Choque de realidade

Voluntariamente, o Brasil abriu mão do papel de liderança no combate às mudanças climáticas. O que o país apresentará de interessante aos outros líderes do G20 daqui em diante – histórias sobre o socialismo perverso?

Sim, no último fim de semana, o Brasil também esteve representado na cúpula do G20 em Buenos Aires. Eu vi o presidente Michel Temer – primeiro, durante a foto oficial do grupo, e depois, durante sua chegada ao Teatro Colón.

Economia | 02.12.2018

Não ouvi nada dele – assim como nos anos anteriores. Apresentações em palcos gigantescos como esse parecem deixá-lo constrangido. Será que ele não sabe falar nenhuma língua estrangeira? Ou ele não sabe o que dizer? Ou então, será que ninguém quer falar com ele, por causa de Dilma, do impeachment ou por causa da JBS?

Mas falou-se sobre o Brasil, mesmo que com rodeios. O presidente francês, Emmanuel Macron, alertou o Mercosul de que uma saída do Acordo sobre o Clima de Paris, de 2015, anularia um possível acordo comercial entre a União Europeia e o bloco sul-americano. Foi uma indireta para Jair Bolsonaro, suas críticas recorrentes ao Acordo de Paris e a renúncia do Brasil a sediar a COP25, a próxima Conferência do Clima das Nações Unidas.

A luta contra o aquecimento global costumava ser uma área em que o Brasil ocupava posição de liderança internacional. Sob Lula e Dilma, as delegações brasileiras pegaram as outras nações pela mão, as levaram a obter bons resultados. Agora, ouvem-se estranhas histórias contadas pelo presidente eleito sobre a ONU, que supostamente quer criar "nações" indígenas dentro do Brasil, e há o conto da criação de um corredor ecológico conhecido como "Triplo A" (Andes, Amazônia, Atlântico), que seria parte do Acordo de Paris – mas que, na verdade, só existe dentro da cabeça do futuro presidente.

É uma pena, visto que o Banco Mundial acaba de anunciar a liberação de auxílios financeiros num total de 200 bilhões de dólares para ações climáticas nos próximos anos. A proteção ambiental se tornará um negócio gigantesco, assim como energias alternativas e verdes. No palco do G20, o Brasil teria muito a oferecer nessa área. Mas o interesse do novo governo parece ser extremamente reduzido nesse contexto.

Em Buenos Aires, imaginei várias vezes como os chefes de Estado e de governo reagirão quando Bolsonaro ou seu futuro ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, contarem suas histórias esquisitas sobre o complô marxista-comunista da ONU na esfera internacional. Claro, Donald Trump também tem desses enredos. Mas ele é o homem mais poderoso do mundo, pode dar-se esse luxo. Será que o Brasil também pode?

Enquanto Temer ficou mudo, Eduardo Bolsonaro, um dos filhos do presidente eleito, deu curiosas declarações, num inglês esquisito, a programas de TV americanos. No canal preferido de Trump, a Fox News, ele prometeu que o Brasil nunca mais será "um país socialista".

Thomas Milz é correspondente da DW no Rio de Janeiro

Fiquei surpreso. Afinal, não sabia que o Brasil jamais tenha sido um "país socialista". Sempre pensei que, no Brasil, dominava um capitalismo selvagem desenfreado.

Mas, talvez, eu entenda o conceito de outra forma. Para mim, o socialismo tenta estabelecer igualdade e justiça entre os cidadãos. O elemento mais fundamental para isso é a libertação das pessoas da pobreza.

Apesar dos enormes esforços dos últimos 15 anos, o Brasil continua sendo um dos países mais desiguais do mundo. Concretamente, o nono país mais desigual do mundo numa lista de 189 nações, segundo relatório do Pnud (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento). Os resultados são apenas pouco melhores que os da África do Sul, da Namíbia e do Botsuana.

Assuntos relacionados

Até agora, mal ouvi declarações sobre como o novo governo quer garantir mais igualdade e justiça. Uma abordagem clássica seria valorizar e melhorar as instituições de ensino. Algo urgentemente necessário. Em 2015/16, o Brasil ocupou apenas o 63º lugar entre 71 países no ranking de desempenho escolar PISA, da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE). Em matemática, os alunos brasileiros chegaram somente à 66ª colocação.

Mas as visões do novo governo na área da educação parecem se restringir ao projeto "Escola Sem Partido", que – em vez de fortalecer escolas e professores – implode o sistema escolar brasileiro, já bombardeando também o esclarecimento ocidental. Avançamos para o século 21 ou retornamos à Idade Média?

Nas últimas semanas, pessoas que entrevistei me asseguraram que projetos como o Escola Sem Partido fracassarão, seja no Congresso ou, mais tardar, no STF. Frequentemente, ouvi que o governo Bolsonaro está diante de um "choque de realidade". A realidade vai mostrar os limites aos novos governantes – e indicar-lhes o caminho certo. A ver.

