Operação da Polícia Federal mira mercado de carnes

Doadores de campanhas eleitorais, frigoríficos JBS e BRF são investigados na maior ação da história da PF. Esquema de propinas envolveria políticos e fiscais que atuariam em favor das empresas.

A Polícia Federal deflagrou nesta sexta-feira (17/03) a maior ação ostensiva de sua história. Mil e cem agentes da corporação cumprem 309 mandados – entre eles 27 de prisão preventiva – em sete estados. Batizada de Carne Fraca, a operação apura o pagamento de propinas para funcionários do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e esquemas de adulteração de alimentos.

Na mira estão as maiores empresas do setor, como a JBS e a BRF, e mais três dezenas de frigoríficos menores. Os responsáveis pela operação, baseados em Curitiba, apontaram que as propinas envolveram políticos do PMDB e do PP – mas evitaram divulgar nomes.

"Dentro da investigação ficava bem claro que uma parte do dinheiro da propina era revertido para partido político. Já foi falado ao longo da investigação sobre dois partidos: PP e PMDB", disse o delegado Maurício Moscardi Grillo, que até mês passado coordenava a força-tarefa da Lava Jato.

As ações dos agentes ocorreram em São Paulo, no Distrito Federal, no Paraná, em Santa Catarina, no Rio Grande do Sul, em Minas Gerais e em Goiás. Os investigadores apontam que funcionários do MAPA recebiam propina para atuar em favor de frigoríficos. Ao todo, 20 funcionários públicos tiveram a prisão decretada.

Validade e putrefação

Algumas vezes a propina servia para que eles ignorassem violações sanitárias, como a venda de carne com data de validade vencida e uso de produtos químicos para adulterar os alimentos e a presença de materiais estranhos em carnes.

Um frigorífico menor de Curitiba, chamado Peccin, foi acusado de usar frango como substituto de carne bovina em diversos produtos e de usar substâncias cancerígenas em altas doses para maquiar o estado de putrefação das carnes. Segundo o delegado Grillo, parte dos alimentos adulterados foi fornecido para alunos de escolas públicas do Paraná.

"Inúmeras crianças de escolas públicas estaduais estão se alimentando de merendas compostas por produtos vencidos e estragados", disse.

Assuntos relacionados

JBS

Na decisão que expediu os mandados, o juiz federal Marcos Josegrei da Silva, da 14ª Vara Federal de Curitiba, disse que o caso é "estarrecedor". "O ministério foi tomado de assalto por um grupo de indivíduos que traem reiteradamente a obrigação de efetivamente servir à coletividade."

Políticos como alvo

Entre os presos pela operação estão pessoas que desempenhavam altos cargos em superintendências do MAPA, como Daniel Gonçalves Filho e Gil Bueno de Magalhães. O primeiro chefiou o órgão responsável pela fiscalização no Paraná entre 2007 e 2016. O segundo, desempenhava a função desde julho de 2016. Ambos foram apadrinhados por deputados paranaenses do PMDB e do PP, entre eles os atuais ministros Osmar Serraglio (Justiça) e Ricardo Barros (Saúde).

Serraglio apareceu em um dos grampos interceptados durante as investigações. Na ligação ocorrida antes do peemedebista assumir a pasta, ele discutiu a situação de um frigorífico em Iporã (no oeste do Paraná, a base eleitoral de Serraglio) com Gonçalves. Durante o diálogo, Serraglio manifesta preocupação com a situação do frigorífico, que corria o risco de ser autuado. Gonçalves disse ao peemedebista que iria averiguar o caso.

Segundo a PF, Serraglio por enquanto não está entre os investigados pela operação. Em nota, a assessoria do Ministério da Justiça tentou tirar dividendos políticos do caso, afirmando que a revelação mostra que o ministro não interferiu na ação da PF.

"Se havia alguma dúvida de que o ministro Osmar Serraglio, ao assumir o cargo, interferiria de alguma forma na autonomia do trabalho da Polícia Federal, esse é um exemplo cabal que fala por si só. O ministro soube hoje, como um cidadão igual a todos, que teve seu nome citado em uma investigação", disse o ministério.

Campanhas políticas

Além dos fiscais presos, três executivos da BRF (antiga Brasil Foods, que surgiu da fusão da Sadia com a Perdigão) e dois da JBS tiveram a prisão decretada. Segundo a PF, a BRF atuava junto ao MAPA para substituir fiscais que fossem rigorosos por membros "da banda podre" do ministério. A corporação afirma que a JBS agia da mesma forma.

