O direito internacional contempla o separatismo?

Proteção da integridade territorial está em pé de igualdade com a autodeterminação dos povos. Mas há outros aspectos legais, e também práticos, a serem considerados na questão da Catalunha.

O direito de autodeterminação dos povos é um princípio importante do direito internacional, mas igualmente importante é a proteção da integridade territorial de um Estado.

Na Espanha, o movimento separatista catalão argumenta principalmente com o direito de autodeterminação, enquanto o governo central em Madri usa o segundo.

Pelo direito internacional não existe o direito à secessão – a não ser que os dois lados concordem com essa opção. O que, obviamente, não é o caso na questão da Catalunha.

Leia também: O barril de pólvora catalão

Os principais pontos do referendo na Catalunha

Nem sempre a criação de novos países é um problema. Quando tchecos e eslovacos se separaram, em 1992, o afastamento foi de comum acordo. Quando diversos povos africanos declararam suas independências, nos anos 1950 e 1960, os poderes coloniais chegaram a resistir, mas o direito de autodeterminação dos povos valia como princípio fundamental das Nações Unidas.

Mas o especialista em direito internacional Stefan Talmon acha que, no caso da Catalunha, os separatistas não podem se apoiar nesse princípio: "O princípio da autodeterminação de um povo pressupõe que haja um povo que possa invocá-lo. Uma parte de um povo dentro de um Estado nacional, mesmo que ele tenha uma certa identidade, não é um povo no sentido do direito internacional, que possa reivindicar essa autodeterminação", explica.

Na Alemanha, por exemplo, se os habitantes do estado da Baviera decidissem se separar do restante do país, não poderiam aludir ao direito de autodeterminação. Segundo Talmon, o mesmo vale para os albaneses do Kosovo, que declarou independência da Sérvia em 2008, mas cujo status no âmbito do direito internacional permanece uma questão em aberto. A Sérvia continua enxergando o Kosovo como parte de seu território nacional.

Em 2010, o Tribunal Penal Internacional chegou à conclusão de que a declaração de independência do Kosovo não fere os princípios do direito internacional, mas a corte não definiu uma posição sobre o status e confirmou a Resolução n° 1244 da ONU, que garante a soberania e a integridade territorial da República da Iugoslávia, que tem a Sérvia como um dos sucessores legais.

Por outro lado, desde então, mais da metade dos quase 200 países-membros da ONU reconheceram o Kosovo como Estado independente – mas a Espanha não está entre eles até hoje, até porque o governo em Madri teme a abertura de um precedente para a Catalunha e, possivelmente, para outros territórios que buscam a independência no país.

Sem direito à independência                                                                                                 

A Escócia é um caso diferente. Sob o ex-premiê David Cameron, o governo britânico não era legalmente obrigado a concordar com um referendo sobre a independência escocesa do Reino Unido. Mesmo assim, permitiu uma consulta popular em 2014 para esclarecer politicamente a questão.

Assistir ao vídeo 01:51
Ao vivo agora
01:51 min
Mundo | 01.10.2017

Embates durante referendo deixam feridos na Catalunha

Resultado: uma maioria de 55% (contra 45%) votou pela permanência da Escócia no Reino Unido. Mesmo a decisão pelo Brexit – tomada também após um referendo popular – não mudou praticamente nada na opinião dos escoceses. A questão de uma Escócia independente, portanto, parece resolvida – ao menos por enquanto.

Assuntos relacionados

E a Catalunha? Hoje não se pode mais falar em repressão dos catalães ou da cultura catalã, como era o caso nos tempos da ditadura de Francisco Franco, entre os anos 1930 e o final dos anos 1970. A Catalunha possui ampla autonomia. Nesse contexto, Talmon não enxerga uma base legal para o movimento separatista catalão. "Nem no direito constitucional espanhol nem no direito internacional existe um direito à independência da Catalunha", afirma o especialista.

Sabine Riedel, do Instituto Alemão de Assuntos Internacionais e de Segurança (Stiftung Wissenschaft und Politik), argumenta que os separatistas catalães não podem reivindicar a criação de um Estado próprio com base no direito Constitucional, e a exigência também contraria o direito internacional, já que eles possuem direitos de autonomia.

Se os separatistas conseguissem impor uma secessão, as consequências, segundo Riedel, seriam imprevisíveis: "Se colocarmos em questão tratados acordados entre países, teremos novos conflitos e, possivelmente, voltará a haver guerra na Europa."

Países existentes não querem separatismo

Não apenas o direito internacional, mas também o direito europeu protege a situação atual. O artigo 4º do Tratado da União Europeia diz que os Estados respeitam tanto "as suas respectivas identidades nacionais, traduzidas em suas estruturas políticas e Constitucionais básicas, incluindo a autogestão regional e local", quanto as suas "integridades territoriais". Ou seja: secessões são indesejadas. Além disso, na UE, os países-membros sempre têm a palavra final.

