Ciência e Saúde

Nobel premia microscópio que revolucionou bioquímica

Prêmio de Química vai para o suíço Jacques Dubochet, o americano Joachim Frank e o britânico Richard Henderson por desenvolverem um microscópio para determinar em alta resolução a estrutura das biomoléculas.

Schweden Stockholm Bekanntgabe Nobelpreis Chemie (Reuters/TT News Agency/C. Bresciani)

Os cientistas Jacques Dubochet (Suíça), Joachim Frank (alemão naturalizado americano) e Richard Henderson (Reino Unido) foram anunciados nesta quarta-feira (04/10) como os vencedores do prêmio Nobel de Química de 2017, pelo desenvolvimento de um microscópio para determinar em alta resolução a estrutura das biomoléculas. 

A Academia Real de Ciências da Suécia anunciou a premiação de 1,1 milhão de dólares afirmando em comunicado que o método, que permite dar imagem às moléculas da vida, "levou a bioquímica a uma nova era".

A tecnologia possibilita imagens detalhadas das biomoléculas, permitindo que os pesquisadores as analisem detalhadamente, em nível atômico-estrutural. 

"Os pesquisadores podem agora congelar biomoléculas em movimento e visualizar processos jamais observados antes, o que é algo fundamental para a compreensão básica da química da vida e para o desenvolvimento de medicamentos", afirmou o comitê do Nobel. 

"Os mapas biológicos há muito tempo eram permeados por espaços em branco, já que a tecnologia disponível tinha dificuldades para gerar imagens de grande parte do mecanismo das moléculas da vida. O microscópio crioelétrico muda tudo isso." 

O microscópio crioelétrico foi utilizado recentemente para o estudo das biomoléculas associadas ao vírus zika, que gerou casos de microcefalia e graves problemas neurológicos em milhares de crianças nascidas no Brasil e em outros países latino-americanos desde 2015. 

Falando à imprensa por telefone após o anúncio do prêmio, Joachim Frank, professor de bioquímica e ciência molecular da Universidade de Columbia, disse estar "completamente deslumbrado" com a premiação. "Pensei que as chances de ganhar o Nobel eram minúsculas, há tantas outras inovações e descobertas", declarou. 

O pesquisador de 77 anos afirma que o potencial da utilização do microscópio crioelétrico é imenso e significa que a medicina não necessita estar centrada nos órgãos, mas em "observar os processos nas células". 

O suíço Jacques Debouchet, de 75 anos, é professor honorário de biofísica na Universidade de Lausanne. O escocês Richard Henderson, de 72 anos, é diretor de programas do laboratório de biologia molecular MRC em Cambridge. 


RC/dpa/afp/rtr 

Albanian Shqip

Amharic አማርኛ

Arabic العربية

Bengali বাংলা

Bosnian B/H/S

Bulgarian Български

Chinese (Simplified) 简

Chinese (Traditional) 繁

Croatian Hrvatski

Dari دری

English English

French Français

German Deutsch

Greek Ελληνικά

Hausa Hausa

Hindi हिन्दी

Indonesian Bahasa Indonesia

Kiswahili Kiswahili

Macedonian Македонски

Pashto پښتو

Persian فارسی

Polish Polski

Portuguese Português para África

Portuguese Português do Brasil

Romanian Română

Russian Русский

Serbian Српски/Srpski

Spanish Español

Turkish Türkçe

Ukrainian Українська

Urdu اردو