Sistemas de saúde da África Ocidental têm de ser reforçados

África Ocidental registou quase dois mil focos epidémicos nos últimos 40 anos. O último - e um dos mais graves - foi o do vírus ébola. Organização da Saúde da África Ocidental defende mais investimentos para a região.

Os sistemas de saúde da África Ocidental precisam ser reforçados para evitar a expansão de doenças, defende o diretor da Organização da Saúde daquela região, Xavier Crespin.

Nos últimos 40 anos, houve mais de 1.700 focos epidémicos na África Ocidental, dos quais o último e um dos mais graves foi o do vírus ébola.

"Parece que a comunidade internacional espera que haja crises para se manifestar sobre o terreno, o que não é normal", afirma Xavier Crespin, em entrevista à agência EFE.    

"Não é preciso esperar pelas crises nem pelas urgências. É preciso ir ao essencial, que é reforçar os sistemas de saúde, que são muito frágeis em determinados países devido à falta de financiamento e de pessoal e ao insuficiente envolvimento das comunidades locais na tomada de decisões", acrescenta Crespin, médico nigeriano que dirige o organismo que coordena os ministérios da saúde de uma das regiões mais pobres do mundo. 

Epidemia

Além de ter dizimado os precários sistemas de saúde da Guiné, Libéria e Serra Leoa, a epidemia do vírus do ébola provocou mais de 11 mil mortos. 

"A crise do ébola demonstra a debilidade dos nossos sistemas de saúde. Para se mostrar que se é filantropo a sério é necessário ir ajudar agora, sem crise, para construir um sistema de saúde sólido, resistente aos choques epidémicos que existem na nossa região", defende Xavier Crespin. 

Crespin diz ainda que durante a crise do Ébola "chegaram milhares de pessoas para ajudar e milhares de milhões de dólares, mas uma vez terminada a epidemia os hospitais de campanha foram desmontados e os nossos hospitais ficaram dizimados, sem pessoal e, de novo, sem capacidade de resposta". 

As cicatrizes invisíveis do ébola

Ausentes da fotografia

Faltam três pessoas nesta foto de família, diz Felicia Cocker, de 27 anos. O vírus do ébola matou o seu marido e dois dos seus cinco filhos: "A vida tem sido muito dura. Não tenho mais ninguém que me possa ajudar."

As cicatrizes invisíveis do ébola

Autoridades falharam

Stephen Morrison perdeu sete irmãos e uma irmã. Ele diz que a culpa do alastramento da doença na Libéria é a falta de informação e os rituais fúnebres tradicionais. "Os meus familiares começaram a morrer depois do falecimento de um idoso", conta. "Na altura, não sabíamos que era ébola. Por todo o lado se negava o surto."

As cicatrizes invisíveis do ébola

Um depois do outro

"Eu e três crianças – fomos os únicos a sobreviver", conta Ma-Massa Jakema. Antes da epidemia ela vivia com 13 familiares. O vírus matou a sua irmã mais velha e o seu irmão mais novo, seis sobrinhas e sobrinhos, além de outros parentes afastados. "Morreu tanta gente, é horrível", diz Jakema.

As cicatrizes invisíveis do ébola

Futuro incerto

"Não sei como vai ser agora", diz Amy Jakayma. "Primeiro morreu a minha tia, depois o meu marido e os meus filhos. A minha vida está virada do avesso – perdi a família inteira."

As cicatrizes invisíveis do ébola

Desespero

Massah S. Massaquoi chora ao lembrar os familiares que morreram infetados com o vírus do ébola. "É difícil viver assim. Eu sobrevivi – fui uma das únicas a sobreviver na minha família mais próxima. Agora estou a viver com o meu avô." Massah perdeu o filho, a mãe e o tio.

As cicatrizes invisíveis do ébola

Discriminação

Princess S. Collins, de 11 anos, mora na capital liberiana, Monróvia. Sobreviveu ao ébola mas o vírus roubou-lhe a mãe, o tio e o irmão. Mas agora "os vizinhos começaram a apontar para nós e a chamar-nos de 'doentes com ébola'".

As cicatrizes invisíveis do ébola

Ébola também destrói futuros

Mamie Swaray (esq.) tem 15 anos de idade. Na verdade, ela devia estar na escola, mas o tio morreu infetado com o vírus do ébola e, por isso, não tem mais ninguém que lhe possa pagar as propinas escolares. Swaray sobreviveu ao ébola mas agora o seu futuro é incerto.

As cicatrizes invisíveis do ébola

"Vontade de Deus"

Oldlady Kamara vive no bairro de Virginia, na zona ocidental de Monróvia. 17 membros da sua família morreram infetados com o vírus do ébola, incluindo o seu marido. "É horrível mas não posso fazer nada contra. É a vontade de Deus", diz Kamara. Ela contraiu ébola mas está muito grata por ter sido tratada num centro de saúde.

As cicatrizes invisíveis do ébola

Obrigada aos médicos

Bendu Toure acaba de ter alta do centro de tratamento. O seu corpo conseguiu combater o vírus. Ela contraiu o ébola a partir da sua irmã. Toure cuidou dela até ela morrer. O seu irmão também faleceu. Apesar de tudo, Toure está bastante grata aos médicos: "Estou tão contente por poder sair daqui. Todos os dias tinha de assistir a mortes."