Moçambique: Grupo de contacto espera acordo de paz até abril

Grupo que tem mediado o diálogo entre Governo e RENAMO espera acordo "para a paz definitiva" nos próximos meses.

"Tal como é o desejo de muitos moçambicanos, também nós aguardamos com expectativa a assinatura de um acordo de paz até abril, que crie as condições necessárias para a paz definitiva em Moçambique", referiu esta segunda-feira (11.02) o presidente do grupo de contacto e embaixador da Suíça em Moçambique, Mirko Manzoni, em comunicado.

O comunicado surge na sequência de um encontro, na quinta-feira (08.02), entre o Grupo Técnico Conjunto para a desmilitarização, desarmamento e reintegração (DDR) dos guerrilheiros da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO) e o brigadeiro general Javier Perez Aquino, na cidade da Beira.

Aquele grupo técnico conjunto, sediado na capital da província de Sofala, reúne peritos militares indicados pelas partes (RENAMO e Governo), enquanto Javier Perez Aquino lidera um grupo de peritos militares internacionais.

O encontro "é um sinal claro de que as equipas encarregadas de trabalhar na implementação do memorando de entendimento se encontram agora a discutir os aspetos técnicos do processo de DDR".

"Embora seja da responsabilidade de ambas as partes assegurar que as atividades detalhadas no memorando são implementadas em paralelo, o grupo de contacto reafirma a sua disponibilidade para, se necessário, prestar apoio", conclui.

Assistir ao vídeo 01:22
Ao vivo agora
01:22 min
MEDIATECA | 15.11.2018

Messica: Onde nasceu o conflito moçambicano

Encontros semanais

A presidência moçambicana anunciou na sexta-feira que, na sequência do encontro realizado na cidade da Beira, o grupo técnico conjunto vai passar a realizar encontros semanais para efetivar o processo.

"O grupo acordou a realização de encontros numa regularidade semanal para a preparação de documentos e aspetos logísticos que são necessários para a efetivação do processo de DDR", refere-se em comunicado.

O arranque do programa de DDR foi anunciado pelo Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, no dia 06 de outubro.

O ato marcou a chegada de nove peritos militares internacionais liderados pelo argentino Javier Antonio Pérez Aquino, 58 anos, cuja mais recente missão consistiu em supervisionar, para as Nações Unidas, o desarmamento de guerrilheiros na Colômbia.

O processo de DDR abrange um número ainda não divulgado de guerrilheiros e é a segunda parte de uma negociação definitiva para a paz que o Presidente moçambicano encetou no último ano com o falecido líder da Renamo, Afonso Dhlakama, após o cessar-fogo decretado por este em dezembro de 2016.

Assuntos relacionados

A primeira parte levou a um acordo sobre a descentralização do poder, consumada em maio de 2018 com alterações à Constituição e consequente adaptação das leis eleitorais para o escrutínio de outubro deste ano.

África em 2018: Entre a esperança e o medo

Combate à corrupção e desigualdade social na África do Sul

No início do ano, o Presidente sul-africano, Jacob Zuma, cede à pressão do Congresso Nacional Africano (ANC) e abandona o cargo, após nove anos no poder. Tem de responder em tribunal por corrupção, lavagem de dinheiro e fraude. O seu sucessor, Cyril Ramaphosa, lança um plano de reforma agrária para lutar contra as desigualdades sociais no país.

África em 2018: Entre a esperança e o medo

Reconciliação no Quénia

Em março, o Presidente do Quénia, Uhuru Kenyatta, e o líder da oposição, Raila Odinga, chegam a acordo para o fim da crise política. A oposição tinha boicotado a repetição das eleições do ano anterior, devido a suspeitas de manipulação. Odinga chega a "tomar posse" como "Presidente do povo", mas os líderes decidem pôr as diferenças de lado para dar início ao "processo de construção do Quénia".

