A nova cara das bancadas do boi, da bala e da Bíblia

Onda de renovação no Congresso resulta em eleição recorde de militares, que devem inflar a bancada da bala. Evangélicos e Frente do Agronegócio encolhem na Câmara, mas têm potencial de recuperação.

As eleições de domingo (07/10) resultaram no maior processo de renovação no Congresso Nacional dos últimos 20 anos, o que resultou em uma fragmentação partidária inédita e no aumento do número de parlamentares de extrema direita, impulsionados pela candidatura do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL).

O resultado também se reflete nas futuras composições das bancadas do boi, da bíblia e da bala, como são apelidadas as chamadas frentes parlamentares do agronegócio e dos evangélicos e o núcleo ativo de deputados que defendem uma linha mais radical na segurança pública e mais acesso da população a armas de fogo.

As bancadas do boi e da bíblia encolheram à primeira vista. No intenso processo de renovação das duas casas parlamentares, registraram também derrotas de membros notáveis que tentavam a reeleição. No entanto, elas ainda têm potencial para recuperar boa parte da composição, seja no número de membros ativos, seja no de apoiadores, considerando a chegada de dezenas de membros do PSL ao Congresso. Após a posse da nova legislatura, o saldo final deve ser a manutenção da influência, mas com caras novas.

Já a bancada da bala foi a vencedora mais clara do pleito, mesmo registrando a saída de alguns membros notáveis, incluindo o seu presidente, o deputado Alberto Fraga (DEM-DF), um ex-coronel da PM que fracassou na tentativa de se lançar ao Senado.

Política | 10.10.2018

A expansão da bancada da bala

Dos atuais 35 membros ativos da bancada da bala da Câmara, só 12 devem permanecer na próxima legislatura. Mas ela tem potencial para dobrar o tamanho atual e ainda emplacar um de seus atuais membros, Bolsonaro, para o cargo mais elevado do país, a Presidência da República.

A expansão deve ser puxada pelas mais de quatro dezenas de deputados do direitista PSL que conquistaram novas cadeiras, elevando o total de deputados da sigla para 52. Destes, 20 são militares ou ligados às polícias Civil e Federal. 

Entre todas as siglas, os candidatos com patente militar eleitos no domingo triplicaram em relação a 2018, chegando a 20. Em 2014, só oito deputados eleitos eram oriundos do meio militar, que inclui as Forças Armadas, a Polícia Militar e os bombeiros.

Alguns candidatos militares apareceram entre os deputados mais votados do país. No Paraná, um sargento da PM que ficou famoso divulgando vídeos de ações policiais liderou a votação. Dois generais reformados foram eleitos para a Câmara. Em São Paulo, a PM Kátia Sastre (PR), que em maio ganhou notoriedade ao matar um assaltante em frente a uma escola, foi a sétima mais votada – durante a campanha, ela exibiu na TV imagens da ação que resultara na morte do criminoso. No Rio de Janeiro, o mais votado foi um subtenente do Exército que usou o nome "Hélio Bolsonaro", mesmo sem parentesco com o presidenciável. Em 2016, quando se lançou vereador e usou o nome "Hélio Negão", teve pouco menos de 500 votos.

Também foram eleitos para a Câmara oito policiais civis e agentes e delegados da Polícia Federal, que têm potencial para fortalecer a bancada da bala. Entre os policiais federais que se apresentaram para a Câmara neste ano e tentaram pegar carona na Lava Jato e no combate à corrupção, o desempenho ficou atrás dos militares. Dos 19 agentes que foram lançados para cadeiras de deputado federal pelo movimento "Frente de agentes da PF", só dois foram eleitos. Entre os 18 delegados da corporação que se apresentaram, só três conseguiram mandatos. Todos são filiados ao PSL.

Atualmente não existe uma bancada da bala no Senado. Isso deve mudar. Dois militares com patente foram eleitos, entre eles o Major Olímpio (PSL-SP), um dos membros mais destacados do grupo na Câmara. A bancada ainda deve contar com um dos filhos de Bolsonaro, Flávio, eleito senador pelo Rio. No total, cinco senadores eleitos já parecem afinados com os temas defendidos pelo núcleo ativo da bancada na Câmara. Dois são militares.

Assuntos relacionados

Boi e Bíblia perdem velhas caras

Já para as bancadas do boi e da bíblia, o resultado foi de enfraquecimento no curto prazo na Câmara, mas com potencial de recuperação, a depender do alinhamento dos deputados que conquistaram mandatos pela primeira vez, muitos deles do PSL. Na reta final do primeiro turno, as duas bancadas anunciaram apoio à candidatura do ex-capitão à Presidência. No Senado, o efeito de renovação foi menor ou até mesmo positivo para as duas frentes.

O influente bloco do agronegócio perdeu nomes destacados na Câmara, como Nelson Marquezelli (PTB-SP) e Osmar Serraglio (MDB-PR), que não conseguiram se reeleger. Já o ex-presidente da frente Nilson Leitão (PSDB-MT) disputou vaga ao Senado, mas perdeu. Neste pleito, só 54 dos 119 deputados que atuam ativamente na frente conseguiram permanecer na Câmara. Se incluídos os apoiadores menos participativos da bancada, só 117 de 245 membros vão permanecer.

