Violência contra separatistas alastra-se nos Camarões

Milhares de pessoas estão a fugir de distritos anglófonos dos Camarões desde que Governo declarou guerra contra os separatistas do país. Cidadãos acusam as forças governamentais de violação sexual, mortes e perseguição.

Na estrada Kumba-Mamfé, na região anglófona dos Camarões, no sul do país, o movimento diminuiu drasticamente. É por meio desta estrada que os bens comerciais da Nigéria são trazidos para os Camarões e vice-versa.

A comerciante Takem Ethel, de 32 anos, diz que muitos negócios da região foram suspensos desde que o Presidente camaronês, Paul Biya, declarou guerra aos grupos separatistas no final da semana passada.

"O número de postos de controlo é simplesmente insustentável. Como o Presidente anunciou que estava lutando contra terroristas, é como se ele tivesse libertado seus leões famintos, chamados militares, da sua cova. Aqueles que querem morrer podem viajar. Ainda tenho uma vida pela frente, então não vou me mudar", disse.

Ouvir o áudio 03:16
Ao vivo agora
03:16 min
NOTÍCIAS | 06.12.2017

Violência contra separatistas alastra-se nos Camarões

A situação é ainda mais tensa nas cidades de Mamfé e Eyumojock, onde pelo menos seis soldados e um polícia foram mortos na semana passada. O Governo dos Camarões diz que muitos combatentes separatistas estavam a ser treinados naquelas cidades e na fronteira com a Nigéria. Mamfé também é da cidade natal de Julius Ayuk Tabe, o homem que diz ser o primeiro Presidente da Ambazónia, o nome dado ao Estado que os separatistas afirmam ter criado. 

Peter Ayuk, residente de Mamfé, diz que a maioria dos jovens está a fugir da forte presença dos militares e que muitos deles não conseguem localizar os seus parentes.

"A aldeia do atual Presidente está em chamas. Os militares estão a queimar casas. Todos os jovens estão escondidos nas florestas. Não sei do meu pai e da minha mãe, não os vejo desde que os militares começaram a perseguir-nos. Por favor, as pessoas devem ajudar-nos. Os jovens estão a ser mortos. Alguns são levados e os corpos deixados no mato", lamentou.

Militares negam denúncias

Nyeke George Likiye, membro da sociedade civil no sudoeste dos Camarões, escreveu ao Governo denunciando que as tropas estão a cometer atrocidades contra a população. "Eles estão fazendo seu trabalho em proporções excessivas. Algumas prisões são arbitrárias. As pessoas estão sendo torturadas, espancadas. Isso não é correto", diz.

USA New York UN Paul Biya

Paul Biya, Presidente dos Camarões

O general Melingui Noma, um dos maiores oficiais dos Camarões, nega as denúncias e afirma que os militares estão a proteger a população.

"Desde que a crise começou, não houve aumento do número de militares nas unidades. Sabemos que, se quisermos superar essa crise, temos que garantir que a população está conosco. Não podemos perseguir as pessoas se quisermos informações delas", sublinhou.

A violência entrou em erupção nos Camarões quando os separatistas iniciaram uma campanha para a independência completa da região anglófona, que foi declarada mais tarde, a 1 de outubro. No entanto, o Presidente Paul Biya rejeitou a declaração de independência e advertiu contra qualquer ideia de dividir o país.

Assuntos relacionados

Política

Do golpe de Estado até hoje

Teodoro Obiang Nguema Mbasogo, de 75 anos, assumiu a Presidência da Guiné Equatorial em 1979, ainda antes de José Eduardo dos Santos. Teodoro Obiang Nguema derrubou o seu tio do poder: Francisco Macías Nguema foi executado em setembro de 1979. A Guiné Equatorial é um dos países mais ricos de África devido às receitas do petróleo e do gás, mas a maioria dos cidadãos não beneficia dessa riqueza.

Política

O Presidente que adora luxo

Paul Biya é chefe de Estado dos Camarões há 34 anos. Muitos dos camaroneses que falam inglês sentem-se excluídos pelo francófono Biya. E o Presidente também tem sido alvo de críticas pelas despesas que faz. Durante as férias, terá pago alegadamente 25 mil euros por dia pelo aluguer de uma vivenda. Na foto, está acompanhado da mulher Chantal Biya.

Política

Quase na reforma

Yoweri Museveni já foi confirmado seis vezes como Presidente do Uganda. Nas eleições de 2021, o chefe de Estado de 72 anos não se poderá recandidatar – os candidatos não podem ser mais velhos do que 75 anos. Filho de pastores, teve uma carreira meteórica. Licenciou-se, tornou-se coronel e assumiu a dianteira política. No seu mandato, foram acrescentados direitos fundamentais na Constituição.

Política

Procurado por genocídio

Omar al-Bashir é Presidente do Sudão desde 1993. Chegou ao poder em 1989 depois de um golpe de Estado sangrento. O Tribunal Penal Internacional (TPI), em Haia, emitiu em 2009 um mandado de captura contra al-Bashir por alegada implicação em crimes de genocídio e de guerra no Darfur. Estima-se que mais de 300 mil pessoas foram mortas desde o início do conflito.

Política

"O Leão da Suazilândia"

Mswati III é o último governante absolutista de África. Há 31 anos que dirige o reino da Suazilândia. Acredita-se que tem 210 irmãos; o seu pai teve 70 mulheres. A tradição da poligamia continua a cumprir-se neste reinado - até 2013, Mswati III teve quinze esposas. A polícia costuma reprimir os protestos no reino.

Política

O sultão acima de tudo

Há quase cinco décadas que o sultão Haji Hassanal Bolkiah é chefe de Estado e Governo e ministro dos Negócios Estrangeiros, do Comércio, das Finanças e da Defesa do Brunei. Há mais de 600 anos que a política do país é dirigida por sultões. Hassanal Bolkiah, de 71 anos, pondera introduzir o apedrejamento para punir a infidelidade ou o corte da mão para castigar ladrões.

Política

Nas pegadas reais

Ao contrário de outros monarcas europeus, Hans-Adam II (esq.) não é apenas príncipe: é também chefe de Estado do Liechtenstein. Assumiu do pai o "negócio de família" em 1989 e, em 2004, nomeou o filho Aloísio (dir.) como seu representante, embora continue a chefiar o país.

Política

De pastor a parceiro do Ocidente

Idriss Déby tornou-se Presidente do Chade em 1990. Filho de pastores, Déby formou-se em França como piloto de combate. Após várias guerras civis e tentativas de golpes de Estado, o país estabilizou politicamente em 2008. Déby tornou-se, entretanto, um parceiro do Ocidente na luta contra o extremismo islâmico na região do Sahel.

Política

Fã de si próprio

Robert Mugabe chegou a ser o mais velho chefe de Estado do mundo (com uma idade de 93 anos). O Presidente do Zimbabué esteve quase 30 anos na Presidência do país. Antes foi o primeiro-ministro. Naquela época, aconteceram vários massacres que vitimaram milhares de pessoas. Também foi criticado por alegada corrupção. Após um levantamento militar, renunciou à Presidência em 21 de novembro de 2017.

Política

O adeus

José Eduardo dos Santos foi, durante 38 anos, chefe de Estado de Angola. Mas não se recandidatou nas eleições de 2017. Há anos que circulam rumores de que estará doente. A guerra civil terminou em 2002 durante o seu mandato. Muito melhorou desde então, mas grande parte da população continua a viver na pobreza e protestos de ativistas a pedir melhores condições de vida têm sido reprimidos.