Angola: Sinal verde para Angosat-3

Presidente aprovou construção, lançamento e colocação em órbita do satélite de observação da terra. O terceiro satélite angolano terá fins pacíficos e foco no desenvolvimento e no posicionamento estratégico do país.

Segundo despacho presidencial, o Presidente angolano, João Lourenço, autorizou o Ministério das Telecomunicações e Tecnologias de Informação angolano a assinar o contrato, bem como a tratar de "toda a documentação relacionada com o projeto em nome e em representação de Angola".

De acordo com o documento, datado de 8 de maio, o Angosat-3 surge no quadro da "Estratégia Espacial da República de Angola 2016-2025" e da "importância vital da utilização do espaço para fins pacíficos" para o desenvolvimento socioeconómico e o posicionamento estratégico de Angola.

"A utilização do espaço contribui de forma transversal para o desenvolvimento dos setores produtivos e não produtivos que permitem uma gestão eficiente dos recursos minerais, navegação marítima e aérea, bem como para um melhor planeamento territorial, controlo e defesa das zonas transfronteiriças", argumenta-se no documento.

No despacho presidencial não é indicado qualquer montante para a celebração do contrato para o terceiro satélite, numa altura em que a Angola aguarda pela entrega, prevista para 2021, do Angosat-2.

Ao vivo agora
01:05 min
MEDIATECA | 31.01.2017

Agricultura através de satélite e telemóvel no Uganda

Em 11 de fevereiro deste ano, o ministro das Telecomunicações e Tecnologias da Informação de Angola, José Carvalho da Rocha, afirmou que o Angosat-2, em construção em França, estará operacional em 2021 e custará 320 milhões de dólares (280 milhões de euros).

O novo satélite começou a ser construído em 24 de abril do 2018 pela empresa francesa Airbus, construtora que acolheu cerca de seis dezenas de técnicos angolanos, enquadrados em equipas permanentes, para acompanhar o projeto.

Angosat-1 envolto em mistério

Sobre o desaparecimento do Angosat-1, construído e lançado na Rússia, o ministro angolano indicou, então, que as informações de que dispõe vão no sentido de que o satélite continuará em órbita, mas que terá deixado de transmitir sinal na altura em que fazia a rotação para alinhar os painéis solares em direção ao sol.

O primeiro satélite angolano, um investimento de cerca de 270 milhões de euros, foi projetado para sair para órbita a partir de Baikonur, no Cazaquistão, numa operação coordenada pela Roscosmos, a agência espacial russa e foi lançado para o espaço em 26 de dezembro de 2017. 

Contudo, assim que entrou em órbita, houve uma pausa nos contatos com o satélite. Inicialmente, ainda se conseguiu recuperar as comunicações, que, pouco depois, seriam perdidas novamente até ao presente.

Na altura, o Executivo formou perto de 50 especialistas para garantir a gestão das infraestruturas inerentes, com o objetivo de reforçar os serviços de telecomunicações africanos.

"Para nós, [o desaparecimento do Angosat-1], é caso para esquecer. Agora estamos a olhar para o Angosat-2", afirmou então José Carvalho da Rocha.

Ultrapassar deficiências com a tecnologia

Geraldo vai ao médico

Geraldo, de 6 anos, nasceu com uma deficiência no pé direito e não consegue correr. A sua mãe, Fidéle Togbe, e o irmão mais novo, Wilkinson, costumam acompanhá-lo nas visitas ao Centro Nacional de Ortopedia e Reabilitação em Lomé, capital do Togo.

Ultrapassar deficiências com a tecnologia

Próteses de gesso pesadas

Desde 1974 que o CNAO recebe pacientes que aprendem novamente a andar depois de acidentes. O centro também desenvolve e adapta próteses e órteses - aparelhos para estabilizar ou corrigir problemas motores. Mas as tecnologias e materiais estão ultrapassados e os pacientes têm de vir muitas vezes fazer provas ao CNAO. Quem não vive na capital, tem muitas dificuldades.

Ultrapassar deficiências com a tecnologia

Sem salário desde o acidente

O dia-a-dia de uma pessoa com deficiência é esgotante. "Não posso trabalhar desde que tive um acidente, em 2012, porque é muito difícil mover-me. Já não tenho rendimentos", conta Koudahé Adjovi. No CNAO recebe uma órtese - uma espécie de tala que ajuda a endireitar um pé, uma perna ou um braço. Este aparelho continua a ser feito da forma convencional.

Ultrapassar deficiências com a tecnologia

Próteses e órteses com impressoras 3D

Geraldo integra um grupo de 100 pacientes selecionados pela organização humanitária Handicap International em três países. Além do Togo, especialistas no Mali e no Níger investigam formas de produzir dispositivos ortopédicos através de impressoras 3D na África Ocidental.

Ultrapassar deficiências com a tecnologia

Novas tecnologias

Uma boa notícia para Geraldo. Em vez de fazer um molde em gesso, a técnica de ortopedia Enyonam Ekpoh faz uma digitalização da sua perna direita. A informação é imediatamente transferida para o computador. O equipamento é leve e pode ser usado em qualquer lugar por pessoal treinado - por exemplo, em áreas remotas ou zonas de conflito.

Ultrapassar deficiências com a tecnologia

À distância de um clique

A digitalização da perna direita de Geraldo já chegou ao monitor de Atsu Afetse. O técnico de ortopedia trabalha para a Organização Africana para o Desenvolvimento de Centros de Deficiência (OADCPH), parceira da Handicap International. Com a ajuda do rato, faz as correções necessárias e cria o modelo de impressão.

Ultrapassar deficiências com a tecnologia

A criação de uma órtese

Na sala ao lado, Djodj Fabrice Agbelehounko verifica o modelo uma última vez. Se restar alguma dúvida, discute a questão com os seus colegas. Ainda é possível fazer algumas alterações. Depois de tudo esclarecido, liga a impressora 3D e controla o processo de impressão.

Ultrapassar deficiências com a tecnologia

Dez horas de impressão

A impressora trabalha e a órtese de plástico maleável ganha forma. Desde o início do projeto, o técnico Agbelehounko já fabricou 18 órteses. "É impressionante", afirma. "De repente, não faz diferença se o paciente vive no campo ou na cidade". As digitalizações podem ser enviadas a partir de qualquer lugar, desde que haja uma ligação de internet.

Ultrapassar deficiências com a tecnologia

Os últimos retoques

A técnica do CNAO, em Lomé, aperta bem as duas abas amarelas da nova órtese de Geraldo, para garantir que nada escorrega durante a utilização. Na fase de testes ficará claro qual o custo total deste processo e a forma como poderá ser implementado em áreas remotas.

Ultrapassar deficiências com a tecnologia

Geraldo já pode correr

A órtese de Geraldo está pronta, serve-lhe, e nos próximos meses vai garantir o normal funcionamento do seu pé direito. É um grande alívio para a sua mãe, Fidéle Togbe: "Ele vai poder jogar futebol sem ser gozado pelas outras crianças". O projeto da Handicap International vai continuar até ao fim do ano.