Vítima de racismo na Ilha de Luanda tem ação judicial em vista

Simão Hossi conta como foi agredido, humilhado e expulso de estabelecimento na Ilha de Luanda. Ao invés de desculpar-se, "Café Del Mar" justifica o ato. Ativista ouvido pela DW África exige encerramento do restaurante.

O episódio registou-se no domingo (26.08), quando a alegada vítima e um grupo de colegas escolheram o restaurante "Café Del Mar", na Ilha de Luanda, uma das zonas mais turísticas da capital angolana, para um encontro. O objetivo era despedirem-se de um amigo norte-americano, em fim de missão de serviço em Angola.

O ativista cívico e fotógrafo angolano Simão Hossi Sajamba explicou à Rádio Despertar, na noite desta segunda-feira (03.09), que foi interpelado pelo corpo de segurança quando regressava do banheiro.

"Transportaram-me até o exterior do restaurante e um deles deu-me algumas bofetadas. Para além de proferir aquelas palavras como “estás a ficar maluco, aquele não é lugar para mim, que eu não tenho juízo," descreveu a vítima.

Ao vivo agora
02:44 min
Portugiesisch | 04.09.2018

Vítima de racismo na Ilha de Luanda tem ação judicial em v...

Racismo, "ato deplorável"

A situação está a gerar polémica na sociedade angolana e está a ser entendida como um ato racista. O ativista Jeremias Benedito, do conhecido "caso 15+2", é um dos amigos de Hossi Sajamba que também estava presente no restaurante.

"Aquilo foi um ato deplorável, indignante e de falta de respeito para com o ser humano. Não se pode permitir que no nosso país haja indivíduos, estabelecimentos e instituições que pratiquem racismo," critica.

O restaurante "Café Del Mar" veio a público justificar o sucedido, sem se desculpar. Num comunicado, o estabelecimento afirma que o ativista e fotógrafo angolano estava "mal apresentado". Ou seja, "sujo".

Entretanto, o caso já é do conhecimento das autoridades angolanas. Nesta segunda-feira (03.09), a suposta vítima que diz tencionar intentar uma ação judicial contra os agressores, já recebeu da polícia a cópia do processo.

Jeremias Benedito não acredita que os implicados venham a ser responsabilizados. Mas pede das autoridades o encerramento do restaurante.

"O racista tem rosto e voz em Angola. O racista sabe que aqui a justiça não funciona. Racismo é o maior perigo à humanidade. Racismo enterra milhões e milhares de pessoas em todo mundo," avalia.

Ao vivo agora
01:54 min
MEDIATECA | 25.01.2018

Angola: Treinar campeões contra a discriminação

Reflexão necessária

Ainda é tabu falar sobre racismo em Angola apesar de ser uma realidade visível. Rappers como MCK e Yanick Afroman já abordam o assunto nos seus temas.

Assuntos relacionados

Na música "Realista", Afroman descreve como vê a situação. "Há sítios em que negro é barrado, mesmo bem apresentado. Mas o branco pode entrar de chinelo, calção," canta o rapper.

Mas, uma ampla reflexão sobre o racismo em Angola tarda acontecer, segundo Jeremias Benedito.

"Nós não estamos contra quem quer que seja que venha para o nosso país investir e conviver connosco - de forma harmoniosa, respeitando as regras estabelecidas e também as pessoas tal como são. No entanto, situações do género remetem-nos à seguinte reflexão: Quem é que está a sustentar o racismo em Angola? Qual é a sua origem? De onde parte?" questiona o ativista.

O que não é de Isabel dos Santos em Luanda?

Os negócios de Isabel dos Santos

A filha do ex-Presidente José Eduardo dos Santos é proprietária de muitas empresas que operam em Angola. E já há quem acredite que assumir o cargo da Presidência da República pode ser o próximo passo da empresária, que atualmente está na presidência da petrolífera Sonangol.

O que não é de Isabel dos Santos em Luanda?

Telecomunicações

No ramo das telecomunicações, a filha do ex-Presidente angolano e empresária Isabel dos Santos possui a UNITEL. Lançada em março de 2001, a empresa tem como principal atividade a prestação de serviços móveis de voz e de Internet. A UNITEL funciona com um total de 182 lojas próprias em todo o país, 81 das quais na capital, Luanda. A empresa tem mais de 5 milhões de clientes.

O que não é de Isabel dos Santos em Luanda?

TV por satélite

Ainda no ramo das telecomunicações, a ZAP iniciou a sua atividade no mercado angolano em abril de 2010 e é atualmente a maior operadora de TV por satélite em Angola, segundo informações da própria empresa. Desde 2011, a ZAP também está presente no mercado moçambicano. A TV por satélite de Isabel dos Santos acabou com o monopólio que a empresa sul-africana Multichoice teve em Angola.

O que não é de Isabel dos Santos em Luanda?

Banca

Há dez anos em operação, o Banco BIC tem mais de 200 unidades comerciais para atendimento, compostas por 195 agências e 17 centros de empresas em Angola. O banco serve de apoio para empresários que mantêm investimentos em Portugal, onde Isabel dos Santos também possui uma fatia do Banco português.

O que não é de Isabel dos Santos em Luanda?

Sonangol

Em junho de 2016, Isabel dos Santos assumiu a presidência da maior empresa estatal de Angola, a petrolífera Sonangol. Na altura, a tomada de posse da filha do então Presidente de Angola foi criticada por juristas, que afirmam que a nomeação da empresária é ilegal e inconstitucional. A petrolífera mantém uma rede de postos de abastecimento e estações de serviços em todo o país.

O que não é de Isabel dos Santos em Luanda?

Centro comercial

Embora Angola esteja mergulhada numa crise económica devido à queda do preço do barril de petróleo no mercado internacional, Isabel dos Santos iniciou este ano mais um novo empreendimento em Luanda. Trata-se do Shopping Avennida, inaugurado no primeiro semestre. O centro comercial abriga dezenas de empreendimentos, muitos deles da própria empresária, como o Banco BIC, a ZAP e a UNITEL.

O que não é de Isabel dos Santos em Luanda?

Hipermercado

A filha do ex-Presidente José Eduardo dos Santos também investiu no segmento de hipermercados através da rede Candando, situado no recém inaugurado Shopping Avennida. Segundo a Contidis, empresa que administra o hipermercado, a previsão é que mais dez lojas sejam inauguradas nos próximos cinco anos, num investimento total de 400 milhões de dólares.

Conteúdo relacionado