Aquecimento dos oceanos ocorre em ritmo mais rápido que o esperado

Cientistas afirmam que 2018 foi o ano mais quente já registrado nos mares. Fenômeno relacionado ao aquecimento global ameaça espécies e contribui para aumento do nível do mar e tempestades mais intensas.

A temperatura dos oceanos está aumentando em ritmo mais rápido do que anteriormente estimado, ameaçando uma grande quantidade de espécies marinhas e podendo resultar na elevação do nível do mar, revelou um estudo de cientistas americanos e chineses divulgado nesta quinta-feira (10/01). As conclusões, divulgadas na revista Science, contrariam pesquisas anteriores que apontavam uma estagnação do aquecimento global nos últimos anos.

Natureza e meio ambiente | 09.12.2018

Novas medições com o auxílio de quase 4 mil robôs flutuantes distribuídos pelos oceanos demonstraram um índice de aquecimento maior do que o calculado pelo último levantamento da ONU sobre o aquecimento global, em 2013.

Os robôs flutuantes ficam à deriva nos oceanos, mergulhando periodicamente a uma profundidade de 2 mil metros e registrando a temperatura, salinidade, pH (acidez) e outras informações antes de retornar à superfície.

Segundo os pesquisadores, os robôs forneceram "dados consistentes e amplos sobre o calor dos oceanos desde a metade dos anos 2000". Os novos dados demonstram que o aquecimento nos oceanos ocorre no mesmo ritmo do aumento da temperatura global do ar.

As conclusões se baseiam em quatro estudos, publicados entre 2014 e 2017, que fornecem estimativas mais precisas das tendências do calor oceânico, permitindo que cientistas atualizem pesquisas passadas e façam previsões para o futuro.

"O aquecimento dos oceanos é um indicador importante das mudanças climáticas, e temos provas robustas de que ocorre de modo mais rápido do que pensávamos", disse Zeke Hausfather, estudante de graduação do Grupo de Energia e Recursos da Universidade da Califórnia e coautor do estudo.

Em torno de 93% do excesso de calor – preso na atmosfera pelos gases causadores do efeito estufa provenientes de combustíveis fósseis – se acumula nos oceanos. De modo geral, as temperaturas a 2 mil metros de profundidade aumentaram cerca de 0,1º C entre 1971 e 2010. 

A chamada expansão termal – a água se expande à medida que esquenta – deverá levar a num aumento do nível do mar de 30 centímetros, mais do que qualquer aumento resultante do derretimento das geleiras e das camadas de gelo da Terra.

"Com 2018 sendo o quarto ano mais quente já registrado na superfície, será, muito provavelmente, o ano mais quente registrado nos oceanos, assim como já foram 2017 e 2016", diz Hausfather.

Lijing Cheng, do Instituto de Física Atmosférica da Academia Chinesa de Ciências, principal autor do estudo, reforça que 2018 foi o ano mais quente já registrado nos oceanos e observa que os recordes de temperatura nos mares vêm sendo quebrados quase anualmente desde 2000.

"O aquecimento global existe e já tem grandes consequências. Não há nenhuma dúvida", enfatizaram em comunicado os autores do estudo, acrescentando que, se nada for feito para reduzir as emissões de gases causadores do efeito estufa, a temperatura nos primeiros 2 mil metros de profundidade nos oceanos aumentará 0,78 º C até o fim do século.

O aquecimento poderá levar a uma redução da quantidade de oxigênio presente nos oceanos e danificar recifes de corais. Além disso, mares mais quentes liberam mais umidade na atmosfera, o que pode contribuir para tempestades mais poderosas.

A elevação da temperatura dos oceano também resulta num aumento do nível do mar ao contribuir para o derretimento de geleiras, como as que circundam a Antártida e a Groenlândia.

