Inflação chega a quase 1.700.000% na Venezuela em 2018

Dados são divulgados pela Assembleia Nacional, controlada pela oposição. País enfrenta grave crise econômica, marcada pela hiperinflação e escassez de alimentos e medicamentos.

A Assembleia Nacional da Venezuela, controlada pela oposição, afirmou nesta quarta-feira (09/01) que o país fechou 2018 com uma inflação de 1.698.844,2%, número que confirma a grave crise e a espiral hiperinflacionária enfrentada há mais de um ano.

"Gostaríamos de dar boas notícias, infelizmente não pudemos. Fechamos o ano de 2018 com uma inflação que afeta o bolso dos venezuelanos em 1.698.488,2%", disse Rafael Guzmán, chefe da comissão de Finanças da Câmara.

Assim, o que em 1º de janeiro de 2018 custava 1 bolívar, custa atualmente 17 mil bolívares. De acordo com os parlamentares, o país fechou 2017 com uma inflação de 2.616%. Só durante o último mês de dezembro, o indicador alcançou a 141,75%, mais de 3% por dia.

Em 2018, os itens e serviços que mais subiram foram alimentos (123%); transporte (167%); equipamentos domésticos (178%); e restaurantes e hotéis (197%).

"Estamos entre as três [inflações mais altas] da história do mundo, esse é o resultado de [políticas] de Miraflores [sede do governo], dos que usurpam o poder, dos que estão nos levando à tragédia que nós estamos vivendo no país", acrescentou Guzmán.

Ao vivo agora
01:55 min
América Latina | 04.07.2018

Com hiperinflação, venezuelanos fazem escambo para superar...

O chefe da comissão de Finanças também disse que a hiperinflação da Venezuela poderia ser explicada pela constante "monetização" do déficit fiscal por parte do Banco Central e pelo ataque ao cada vez mais frágil setor industrial do país. Além disso, Guzmán rejeitou a tese do governo de Nicolás Maduro de que o país saiu do processo de hiperinflação.

A Assembleia Nacional, que tinha projetado no final de 2018 que a inflação passaria os 2.000.000%, previu nesta quarta-feira uma taxa acima dos 10.000.000% para 2019, o que supera a previsão do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Há quase três anos, o Banco Central deixou de divulgar dados sobre a inflação no país. Essa função foi então assumida pela Assembleia Nacional, que apesar de eleita em 2015, na prática não tem conseguido exercer suas funções.

As decisões dos parlamentares não chegam a virar lei, e eles só se reúnem quando a Assembleia Nacional Constituinte – órgão plenipotenciário instalado por Maduro em 2017 e não reconhecido por potências estrangeiras – não está em sessão.

Além do problema político, a Venezuela enfrenta uma grave crise econômica. Atualmente, 87% da população venezuelana se encontra em situação de pobreza. 

Assuntos relacionados

A falta de segurança, os baixos salários, os altos preços e a escassez de alimentos e medicamentos levou quase 3 milhões de venezuelanos a emigrarem desde 2015, especialmente, com destino aos vizinhos Brasil e Colômbia, mas também para Peru e Equador.

CN/efe

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

O preço da hiperinflação na Venezuela

Frango milionário

Quem quer fazer compras na capital venezuelana, Caracas, tem que enfrentar longas filas e, até antes da reforma monetária, trazer montes de dinheiro vivo. Esse frango de pouco mais de dois quilos custava 14,6 milhões de bolívares, o equivalente a dois euros. As fotos desta galeria são de Carlos Garcia Rawlins, da agência Reuters.

O preço da hiperinflação na Venezuela

Dinheiro sem valor

Cerca de 5 milhões de bolívares era o que se cobrava por um quilo de tomates. Apenas cerca de 40 centavos de euro, mas para os venezuelanos, muito mais, já que seus salários e economias se desvalorizam a cada dia. Segundo o FMI, em 2018 a inflação no país poderá chegar a 1 milhão por cento.

O preço da hiperinflação na Venezuela

Fuga em massa

Quem precisa de papel higiênico, paga 2,6 milhões de bolívares por um rolo – se conseguir achar o artigo, pois é quase impossível obter muitos produtos do dia a dia. Os gargalos de abastecimento já levaram mais de 2 milhões de habitantes a deixar país, segundo dados da ONU.

O preço da hiperinflação na Venezuela

Higiene como luxo

Um pacote de absorventes custava 5,5 milhões de bolívares, até que, em 20 de agosto de 2018, o governo socialista de Nicolás Maduro cortou cinco zeros da moeda nacional. Novas cédulas estão sendo impressas.

O preço da hiperinflação na Venezuela

O próprio peso em dinheiro

Dois milhões e meio de bolívares pesam mais ou menos um quilo, e com eles se pode comprar, justamente, um quilo de arroz. A nova moeda se chama bolívar soberano. Mas esta não é primeira reforma monetária sob o governo socialista na Venezuela.

O preço da hiperinflação na Venezuela

"Forte"... "soberano"...

Um pacote de fraldas passará de 8 milhões de bolívares a 80 bolívares soberanos. Menos de dez anos atrás, o governo venezuelano já substituíra o bolívar pelo bolívar fuerte, cortando três zeros.

O preço da hiperinflação na Venezuela

Mudança em vão

Com a nova moeda, este quilo de queijo passará a custar "apenas" 75 bolívares soberanos. No entanto, especialistas partem do princípio que a inflação seguirá galopante, como nos anos anteriores. A reforma monetária provavelmente não trará nenhum benefício à população da Venezuela.

Siga-nos