África quer resultados concretos na cimeira do clima

Delegações africanas presentes na COP 24, conferência do clima a decorrer na Polónia, lembram que as alterações climáticas estão a afetar o mundo todo, mas África é o continente mais prejudicado. E querem mais recursos.

A COP 24, a maior e mais importante conferência do clima no mundo, começou oficialmente esta segunda-feira (03.12), em Katowice, na Polónia. Na cimeira das Nações Unidas, governos e representantes de quase 200 países discutem, até 14 de dezembro, as soluções para reforçar o Acordo de Paris, de combate ao aquecimento global.

Meio Ambiente | 29.11.2018

A primeira-ministra da Namíbia, Saara Amadhila, destacou os problemas que os períodos de seca extrema e de cheias têm provocado no seu país. "A Namíbia é altamente vulnerável aos impactos das mudanças climáticas, já que a nossa economia depende da agricultura, do turismo e da pesca, que são vulneráveis ao impacto adverso das mudanças climáticas. Continuamos a suportar os efeitos de secas frequentes, que roubam ao nosso povo a sua subsistência, e inundações que destroem as nossas infraestruturas e degradam os nossos solos."

As delegações africanas prometem sair da cimeira deste ano com resultados concretos sobre o Acordo de Paris e ações para combater as mudanças climáticas no continente. "As pessoas estão conscientes do impacto das mudanças climáticas ou dos efeitos adversos no continente africano. Precisamos de recursos e tecnologias. Estamos aqui para fechar o Acordo de Paris e, finalmente, tomar uma decisão final", disse à DW África a ex-ministra do Meio Ambiente da Gâmbia, Fatou Ndege Gaye.

África é o continente mais vulnerável

Logo no início da cimeira, o Banco Mundial anunciou que vai disponibilizar 200 mil milhões de dólares entre 2021 e 2025 para ajudar os países em desenvolvimento com as alterações climáticas.

Ouvir o áudio 03:56
Ao vivo agora
03:56 min
MEDIATECA | 04.12.2018

África quer resultados concretos na cimeira do clima

Além disso, os países desenvolvidos prometeram elevar os gastos públicos e privados anuais para 100 mil milhões de dólares nos países em desenvolvimento até 2020 para combater os impactos das mudanças climáticas. Boa parte destes recursos devem ser investidos em África.

A presidente da Assembleia Geral das Nações Unidas, Maria Fernanda Espinosa, lembrou que "África é o continente mais vulnerável no que diz respeito às alterações climáticas", apesar de ser o que menos contribui para o aumento das emissões de CO2.

Por isso, Espinosa pediu aos países em desenvolvimento que intensifiquem e transformem o compromisso em ações. "África tem de estar no centro do financiamento climático, mas também em mecanismos de capacitação e transferência de tecnologia", defendeu. "Temos o desafio de passar pela recém-prometida reposição do fundo verde do clima e esperamos que os países que seguem o exemplo da Alemanha, que se comprometeram com uma grande reposição do fundo, discutam e financiem os recursos para que os países aumentem seus mecanismos de adaptação."

A cimeira do clima tem a missão crucial de encontrar as fórmulas para implementar o Acordo de Paris de 2015, que determina a contenção do aquecimento global com cortes drásticos nas emissões de gases de efeito estufa, a fim de limitar o aumento da temperatura do planeta a 1,5 graus centígrados.

Meio Ambiente

Há cada vez menos água em África

Segundo o Banco Mundial, basta um aquecimento do clima de dois graus centígrados para que caia menos um terço de chuva em África. O que terá como consequência um aumento das secas. Na seca extrema de meados de 1990, os pastores etíopes perderam cerca de metade do seu gado.

Meio Ambiente

Chuva a mais

Futuramente as chuvas poderão aumentar no leste da África. Mas serão chuvas torrenciais concentradas em poucos dias e não regulares e distribuídas pelo ano. Em 2011, a cidade portuária tanzaniana Dar-es-Salam foi surpreendida por fortes quedas de chuva, que submergiram bairros inteiros. Pelo menos 23 pessoas morreram, outras 10 000 tiveram que abandonar as suas casas.

