Charlotte Maxeke: "Mãe da Liberdade Negra" na África do Sul

Dedicou a sua vida à luta pelos direitos das mulheres e à educação na África do Sul, no entanto, os esforços de Charlotte Maxeke nem sempre foram reconhecidos. O seu trabalho está agora a ser redescoberto e divulgado.

Nasceu: a 7 de abril de 1871, ou talvez em 1874. Não há consenso acerca do ano e local de nascimento de Charlotte Mannya Maxeke. Alguns afirmam que ela nasceu em Fort Beaufort, na província do Cabo Oriental, outros dizem que foi em Ramokgopa, no distrito de Polokwane, na província de Limpopo. Já a data da sua morte é clara. Charlotte Maxeke morreu a 16 de outubro de 1939.

Reconhecida por: várias coisas. A sua voz, o seu trabalho pela igreja e a sua dedicação aos direitos das mulheres, as suas excecionais habilidades de oratória... Mas ela é principalmente reconhecida por ter sido a primeira mulher negra africana a ir para a universidade e a obter um diploma. A sua missão pessoal passava por compartilhar os seus conhecimentos com as crianças, por isso, construiu uma escola em Evaton, no sul de Joanesburgo.

Papel pioneiro: Maxeke foi um dos primeiros membros do Congresso Nacional Africano (ANC). Foi também um dos primeiros membros femininos do partido e, - algo que a história deixou escapar - foi a única mulher presente no lançamento do ANC em 1912. No lançamento do Projeto "Maxeke Memory", em outubro de 2015, o então vice-presidente do ANC, Cyril Ramaphosa, disse que Charlotte era uma grande oradora e que um dos primeiros Presidentes do ANC, Mahabane, se juntou ao partido após a ter ouvido falar. Em 1918, Maxeke lançou a Liga Feminina Bantu que mais tarde se tornaria a Liga das Mulheres do ANC (African National Congress – Congresso Nacional Africano).

Ouvir o áudio 04:03
Ao vivo agora
04:03 min
MEDIATECA | 05.06.2018

Charlotte Maxeke: "Mãe da Liberdade Negra" na África do Sul

No início da década de 1920, quando as mulheres brancas raramente eram chamadas para desempenhar esse papel, Charlotte foi chamada pelo Ministério da Educação de Joanesburgo para testemunhar como especialista em alguns assuntos. Acabou por ficar a trabalhar como perita no Tribunal de Menores.

Frases Famosas:

"Deixem-me dizer-vos isto meninas: É a beleza do coração e o bom comportamento que durará até que vão para o túmulo. A beleza é adorável quando acompanhada por outras coisas boas. Tentem exercitar o auto-controlo."

Aos homens ela disse: "Queremos homens que sejam a salvação das jovens da sua nação, que possam depender da sua presença; precisamos de homens que se humilhem para que a nação os levante para ser as estrelas de África para as gerações futuras. É isso que a África quer. É para isso que as mulheres da África choram e rezam."

Legado: O trabalho de Charlotte Mannya Maxeke foi um ponto de viragem extremamente importante para a organização das mulheres e a luta contínua pelos seus direitos na África do Sul. O seu status de "a única mulher africana formada na África do Sul" (citado pelo ex-presidente do Malawi, Hastings Kamuzu Banda) e o respeito que ela impôs aos líderes africanos e europeus da época significavam que ela inspirava não apenas as mulheres, mas também "gerações de líderes masculinos". (citação do Presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa). Líderes que aspiravam educação e autonomia para todos os sul-africanos.

Charlotte Maxeke

Uma das grandes paixões de Charlotte Maxeke era a música. Ela cantava num coro.

Charlotte Mannya Maxeke tinha uma voz de anjo, diziam os compatriotas sul-africanos. Em 1891, deixou a África do Sul para cantar pelo mundo fora com o chamado "Coro Nativo Africano”, um grupo muito popular entre o público na Grã-Bretanha e, mais tarde, nos Estados Unidos da América.

Segundo algumas fontes, o líder do coro fugiu com os lucros, deixando os cantores abandonados nos EUA. Nesta que é considerada uma reviravolta no destino de Maxeque, um ex-missionário africano convida-a para estudar na Universidade Wilberforce - uma das primeiras faculdades dos Estados Unidos destinadas a negros. Alguns dos mais ilustres intelectuais afro-americanos do país estudaram nesta instituição.

Aluna brilhante

Em 1901, Maxeke tornou-se a primeira mulher sul-africana negra a obter um diploma universitário. Mas, no seu regresso a casa, ela trouxe bem mais do que apenas um canudo. Maxeke estava determinada a melhorar a situação dos negros e das mulheres na África do Sul.

Charlotte Maxeke

Charlotte Maxeque com o seu professor W.E.B Dubois, uma inspiração para ela

Zubeida Jaffer, jornalista sul-africana, dedica a sua carreira a promover o papel pioneiro das mulheres como Maxeke na história da África do Sul. Em entrevista à DW explica que uma das inspirações de Maxeke foi um dos seus professores. "W.E.B. Dubois é a figura do final do século XIX. Ele foi o filósofo e o pensador político na vanguarda do pan-africanismo. Ele escreve sobre Maxeke e tece-lhe muitos elogios”, afirma.

No entender de Zubeida Jaffer, o conhecimento acerca do trabalho destas mulheres, que começaram a lutar por direitos iguais no início de 1900, é muito escasso. A jornalista explica que: "naquela época não era dado às mulheres o devido lugar. A história da resistência foi contada à volta de figuras masculinas. Começou-se a falar das mulheres envolvidas apenas nos anos cinquenta porque, suponho, seria a memória mais próxima”.

