Moçambique: Mocímboa da Praia foi palco de novo ataque

Atacantes mataram duas pessoas, incendiaram casas e destruíram uma igreja, anunciou a polícia. Quatro pessoas ficaram feridas. Polícia nega relação deste episódio de violência com os ataques de outubro em Cabo Delgado.

O novo ataque em Mocímboa da Praia, na província nortenha de Cabo Delgado, ocorreu na semana passada (29.11), cerca de dois meses depois da onda de violência que as autoridades atribuem a extremistas islâmicos.

"Um grupo de atacantes vandalizou casas, estabelecimentos e uma igreja cristã", nas aldeias de Mitumbate e Makulo, em Mocímboa da Praia, anunciou Inácio Dina, porta-voz da do Comando-Geral da Polícia da República de Moçambique (PRM). "Quatro pessoas ficaram feridas e duas morreram", acrescentou.

O porta-voz negou qualquer ligação entre este episódio de violência e o ataque de outubro. "Não queremos relacionar prematuramente estes ataques com aquele de 5 de outubro", afirmou Inácio Dina. Entretanto, "a segurança e a ordem pública" foram restabelecidas na região, garantiu o porta-voz da PRM.

A 5 e 6 de outubro, dois homens armados atacaram três postos da polícia em Mocímboa da Praia, nas proximidades com a fronteira tanzaniana. No balanço, morreram pelo menos dois agentes e outros quarto elementos das forças de segurança, além de um número incerto de atacantes que diferentes dados das autoridades colocam acima das 10 vítimas.

Autoridades identificaram suspeitos

Entretanto, o governo distrital de Mocímboa da Praia anunciou na segunda-feira (04.12) a identificação de dois suspeitos de organizarem os ataques de outubro, cujo paradeiro é desconhecido,

Mosambik Mocímboa da Praia

Governo distrital de Mocímboa da Praia identificou dois suspeitos dos ataques

Nuro Adremane e Jafar Alawi, dois moçambicanos, constam de um documento entregue pelo administrador ao governo provincial de Cabo Delgado na última semana e citado pelo jornal estatal Notícias.

Ao mesmo grupo é atribuída a autoria de dois homicídios e de um incêndio que destruiu 27 casas de uma aldeia naquele distrito, na última semana, acrescentou Rodrigo Puruque, administrador de Mocímboa da Praia.

O governo distrital refere que os suspeitos estudam doutrinas religiosas na Tanzânia, Sudão e Arábia Saudita, onde alegadamente recebem treinos militares e aprendem a manusear armas de fogo e armas brancas, fora do controlo das instituições formais.

Na sequência da violência em outubro, em Mocímboa da Praia, as autoridades fizeram cerca de 50 detenções e ordenaram o encerramento de três mesquitas que, alegadamente, seriam frequentadas pelos extremistas islâmicos envolvidos nos ataques.

Entretanto, o Presidente moçambicano Filipe Nyusi afastou em outubro Graça Tomás Chongo do cargo de chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM).

Assuntos relacionados

Nyusi exonerou também Júlio dos Santos Jane do cargo de Comandante-Geral da PRM para o nomear Diretor-Geral do Serviço de Informações e Segurança do Estado SISE, dispensando desse cargo Lagos Lidimo.

Política

O começo da guerra civil

A guerra entre o Governo da FRELIMO e a RENAMO começou em 1977, isso cerca de dois anos após a proclamação da independência do país. A RENAMO contestava a governação da FRELIMo e queria democracia. Este movimento tinha o apoio da ex-Rodésia e da África do Sul, dois vizinhos de Moçambique. A guerra matou milhões de moçambicanos e quase paralisou a economia do país.

Política

Acordo de Inkomati, o primeiro de vários

Acabar com a guerra era o obetivo deste acordo, alcançado em 1984. Foi assinado entre os antigos Presidentes de Moçambique e da África do Sul, Samora Machel e Peter Botha, respetivamente. Ficou acordado que Pretória deixava de apoiar a RENAMO e Maputo parava o apoio ao ANC. Este último que lutava contra o Apartheid. Mas ninguém respeitou o acordo.

