FMI poderá emprestar 120 milhões de dólares a Moçambique

Empréstimo está em avaliação pelo quadro executivo do FMI e poderá ter uma resposta na próxima semana. Dinheiro visa fazer face à destruição provocada pelo ciclone Idai.

O empréstimo está em avaliação pelo quadro executivo do FMI e poderá ter uma resposta na próxima semana, afirmou o diretor do Departamento para África, Abebe Aemro Selassie, em conferência de imprensa na sede do FMI, em Washington, Estados Unidos da América.

O pedido de Moçambique para um empréstimo de emergência foi conhecido em 26 de março e visa fazer face à destruição provocada pelo ciclone Idai.

O FMI empresta, em situações de emergência, entre 60 a 120 milhões de dólares (cerca de 53 a 106 milhões de euros), no âmbito do Instrumento de Crédito Rápido, e, para Moçambique, está a ser apontado o valor mais alto.

Na mesma conferência, Abebe Aemro Selassie adiantou que o Zimbabué, outro dos países afetados pelo Idai, chegou a acordo com o FMI sobre um novo programa de assistência e reformas de políticas monetárias.

Vista parcial da cidade da Beira, após a passagem do Idai

As primeiras estimativas do Banco Mundial sobre os estragos em Moçambique, Zimbabué e Maláui, reveladas na última quinta-feira (11.04), apontam para uma necessidade de 2.000 milhões de dólares (1.768 milhões de euros) para a recuperação de infraestruturas e meios de sustento.

Destruição e vítimas

O ciclone Idai atingiu a região centro de Moçambique, o Maláui e o Zimbabué em 14 de março.

Em Moçambique, o ciclone fez 603 mortos e 1.642 feridos e afetou mais de 1,5 milhões de pessoas, segundo o mais recente balanço divulgado pelo Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC), esta sexta-feira (12.04).

O número de afetados mantém-se em cerca de 1,5 milhões e o número de famílias que está a receber ajuda humanitária reduziu de 30.567 para 14.528, desde 6 de abril, ao mesmo tempo que o número de centros de acomodação diminuiu de 139 para 70 no mesmo período.

Na quarta-feira (10.04), as autoridades do Zimbabué anunciaram que a passagem do Idai causou 344 mortos no país, revendo em alta estimativas anteriores, que indicavam entre 180 a 250 vítimas mortais. Pelo menos 257 pessoas são dadas como desaparecidas no leste do país.

Na Maláui, as inundações provocadas pela passagem do ciclone provocaram 59 mortos e quase 900 feridos.

Ciclone Idai: Um mês após a tragédia

Depois do ciclone, ruínas

Na cidade da Beira, Ester Thoma caminha com o filho junto às ruínas da sua antiga casa, que foi quase completamente destruída pelo ciclone Idai. A cidade foi uma das mais afetadas pela passagem do ciclone, a 14 de março de 2019. Uma catástrofe que deixou um rasto de destruição e que já é uma das maiores tragédias da história do país.

Ciclone Idai: Um mês após a tragédia

O ciclone Idai visto pela NASA

Esta imagem de satélite foi feita pela NASA e mostra a aproximação do ciclone Idai à costa dos países africanos. "A situação é terrível, a magnitude da devastação é enorme", disse na ocasião o líder da equipa de avaliação da Cruz Vermelha na Beira, Jamie LeSueur.

Ciclone Idai: Um mês após a tragédia

Crise humanitária sem precedentes

Em Moçambique, o ciclone Idai afetou mais de 1,5 milhões de pessoas, segundo o mais recente balanço. Deixou pelo menos 602 mortos e 1.641 feridos. A 27 de março, as autoridades do país declararam um surto de cólera. Isso porque, após a passagem do ciclone, a 14 março, seguiram-se chuvas intensas e inundações.