Meio Ambiente

Colheitas falhadas

Em África cerca de 90% dos produtos agrários são cultivados por pequenos agricultores. Caso não se reforce marcadamente a sua resistência contra o aumento de secas e enchentes, mais 20% pessoas do que hoje vão passar fome, alerta a Organização das Nações Unidas.

Meio Ambiente

Riscos para a saúde

Já hoje a alimentação deficiente por causa de colheitas fracas representa um problema em muitos países. Muitas pessoas mudam-se para os bairros de lata das grandes cidades, onde doenças como a cólera se espalham rapidamente. Um aumento da temperatura poderá fazer disparar a incidência de doenças como a malária, inclusive nos planaltos africanos, onde, até agora, a maleita não existe.

Meio Ambiente

Extinção das espécies

O aumento da temperatura influencia eco sistemas completos. Muitos animais e plantas não se conseguem adaptar suficientemente depressa. Segundo um relatório do Conselho Mundial do Clima, entre 20% a 30% de todas as espécies estão ameaçadas de extinção por causa da mudança do clima.

Meio Ambiente

O Kilimanjaro sem neve

A manta de neve do monte Kilimanjaro tem 12 000 anos. Nos últimos 100 anos derreteu mais de 80% do seu gelo. Caso prevaleçam as condições atuais, o gelo no Kilimanjaro desaparecerá entre 2022 e 2033, calcula uma equipa de cientistas do Estado federado do Ohio, nos Estados Unidos da América. A seca e a falta de chuva levam a que o gelo derreta rapidamente.

Meio Ambiente

Só quando a última árvore for abatida ...

A mudança do clima deve-se, sobretudo, aos carros, centrais de energia e fábricas na Europa, América e Ásia. Mas o abate de árvores em muitas florestas africanas, por exemplo, para produzir carvão vegetal, aumenta o CO2 na atmosfera e contribui para o esgotamento dos solos. Em tempos, um terço da superfície do Quénia era floresta, hoje são apenas 2%.

Meio Ambiente

Muda a muda cresce a floresta

Hoje, muitas pessoas já se aperceberam da necessidade de medidas para contrariar este desenvolvimento nefasto. Há algumas décadas, cidadãos empenhados no Quénia começaram a plantar novas árvores, contribuindo para que a superfície florestal crescesse para 7%. As árvores impedem que a chuva leve a preciosa terra arável e retiram os gases de efeito de estufa da natureza.

Meio Ambiente

Proteção através da diversidade

As monoculturas são vulneráveis a secas e animais daninhos. Se forem plantadas diversas frutas lado a lado, a colheita fica assegurada, mesmo que uma espécie falhe. Segundo o Programa Ambiental das Nações Unidas, a agricultura ecológica aumenta também bastante mais a resistência às consequências da mudança do clima do que a agricultura convencional.

Meio Ambiente

Menos palavras, mais ação

Reservas subterrâneas de água da chuva, seguros contra o risco de colheitas falhadas: há muitas maneiras de, pelo menos, amenizar as consequências do aquecimento global. A assistência ao desenvolvimento e a protecção do clima não podem ser separadas, exigiram, recentemente, os delegados numa conferência das Nações Unidas. Mas não houve promessas concretas de assistência.

Meio Ambiente

Paris desperta expectativas

“Justiça ambiental, já!” exigiram os manifestantes na Conferência do Clima das Nações Unidas em Durban, na África do Sul, em 2011. Agora o mundo aguarda a conferência que se realiza em Paris no fim de 2015. Está planeada a assinatura de um acordo global sobre o clima, com o objetivo de limitar o aquecimento global a dois graus centígrados e reduzir as consequências nefastas da mudança do clima.

Assuntos relacionados