As duas empresas são notórias doadoras de campanhas políticas. A JBS – que controla as marcas Friboi e Seara – foi promovida durante o governo Lula como "campeã nacional", junto com outras grandes empresas como Oi e Eletrobras, e recebeu bilhões de reais em empréstimos do BNDES. 

Nas eleições 2014, a JBS foi a maior doadora do país, tendo gastado 366,8 milhões de reais em campanhas políticas. Dezesseis partidos receberam doações. A campanha à reeleição de Dilma Rousseff recebeu 73,4 milhões da empresa. Seu adversário no segundo turno, Aécio Neves (PSDB), recebeu 51 milhões de reais. A campanha de Serraglio também recebeu 200 mil reais indiretamente da JBS, via diretório nacional do PMDB.

Política

Reprovação recorde

Uma pesquisa Ibope mostrou que apenas 10% dos brasileiros consideram a gestão do presidente Michel Temer ótima ou boa. Já o percentual da população que classifica o governo como ruim ou péssimo é de 55% – a reprovação é a mais alta já divulgada pelo instituto. Em comparação com o governo de sua antecessora, 41% dos interrogados afirmaram que o governo Temer é pior. (31/03)

Política

Mais 15 anos

O ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha foi condenado a 15 anos e quatro meses de prisão pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e evasão de divisas. A sentença contra o articulador do impeachment de Dilma Rousseff foi dada pelo juiz Sérgio Moro, em ação penal sobre propinas na compra do campo petrolífero de Benin, na África, pela Petrobras, em 2011. (30/03)

Política

Início do Brexit

O governo britânico entregou a Bruxelas a carta com a qual o Reino Unido solicita formalmente sua saída da União Europeia (UE), depois de 44 anos como membro do bloco. No documento de seis páginas é invocado o Artigo 50 do Tratado de Lisboa – que estabelece o início das negociações sobre a saída do bloco comunitário. (29/03)

Política

Ciclone na Austrália

Um poderoso ciclone atingiu a costa do nordeste da Austrália, derrubando cercas, arrancando árvores e deixando dezenas de milhares de casas sem energia elétrica. O ciclone batizado de Debbie, uma tempestade de categoria 4 e que registrou picos de até 260 quilômetros por hora, atingiu a terra entre as cidades de Bowen e Airlie Beach, uma área turística no estado de Queensland. (28/03)

Política

Roubo espetacular

Uma moeda única foi roubada do Museu Bode em Berlim. A polícia alemã disse que os ladrões provavelmente usaram uma escada para entrar no museu. A escada teria sido usada para acessar o edifício a partir dos trilhos de trem vizinhos ao local. A polícia não explicou como os ladrões conseguiram evitar os alarmes e fugir enquanto carregavam a peça pesada, avaliada em 1 milhão de dólares. (27/01)

Política

Conservadores emplacam vitória em ano eleitoral

Os democrata-cristãos alemães saíram reforçados das eleições regionais no estado do Sarre, tendo ganhado o pleito com vantagem em relação aos social-democratas, até mesmo melhorando os resultados da votação anterior. Êxito regional fortalece a chanceler federal Angela Merkel, na primeira de uma série de votações neste ano de eleições gerais. (26/03)

Política

Cidadãos se manifestam pró-União Europeia

Nos 60 anos dos Tratados de Roma, cerca de 80 mil foram às ruas de Londres protestar contra a iminente retirada do Reino Unido da UE. Os manifestantes portavam dizeres como "Terrorismo não nos dividirá, o Brexit sim", "Brexshit", ou "Quero estar dentro da UE". Em Berlim, pelo menos 4 mil saíram em passeata a favor do projeto europeu. No Portão de Brandeburgo, derrubaram um muro simbólico. (25/03)

Política

Primeira derrota de Trump no Congresso

Os líderes republicanos na Câmara dos Representantes dos Estados Unidos decidiram retirar da pauta a votação sobre a reforma do sistema de saúde americano, que substituiria o chamado "Obamacare". Mesmo após mobilização intensa do governo de Donald Trump e apesar da maioria republicana no Congresso, a liderança do partido não conseguiu o apoio que precisava para aprovar a proposta. (24/03)

Política

Luto em Londres

Centenas de pessoas se reuniram no centro de Londres em homenagem às vítimas do ataque terrorista que deixou quatro mortos e 40 feridos na véspera. Durante a vigília, que contou com o prefeito Sadiq Khan, os presentes fizeram um minuto de silêncio e acenderam velas para prestar condolências às famílias. O autor, identificado como o britânico Khalid Masood, de 52 anos, também morreu. (23/03)