Política

Acordo Geral de Paz de Roma

Colocou finalmente fim a guerra em 1992. Foi patrocinado pela Comunidade Santo Egídio, instituição católica italiana. Nessa altura o país já estava devastado e tinha transitado do sistema socialista para o da economia de mercado. Afosno Dhlakama, líder da RENAMO, e Joaquim Chissano, ex-Presidene de Moçambique, assinaram um acordo que pôs fim a uma guerra de 16 anos.

Política

Eleições: nova era de desentendimentos

Em 1994 o país dava os seus primeiros passos rumo a democracia: início do multipartidarismo e realização das primeiras eleições, patrocinadas pela ONU. O primeiro Presidente eleito do país foi Joaquim Chissano. A RENAMO contestou, mas acabou por aceitar os resultados eleitorais.

Política

Eleições 1999: RENAMO revolta-se

Nas segundas eleições, em 1999, Joaquim Chissano e a FRELIMO voltaram a ganhar. Mas o processo foi novamente marcado por graves irregularidades, a RENAMO diz que houve fraude e contestou com mais veemência. E no ano 2000 apoiantes da RENAMO manifestaram-se em Montepuez província de Cabo Delgado, contra os resultados. Cerca de 700 manifestantes terão sido detidos e mortos por asfixia nas celas.

Política

Rastilho para o barril de pólvora já arde

As sucessivas irregularidades nas eleições, a lei eleitoral desajustada e difícil integração dos ex-guerrilheiros da RENAMO no exército nacional foram os principais pontos que aumentaram a tensão com o Governo. A falta de confiança que caracteriza a relação entre as partes aumentou.

Política

As armas falam novamente

Em 2013 a polícia e homens da RENAMO confrontaram-se. Era o início dos conflitos armados. Nesse ano a RENAMO recusa a aprovação da Lei Eleitoral e não participa nas autárquicas. Há um interregno no conflito para a realização de eleições gerais em 2014. A RENAMO perde e acusa a FRELIMO de fraude. O país volta a ser palco de guerra. RENAMO exige governar as seis províncias onde diz ter ganho.

Política

Guebuza e Dhlakama: o braço de ferro até ao fim

Em setembro de 2014 o Presidente Armando Guebuza e o líder da RENAMO chegam a acordo para por fim ao conflito armado. Abriu-se assim caminho para as eleições gerais, onde a RENAMO participou. Mas as negociações entre os dois homens nunca foram fáceis. Para começar os encontros foram poucos.

Política

Na guerra vale tudo

Em Setembro de 2015 Dhlakama sofreu dois atentados. Um deles contra a coluna em que viajava, de Manica a Nampula. Afonso Dhlakama saiu ileso, mas segundo relatos morreram várias pessoas. Mais tarde várias viaturas da comitiva do líder da RENAMO foram queimadas. Dhlakama acusou a FRELIMO pelos atentados.

Política

Cerco a casa de Afonso Dhlakama

Em outubro de 2015 a guarda pessoal do líder da RENAMO foi desarmada pelas forças governamentais durante um cerco à sua residência na cidade da Beira. O Governo pretendia um desarmamento forçado dos homens da RENAMO. O desarmamento da maior força da oposição é um dos pontos controversos nas negociações de paz.

Política

Diálogo de paz pouco frutífero

Infindáveis rondas marcaram as negociações de paz. E em paralelo as armas falavam nas matas, membros da RENAMO eram assassinados a média de um por mês em 2016. Observadores e mediadores, nacionais e internacionais, entraram e saíram do barulho sem conseguir muito. Houve também adiamentos de rondas e algumas pausas no processo.

Política

Dhlakama e Nyusi: maior proximidade, bons sinais

Em agosto de 2017 o Presidente Nyusi deslocou-se à Gorongosa, bastião da RENAMO, para se encontrar com Dhlakama. Os dois líderes acordaram sobre os próximos passos no processo de paz. Esperavam um acordo de paz até ao final de 2017, mas tal não deverá acontecer. Entretanto, Dhlakama está satisfeito com o andamento das negociações. O sigilo entre os dois parece ser o segredo de um bom entendimento.