RC/rtr/afp

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Patrimônios mundiais ameaçados pelo aquecimento global

Mata Atlântica, Brasil

Um dos paraísos protegidos pela Unesco, a Mata Atlântica já enfrenta ameaças como o desmatamento, a caça indiscriminada e a ocupação irregular. Localizada próximo ao litoral, a região também corre riscos com enchentes, secas, deslizamentos de terra e outros eventos climáticos potencializados pelo aquecimento global.

Patrimônios mundiais ameaçados pelo aquecimento global

Floresta tropical de Bwindi, Uganda

Quase a metade dos gorilas que ainda vivem livres na natureza em todo o mundo estão em Uganda. São cerca de 880 animais. Mas o aumento da temperatura leva a população que vive em áreas vizinhas à floresta a ocuparem áreas mais frescas. Para os gorilas sobra menos espaço para viver. O contato também aumenta os riscos de disseminação de novas doenças.

Patrimônios mundiais ameaçados pelo aquecimento global

Lago Niassa, Malaui

Altas temperaturas fazem com que a água do gigantesco lago Niassa evapore. O período de chuvas tem se tornado mais curto e a seca se estende cada vez mais. Com isso, o lago tem cada vez menos água. Este é um problema tanto para o ecossistema quanto para os pescadores que vivem do que retiram do lago e as empresas que oferecem mergulhos para turistas.

Patrimônios mundiais ameaçados pelo aquecimento global

Vale da Lua, Jordânia

Gargantas estreitas, penhascos e uma vista espetacular são alguns dos pontos altos deste patrimônio mundial. Mais de 45 mil pinturas rupestres, algumas com até 12 mil anos, são uma atração turística. Mas a água na região está ficando ainda mais escassa devido às mudanças climáticas e ameaça animais e plantas que vivem nesta área.

Patrimônios mundiais ameaçados pelo aquecimento global

Ilhas Chelbacheb, Palau

Não é surpresa que as 400 ilhas Chelbacheb recebam mais de 100 mil turistas por ano. Os vilarejos antigos, lindas lagunas e recifes de corais fazem de lá um paraíso no Oceano Pacífico. Ainda assim, com a temperatura do mar subindo e a água ficando mais ácida, os corais são danificados e ficam brancos, causando seu extermínio.

Patrimônios mundiais ameaçados pelo aquecimento global

Ilha de Páscoa, Chile

As estátuas Moai na ilha chilena atraem a cada ano 60 mil visitantes. A erosão da costa e a elevação do nível do mar ameaçam as estátuas.

Patrimônios mundiais ameaçados pelo aquecimento global

Estátua da Liberdade, Estados Unidos

A Estátua da Liberdade sofre com tempestades cada vez mais fortes e o aumento do nível do mar. Em 2012 , o furacão Sandy danificou a infraestrutura da ilha onde fica a estátua. Alguns acreditam que é apenas uma questão de tempo até que a estátua em si seja avariada.

Patrimônios mundiais ameaçados pelo aquecimento global

Cartagena, na Colômbia

A colombiana Cartagena de Índias fica a apenas 2 metros acima do nível do mar. Principalmente o belo centro histórico e portuário da cidade fundada em 1533 estão ameaçados.

Patrimônios mundiais ameaçados pelo aquecimento global

Veneza, na Itália

Embora o fenômeno da "acqua alta" não seja novidade em Veneza, ele está ocorrendo com cada vez mais frequência. E como um dos pontos mais baixos da cidade é a Praça de São Marcos, esta área especialmente turística é uma das mais comprometidas. Em longo prazo, o aquecimento global tende a agravar o problema.

Patrimônios mundiais ameaçados pelo aquecimento global

Fiorde Ilulissat, Groenlândia

Os icebergs derretem e se partem. Quando o permafrost, o solo permanente gelado, descongela, desaparecem com ele também os sítios arqueológicos. Turistas visitam o fiorde para vivenciar o "Marco Zero" da mudança climática. Para o gelo, o efeito é devastador, mas isso não impede mais e mais pessoas de irem até lá para ver icebergs antes que desapareçam para sempre.

Siga-nos