Quem é Félix Tshisekedi, o Presidente eleito na RDC?

Resultados provisórios das presidenciais na República Democrática do Congo deram a vitória ao candidato da oposição Félix Tshisekedi. Mas há quem duvide das capacidades do filho de Étienne Tshisekedi para liderar o país.

Com 38,6% dos votos, Félix Tshisekedi foi declarado vencedor das eleições presidenciais na República Democrática do Congo (RDC). Divulgado dez dias depois da votação, o resultado apanhou muitos de surpresa.

Aos 55 anos, e na liderança de um dos mais antigos partidos da oposição congolesa, a União para a Democracia e o Progresso Social (UDPS), Tshisekedi promete trazer de volta a paz ao país. "Eu e o meu irmão Vital Kamerhe teremos o Quénia como inspiração. Uma das nossas principais prioridades será devolver a paz e a segurança ao Congo, principalmente ao leste do país", disse no seu primeiro discurso após o anúncio dos resultados, na noite de quarta-feira (09.01).

No entanto, há quem duvide das suas capacidades para liderar um país como a RDC. Entre as críticas apontadas a Tshisekedi estão a falta de experiência no campo político e de qualificações. Há também quem entenda que o vencedor das presidenciais de dezembro só foi eleito por causa do legado deixado pelo seu pai.

Sair da sombra do pai

Félix Tshisekedi é o terceiro dos cinco filhos de Étienne Tshisekedi, uma figura popular da oposição congolesa e fundador do partido UDPS. Foi por causa da oposição do seu pai ao regime do Presidente Mobutu Sese Seko que Félix Tshisekedi teve de abandonar o país, em 1985, quando tinha 22 anos, rumo à Bélgica.

É em Bruxelas que ganha a alcunha de "Fatshi" que se mantém até hoje. Na capital belga, o jovem fazia alguns biscates ao mesmo tempo que estudava marketing e comunicação, curso que os críticos dizem não ter terminado. Facto é que, mesmo durante o exílio, Félix Tshisekedi reforçou a sua posição contra o regime congolês.

Étienne Tshisekedi, líder histórico da oposição congolesa e fundador da UDPS

Depois da morte do seu pai, em 2017, Tshisekedi chegou à liderança da UDPS. E apesar de ter já conseguido algo que o seu pai não alcançou - a presidência do país - Felix Tshisekedi terá de mostrar o que vale, diz Wendy Bashi, correspondente da DW em Kinshasa.

"Um dos grandes desafios de Felix Tshisekedi é sair da sombra do seu pai. O outro é modernizar o UDPS", afirma Wendy Bashi. "A maioria dos membros da UDPS tem uma idade avançada. Lutou ao lado de Etienne Tschisekedi; mas há um conjunto de jovens membros do partido que estava à espera que chegasse a sua hora para poder brilhar e apresentar algo novo", lembra.

Novo capítulo na RDC

Para já, Félix Tshisekedi mostrou-se aberto a parcerias, algo que contrasta com a liderança do seu pai. Depois de ter rejeitado uma candidatura conjunta com os demais partidos da oposição, Tshisekedi uniu-se a Vital Kamerhe, que já havia feito frente a Joseph Kabila nas eleições de 2011.

Ao vivo agora
04:15 min
MEDIATECA | 11.01.2019

Quem é Felix Tshisekedi, o Presidente eleito na RDC?

À DW, Vital Kamerhe, que deverá ser o próximo primeiro-ministro do Congo, afirma que a vitória do seu parceiro Tshisekedi abre um novo capítulo na história do país. "O povo congolês manifestou-se e devemos respeitar a sua vontade. Deve ser dito que a República Democrática do Congo acaba de entrar no círculo [de países como] o Gana e o Senegal, nos quais houve efetivamente uma mudança de regime."

Na mesma entrevista, Vital Kamerhe rejeitou que tenha havido qualquer tipo de conversações com o Presidente Joseph Kabila. Uma acusação feita pelo também candidato da oposição, Martin Fayulu, que afirmou já não aceitar os resultados. Félix Tshisekedi deverá ser oficialmente empossado a 18 de janeiro.

Assuntos relacionados

UE: "Eleitores exprimiram claramente a sua escolha"

Numa declaração divulgada esta sexta-feira, a União Europeia (UE) considera que "as declarações preliminares das missões de observação internacionais e de cidadãos indicaram que o escrutínio, apesar das dificuldades encontradas, permitiram ao eleitorado exprimir claramente a sua escolha no dia 30 de dezembro".

