Brasil

Senado aprova reforma trabalhista

Após tumulto no plenário, texto-base da proposta é admitido por 50 votos contra 26 e segue agora para sanção presidencial. Uma das prioridades do governo Temer, reforma altera legislação trabalhista em cem pontos.

Brasilien - Senat in Brasilia (Antonio Cruz/Agência Brasil)

Eunício Oliveira, presidente do Senado, chegou a ser impedido de sentar à mesa no início da sessão

Após tumultos e mais de seis horas de sessão suspensa, o Senado aprovou na noite desta terça-feira (11/07) o texto-base da reforma trabalhista, uma das prioridades do governo Michel Temer. Com 77 senadores presentes, foram 50 votos a favor da matéria, 26 votos contrários e uma abstenção.

Os parlamentares, que após a votação derrubaram em bloco as emendas à reforma, também rejeitaram os chamados destaques, os quais pediam alterações no texto original. A matéria, agora, deve ser encaminhada para sanção do presidente da República.

A proposta altera a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) em mais de cem pontos. Ela é defendida pelo governo como uma forma de flexibilizar a legislação, corrigir distorções e facilitar contratações.

Já os críticos dizem que a reforma vai precarizar ainda mais o mercado de trabalho e enfraquecer a Justiça trabalhista. Afirmam também que a promessa de criar mais empregos é uma miragem.

Debatido com vigor pelos parlamentares, o texto divide opiniões até mesmo dentro do partido de Temer. Quatro dos 20 senadores do PMDB que votaram nesta terça se posicionaram contra a reforma. Foram eles: Eduardo Braga (AM), Kátia Abreu (TO), Renan Calheiros (AL) e Roberto Requião (PR).

Tumulto no Senado

A votação desta terça-feira foi realizada após muita confusão no plenário. A sessão chegou a ser suspensa por mais de seis horas, depois que um protesto da oposição impediu que o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), se sentasse à mesa diretora da Casa.

Luzes foram apagadas no plenário após a suspensão da sessão

Luzes foram apagadas após a suspensão da sessão

A senadora Fátima Bezerra (PT-RN), que dera início à sessão às 11h ao lado das parlamentares Gleisi Hoffmann (PT-PR) e Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), recusou-se a ceder a cadeira da presidência a Eunício, que chegou ao plenário cerca de 50 minutos após o início dos trabalhos.

"Está encerrada a sessão e não tem som enquanto eu não sentar à presidência da mesa", afirmou o presidente do Senado, acrescentando que a sessão seria retomada "assim que a ditadura permitir". Minutos depois, as luzes da sala foram parcialmente apagadas, e os microfones foram desligados.

Eunício negociou um acordo com a oposição para que as senadoras desocupassem a mesa do plenário, e a sessão foi reaberta pelo presidente por volta das 18h30, ainda sob tumulto.

"É a primeira vez que vejo isso na minha vida", disse Eunício ao voltar ao plenário. "Eu não tenho partido nesta mesa diretora. Estou profundamente chocado com o que estou vendo."

O protesto dividiu opiniões entre os parlamentares. O senador Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN) afirmou que nunca presenciou cena semelhante no Congresso. "É um verdadeiro vexame para o Senado. Estou chocado. O que queremos é votar. Tudo se resolve no voto, e não dessa maneira."

Já a senadora Kátia Abreu (PMDB-TO), contrária à reforma, defendeu o adiamento da votação. "Ninguém vai morrer se votarmos na primeira semana de agosto. É melhor debater, discutir com calma. Essa reforma está a serviço de quem? De um Planalto que não se sustenta?", questionou.

EK/abr/ots

Leia mais

Albanian Shqip

Amharic አማርኛ

Arabic العربية

Bengali বাংলা

Bosnian B/H/S

Bulgarian Български

Chinese (Simplified) 简

Chinese (Traditional) 繁

Croatian Hrvatski

Dari دری

English English

French Français

German Deutsch

Greek Ελληνικά

Hausa Hausa

Hindi हिन्दी

Indonesian Bahasa Indonesia

Kiswahili Kiswahili

Macedonian Македонски

Pashto پښتو

Persian فارسی

Polish Polski

Portuguese Português para África

Portuguese Português do Brasil

Romanian Română

Russian Русский

Serbian Српски/Srpski

Spanish Español

Turkish Türkçe

Ukrainian Українська

Urdu اردو