De qualquer maneira, o G20 será fascinante em 2019, quando acontecerá com Bolsonaro, que certamente será mais loquaz que seu antecessor, Temer. Vamos ver se Angela Merkel achará divertidas as suas tramas sobre a conspiração marxista-comunista mundial.

Thomas Milz saiu da casa de seus pais protestantes há quase 20 anos e se mudou para o país mais católico do mundo. Tem mestrado em Ciências Políticas e História da América Latina e, há 15 anos, trabalha como jornalista e fotógrafo para veículos como o Bayerischer Rundfunk, a agência de notícias KNA e o jornal Neue Zürcher Zeitung. É pai de uma menina nascida em 2012 em Salvador. Depois de uma década em São Paulo, mora no Rio de Janeiro há quatro anos.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Dez ações contra as mudanças climáticas

Usar menos carvão, petróleo e gás

A maioria dos gases estufa provém das usinas de energia, indústria e transportes. O aquecimento de edifícios é responsável por 6% das emissões globais de gases poluentes. Quem utiliza a energia de forma eficiente e economiza carvão, petróleo e gás também protege o clima.

Dez ações contra as mudanças climáticas

Produzir a própria energia limpa

Hoje, energia não só vem de usinas termelétricas a carvão, óleo combustível e gás natural. Há alternativas, que atualmente são até mesmo mais econômicas. É possível produzir a própria energia e, muitas vezes, mais do que se consome. Os telhados oferecem bastante espaço para painéis solares, uma tecnologia que já está estabelecida.

Dez ações contra as mudanças climáticas

Apoiar boas ideias

Cada vez mais municípios, empresas e cooperativas investem em fontes energéticas renováveis e vendem energia limpa. Este parque solar está situado em Saerbeck, município alemão de 7,2 mil habitantes que produz mais energia do que consome. Na foto, a visita de uma delegação americana à cidade.

Dez ações contra as mudanças climáticas

Não apoiar empresas poluentes

Um número cada vez maior de cidadãos, companhias de seguro, universidades e cidades evita aplicar seu dinheiro em companhias de combustíveis fósseis. Na Alemanha, Münster é a primeira cidade a aderir ao chamado movimento de desinvestimento. Em nível mundial, essa iniciativa abrange dezenas de cidades. Esse movimento global é dinâmico – todos podem participar.

Dez ações contra as mudanças climáticas

Andar de bicicleta, ônibus e trem

Bicicletas, ônibus e trem economizam bastante CO2. Em comparação com o carro, um ônibus é cinco vezes mais ecológico, e um trem elétrico, até 15 vezes mais. Em Amsterdã, a maior parte da população usa a bicicleta. Por meio de largas ciclovias, a prefeitura da cidade garante o bom funcionamento desse sistema.

Dez ações contra as mudanças climáticas

Melhor não voar

Viajar de avião é extremamente prejudicial ao clima. Os fatos demonstram o dilema: para atender às metas climáticas, cada habitante do planeta deveria produzir, em média, no máximo 5,9 toneladas de CO2 anualmente. No entanto, uma viagem de ida e volta entre Berlim e Nova York ocasiona, por passageiro, já 6,5 toneladas de CO2.

Dez ações contra as mudanças climáticas

Comer menos carne

Para o clima, também a agricultura é um problema. No plantio do arroz ou nos estômagos de bois, vacas, cabras e ovelhas é produzido o gás metano, que é muito prejudicial ao clima. A criação de gado e o aumento mundial de consumo de carne são críticos também devido à crescente demanda de soja para ração animal. Esse cultivo ocasiona o desmatamento de florestas tropicais.

Dez ações contra as mudanças climáticas

Comprar alimentos orgânicos

O óxido nitroso é particularmente prejudicial ao clima. Sua contribuição para o efeito estufa global gira em torno de 6%. Ele é produzido em usinas de energia e motores, mas principalmente também através do uso de fertilizantes artificiais no agronegócio. Esse tipo de fertilizante é proibido na agricultura ecológica e, por isso, emite-se menos óxido nitroso, o que ajuda a proteger o clima.

Dez ações contra as mudanças climáticas

Sustentabilidade na construção e no consumo

Na produção de aço e cimento emite-se muito CO2, em contrapartida, ele é retirado da atmosfera no processo de crescimento das plantas. A escolha consciente de materiais de construção ajuda o clima. O mesmo vale para o consumo em geral. Para uma massagem, não se precisa de combustível fóssil, mas para copos plásticos, que todo dia acabam no lixo, necessita-se uma grande quantidade dele.

Dez ações contra as mudanças climáticas

Assumir responsabilidades

Como evitar gases estufa, para que, em todo mundo, as crianças e os filhos que elas virão a ter possam viver bem sem uma catástrofe do clima? Esses estudantes estão fascinados com a energia mais limpa e veem uma chance para o seu futuro. Todos podem ajudar para que isso possa acontecer.