Brexit: UE não vai renegociar acordo de saída do Reino Unido

O Parlamento britânico votou favoravelmente a renegociação do mecanismo de salvaguarda para a fronteira irlandesa. Mas Bruxelas já avisou que o acordo de saída do Reino Unido da União Europeia não é negociável.

O Parlamento britânico aprovou esta terça-feira (29.01) uma emenda ao acordo de saída da União Europeia (UE), que insta o Governo a negociar com Bruxelas uma solução alternativa ao polémico mecanismo de salvaguarda para evitar uma fronteira entre as duas Irlandas.

Os deputados foram convidados a votar sete propostas de alteração ao acordo negociado entre o seu governo e o bloco europeu. Das sete, apenas duas mereceram a aprovação da Casa dos Comuns, deixando claro que o parlamento britânico não aceitará uma saída do Reino Unido da União Europeia (UE) sem acordo, mas também não dará aval à solução encontrada, até à data, para o chamado "backstop" - criado para evitar uma fronteira entre a Irlanda do Norte, que faz parte do Reino Unido, e a Irlanda, membro do bloco europeu.

Theresa May volta a Bruxelas

Theresa May terá assim de regressar a Bruxelas em busca de uma solução alternativa para esta questão. O relógio está a contar. A 14 de fevereiro, a primeira-ministra terá de voltar à Casa dos Comuns. Com ou sem novidades é a grande questão.

Ao vivo agora
03:39 min
MEDIATECA | 30.01.2019

Brexit: UE não vai renegociar acordo de saída do Reino Unido

"Há pouco apetite por tal mudança na UE e negociá-la não será fácil", admitiu May. "Mas, ao contrário de há duas semanas, esta Câmara deixou claro o que é necessário para aprovar um acordo de saída."

Entre as cinco emendas rejeitadas pelo Parlamento britânico está um "não" que surpreendeu, na opinião de muitos. É que a maioria da Casa dos Comuns rejeitou a proposta que sugeria o alargamento do prazo da saída do Reino Unido do bloco. Ou seja, 29 de março, a data oficial para a efetivação do Brexit, mantém-se, independentemente das muitas questões que estão ainda por esclarecer.

Bruxelas rejeita renegociação

Certezas tem a União Europeia que, em resposta à votação desta terça-feira (29.01), voltou a dizer que o acordo negociado em novembro é o "único possível e não está aberto a renegociação". Uma posição também reforçada pelo Presidente francês, Emmanuel Macron. "O acordo de saída negociado entre a UE e o Reino Unido é o melhor possível e não é renegociável. Após a votação na Câmara dos Comuns, espero que o governo britânico possa apresentar passos que evitem qualquer saída sem acordo, que ninguém quer, mas que é [também um cenário] para o qual todos temos de nos preparar", lembrou o chefe de Estado.

A votação desta terça-feira pode ter dado mais um passo rumo à saída do Reino Unido da União Europeia sem acordo. "A maioria dos deputados tem noção que a primeira-ministra não conseguirá renegociar a questão da fronteira, por isso quando ela voltar, a 14 de fevereiro, será difícil que o Parlamento possa chegar a acordo sobre uma questão que até agora não reuniu consenso, afirma o analista Anand Menon, que considera que a renegociação do acordo não é só uma tarefa difícil, como disse a primeira-ministra britânica, é uma missão quase impossível.

"Parece-me bastante claro que a União Europeia não reabrirá a negociação pois, caso tivesse intenção de mudar de ideias nos próximos dias, não estaria a repetir esta sua posição", sublinha o especialista em política europeia.

Caso a União Europeia leve a sua avante, Theresa May não terá um novo acordo para apresentar no parlamento a 14 de fevereiro. E na hipótese do Brexit prosseguir, os parlamentares terão de escolher: aprovam o acordo já negociado, aceitam uma saída sem acordo ou consentem um alargamento do prazo para a saída. Em qualquer dos cenários, terão de voltar atrás na posição defendida até à data.

Bienvenu à Matonge: um pedaço de África em Bruxelas

Kinshasa na Bélgica

Cerca de 100 mil pessoas com raízes africanas vivem em Bruxelas, o que é quase 10% da população da capital da Bélgica. A maioria veio das ex-colónias belgas - República Democrática do Congo e Ruanda. Outros, de países do Oeste Africano - como Senegal, os Camarões e Burkina Faso. Todos eles encontram um pedaço de casa em Matonge, que é também o nome de um bairro da capital do Congo, Kinshasa.

Bienvenu à Matonge: um pedaço de África em Bruxelas

Vestidos para ocasiões especiais

Pode-se comprar de todas as cores e modelos: tecidos de algodão para casamentos ou festas religiosas. Mesmo as europeias compram aqui e apreciam as opções coloridas. Em muitas lojas, a proprietária corta o modelo desejado na hora. Porém, os tecidos não são provenientes do Gana ou do Congo, mas da Holanda. "Eles têm uma melhor qualidade", diz uma vendedora.

