EUA indiciam 12 oficiais russos por ingerência em eleição

Às vésperas da cúpula entre Putin e Trump, autoridades militares de inteligência são acusadas de hackear campanha de Hillary Clinton em 2016. Presidente critica investigação, e democratas pedem cancelamento da reunião.

Um grande júri federal dos Estados Unidos indiciou 12 oficiais de inteligência militar da Rússia, acusados de ter invadido computadores da campanha do Partido Democrata durante as eleições presidenciais americanas de 2016, informou o Departamento de Justiça nesta sexta-feira (13/07).

A acusação criminal ocorre no âmbito das investigações do procurador especial Robert Mueller sobre a ingerência russa no processo eleitoral americano, além de possíveis ligações entre a campanha do presidente Donald Trump, do Partido Republicano, e o governo em Moscou.

Anteriormente, agências de inteligência americanas já haviam sugerido que a interferência russa tinha como objetivo favorecer a campanha de Trump, que acabou vencendo o pleito, e prejudicar sua oponente, a candidata democrata Hillary Clinton.

Em coletiva de imprensa para anunciar a decisão, o vice-procurador-geral dos Estados Unidos, Rod Rosenstein, informou que os oficiais militares russos foram denunciados por "conspirar para interferir nas eleições presidenciais de 2016".

Segundo Rosenstein, não há indícios de que entidades ou cidadãos americanos – nem mesmo membros da campanha de Trump – estiveram envolvidos nos crimes em questão ou em contato com os oficiais de inteligência russos acusados.

Os militares, afirma a acusação, hackearam redes de computadores do Comitê de Campanha Congressional Democrata, do Comitê Nacional do Partido Democrata e da campanha presidencial de Hillary, tendo tido acesso a informações sigilosas, inclusive de eleitores americanos.

Nesses ciberataques, eles teriam invadido importantes contas de e-mail democratas, incluindo de membros da campanha de Hillary, a fim de roubar dados e divulgá-los através de outras entidades na internet, com "intenção de interferir" no resultado das eleições. As informações vazaram meses antes do pleito de 8 de novembro de 2016.

Não há indícios, no entanto, de que a contagem dos votos após as eleições tenha sido alvo de hackers. Rosenstein acrescentou que o presidente Trump, que está em viagem oficial pela Europa, foi informado das novas acusações no início desta semana.

Em seu anúncio, o vice-procurador-geral alertou que a internet "permite que adversários estrangeiros ataquem americanos de novas e inesperadas formas". "Eleições livres e justas são conquistadas a duras lutas, e sempre haverá adversários que trabalham para exacerbar diferenças internas e tentar nos confundir, dividir e derrotar."

O Kremlin foi rápido em negar as acusações nesta sexta-feira, afirmando que a Rússia não interferiu e não teve a intenção de interferir nas eleições presidenciais de dois anos atrás. "Quando os americanos tiverem fatos, nós daremos uma olhada", afirmou a repórteres Yuri Ushakov, um assessor de política externa do presidente russo, Vladimir Putin.

O indiciamento contra os 12 oficiais russos é o primeiro a envolver diretamente o governo em Moscou na ingerência russa nas eleições americanas. As investigações do procurador especial Mueller já levaram a denúncias contra outras 13 pessoas e três empresas da Rússia por seu envolvimento na conspiração, mas ainda não tinham atingido autoridades.

Entre cidadãos americanos, também foram alvo de Mueller quatro ex-assessores da campanha de Trump e da Casa Branca, sendo que três deles se declararam culpados por diferentes crimes e concordaram em cooperar. Em junho, o procurador ofereceu uma denúncia contra Paul Manafort, ex-chefe da campanha republicana, que teve sua prisão decretada.

Pressão antes de reunião com Putin

As novas acusações surgem às vésperas da cúpula entre Trump e Putin na capital finlandesa, Helsinque, na próxima segunda-feira. O presidente americano já demonstrou diversas vezes preocupação com as investigações de Mueller, reiterando nesta sexta-feira que o inquérito está arruinando as relações entre Moscou e Washington.

"Nós temos um problema político aqui. Você sabe, nos Estados Unidos temos essa estupidez acontecendo", disse Trump, em referência às investigações contra a interferência russa. "Isso torna muito difícil fazer qualquer coisa com a Rússia."