Talmon também faz referência a esse aspecto no âmbito do direito internacional: "O direito internacional é feito pelos países que existem. Por isso, ele é muito resistente a mudanças na área da integridade territorial. Ninguém vai serrar um galho sobre o qual está sentado", argumenta.

Se os países concordassem com cisões "baseadas em percepções subjetivos de identidade" de grupos ou territórios específicos, em pouco tempo não haveria apenas 200, mas 300 ou 400 países no mundo, afirma Talmon.

Já o "ministro do Exterior" catalão, Raül Romeva, diz que a União Europeia "pode evoluir", já que é um "projeto dinâmico e pragmático que se adapta à realidade".

Mas esse não parece ser o caso. O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, já advertiu que "a Catalunha não poderia se tornar membro da UE no dia seguinte ao referendo". O que significa que a Catalunha teria de iniciar um processo de adesão ao bloco para readquirir o euro como moeda e o acesso ao mercado europeu – condições que ela perderia após a separação da Espanha.

No caso de uma candidatura, bastaria que um Estado-membro se posicionasse contra a adesão catalã para impedir que ela se concretizasse. A Espanha certamente seria essa voz contrária, provavelmente sendo imitada por outros países-membros que também temem movimentos separatistas. Tanto no aspecto político quanto no legal, portanto, os separatistas catalães têm poucas chances.

Política

Polícia se diz "forçada" a usar violência

As forças de segurança usaram cassetetes e balas de borracha para dispersar a multidão, e muitos ficaram feridos. "Nós fomos obrigados a fazer o que não queríamos", disse o encarregado do governo espanhol na Catalunha, Enric Millo. "Carles Puigdemont [presidente do governo da Catalunha] e sua equipe são os únicos responsáveis" pela violência, acrescentou.

Política

Rajoy foi comparado a Franco

Os defensores da independência da Catalunha acusaram o governo em Madri de impedir que o povo exerça seu direito. Nesta manifestação em Barcelona antes da votação de domingo, um dos manifestantes mostra uma foto do ditador espanhol Francisco Franco beijando o atual chefe de governo espanhol, Mariano Rajoy.

Política

Face a face

As pessoas que são contra a independência da Catalunha também foram às ruas para manifestar seu apoio a uma Espanha unida. Nesta foto de sábado, um manifestante grita com um membro da força policial regional catalã, chamada de Mosso d'Esquadra.

Política

Garantindo a votação

Apesar de o governo espanhol ter proibido a realização do referendo, ativistas se mobilizaram e distribuíram material para votação e equipamentos para as seções eleitorais. As autoridades catalãs em Barcelona disseram que resultado do referendo seria considerado oficial.

Política

"Viva Espanha!"

O governo de Rajoy rejeitou o referendo, alegando que ele é inconstitucional e prometeu desmantelar a votação. Muitos opositores à independência da Catalunha se reuniram em Madri no domingo e entoaram "Viva Espanha" e "Catalunha é Espanha".

Política

À espera do amanhecer

Autoridades espanholas enviaram milhares de policiais extras para a Catalunha no domingo. Eles receberam ordens para impedir a votação e apreender as urnas. As forças de segurança patrulharam os locais de votação já nas primeiras horas da manhã de domingo.

Política

Tentativa de manter locais de votação abertos

Ativistas decidiram acampar nos locais de votação para impedir que a polícia fechasse as instalações e impedisse a realização do referendo.

Política

Líder separatista consegue votar

As notícias sobre violência começaram a chegar já na manhã do domingo. Houve embates perto da cidade de Girona, onde o líder regional catalão, Carles Puigdemont, deveria votar. A polícia invadiu o local de votação, obrigando Puigdemont a depositar seu voto em outro local.

Política

Polícia confiscou cédulas e urnas eleitorais

Manifestantes pró-independência tentaram impedir que a polícia confiscasse cédulas e urnas eleitorais. Funcionários catalães afirmaram que, apesar dos esforços do governo em Madri, 73% dos cerca de 6 mil locais de votação ficaram abertos.

Política

Uso da resistência passiva

Os ativistas pró-independência foram instruídos a "praticar a resistência passiva" enquanto tentavam obstruir as forças de segurança no seu trabalho de impedir a votação. O movimento disponibilizou cravos vermelhos para os ativistas darem aos policiais. No entanto, as forças de segurança disseram também que foram recebidas com pedras.

Política

Luta para facilitar a votação

No domingo pela manhã, autoridades catalãs disseram que os eleitores também poderiam usar as cédulas eleitorais que imprimiram em casa e votar em qualquer posto de votação aberto, caso o local designado estivesse fechado.

Política

"Você quer a Catalunha um Estado independente?"

Uma pesquisa de opinião realizada em junho indicou que a maioria dos catalães estaria a favor da permanência da região na Espanha, porém, mostrava ainda que os defensores da independência estavam muito mais propensos a participar do referendo. A repressão do governo em Madri deverá atiçar ainda mais as chamas do movimento de independência da Catalunha.