Presidente angolano faz remodelação na EPAL

Chefe de Estado angolano, João Lourenço, afasta administradores da Empresa Pública de Águas (EPAL-EP) depois de quase dois meses de greve dos trabalhadores, sem fim à vista.

O chefe de Estado angolano, João Lourenço, exonerou o presidente do Conselho de Administração da Empresa Pública de Águas (EPAL-EP), Diógenes Orsini Flores Diogo.

Com Flores Diogo saíram também os administradores executivos Pedro Manuel Sebastião, Ana Eduarda Assis de Almeida e Adão Manuel da Silva, além do administrador não executivo Domingos António Candeia.

Só dois administradores ficaram em funções, segundo uma nota da Casa Civil divulgada na segunda-feira (20.05): Manuel Silva Lopes da Cruz (administrador executivo) e Armando João (administrador não executivo).

Diógenes Orsini Flores Diogo será substituído na chefia do Conselho de Administração por Fernando João Cunha, de acordo com o decreto presidencial.

Em Luanda, corre água turva

Greve na EPAL

A remodelação na empresa pública ocorre quase dois meses depois de os trabalhadores decretarem uma greve, a 28 de março. Os grevistas exigem um aumento do salário base de 40 mil kwanzas (mais de 100 euros) para 100 mil kwanzas (mais de 300 euros), mas as negociações com a administração da EPAL foram suspensas.

Desde que a greve começou, corre nas torneiras de Luanda água imprópria para consumo.

Em entrevista à DW na semana passada, António Martins, 1º secretário da comissão sindical da EPAL, garantiu que o problema não tem a ver com a paralisação: "Não há produtos químicos", afirmou, "e, ainda que os trabalhadores estivessem lá a exercer a sua atividade, sem produtos químicos ficaria difícil resolver essa situação".

Água potável em Angola, privilégio para poucos

Abastecimento, uma maratona diária

Para quem tem água encanada em casa, a vida sem ela é inimaginável. Esta é, no entanto, a realidade para mais da metade da população angolana, segundo a Universidade Católica de Angola (UCAN). Todos os dias, os angolanos fazem uma maratona que consume uma quantia considerável de tempo e dinheiro para obter água.

Água potável em Angola, privilégio para poucos

O dia começa no chafariz púlico

Nas regiões periféricas da capital de Angola, Luanda, o dia começa cedo a caminho do chafariz público. No município de Cazenga, esta é uma cena comum. Mulheres e crianças são as principais responsáveis pelo abstecimento de água das famílias angolanas. O consumo diário é geralmente limitado pela capacidade de aquisição e transporte da água.

Água potável em Angola, privilégio para poucos

Preço alto e falta d'água

Segundo um estudo do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), as fontes mais comuns para o abastecimento de água segura em Angola são: chafarizes (16%), furos protegidos (12%) e cacimbas (6%). Em Luanda, um galão de 20 litros de água custa 10 kwanzas no chafariz – o equivalente a 0,10 dólares. As famílias chegam cedo. Mas, muitas vezes, o chafariz está fechado por falha no abastecimento.

Água potável em Angola, privilégio para poucos

O sonho de ter água em casa

Aqueles que têm condições constroem tanques para armazenar a água em casa. O custo da obra supera os 1.500 dólares – uma despesa pesada com a qual poucos podem arcar. A água é entregue por um caminhão pipa privado e cada fornecimento de 20 mil litros custa 20 mil kwanzas – o equivalente a 0,20 dólares por 20 litros de água.

Água potável em Angola, privilégio para poucos

Água, um bom negócio?

Apesar de custar o dobro do preço pago no chafariz público, o tanque pode se tornar um bom negócio. Muitas pessoas vendem parte de sua água a 50 kwanzas por galão – o equivalente a 0,50 dólares por 20 litros. Uma margem de revenda de 150%. Esta mulher de Luanda compra água de sua vizinha e armazena em tonéis em casa.

Água potável em Angola, privilégio para poucos

Situação difícil também nas províncias

A falta de abastecimento de água leva a população a enfrentar muitas dificuldades para o transporte. Mulheres transportam a água até suas casas. Na foto: a cidade do Lobito, na província de Benguela. Além de ter que suportar o peso da bacia cheia, é preciso muito equilíbrio para não deixar a água pelo caminho.

Água potável em Angola, privilégio para poucos

Armazenar para garantir o abastecimento

As residências onde há encanamento são um privilégio para poucos angolanos. Ainda assim, não há garantia de que haverá sempre água. O abastecimento falha com frequência. No Lobito, muitos moradores investem em tanques para a armazenagem. Este comporta 3.000 litros de água e é a garantia para uma família de oito pessoas. O investimento foi de 560 dólares.

Água potável em Angola, privilégio para poucos

Criatividade para vencer a dificuldade

O transporte da água depende da criatividade e das possibilidades de cada um. Depois de adquirir a água, será preciso prepará-la para o consumo. Apesar da transparência, a água precisa ser tratada ou fervida para ser considerada potável - ou seja, livre de impurezas e que não oferece o risco de se contrair uma doença.

Água potável em Angola, privilégio para poucos

Água potável é saúde

A população de Luanda enfrenta muitas dificuldades para o transporte da água. Além disso, muitas crianças morrem de diarreia ou de outras doenças relacionadas com a água e o saneamento em Angola. Em 2006, um surto de cólera afectou mais de 85.000 pessoas e ceifou cerca de 3.000 vidas em 16 das 18 províncias angolanas.

Água potável em Angola, privilégio para poucos

Cobertura sanitária pouco abrangente

Segundo a Organização Mundial de Saúde, cerca de 2,6 mil milhões de pessoas no mundo não têm acesso a condições sanitárias adequadas. Na África sub-saariana, a cobertura sanitária abrange apenas 31% da população. Em Angola, apenas cerca de 25% da população têm acesso ao saneamento básico, segundo a Universidade Católica de Angola. Em Luanda, é preciso conviver com esgotos a céu aberto.

Água potável em Angola, privilégio para poucos

Saneamento básico para combater doenças

A falta de saneamento básico é um pesadelo também para os moradores do município de Cazenga, em Luanda. Não há como escoar a água das ruas e enormes poças se formam. A água parada é o paraíso para a reprodução dos mosquitos transmissores da dengue e da malária – esta última ainda é a principal causa de mortes em Angola.

Água potável em Angola, privilégio para poucos

Higiene, uma questão de saúde

A falta de saneamento básico aumenta o risco da transmissão de doenças como a diarreia, a cólera e o tifo. Em toda a África, 115 pessoas morrem a cada hora de doenças ligadas à falta de saneamento, empobrecida higiene e água contaminada. Lavar as mãos após defecar, antes de cozinhar e antes das refeições ajuda a evitar doenças e pode reduzir em até 45% a incidência da diarreia.