Bienvenu à Matonge: um pedaço de África em Bruxelas

Cabelos do Brasil, da Índia e da China

Perucas, tranças, cosméticos. Em Matonge, estão os especialistas em cabelos crespos. É lá que as mulheres de ascendência africana vão buscar seu novo visual - do mais simples ao mais complexo. As extensões de cabelo e perucas variam consideravelmente em qualidade e preço. Mechas de cabelo artificial podem custar a partir de 10 euros. Uma peruca feita de cabelo brasileiro pode valer até 300 euros.

Bienvenu à Matonge: um pedaço de África em Bruxelas

Bate-papo em Matonge

Também os homens vêm a Matonge. Emmanuel sempre recebe aqui o seu novo corte de cabelo. Ele vem de Kinshasa, e em Matonge ele se sente um pouco como em casa. "Sempre encontro conhecidos aqui," diz. Por um novo visual, os pagam menos que as mulheres - o corte de cabelo custa a Emmanuel apenas oito euros.

Bienvenu à Matonge: um pedaço de África em Bruxelas

Ligação com África

As lojas em Matonge se adaptaram às necessidades dos seus clientes africanos. Especialmente populares são as lojas de telefonia que oferecem chamadas de baixo custo para a terra natal. Além disso, se instalaram aqui prestadores de serviços financeiros que ganham bastante com os muitos africanos que transferem parte de seu salário para a família em África.

Bienvenu à Matonge: um pedaço de África em Bruxelas

Pequenos presentes de África

Quem procura um presente colorido de África na cinzenta Bruxelas, vai encontrá-lo aqui. A variedade na loja Afrikamäli (ou "Tesouros de África", na tradução literal) vai de brincos e colares a castiçais e cestos. Os produtos provêm de países como o Quénia, a África do Sul, Moçambique, Burkina Faso e Mali. Em Matonge, muitos comerciantes mantém uma ampla rede de fornecedores no continente africano.

Bienvenu à Matonge: um pedaço de África em Bruxelas

Um ponto de encontro

A Associação Cultural Kuumba integra africanos e europeus. Há comida africana, bem como concertos, noites de cinema ou passeios guiados pelo bairro Matonge. Além do suaíli, fala-se especialmente o francês. Mas em Kuumba pratica-se também o holandês: o café cultural é apoiado em grande medida pela comunidade flamenga.

Bienvenu à Matonge: um pedaço de África em Bruxelas

Construíndo pontes entre África e Europa

O café cultural Kuumba foi ideia de Jeroen Marckelbach. "Tudo começou, quando circulei de bicicleta de Matonge em Bruxelas a Matonge em Kinshasa em 2008", diz ele. "Eu queria fazer algo para melhorar a relação entre os africanos e os belgas. Eles se conhecem muito pouco. Por meio de cursos de línguas, arte e literatura, as culturas devem aprender uma com a outra."

Bienvenu à Matonge: um pedaço de África em Bruxelas

Multicultural e multilingue

Em Matonge, encontram-se diferentes culturas e línguas. Muitos falam francês, alguns também inglês ou holandês. Alain Mpetsi, que nasceu no Congo, se beneficia da diversidade linguística. Ele fala cinco línguas e trabalha como intérprete. Além disso, ele também dá aulas de suaíli e lingala, duas das línguas mais importantes da República Democrática do Congo.

Bienvenu à Matonge: um pedaço de África em Bruxelas

Tesouros culinários

A comunidade africana não vem a Matonge apenas para fazer compras. É igualmente importante encontrar-se para tomar uma cerveja e ouvir música africana, ou para comer. Vários restaurantes oferecem bebidas e pratos tradicionais de África. O restaurante Soleil d'Afrique (ou "Sol de África", na tradução literal) é um dos mais famosos em Matonge. Tanto moradores quanto turistas vêm aqui.

Bienvenu à Matonge: um pedaço de África em Bruxelas

Banana cozida e mandioca

No cardápio, estão pratos como Mafe (carne com molho de amendoim), Yassa (carne marinada temperada), peixe e bolinhos recheados com legumes ou carne moída. Os pratos geralmente vêm da África Oriental e Ocidental. Como acompanhamento há, por exemplo, arroz ou banana frita. Em Matonge substituem as tradicionais batatas fritas da Bélgica.

Bienvenu à Matonge: um pedaço de África em Bruxelas

Música congolesa ao vivo

Em Matonge, a música é omnipresente. Cantores, alguns deles estrelas na República Democrática do Congo, se apresentam em muitos restaurantes e bares africanos nos finais de semana. Também nas lojas e salões de cabeleireiros, ouve-se música por todo dia. Assim, Matonge traz um pedaço colorido da alegria de viver africana ao cotidiano de Bruxelas, no coração da Europa.