Quando regressou à África do Sul, Charlotte Maxeke encontrou um país governado pelos britânicos e que estava a tornar-se cada vez mais segregado. Em 1912, a jovem esteve presente no lançamento do Congresso Nacional Africano (ANC).

Nos anos seguintes, lutou para que a afiliação de mulheres no partido fosse uma realidade, no entanto, não foi bem sucedida. O que fez com que Maxeke fundasse a Liga Feminina Bantu, em 1918, e que mais tarde se tornaria a Liga das Mulheres do ANC.

Assuntos relacionados

Charlotte Maxeke

Charlotte Maxeque construiu um escola onde ensinava crianças

A importância da educação

Ao longo da sua vida, Maxeke lutou para que os africanos, especialmente as mulheres, pudessem assumir o controlo dos seus próprios interesses. A sua biografia dá conta de que tinha noção do quão importante era a educação na conquista deste objetivo.

Segundo Zubeida Jaffer, Maxeke "tinha uma forte convicção de que devemos fazer as nossas próprias coisas, devemos construir as nossas escolas". Por isso, construiu uma escola "para ensinar os rapazes da aldeia", em Gauteng, Evaton.

Charlotte Mannya Maxeke morreu em outubro de 1939 em Joanesburgo. Menos de uma década depois, a África do Sul agudizou a supressão e discriminação contra a maioria negra, introduzindo oficialmente a sua política de Apartheid (segregação racial).

Houve tempos em que os esforços de Charlotte Maxeke pareciam ter sido em vão. No entanto, a semente da resistência que ela ajudou a semear viria a inspirar as gerações futuras dos sul-africanos.

Os feitos de Maxeke foram ignorados nos livros de História durante vários anos. Mas agora ela está a ser reconhecida como uma peça central na luta pela igualdade de direitos na África do Sul.

O projeto "Raízes Africanas" é financiado pela Fundação Gerda Henkel.

História

Fotografias como testemunhas

O Museum Africa de Joanesburgo exibiu 600 fotografias que contam a história de repressão e libertação da África do Sul. Em meados dos anos 50, membros da organização de direitos civis Black Sash (ou "Faixa Preta", na tradução literal) foram às ruas contra o regime do apartheid. A Black Sash foi fundada por mulheres brancas. Em 1990, Nelson Mandela chamou-a de "consciência da África do Sul branca."

História

A câmera como arma

Peter Magubane, um dos mais famosos fotojornalistas negros, começou como motorista e mensageiro da lendária revista Drum. O alemão Jürgen Schadeberg treinou-o na câmara. Magubane tornou-se mundialmente famoso com imagens da revolta nas townships, áreas habitadas na época por não brancos. Muitas vezes, ele escondeu sua câmera das autoridades, em uma Bíblia oca. Na foto, é preso pelas autoridades.

História

O fim de Sophiatown

O regime do apartheid começou nos anos 50 a dividir áreas residenciais de acordo com as "raças". Como parte da lei Group Areas Act, o bairro multiétnico de Sophiatown, centro cultural da maioria negra, foi demolido e os moradores realocados à força. No lugar de Sophiatown, sugiu o Triumph, um bairro no qual eram permitidos exclusivamente moradores brancos.

História

Comboios sobrelotados

Intermináveis eram as viagens que levavam os moradores dos subúrbios negros para os seus empregos ao centro da cidade. Muitos morreram durante as viagens nos comboios sobrelotados. Mas também havia momentos de espiritualidade. O fotógrafo Santu Mofokeng registou-os numa série impressionante de imagens. O papel da fé e da religiosidade ainda é um dos principais temas para a sociedade sul-africana.

História

Julgamento por Traição

Nesta fotografia de 1956, a imprensa acompanha o chamado Treason Trial ("Julgamento por Traição"), em que 156 sul-africanos foram acusados de trair o país. Um ano antes, eles haviam publicado a "Carta da Liberdade" que propagou uma derrota do apartheid. Entre os réus estava também Nelson Mandela. O processo resultou em uma solidariedade dos grupos de oposição contra todas as barreiras raciais.

História

Ícone da Luta de Libertação

Uma das imagens mais famosas da exposição do Museum Africa é hoje um monumento no centro de Soweto, em memória à revolta dos jovens estudantes que protestaram contra a política racial discriminatória em 1976. Hector Pieterson, de 12 anos, foi baleado na manifestação. O fotógrafo Sam Nzima captou a tragédia. A imagem ficou conhecida em todo o mundo.

História

Luto e rancor

Volta e meia a exposição do Museum Africa mostra fotografias de luto coletivo. Os funerais tornam-se grandes eventos políticos, como o enterro dos Craddock Four, quatro membros do grupo da oposição United Democratic Front. Eles foram sequestrados e assassinados em 1985. Mais tarde, soube-se que o ato foi iniciado por oficiais das forças de defesa sul-africanas que agiam de forma oculta.

História

Uma nova era

Uma nação esperançosa celebra o vencedor. Em 3 de maio de 1994, está claro: Nelson Mandela será o primeiro Presidente de uma África do Sul democrática. "Foi um momento incrível," lembra o fotógrafo George Hallet. Ele havia retratado exilados sul-africanos por 20 anos. Para acompanhar as primeiras eleições livres com sua câmera, Hallet voltou para sua terra natal.

História

Herança pesada dos homelands

Durante décadas, os "homelands" ou "bantustões", as áreas reservadas à população de cor e com alguma autonomia governamental, foram sofrendo cortes: de acesso à educação e cuidados de saúde ao progresso económico. 20 anos após as primeiras eleições livres, muitas regiões ainda lutam contra as consequências da segregação racial territorial.

Conteúdo relacionado