Partidos guineenses acreditam em eleições a 10 de março

Principais atores políticos guineenses reafirmaram esta quinta-feira a determinação de organizar legislativas na data prevista, apesar da polémica em torno do recenseamento. Acreditam que erros serão corrigidos a tempo.

A convicção dos partidos foi manifestada no final de uma reunião que terminou na noite de quinta-feira (31.01) em Bissau. Participaram no encontro o Presidente da República, José Mário Vaz, o primeiro-ministro, Aristides Gomes, os 24 partidos que apresentaram candidaturas às legislativas no Supremo Tribunal de Justiça, os auditores da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), o Gabinete Técnico de Apoio ao Processo Eleitoral (GTAPE) e os técnicos nigerianos da empresa que desenvolveu o software' utilizado para realizar o recenseamento eleitoral.

Em declarações aos jornalistas, Odete Semedo, vice-presidente do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) disse que o encontro foi técnico e serviu para ouvir o técnicos do GTAPE o ponto de situação em relação à afixação das listas de cidadãos recenseados e as respetivas reclamações.

A dirigente do PAIGC reconhece que há dificuldades, mas acredita que o pleito terá lugar na data marcada. "Num país com grandes dificuldades, que iniciou este processo com 49 partidos políticos, num ambiente de 1,6 milhões de habitantes, não é fácil gerir todos estes partidos, mas o processo andou ainda está aos solavancos, mas nós no PAIGC acreditamos que vamos chegar a bom porto", diz Odete Semedo.

Há condições "apesar das dificuldades"

O primeiro-ministro, Aristides Gomes, disse à DW África que estão reunidas as condições para a realização das eleições a 10 de março, apesar de existirem ainda algumas dificuldades financeiras e logística. "De grosso modo, estamos a conseguir respeitar os prazos e vamos continuar a fazer esforços. Mas 10 de março será o dia do escrutínio para as legislativas na Guiné-Bissau", sublinhou.

Ao vivo agora
02:35 min
MEDIATECA | 01.02.2019

Partidos guineenses acreditam em eleições a 10 de março

O GTAPE iniciou a semana passada a afixação dos cadernos eleitorais provisórios, o atendimento de reclamações para a correção de dados nos cartões de eleitor e a recolha de impressões digitais em falta no país e na diáspora.

Os partidos têm denunciado que os cadernos eleitorais ainda não foram afixados em todas as zonas do país e que, por consequência, as pessoas não têm conseguido apresentar as suas reclamações.

Recenseamento polémico

Orlando Mendes Veigas, diretor de campanha eleitoral do Partido de Renovação Social (PRS), um dos partidos que constesta o recenseamento, diz ter saído da reunião mais esclarecido e espera a rápida resposta do governo para cumprir com os prazos.

"Ainda não há brigadas de recenseamento em muitas localidades do país e isso inquieta-nos muito e queremos ver as coisas resolvidas", sublinha o dirigente do PRS. "Provavelmente na próxima semana o Governo vai ter condições para mobilizar a logística."

Segundo os dados provisórios do GTAPE, foram recenseados cerca de 733 mil eleitores.

Parque Natural do Rio Cacheu: Uma Guiné-Bissau desconhecida

Três tipos de mangais

Impressiona a cobertura de mangal, tal como a vida que é levada no interior do parque de Cacheu, onde salta à vista o potencial para o ecoturismo. O parque protege a maior concentração contínua dos mangais na sub-região africana.

Parque Natural do Rio Cacheu: Uma Guiné-Bissau desconhecida

Roteiro de ecoturismo

Ameaça chover no Parque Natural dos Tarrafes de Cacheu. Este local faz parte do roteiro de ecoturismo. A pesca artesanal praticada pelos povos locais, desprovidos de quaisquer meios de seguranca, é o que sustenta a riqueza da zona.

Parque Natural do Rio Cacheu: Uma Guiné-Bissau desconhecida

Desfrutar da pesca

No primeiro dia após a abertura do repouso biológico do rio Cacheu, os pescadores puderam verificar que os peixes aumentaram em quantidade e tamanho.

Parque Natural do Rio Cacheu: Uma Guiné-Bissau desconhecida

Pesca em família

Pai e filho durante uma sessão de pesca no interior do Parque Natural dos Tarrafes do Rio Cacheu. A pesca artesanal e de subsistência é a alavanca de várias famílias ao redor das cidades de Cacheu, São Domingos e Farim.

Parque Natural do Rio Cacheu: Uma Guiné-Bissau desconhecida

Efeitos da exploração abusiva

A erosão costeira é uma das ameaças devido ao corte do mangal e da agricultura itinerante ao nível do interior do parque. A pressão sobre os recursos é notória tendo como base o aumento demográfico.

Parque Natural do Rio Cacheu: Uma Guiné-Bissau desconhecida

Práticas ecológicas

A conciliação da exploração dos recursos e práticas ecológicas tendo em vista a perenidade dos recursos é apontada como o caminho para a sustentabilidade das comunidades residentes no Parque Natural dos Terrafes de Cacheu. Os habitantes fazem o cultivo de arroz à mão - uma produção ainda mecânica.

Parque Natural do Rio Cacheu: Uma Guiné-Bissau desconhecida

Cultivo de Arroz

O cultivo e a colheita do arroz, a base da dieta alimentar dos guineenses, é uma atividade feita na época das chuvas que visa garantir o autosuficiência alimentar dos povos de campo. É uma atividade que envolve homens, mulheres e crianças no interior da Guiné-Bissau.

Parque Natural do Rio Cacheu: Uma Guiné-Bissau desconhecida

Produção de carvão

As alternativas à produção energética para o consumo doméstico é um dos desafios da conservação na Guiné-Bissau. Troncos árvores são colocados numa espécie de forno para a sua transformação em carvão. O produto é usado essencialmente na cozinha.

Parque Natural do Rio Cacheu: Uma Guiné-Bissau desconhecida

Casas improvisadas

A existência de santuários no interior do parque é um dos valores simbólicos mais importantes que a cultura desempenha na conservação do espaço natural e na ligação entre a população local e o parque.

Parque Natural do Rio Cacheu: Uma Guiné-Bissau desconhecida

Diversão dos jovens no porto

Saltos e mergulhos são as atividades de lazer prediletas dos jovens no Porto de Cacheu ao fim da tarde. Um processo quase que de socialização obrigatória.