No Senado, o grupo perdeu imediatamente nove senadores que estavam em fim de mandato, entre nomes que não se candidataram à reeleição ou foram derrotados, inclusive para outros cargos, como Ana Amélia (PP-RS), a vice do presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB). Dois membros da bancada do Senado foram eleitos governadores no último domingo, Ronaldo Caiado (DEM-GO) e Gladson Cameli (PSDB-AC).

Já os evangélicos viram o próprio presidente da frente, o deputado Takayama (PSC-PR), perder a reeleição. Dos 82 deputados que participam ativamente da frente, que promove projetos ultraconservadores e organiza cultos todas as semanas em salas do Congresso, só 42 vão permanecer na Câmara.

Já no Senado, o grupo viu um de seus nomes mais conhecidos, Magno Malta (PR-ES), sair derrotado das urnas. Ele perdeu a vaga para o delegado Fabiano Contarato (Rede-ES), primeiro senador eleito assumidamente homossexual do país. A derrota do senador Valdir Raupp (MDB-RO) foi uma perda tanto para os evangélicos quanto para a bancada ruralista.

Potencial de recuperação

Mesmo com a simbólica derrota de Malta, o saldo no Senado foi positivo para a Frente Evangélica, que deve dobrar sua participação, de atuais três para seis senadores. Entre os novos nomes que devem se unir ao grupo estão o batista Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) e os evangélicos Arolde de Oliveira (PSD-RJ) e Mecias de Jesus (PRB-RR). Oliveira foi apoiado pelo pastor Silas Malafaia, que ainda emplacou um irmão para a Câmara. Já Jesus derrotou em Roraima o influente senador Romero Jucá (MDB). 

A bancada do agronegócio, por sua vez, que se viu imediatamente reduzida de 27 para 18 senadores, deve compensar parte das perdas com a entrada de deputados da frente que foram eleitos para o Senado, como Luis Carlos Heinze (PP-RS) e Espiridião Amin (PP-SC), estabilizando-se em cerca de 25 senadores.

Na Câmara, as duas bancadas tendem a reverter parte das perdas em 2019. Na frente ruralista, os dirigentes apostam que deve ocorrer um alinhamento dos parlamentares estreantes que foram eleitos por estados com forte participação do agronegócio. Um deles, o paranaense Pedro Lupion (DEM), já anunciou que vai se integrar à frente. Há ainda nomes ligados à bancada que voltaram à Câmara, como ex-ministro da Agricultura Neri Geller (PP-MT).

A frente também tem altas expectativas de expandir sua influência junto ao Planalto em um eventual governo Bolsonaro, que tem como aliado próximo Luiz Nabhan, presidente da conservadora União Democrática Ruralista (UDR), cotado para assumir um ministério que deve fundir as pastas do Meio Ambiente e da Agricultura – um plano que deve terminar por enfraquecer, é claro, as questões ambientais na Esplanada. 

Já os evangélicos, mesmo com uma diminuição imediata do seu núcleo duro, também devem reverter parte das perdas com a entrada de novos deputados. Os 42 que conseguiram se manter na Câmara podem vir a ser combinados com 34 deputados eleitos que são muito próximos a igrejas, como Felipe Francischini (PSL-PR) e Wladimir Garotinho (PRP-RJ), filho do ex-governador Anthony Garotinho. 

Assim, o número de participantes ativos pode se elevar para 76, próximo do atual. A liderança da frente aposta ainda que a base de apoio, que hoje é de 150 deputados – a muitos não são evangélicos – deve aumentar para 180 graças à guinada à direita do Congresso, já que muitos dos novos membros estão em sintonia com a agenda conservadora da bancada. 

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Política

Bolsonaro é eleito presidente

Em segundo turno, os brasileiros elegeram Jair Bolsonaro (PSL) como presidente. Após uma campanha eleitoral polarizada, o militar reformado de extrema direita recebeu 55,13% dos votos, contra 44,87% de Fernando Haddad (PT). Com bandeiras do Brasil e vestidos nas cores verde e amarelo, eleitores comemoram pelo país. No discurso da vitória, Bolsonaro prometeu um governo constitucional e democrático.

Política

TSE abre investigação contra Bolsonaro

A pouco mais de uma semana do segundo turno, o Tribunal Superior Eleitoral abriu uma ação para investigar suspeitas de compra de disparos de mensagens antipetistas no WhatsApp por parte de empresários aliados a Bolsonaro. O pedido de investigação foi feito pelo PT, após uma reportagem do jornal "Folha de S. Paulo". A PF também abriu inquérito para investigar a disseminação em massa de "fake news".

Política

Bolsonaro e Haddad vão ao segundo turno

Numa das eleições mais polarizadas da história, em 7 de outubro os brasileiros levaram ao segundo turno os dois candidatos que, segundo sondagens, são também os mais rejeitados: Bolsonaro (PSL) e Haddad (PT). Favorito no Sul e Sudeste, o ex-militar teve 46% dos votos válidos contra 29% do petista, que foi o mais votado em oito estados do Nordeste e no Pará. Em terceiro, Ciro Gomes (PDT) teve 12%.

