Laas Geel: pinturas milenares na Somalilândia

Laas Geel: pinturas milenares na Somalilândia

Se gosta de arte antiga, é por aqui

"Estas são das mais importantes pinturas rupestres no leste de África", explica Xavier Gutherz, um arqueólogo francês que mostrou ao mundo as cavernas de Laas Geel em 2002. São importantes "pela grande quantidade e qualidade dos painéis e pela singularidade das representações do gado e das pessoas." As cavernas ficam a 55 quilómetros a nordeste da capital da Somalilândia, Hargeisa.

Laas Geel: pinturas milenares na Somalilândia

Um segredo local

"Os habitantes conheciam as cavernas, mas evitavam-nas porque não entendiam o que eram e tinham receio", explica Abdisalam Mohamed, especialista em turismo da Somalilândia. Há cerca de 12 abrigos pintados ao longo de um afloramento granítico por cima de dois cursos de água secos. Quando chove, enchem-se de água. Daí o nome do local: "Laas Geel", um bebedouro de camelos.

Laas Geel: pinturas milenares na Somalilândia

Terra de pastores

O local abrigado e o clima da região preservaram as pinturas, que têm entre 5.000 a 10.000 anos. As imagens mostram figuras humanas a beber leite das vacas e a viver da pastorícia, explica Abdisalam. Segundo especialistas, Laas Geel é prova de que este estilo de vida já existira no Corno de África milhares de anos antes de chegar à Europa ocidental.

Laas Geel: pinturas milenares na Somalilândia

Obra do diabo

"Quando eu era pequeno, pensávamos que estas pinturas estavam ligadas ao diabo", conta Musa Abdi, de 57 anos, que andou toda a vida por Laas Geel. Hoje em dia, Musa ajuda a proteger o local. "Agora sei o que são. São agora parte de mim. Se este se local ficar mais conhecido, talvez ajude ao reconhecimento da Somalilândia como país."

Laas Geel: pinturas milenares na Somalilândia

A ponta do "icebergue"

Alguns destas formações rochosas contêm 350 pinturas. E há mais noutros sítios. A arqueóloga somali Sada Mire observou cerca de 100 locais com pinturas rupestres na Somalilândia. Incluindo em Dhagax Khoure, a 45 quilómetros a noroeste de Hargeisa, e Dhambalin, a 100 quilómetros a leste da cidade costeira de Berbera. Provavelmente, existirão outros 1.000 locais por descobrir, diz a especialista.

Laas Geel: pinturas milenares na Somalilândia

Difícil de encontrar

Laas Geel fica fora da principal estrada asfaltada, entre Hargeisa e Berbera - esta zona poderá ser um potencial destino turístico, devido às praias cristalinas e ao seu centro histórico, com arquitetura otomana. Mas só é acessível aceder a Laas Geel através de uma estrada acidentada, que pode não agradar a muitos turistas.

Laas Geel: pinturas milenares na Somalilândia

Animais que desapareceram

As girafas já não andam por aqui, devido ao clima árido e às formações rochosas, mas ainda aparecem nas pinturas rupestres de Laas Geel (no cimo da fotografia, à esquerda). Estas imagens sugerem que houve uma mudança de clima. Abdisalam aponta para aquilo que serão chacais ou hienas que parecem perseguir a girafa.

Laas Geel: pinturas milenares na Somalilândia

Mais pessoas podiam vir aqui

Laas Geel atrai alguns turistas estrangeiros e membros da diáspora da Somalilândia. "Quando os turistas vão à Etiópia, também pedem para vir aqui", diz Khalid Muhamed, um agente turístico da região. O estado semi-autónomo ainda é alvo da instabilidade política na região. Espera-se que este local possa atrair muito mais pessoas no futuro.

Laas Geel: pinturas milenares na Somalilândia

À espera de título da UNESCO

Uma equipa da UNESCO visitou Laas Geel, mas o local não pôde receber o título de Património Mundial porque a Somalilândia não é reconhecida pelas Nações Unidas e a Somália não ratificou a Convenção para a Proteção do Património Mundial, Cultural e Natural de 1972. O Governo da Somalilândia não disponibilizou dinheiro para proteger as pinturas, e algumas começam a deteriorar-se.

Laas Geel: pinturas milenares na Somalilândia

Perguntas sem resposta

O sol põe-se em Laas Geel - até hoje, um local de mistérios. Ninguém sabe qual era o objetivo de quem pintou estas figuras. Talvez elas tenham resultado de rituais, sugere o arqueólogo Gutherz. Milhares de anos depois, é impossível saber ao certo.

Estas formações rochosas na Somalilândia abrigam algumas das mais antigas pinturas rupestres em África. As cavernas de Laas Geel são uma janela para o passado.