Ciclone Idai: Um mês após a tragédia

Moisés, o bebé que nasceu em cima de uma árvore

Enquanto Moçambique avaliava os estragos do ciclone Idai, em toda a província de Sofala, cerca de 5 mil pessoas esperavam por socorro em cima de árvores e tetos de casas. Em Búzi, um dos distritos mais afetados pelo Idai, um bebé, que recebeu o nome de Moisés, nasceu em cima de uma árvore. Como a personagem bíblica, este Moisés também foi salvo das águas.

Ciclone Idai: Um mês após a tragédia

Cheias em Tete

Em Tete, as cheias que seguiram à passagem do ciclone afetaram pelo menos 900 famílias. Dessas, cerca de 600 foram acolhidas no centro de acomodação do Instituto Industrial e Comercial de Matundo. Entretanto, as dificuldades foram enormes. Com a falta de tendas, as famílias juntavam os seus pertences debaixo de árvores.

Ciclone Idai: Um mês após a tragédia

OMS contra a cólera

Uma mulher vítima de cólera é transportada por profissionais de saúde. Após o devastador ciclone Idai, a Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou estar a preparar-se para um possível aumento acentuado da doença. 900 mil vacinas contra a cólera foram enviadas para o país. Na cidade mais afetada, a Beira, foram instalados três centros de tratamento.

Ciclone Idai: Um mês após a tragédia

Depois do desastre, a cólera

Cerca de 800 mil pessoas foram vacinadas contra a cólera até 11 de abril, numa campanha para evitar a propagação da doença em quatro distritos afetados pelo ciclone Idai na província de Sofala. Dados oficiais indicam que pelo menos sete pessoas morreram devido ao surto, até 9 de abril, registando-se 535 casos.

Ciclone Idai: Um mês após a tragédia

Solidariedade alemã

O Governo da Alemanha aumentou a ajuda humanitária para um total de 5 milhões de euros. Diversas organizações humanitárias e igrejas cristãs pediram donativos. Cruz Vermelha alemã, Caritas Alemanha, Diocese de Hamburgo, Diakonie Katastrophenhilfe, Action Medeor, foram algumas das instituições alemãs que estiveram a apoiar os moçambicanos.

Ciclone Idai: Um mês após a tragédia

Artistas e desportistas apoiam vítimas

O concerto solidário "Mão dada a Moçambique" promovido pela cantora moçambicana Selma Uamusse, decorreu no dia 2 de abril em Lisboa e conseguiu angariar cerca de 300 mil euros para as vítimas do Idai. Surfistas e futebolistas em Portugal uniram-se ao movimento de solidariedade em vários eventos. Houve também concertos para angariar fundos em Nampula e no Niassa, no norte de Moçambique.

Ciclone Idai: Um mês após a tragédia

Falta de médicos e medicamentos nos hospitais da Beira

Equipas da cruz vermelha trabalham para ajudar sobreviventes. Mas nos postos de saúde da Beira, a cidade mais afetada pelo ciclone Idai, há longas filas de pacientes, todos os dias. Queixam-se da falta de médicos e de medicamentos. A Cruz Vermelha Portuguesa montou um hospital de campanha em Macurungo, que diariamente atende mais de 300 pessoas.

Ciclone Idai: Um mês após a tragédia

Sem electricidade

Um mês após o ciclone, a empresa estatal Electricidade de Moçambique (EDM) anunciou que precisa de 106 milhões de euros para a recuperação das infraestruturas destruídas pelo ciclone Idai no centro do país. Mais de 95% dos clientes da EDM nas províncias de Sofala, Manica, Tete e Zambézia ficaram sem energia elétrica.

Ciclone Idai: Um mês após a tragédia

Ajuda para reconstruir o futuro

Enquanto os moçambicanos tentam reconstruir as suas vidas, a Comissão Europeia anunciou na terça-feira (09.04) uma verba adicional de 12 milhões de euros de ajuda humanitária para as populações afetadas pelo ciclone Idai em Moçambique. Esse país receberá a maior fatia da ajuda (sete milhões de euros), seguido por Zimbabué (quatro milhões) e Malawi (um milhão de euros).