África em 2018: Entre a esperança e o medo

Sociedade civil sob pressão na Tanzânia

O Presidente John Magufuli torna-se cada vez mais autoritário e a sociedade civil da Tanzânia enfrenta inúmeras restrições. As mulheres grávidas são proibidas de ir à escola e os homossexuais são cada vez mais reprimidos. No final do ano, várias organizações internacionais suspendem os apoios financeiros ao desenvolvimento do país, exigindo ao Presidente que respeite os direitos humanos.

África em 2018: Entre a esperança e o medo

Mais de 20 anos depois, paz entre Etiópia e Eritreia

A companhia aérea "Ethiopian Airlines" chama-lhe "pássaro da paz": em julho, um avião parte de Addis Abeba para Asmara. É o primeiro voo direto entre os dois países vizinhos, antigos rivais. Famílias separadas há anos podem finalmente abraçar-se com o início do processo de reconciliação entre a Etiópia e a Eritreia, pela mão do novo primeiro-ministro etíope, Abiy Ahmed.

África em 2018: Entre a esperança e o medo

O fim do nepotismo em Angola?

O Presidente angolano, João Lourenço, combate o nepotismo no país. Em setembro, a luta atinge José Filomeno dos Santos, Zenú: o filho do ex-Presidente José Eduardo dos Santos é detido sob acusações de corrupção. A irmã, Isabel dos Santos, já tinha sido exonerada no ano anterior da presidência do conselho de administração da petrolífera estatal Sonangol.

África em 2018: Entre a esperança e o medo

RDC: Joseph Kabila de saída

Após muitos avanços e recuos, o Presidente da República Democrática do Congo anuncia, finalmente, que não vai candidatar-se às eleições de dezembro. O "delfim" do chefe de Estado é o ex-ministro do Interior, Emmanuel Ramazani Shadary. Figuras proeminentes da oposição como Jean-Pierre Bemba e Moïse Katumbi são impedidos de entrar na corrida. E a oposição continua dividida.

África em 2018: Entre a esperança e o medo

Extremismo islâmico continua a ameaçar o Mali

A situação de segurança no Mali mantém-se frágil, apesar da presença de tropas internacionais, como os soldados do Exército alemão em missão de treino, na foto. Nas presidenciais de agosto, após ameaças de radicais islâmicos, várias centenas de um total de 23 mil assembleias de voto são encerradas. Após alguns protestos da oposição, o Presidente Ibrahim Boubacar Keïta é empossado novamente.

África em 2018: Entre a esperança e o medo

Nobel da paz para Nadia Murad e Denis Mukwege

A defensora dos direitos humanos iraquiana e o médico congolês dedicam a vida à luta contra a violência sexual como arma de guerra. O ginecologista Denis Mukwege trata mulheres vítimas de violência sexual no hospital de Parzi, que fundou no leste da República Democrática do Congo.

África em 2018: Entre a esperança e o medo

Crise na região anglófona dos Camarões

Segundo a Amnistia Internacional, 400 pessoas morreram este ano no conflito entre o Governo dos Camarões e separatistas. As escolas estiveram várias vezes de portas fechadas e o mesmo aconteceu com muitas assembleias de voto nas eleições de outubro. Apenas 53% dos camaroneses conseguiram votar. Paul Byia foi eleito para um oitavo mandato na Presidência.

África em 2018: Entre a esperança e o medo

Moçambique: Terror em Cabo Delgado

Homens armados desconhecidos atacam esquadras, incendeiam casas e veículos e disparam contra a população na província nortenha. Os atacantes serão maioritariamente muçulmanos, mas as autoridades rejeitam uma ligação entre os ataques em Cabo Delgado e grupos radicais islâmicos. Em outubro, mais de 200 suspeitos de terrorismo são detidos. Onda de violência já fez 100 vítimas mortais.

África em 2018: Entre a esperança e o medo

Da Alemanha para África: Revisão das parcerias

Na cimeira de Berlim, em outubro, faz-se um balanço do programa "Compact with Africa" de cooperação alemã com o continente africano. O número de empresas alemãs a investir em África cresce a um ritmo lento. A chanceler Angela Merkel - na foto, entre o Presidente do Ruanda Paul Kagame e Cyril Ramaphosa, da África do Sul - anuncia um novo fundo de investimento de mil milhões de euros.