Política

Bolsonaro cresce nas pesquisas

Já líder nas pesquisas, o candidato do PSL ampliou sua vantagem no início de outubro, ultrapassando pela primeira vez a marca de 30% em sondagens do Ibope e do Datafolha. Ao longo da semana que antecedeu as eleições, o ex-capitão foi subindo e, na véspera do pleito, cruzou a barreira de 40% dos votos válidos. Após ser esfaqueado, a campanha do candidato se concentrou nas redes sociais.

Política

A troca de Lula por Haddad

Após meses de suspense e com aval de Lula, Fernando Haddad foi oficializado candidato à Presidência pelo PT em 11 de setembro, a menos de um mês do primeiro turno, após se esgotarem as chances de o ex-presidente concorrer. Preso e virtualmente inelegível pela Ficha Limpa, Lula era líder nas pesquisas de intenção de voto. O desafio agora será transferir votos para o ex-prefeito.

Política

Ataque a Bolsonaro

O candidato do PSL foi esfaqueado durante um ato de campanha em Juiz de Fora, um ataque que prometia mudar os rumos da corrida presidencial. Seus adversários condenaram a agressão, e alguns chegaram a mudar o tom da campanha. Não houve, contudo, um impacto decisivo sobre o eleitorado. Ele segue líder das intenções, mas com percentual praticamente igual. A rejeição a ele, por outro lado, aumentou.

Política

O "plano B" do PT

Com Lula virtualmente inelegível, a escolha do seu vice passou a ser encarada como um trampolim para um candidato substituto. No início de agosto, o PT acabou indicando Fernando Haddad, que desde o início do ano era cotado como "plano B". Manuela D'Ávila (PCdoB) ficou com a curiosa posição não oficial de "vice do vice", assumindo a posição com Lula candidato ou não.

Política

A novela dos vices

A fase de convenções começou no fim de julho sem que a maioria dos pré-candidatos tivesse um vice. Bolsonaro teve três convites recusados até fechar com o general Mourão (PRTB). Henrique Meirelles (MDB) e Ciro Gomes (PDT) se contentaram com nomes do próprio partido. Alckmin teve convite recusado pelo empresário Josué Alencar, cuja família é ligada a Lula, antes de optar por Ana Amélia (PR).

Política

Os candidatos isolados

A jogada de Alckmin com o "centrão" acabou isolando outros candidatos. Jair Bolsonaro (PSL) tentou negociar com o PR, mas teve que se contentar com o nanico PRTB. Ciro Gomes (PDT) também viu suas investidas no grupo naufragarem. Marina Silva (Rede) e Ciro também não conseguiram apoio do PSB, que ficou neutro numa manobra do PT. Os três terminaram a fase de convenções com pouco apoio e tempo de TV.

Política

Alckmin fecha com o "centrão"

Em julho, o tucano Geraldo Alckmin ainda patinava nas pesquisas, mas criou um fato novo na campanha ao conseguir o apoio do "centrão", as siglas que costumam emprestar seu apoio a governos em troca de cargos e verbas. Ao se aliar com PR, PP, PSD, DEM e SD, Alckmin passou a dominar 44% da propaganda eleitoral na TV. Sua coligação também recebe 48% do novo fundo de campanhas.

Política

Candidaturas descartadas

A eleição de 2018 parecia destinada a superar o número de candidatos de 1989, quando 22 disputaram. Em abril, 23 manifestavam interesse em concorrer, entre eles o presidente Michel Temer, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e o ex-presidente Fernando Collor. Mas eles logo desistiram ou foram abandonados por seus partidos. Outros aceitaram ser vices. Em agosto, só 13 permaneciam na corrida.

Política

Os "outsiders" saem de cena

A possibilidade de Lula ficar de fora e o sentimento antipolítico entre a população sinalizavam que esta seria a eleição dos "outsiders". O ex-ministro do Supremo Joaquim Barbosa e o apresentador Luciano Huck chegaram a ser incluídos em pesquisas. O empresário Flávio Rocha anunciou candidatura. Em julho, todos já haviam desistido, e a disputa ficou restrita a velhos nomes da política.

Política

Lula é condenado e preso

Quando anunciou, em 2016, a intenção de disputar a eleição, Lula se tornou o líder nas pesquisas. Em janeiro, porém, sua situação se complicou após uma condenação em segunda instância que o deixou virtualmente inelegível. Em abril, foi preso. Com a possibilidade de a candidatura ser barrada, o PT passou a ter dificuldades em formar alianças, e o desfecho do pleito ficou ainda mais imprevisível.

Política

Entra em cena o fundo de campanhas

Diante da proibição das doações por empresas, o Congresso criou em outubro de 2017 um novo fundo de R$ 1,7 bilhão para financiar candidaturas, já definindo a capacidade financeira de várias campanhas. Quase 60% do valor ficou concentrado em seis legendas: MDB, PT, PSDB, PP, PSB e PR, deixando candidatos à Presidência de pequenas e médias siglas com menos recursos na largada.

Conteúdo relacionado