Política

Londres é alvo de ataque

Um ataque nos arredores do Parlamento do Reino Unido paralisou o coração de Londres. O agressor primeiro avançou com um veículo contra pedestres na ponte Westminster, matando pelo menos três pessoas e deixando dezenas de feridos. Próximo dali, no perímetro do Parlamento, o motorista esfaqueou um policial, que também morreu, antes de ser baleado e morto pelas forças de segurança. (22/03)

Política

Mais mercados em alerta por crise da carne

Em meio ao escândalo provocado pela operação Carne Fraca, Hong Kong, maior importador de carne bovina do Brasil, suspendeu temporariamente a importação do produto do país. O Centro de Segurança Alimentar de Hong Kong mencionou que "a qualidade da carne exportada do Brasil é questionada". Em seguida, México e Japão anunciaram vetos semelhantes, unindo-se à União Europeia, China e Chile. (21/03)

Política

Morre David Rockefeller

O bilionário americano David Rockefeller, patriarca de uma das mais influentes famílias dos Estados Unidos, morreu aos 101 anos em decorrência de uma falência cardíaca, informou um porta-voz da família em nota. Famoso pela filantropia, o banqueiro era filho de John D. Rockefeller Jr., que desenvolveu o famoso Rockefeller Center, e neto do magnata do petróleo John D. Rockefeller. (20/03)

Política

Mais mortes no Peru

O número de mortos devido às inundações no Peru subiu para 75, de acordo com o Centro de Operações de Emergências Nacional (Coen). Vinte pessoas estão desaparecidas e 263 ficaram feridas. As enchentes afetaram cerca de 600 mil pessoas. Mais de 100 mil casas foram destruídas com a força das avalanches de lama, chamadas pelos locais de "huaycos". (19/03)

Política

Ataque em aeroporto de Paris

Um homem foi morto a tiros pelas forças armadas francesas depois de tentar roubar a arma de uma militar do serviço de vigilância terrorista no aeroporto de Orly, no sul de Paris. O agressor era conhecido pela polícia e os serviços de inteligência franceses. O Ministério do Interior não descartou motivação terrorista. Aeroporto foi totalmente evacuado e todos os voos foram suspensos. (18/03)

Política

Trump recebe Merkel

A chanceler federal alemã, Angela Merkel, foi recebida pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, na Casa Branca, para o primeiro encontro entre os dois líderes. Em coletiva após a reunião, eles listaram alguns dos temas discutidos, que incluem Otan, Rússia, Ucrânia, o comércio internacional, bem como questões migratórias e o combate ao terrorismo no Iraque, Síria e Afeganistão. (17/03)

Política

Enchentes no Peru

As enchentes que ocorrem em várias regiões do Peru, desde dezembro, deixaram 62 mortos e 11 desaparecidos. Devido às cheias, provocadas por intensas chuvas, 11 regiões de um total de 25 decretaram estado de emergência. A previsão é que as chuvas continuem até final de abril. (16/03)

Política

Guerra na Síria completa seis anos

Em março de 2011, protestos eclodiam na Síria em busca de uma mudança no regime que governava o país desde a década de 1970. Os protestos que começaram pacificamente escalaram num conflito de extrema crueldade, que já dura mais do que a Segunda Guerra Mundial e, segundo estimativas da ONU, custou mais de 400 mil vidas e levou mais da metade dos 21 milhões de sírios a abandonar suas casas. (15/03)

Política

Nevasca nos EUA

A tempestade Stella atingiu a costa leste dos Estados Unidos. Neves de até 60 centímetros de altura e ventos fortes eram aguardados na região da Nova Inglaterra e no estado de Nova York. O governador de Nova York, Andrew Cuomo, declarou estado de emergência. O mau tempo levou ao adiamento da viagem oficial da chanceler federal da Alemanha, Angela Merkel, a Washington. (14/03)

Política

Novo referendo

A primeira-ministra da Escócia, Nicola Sturgeon, anunciou que vai pedir ao Parlamento escocês para que inicie o processo de um novo referendo sobre a independência do país do Reino Unido. O pedido, que deve ser apresentado na próxima semana, prevê que a consulta popular ocorra entre o fim de 2018 e o início de 2019, antes do prazo previsto para a conclusão do Brexit. (13/03)

Política

Seis anos de Fukushima

Em Tóquio, japoneses param para um minuto de silêncio em homenagem às vítimas da tripla tragédia - terremoto, tsunami e acidente na usina nuclear de Fukushima - ocorrida seis anos antes, em 11 de março de 2011. Mais de 18 mil pessoas morreram no desastre. (11/03)