A UE associa-se "aos apelos da missão internacional da União Africana (UA) e do presidente da comissão da UA para que os resultados oficiais sejam conformes ao voto do povo congolês" e considera que qualquer contestação dos resultados deverá fazer-se pacificamente, recorrendo aos procedimentos previstos e ao diálogo entre as partes.

Considerando que os resultados preliminares são contestados por uma parte da oposição e dos observadores nacionais, particularmente a Conferência Episcopal Nacional do Congo, Bruxelas salientou ser "muito importante para a credibilidade do processo" que a Comissão Eleitoral Nacional Independente (CENI) prossiga o seu trabalho.

Presidentes africanos para sempre

Argélia: Abdelaziz Bouteflika

Abdelaziz Bouteflika tem 82 anos, conta com 20 no poder. Em 2013 sofreu um acidente vascular cerebral (AVC), mas nem a idade, nem o estado de saúde travaram o Presidente de anunciar que iria procurar um quinto mandato em 2019. Em março de 2019, face a protestos públicos, declarou que iria desistir da sua candidatura. Como as presidenciais marcadas para abril foram adiadas, permanece no poder.

Presidentes africanos para sempre

Guiné-Equatorial: Teodoro Obiang Nguema

Teodoro Obiang Nguema é atualmente o líder africano há mais tempo no poder, depois de, em 2017, José Eduardo dos Santos ter deixado o cargo de Presidente de Angola, que ocupava também desde 1979. Nas últimas eleições do país, em 2016, Obiang afirmou que não voltaria a concorrer em 2020.

Presidentes africanos para sempre

Camarões: Paul Biya

Aos 86 anos, Paul Biya é o Presidente mais idoso do continente africano e apenas ultrapassado em anos no poder pelo líder da vizinha Guiné Equatorial. A 22 de outubro de 2018, Biya, foi declarado vencedor das eleições. Biya chegou ao poder em 1982. Em 2008, uma revisão à Constituição retirou os limites aos mandatos. Os Camarões atravessam uma crise profunda com a rebelião na parte anglófona.

Presidentes africanos para sempre

Uganda: Yoweri Museveni

Com mais de 30 anos no poder, Yoweri Museveni é, para uma grande parte dos ugandeses, o único Presidente que conhecem. 75% dos atuais 35 milhões de habitantes nasceram depois de Museveni ter subido ao poder em 1986. Em 2017, foi aprovada a lei que retira o limite de idade (75 anos) para concorrer à Presidência. Assim sendo, Museveni já pode concorrer ao sexto mandado, nas eleições de 2021.

Presidentes africanos para sempre

República do Congo: Denis Sassou Nguesso

Foi também uma alteração à Constituição que permitiu que Denis Sassou Nguesso voltasse a candidatar-se e a vencer as eleições em 2016 na República do Congo (Brazzaville). Já são mais de 30 anos à frente do país, com uma pequena interrupção entre 1992 e 1997.

Presidentes africanos para sempre

Ruanda: Paul Kagame

Paul Kagame lidera o Ruanda desde 2000. Depois de vencer eleições em 2017, poderá continuar no poder até, pelo menos, 2034. Assim ditou a consulta popular realizada em 2015 que acabou com o limite de dois mandatos presidenciais.

Presidentes africanos para sempre

Burundi: Pierre Nkurunziza

Em 2005, Pierre Nkurunziza chegou ao poder no Burundi. Em 2015, o terceiro mandato de Nkurunziza gerou uma onda de protestos entre a população que, de acordo com o Tribunal Penal Internacional, terá causado cerca de 1.200 mortos e 400.000 refugiados. Em maio de 2018, teve lugar um referendo para alterar a Constituição, que permitiu ao Presidente continuar no cargo até 2034.

Presidentes africanos para sempre

Gabão: Ali Bongo Ondimba

Ali Bongo ainda está longe de quebrar o recorde do pai, que esteve 41 anos no poder, mas já vai no terceiro mandato, ganho em 2017, no meio de muita contestação. Em 2018, a Constituição do Gabão foi revista para acabar com o limite de mandatos. A nova versão da Constituição também aumentou os poderes do Presidente para tomar decisões unilateralmente.

Presidentes africanos para sempre

Togo: Faure Gnassingbé

Em 2005, Faure Gnassingbé substituiu o pai, que liderou o país durante 38 anos. Ao contrário de outros países, o Togo não impunha um limite aos mandatos. Em 2017, após protestos da população contra a "dinastia" Gnassingbé, foi aprovada a lei que impõe um limite de mandatos. No entanto, a lei não tem efeitos retroativos, pelo que o ainda Presidente poderá disputar as próximas eleições, em 2020.