome "Angorá", Franco passa a ter foro privilegiado, ou seja, só pode ser julgado pelo Supremo. Pela demora dos julgamentos, o foro é visto como benefício a políticos.

Política

Novos ministérios: a contradição

03/02: No dia em que nomeou Moreira Franco ministro, Temer anunciou a criação de outro ministério, o de Direitos Humanos, entrando em rota de colisão com o discurso antes da posse. Tanto o presidente quanto seu partido, o PMDB, defenderam o enxugamento da máquina e a redução das pastas e criticavam o número de ministérios sob Dilma Rousseff. O governo tem hoje 28 pastas. Sob Dilma, tinha 32.

Política

Nomes sob suspeita na CCJ do Senado

08/02: Senador Edison Lobão (PMDB-MA) é escolhido para comandar a Comissão de Constituição e Justiça, responsável por sabatinar indicados ao STF. Lobão é investigado em dois inquéritos da Lava Jato. Um apura suposto desvio de dinheiro na construção da usina Angra 3 quando era titular da pasta de Minas e Energia. Outros 7 membros da CCJ já são citados em inquéritos e 8 foram citados em delações.

Política

Senado e Câmara X Lava Jato

01/02: O senador Eunício Oliveira (PMDB-CE) é eleito sem dificuldades para a presidência do Senado, com os votos de 61 dos 81 senadores. Na Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) derrota grupo ligado a Eduardo Cunha (PMDB), preso na Lava Jato, e permanece na presidência da Casa. Os dois foram eleitos em sintonia com o Palácio do Planalto. Ambos tiveram os nomes citados em delações da Lava Jato.

Política

A renovação do poder de Renan Calheiros

31/01: Ex-presidente do Senado, impedido pelo Supremo de permanecer na linha sucessória da Presidência por ser réu em ação penal, e denunciado por lavagem de dinheiro e corrupção passiva pela Procuradoria-Geral da República na Lava Jato, Renan Calheiros foi escolhido, por aclamação, o novo líder do PMDB no Senado. O líder tem grande peso político no diálogo com o governo e na escolha de pautas.