Política

Impeachment na Coreia do Sul

O Tribunal Constitucional sul-coreano destituiu do cargo a presidente Park Geun-hye. O afastamento, movido por um escândalo de corrupção, gerou protestos de centenas de simpatizantes, e dois manifestantes morreram em confrontos com a polícia. O país deve realizar eleições em dois meses para a escolha de um sucessor. Enquanto isso, o premiê Hwang Kyo-ahn assume como presidente em exercício. (10/03)

Política

Ataque em Düsseldorf deixa feridos

Pelo menos sete pessoas ficaram feridas durante um ataque perpetrado por um agressor portando um machado na estação ferroviária central de Düsseldorf, no oeste da Alemanha. A polícia informou ter detido um suspeito, um homem de 36 anos nascido "na antiga Iugoslávia" e que reside na cidade alemã de Wuppertal. "O suspeito parece ter problemas psicológicos", dizia a nota das autoridades. (09/03)

Política

Manifestações pelo mundo no Dia da Mulher

O Dia Internacional da Mulher foi marcado por protestos e paralisações em todo o mundo. Mulheres foram às ruas em dezenas de países, como Brasil, Argentina, Estados Unidos, França (foto), Índia e Turquia, evidenciar temas como desigualdade e violência de gênero. No Brasil, movimentos também condenaram a reforma da presidência. Uma greve geral entre mulheres foi convocada em vários países. (08/03)

Política

Morre urso polar em zoo de Berlim

O filhote de urso polar Fritz morreu no zoológico Tierpark, em Berlim. Em fevereiro, dez mil pessoas em diversos países sugeriram um nome para o ursinho. Conhecido como um herdeiro do famoso urso Knut, Fritz não resistiu ao agravamento de um quadro de inflamação no fígado, mas a causa exata da morte, que comoveu funcionários e visitantes do Tierpark, deve ser anunciada em alguns dias. (07/03)

Política

Trump assina novo decreto anti-imigração

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinou uma versão revisada da polêmica ordem executiva anti-imigração emitida em 27 de janeiro e suspensa pela Justiça. Por 90 dias, estarão proibidos de entrar nos EUA cidadãos de Irã, Somália, Iêmen, Líbia, Síria e Sudão. O Iraque, porém, foi retirado da lista. Refugiados serão vetados por 120 dias. O decreto entra em vigor em 16 de março. (06/03)

Política

Congresso Nacional do Povo se reúne na China

Incremento do orçamento de defesa e aprovação parcial do primeiro Código Civil chinês dominam encontro do órgão legislativo, que vai até 15 de março. Segundo porta-voz do congresso, Fu Ying, decisão sobre gastos militares depende das intenções dos EUA no Mar do Sul da China, e o país "precisa se proteger da interferência de fora". (05/03)

Política

Esquerda e direita em "briga de barulho"

Cerca de mil manifestantesse reuniram em Berlim contra uma passeata de extrema direita pelo centro da capital. Com cartazes como "Sem marcha nazista em Berlim" e "Não à AfD", em alusão ao partido populista de direta Alternativa para a Alemanha, os antifascistas realizaram uma "competição de barulho" para abafar os neonazistas reunidos sob o slogan "Merkel tem que ir". (04/03)

Política

Banksy na Cisjordânia

Banksy espalhou sua arte pelos cômodos do novo hotel The Walled Off em Belém, na Cisjordânia ocupada, e cujos quartos têm vista para o muro de separação construído por Israel. O selo do artista urbano britânico está em todos os dez dormitórios do hotel, que fica na área C da Cisjordânia, sob o controle militar de Israel. Tanto palestinos quanto israelenses poderão visitá-lo. (03/03)

Política

Sem imunidade parlamentar

O Parlamento Europeu retirou a imunidade parlamentar de Marine Le Pen, candidata da extrema direita à presidência da França. A líder do partido Frente Nacional é acusada de divulgar imagens violentas, no caso de vítimas do grupo extremista "Estado Islâmico" (EI), postadas no Twitter. Ela pode agora responder a processo. (02/03)

Política

Fillon na mira da Justiça

O candidato dos conservadores à presidência da França, François Fillon, disse que será formalmente investigado por ter supostamente criado empregos falsos para a mulher e os filhos, mas que mantém a sua candidatura às eleições de 23 de abril. Fillon disse que foi chamado para comparecer perante um juiz no dia 15 de março e negou as acusações, classificando-as de assassinato político. (01/03)