Semana de "visitas ilustres" em Angola

Rei de Marrocos, Presidente do Ruanda e primeiro-ministro húngaro são esperados ao longo da próxima semana, segundo fonte oficial. Luanda torna-se "placa giratória" da diplomacia internacional, diz Manuel Augusto.

O chefe da diplomacia angolana escusa-se, para já, a confirmar as visitas do rei de Marrocos, do Presidente do Ruanda e do primeiro-ministro da Hungria, mas mostra-se orgulhoso com o número de visitas oficiais a Luanda nos últimos tempos.

No próximo fim de semana, a 23 de março, a convite do Presidente angolano, João Lourenço, pelo menos três chefes de Estado da África Austral virão a Angola para celebrar o "Dia da Libertação da África Austral", decretado na cimeira da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), realizada em Windhoek em agosto de 2018, cujo ato central decorrerá no Cuíto Cuanavale, na província do Cuando Cubango.

"Acreditamos que, nos próximos dias, iremos receber alguns ilustres visitantes, mas gostaria de reservar-me o direito de esperar pelos anúncios oficiais", afirmou o ministro das Relações Exteriores, Manuel Augusto, aos jornalistas, momentos após chegar de Windhoek, onde participou no Conselho de Ministros da SADC. 

Primeiro-ministro português, António Costa, e ministro das Relações Exteriores de Angola, Manuel Augusto, em setembro, em Luanda.

Fonte diplomática angolana disse este sábado (16.03) à agência Lusa que os três altos dignitários - Mohamed VI, de Marrocos, Paul Kagame, do Ruanda, e Viktor Orbán, da Hungria - vão efetuar visitas de trabalho e/ou de Estado a Angola, sem, porém, adiantar as datas ou mais pormenores.

Questionado sobre o motivo de Angola estar, nos últimos meses, a ser palco de várias visitas oficiais, o ministro das Relações Exteriores angolano indicou que Luanda está a tornar-se uma "placa giratória" da diplomacia internacional: "No quadro do que tem sido observado nos últimos tempos, Luanda tem estado a tornar-se uma placa giratória diplomática internacional, que é um facto que muito nos orgulha, mas que nos traz também muitas responsabilidades", afirmou.

Desse dezembro de 2018 que têm sido sucessivas as visitas de presidentes e de chefes de governo e de várias instituições internacionais a Angola, como os casos dos presidentes da República Democrática do Congo e de Portugal, da diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI) e da ex-secretária executiva da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), entre outros.

"Ansiedade" antes da visita de secretário de Estado adjunto dos EUA

O secretário de Estado adjunto norte-americano John J. Sullivan, chegou na noite deste sábado a Angola para uma visita oficial que começa formalmente na segunda-feira, deslocação que o chefe da diplomacia angolana disse aguardar com "ansiedade".

Para Manuel Augusto, a visita de Sullivan vai permitir aos dois países prosseguirem o "diálogo estratégico" iniciado em setembro de 2018, quando ambos se encontraram na Assembleia Geral da ONU.

"A visita tem particular importância porque é a primeira que Sullivan efetua [na qualidade de governante dos Estados Unidos] ao continente africano", disse Manuel Augusto, lembrando que o secretário de Estado adjunto esteve desde terça-feira na África do Sul.

"Vamos tratar de questões no âmbito do nosso diálogo estratégico, que é uma plataforma pela qual os dois países discutem assuntos diversos, nomeadamente na área política e diplomática, dos direitos humanos, da energia e do comércio. É uma visita que aguardamos com alguma ansiedade, mas é sequência também de um encontro que tivemos em setembro na ONU", disse.

John Sullivan, secretário de Estado adjunto norte-americano.

"Vamos dar continuidade ao diálogo iniciado nessa altura e acreditamos que, no fim da visita, as relações bilaterais sairão reforçadas, principalmente à luz da dinâmica do novo governo angolano, que tem merecido, publicamente, o apoio da administração norte-americana", concluiu.

John J. Sullivan está em Luanda, segundo um comunicado do Governo angolano, para promover o comércio e os investimentos norte-americanos em Angola. 

Segundo o programa provisório, durante a visita oficial, de cerca de 24 horas, Sullivan terá um encontro com o Presidente angolano, João Lourenço, em que irá, segundo fonte da embaixada dos Estados Unidos em Luanda, "reafirmar o compromisso duradouro e abrangente dos EUA com o continente africano, no geral, e Angola, em particular", bem como abordar ainda questões internacionais.

Sullivan vai copresidir também a uma sessão de Diálogo Estratégico EUA/Angola com Manuel Augusto, após o que será assinado um memorando de entendimento no domínio da Segurança e Ordem Pública.

João Lourenço: Viagem de negócios à Alemanha

À procura de parcerias

O Presidente angolano, João Lourenço, veio à Alemanha numa visita oficial de dois dias e foi recebido com honras militares pela chanceler Angela Merkel. O chefe de Estado veio sobretudo à procura de atrair investidores para diversificar a economia, mas também com o intuito de comprar embarcações de guerra, e a Alemanha deu sinais de abertura.

João Lourenço: Viagem de negócios à Alemanha

Embarcações de guerra

O Presidente angolano disse, no primeiro dia da visita, quarta-feira (22.08), que estava interessado no "fornecimento de embarcações de guerra" e "outros meios eletrónicos" para a marinha angolana. O objetivo: ajudar a defender o Golfo da Guiné, cobiçado "por piratas e terroristas".

João Lourenço: Viagem de negócios à Alemanha

Alemanha disponível para cooperar

A Alemanha mostrou-se disponível para apoiar Angola a comprar as embarcações. "Pode ser que, agora, sejam concretizados determinados investimentos do lado angolano, e é claro que aí também ficaremos contentes em estabelecer uma parceria, se a marinha angolana tomar tais decisões de investimento", afirmou a chanceler alemã, Angela Merkel.

João Lourenço: Viagem de negócios à Alemanha

Uma "nova Angola"

Num fórum em que participaram empresários alemães, o Presidente João Lourenço fez publicidade a uma "nova Angola". Lourenço garantiu que o Estado mantém-se firme no combate à corrupção e impunidade e citou ainda reformas em curso para melhorar o ambiente de negócios. Algumas das áreas em que Angola manifestou interesse: energias renováveis, construção de estradas e ferrovias e agricultura.

João Lourenço: Viagem de negócios à Alemanha

Empresários atentos

Os empresários alemães mostram interesse nas oportunidades em Angola e aplaudem as reformas implementadas por João Lourenço, desde que assumiu a Presidência em setembro. No entanto, ainda há desafios para as empresas: "Certamente a corrupção continua a ser um tema, que também o Presidente citou aqui", disse Heinz-Walter Große, da Iniciativa para a África Austral da Economia Alemã.

João Lourenço: Viagem de negócios à Alemanha

João Lourenço satisfeito

Em entrevista à DW, João Lourenço disse que fez mais do que o esperado em Angola: "Eu considero que, em 11 meses, muito foi feito. [Tomou-se] um conjunto de medidas corajosas que uma boa parte das pessoas pensava não ser possível fazer-se neste período inicial de arranque do meu mandato", afirmou.

João Lourenço: Viagem de negócios à Alemanha

Visitas europeias

No último dia da visita à Alemanha (23.08), o Presidente João Lourenço encontrou-se com o homólogo alemão Frank-Walter Steinmeier. Esta foi a primeira visita de Lourenço à Alemanha desde que foi eleito, há um ano. O chefe de Estado fez, no final de maio e início de junho, uma pequena tour pela França e pela Bélgica - visitas dedicadas também à procura de novas parcerias.