Após o anúncio dos novos indiciamentos, parlamentares democratas exigiram que o presidente, em sua reunião com Putin, pressione o líder sobre a questão.

"O presidente Trump deve exigir e garantir um acordo real, concreto e abrangente de que os russos vão interromper seus ataques contínuos à nossa democracia", disse a líder democrata na Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi. "O fracasso em resistir a Putin representaria uma profunda traição à Constituição e à nossa democracia."

O líder democrata no Senado, Chuck Schumer, foi além. "O presidente Trump deveria cancelar seu encontro com Vladimir Putin até que a Rússia tome medidas transparentes e efetivas que provem que eles não vão interferir em futuras eleições", disse o opositor.

EK/ap/dpa/rtr

_____________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Trechos de "Fogo e Fúria", o livro sobre os bastidores da Casa Branca de Trump

"Fogo e fúria"

Trechos já publicados do livro do jornalista americano Michael Wolff "Fogo e Fúria: por dentro da Casa Branca de Trump" revelam o que acontece nos bastidores do centro do poder nos EUA, da busca por segurança em hambúrgueres aos sonhos presidenciais de Ivanka Trump.

Trechos de "Fogo e Fúria", o livro sobre os bastidores da Casa Branca de Trump

"Melania em lágrimas"

"O filho de Trump, Don Jr., disse a um amigo que pouco depois das 20h, na noite da eleição, quando parecia confirmada a inesperada tendência de que Trump realmente poderia vencer, seu pai parecia ter visto um fantasma. Melania caiu em lágrimas – que não eram de alegria. Em pouco mais de uma hora, um Trump confuso se transformou num Trump incrédulo e depois num Trump assustado."

Trechos de "Fogo e Fúria", o livro sobre os bastidores da Casa Branca de Trump

Ivanka Trump, "primeira mulher presidente"

"Comparando riscos e ganhos, tanto Jared (Kushner) quanto Ivanka decidiram aceitar cargos na Casa Branca, contrariando o conselho de quase todos que conheciam... Ambos fizeram um acordo sério: se algum dia surgir a oportunidade, ela será a candidata à presidência. A primeira mulher presidente, brincou Ivanka, não seria Hillary Clinton, mas Ivanka Trump."

Trechos de "Fogo e Fúria", o livro sobre os bastidores da Casa Branca de Trump

Buscando refúgio em "fast food"

"Ele tinha um medo antigo de ser envenenado, e essa é uma das razões pelas quais ele gostava de comer no McDonald's: ninguém sabia que ele iria aparecer, e a comida já estava pronta, o que era seguro."

Trechos de "Fogo e Fúria", o livro sobre os bastidores da Casa Branca de Trump

As teorias de Bannon

"O verdadeiro inimigo, segundo Bannon, era a China. A China seria a primeira frente numa nova Guerra Fria. A China é tudo. Nada mais importa. Se não lidarmos direito com a China, não vamos lidar direito com nada. Tudo é muito simples. A China está onde a Alemanha nazista estava em 1929 e 1930. Os chineses, como os alemães, são as pessoas mais racionais do mundo, até deixarem de ser."

Trechos de "Fogo e Fúria", o livro sobre os bastidores da Casa Branca de Trump

Bannon: Donald Jr. foi "traidor"

"Donald Trump Jr., Jared Kushner e o chefe da campanha, Paul Manafort acharam uma boa ideia se encontrar com um governo estrangeiro na sala de conferências no 25º andar do Trump Tower – e sem advogados... Mesmo se você acha que não se tratava de traição, falta de patriotismo ou uma bosta ruim, e eu acho que foi tudo isso, você deveria ter chamado o FBI imediatamente", disse Bannon.

Trechos de "Fogo e Fúria", o livro sobre os bastidores da Casa Branca de Trump

"Perder era ganhar"

"Se tivesse perdido a eleição, Trump se tornaria muito famoso e ao mesmo tempo um mártir da Hillary Idiota. Sua filha Ivanka e o genro Jared se tornariam celebridades internacionais. Steve Bannon se tornaria o chefe de fato do movimento Tea Party. Melania Trump, que havia obtido do marido a garantia de que ele não seria presidente, poderia voltar a ter almoços discretos. Perder era ganhar."

Siga-nos