Brexit sem acordo põe em risco 100 mil empregos na Alemanha

Estudo prevê que, se o Reino Unido deixar a UE sem acordo, Alemanha será o país mais afetado em termos de postos de trabalho, especialmente no setor automobilístico. Em todo o mundo, 600 mil empregos estariam ameaçados.

Uma possível saída do Reino Unido da União Europeia (UE) sem acordo pode custar à Alemanha 100 mil postos de trabalho. A previsão é de um estudo realizado pelo instituto econômico alemão IWH e pela Universidade de Halle-Wittenberg, que analisa possíveis efeitos do chamado hard Brexit.

Segundo a pesquisa, as consequências seriam sentidas, sobretudo, em lugares onde a indústria automobilística tem grande peso. Assim, as cidades de Wolfsburg, na Baixa Saxônia, que abriga a sede da Volkswagen, e de Dingolfing, na Baviera, que responde pela maior produção de veículos da BMW na Europa, seriam bastante afetadas. Estima-se que o setor automobilístico possa perder 15 mil postos de trabalho.

"Em nenhum outro país o efeito sobre o emprego total seria tão grande quanto na Alemanha", disse Oliver Holtemöller, um dos autores da pesquisa, ao jornal alemão Welt am Sonntag.

O polo de tecnologia em Böblingen, no estado alemão de Baden-Württemberg, onde estão empresas como a IBM e a Siemens, também seria afetado. O mesmo destino pode ter Märkischer Kreis, na Renânia do Norte-Vestfália, que abriga diversas empresas alemãs de médio porte que são líderes globais nos produtos que fabricam.

Política | 30.01.2019

Os analistas preveem ainda que, nesse cenário de um Brexit sem acordo, as exportações da Alemanha – principal economia e maior exportadora da Europa – para o Reino Unido cairiam 25%. Em 2017, o país esteve entre os cincos principais destinos das exportações alemãs, com produtos que somaram 85 bilhões de euros.

O estudo levou em conta apenas os empregos que seriam afetados por essa queda na exportação. Cortes ocasionados por outros fatores, como a redução de investimentos britânicos na Alemanha, não entraram na conta. Em âmbito global, um Brexit sem acordo afetaria mais de 600 mil postos de trabalho, sendo 50 mil na França e 59 mil na China.

A Holanda, por sua vez, vem atraindo milhões de euros em investimentos relacionados ao Brexit, conforme anunciou o governo em Amsterdã no último sábado (09/02). Mais de 40 empresas deixaram o Reino Unido para operar no país em 2018, o que corresponde a 1.923 novos postos de trabalho e cerca de 291 milhões de euros em investimentos.

O receio de que o Reino Unido deixe a UE sem um pacto sobre futuras relações cresceu depois que o parlamento britânico rejeitou um primeiro acordo negociado entre a primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, e Bruxelas. A premiê tenta agora renegociar os termos do divórcio antes do dia 29 de março, data em que está prevista a saída do país do bloco europeu.

MO/dw/efe

_____________

Assuntos relacionados

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Com Brexit, vila alemã vira centro da União Europeia

Bem-vindo a Gadheim, o futuro centro da UE

As poucas casas de Gadheim estão localizadas nas colinas de uma região vitivinícola da Baviera, agrupadas ao longo de uma estrada que serpenteia campos dominados por turbinas eólicas.

Com Brexit, vila alemã vira centro da União Europeia

Típica vila bávara

Os habitantes de Gadheim estão orgulhosos de que suas casas, vinhas, campos infinitos e o sinuoso rio Meno estejam no foco das atenções.

Com Brexit, vila alemã vira centro da União Europeia

Gadheim, centro da Europa?

"A maioria aqui ouviu a notícia no rádio", disse Jürgen Götz, prefeito de Veitshöchheim, que fica nas proximidades. A vila de Gadheim é muito pequena e por isso não tem prefeito. "Inicialmente pensamos tratar-se de uma piada", disse Götz. Na foto, Götz com a bandeira da União Europeia e com a agricultora Karin Kessler, que custa a acreditar que sua localidade ficou famosa da noite para o dia.

Com Brexit, vila alemã vira centro da União Europeia

Um campo é o centro geográfico da UE

Inicialmente ela pensou que a localização exata atingiria o terreno do vizinho, mas o filho dela enviou-lhe uma mensagem com o mapa e as coordenadas exatas: o novo centro geográfico da UE será no meio de um campo de colza dela. "O fato de que isso só esteja acontecendo por causa desse Brexit eu considero uma vergonha", disse ela.

Com Brexit, vila alemã vira centro da União Europeia

Outra localidade lamenta

Já Westerngrund, a cerca de 60 quilômetros a noroeste de Gadheim, perderá o título de centro da UE, adquirido em 2013 quando a Croácia ingressou no bloco. Escolares da vila verificaram que cerca de 6 mil pessoas de 93 países assinaram o livro de visitantes guardado no local exato onde é o centro geográfico até o momento.

Com Brexit, vila alemã vira centro da União Europeia

Turistas não tão entusiasmados

Várias bandeiras alemãs e da União Europeia marcam o local que ainda é o centro da UE. "Nós contávamos com ônibus chineses nos visitando todas as semanas. Na realidade, isso não aconteceu", disse Christoph Biebrich, o padeiro de Westerngrund, que criou pães em forma de anel com um buraco, que representa o umbigo da UE, cercado de estrelas.

Com Brexit, vila alemã vira centro da União Europeia

Até a próxima mudança na União Europeia

Fica o conselho do padeiro Biebrich para o povo de Gadheim: "Não se apeguem ao seu lugar ao sol. Isso logo vai mudar". Tanto os moradores de Westerngrund quanto os de Gadheim esperam que a próxima vez que o centro da UE se mover seja por causa de um novo membro, e não por causa de uma saída.