Tempestade Nate deixa 22 mortos na América Central e segue para os EUA

Fortes ventos, chuvas e deslizamentos deixam também milhares de desabrigados. À medida que se dirige aos Estados Unidos, tempestade tropical ganha força e pode se transformar em furacão.

Ao menos 22 pessoas morreram devido à passagem da tempestade tropical Nate, que tem provocado chuvas torrenciais na América Central, afirmaram autoridades locais nesta sexta-feira (06/10). Milhares de pessoas ficaram desalojadas em vários países após a passagem da tempestade, que seguiu em direção ao estado americano da Louisiana.

Natureza e meio ambiente | 20.09.2017

Previsões indicam que Nate pode se transformar num furacão de categoria 1 – a escala de furacões de Saffir-Simpson vai de 1 a 5 – e deve atingir a Península de Iucatã nesta sexta-feira e os Estados Unidos no próximo domingo, depois de assolar Costa Rica, Nicarágua, Honduras e El Salvador.

O olho do ciclone já deixou para trás a América Central, mas meteorologistas preveem que as chuvas acumuladas trazidas por Nate alcancem os 381 milímetros nos próximos dias no sul de Honduras e no oeste da Nicarágua, e até 203 milímetros no leste de El Salvador e no norte e no centro de Honduras.

Tropensturm Nate San Jose, Costa Rica

Rio transbordou em San Jose, na Costa Rica, depois da passagem da tempestade tropical

Ao leste da Península de Iucatã e a oeste de Cuba as chuvas também podem chegar a 203 milímetros, enquanto que no litoral americano do Golfo do México poderia alcançar até 304 milímetros.

Natureza e meio ambiente | 29.08.2017

Na Nicarágua há ao menos 11 mortos, sete desaparecidos e milhares de deslocados depois da passagem de Nate. Na Costa Rica são ao menos oito mortos, incluindo duas crianças, 17 desaparecidos e mais de sete mil pessoas precisando de refúgio. Autoridades declararam estado de emergência.

Em Honduras, dois jovens se afogaram numa ondulação repentina num rio. Em El Salvador, um homem morreu num deslizamento de terra. Outra pessoa está desaparecida.

O Centro Nacional de Furacões (NHC) dos EUA emitiu um alerta de furacão para cidades localizadas entre Morgan City, na Louisiana, e a divisa entre os estados de Mississippi e Alabama, incluindo a área metropolitana de Nova Orleans, o Lago Pontchartrain e o Lago Maurepas.

Segundo o último boletim do NHC, a tempestade Nate se deslocava a 22 quilômetros por hora para o norte-nordeste com ventos máximos constantes de 75 quilômetros por hora.

O governador de Louisiana, John Bel Edwards, declarou estado de emergência, em antecipação à chegada da tempestade tropical, e as autoridades ordenaram a evacuação de áreas costeiras. Edwards adiantou que 1.300 militares da Guarda Nacional estão sendo mobilizados e alertou que a população se prepare para fortes chuvas e ventos. Em Nova Orleans, as autoridades informaram que seis plataformas petrolíferas foram evacuadas no Golfo do México. 

Residentes da Flórida e do Texas receberam avisos para estarem preparados para eventualidades. "A ameaça do impacto está aumentando, então as pessoas ao longo do norte da costa do Golfo devem estar atentas a isso", afirmou o NHC.

Assuntos relacionados

PV/efe/lusa/dw

Natureza e meio ambiente

Categoria máxima

Segundo a Organização Meteorológica Mundial (OMM), o furacão Irma foi o que passou mais tempo na categoria 5 da escala Saffir-Simpson, com ventos superiores a 300 km/h. O ciclone é considerado um dos mais fortes da história e o mais potente já registrado no Atlântico em termos de velocidade de ventos.

Natureza e meio ambiente

Irma chega à Flórida

Com ventos de 210 km/h, o furacão mais potente já registrado no Atlântico chegou à costa sul da Flórida na manhã de domingo. As autoridades ordenaram a evacuação de cerca de 6,3 milhões de pessoas. Os moradores armanezam gasolina e alimentos.

Natureza e meio ambiente

Maior retirada de moradores da história

O governo da Flórida ordenou já na sexta-feira a maior retirada de pessoas da história do estado americano. A saída dos moradores provoca engarrafamentos nas estradas. Escolas e universidades foram fechadas e transformadas em abrigos. Os principais aeroportos e parques do estado também fecharam suas portas.

Natureza e meio ambiente

Irma rumo à Florida

Após passar pela costa norte da República Dominicana (foto) e Haiti, e atingir as Ilhas Turks e Caicos e Cuba, o furacão Irma perdeu força, mas logo voltou à categoria 5, a mais alta na escala Saffir-Simpson. Em seguida, Irma diminuiu de intensidade, chegando à Flórida na categoria 4. Mas continua muito perigoso, advertem meteorologistas.

Natureza e meio ambiente

Estragos em Cuba

No sábado, Irma chegou à costa norte de Cuba, onde o país insular retirou milhares de turistas que passavam férias em resorts. Segundo o jornal oficial "Granma", o ciclone provocou danos, falta de energia e inundações na região costeira, como se vê aqui em Havana.

Natureza e meio ambiente

Enchentes no Haiti

Segundo estimativas iniciais, no Haiti e na República Dominicana o Irma causou menos danos do que se esperava. Cerca de 200 casas foram destruídas na República Dominicana, mas não foram registrados mortos. A região norte do Haiti, no entanto, pode vir a sofrer inundações.

Natureza e meio ambiente

Destruição em Saint Martin

Além da devastação, o Irma provocou dez mortes nas ilhas francesas de Saint Martin e St. Barts, e mais duas na parte holandesa de Saint Martin (foto). Os prejuízos são bilionários.

Natureza e meio ambiente

Barbuda "quase inabitável"

A ilha de Barbuda teve 95% de suas construções danificadas. A mídia local afirma que o furacão deixou Barbuda "quase inabitável" e "inundada". Os danos foram estimados em cerca de 150 milhões de dólares e deixaram desabrigados cerca de 60% da população de 1.800 habitantes da ilha.

Natureza e meio ambiente

Porto Rico

Principalmente a costa norte de Porto Rico foi atingida pelo Irma. Mais da metade da população de três milhões de habitantes ficou sem energia. O governador Ricardo Rossello ativou a Guarda Nacional. Um total de 460 abrigos de emergência foi disponibilizado ao redor da ilha.

Natureza e meio ambiente

No escuro e sem água

Além da destruição e da falta de luz, a passagem do furacão Irma em Porto Rico deixou mais de 30 mil cidadãos sem água.

Conteúdo relacionado