Luxemburgo quer tornar transporte gratuito

Ideia do novo governo é combater aquecimento global ao estimular uso de ônibus, trens e metrô. Gratuidade seria financiada por motoristas de carros. Programa também prevê legalizar maconha.

Se realizar as promessas contidas no programa do novo governo, empossado nesta quarta-feira (05/12), Luxemburgo poderá se tornar o primeiro país da Europa a ter transporte público gratuito.

O projeto é da coalizão do primeiro-ministro Xavier Bettel, cujo Partido Democrata, de orientação liberal, obteve vitória apertada nas eleições de outubro no pequeno país europeu. 

Ele planeja um mandato com forte viés ambiental. Os outros partidos que integram o novo governo são o Partido Verde e o Partido Operário Socialista. Reconduzido ao poder, Bettel, de 45 anos, já governava com essa constelação política desde 2013.

O acordo de coalizão de 246 páginas, aprovado nesta semana, prevê dois dias a mais de férias por ano, a legalização da maconha e o transporte público gratuito.

O governo assumiu o compromisso de não cobrar mais pelo transporte em trens, ônibus e metrô. A gratuidade deverá ser implementada já em meados de 2019 – e o financiamento será cobrado de motoristas de automóveis.

A ideia por trás dessa decisão é ampliar a utilização do transporte público para combater o aquecimento global – onerando os motoristas, o governo espera criar um estímulo para as pessoas deixarem de usar o carro.

Luxemburgo tem cerca de 600 mil habitantes. Segundo a revista eletrônica alemã Bento, cerca de 200 mil pessoas viajam diariamente ao pequeno país a partir da França ou da Alemanha para trabalhar.

RK/dpa/rtr/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Assuntos relacionados

Arquitetura

Mobilidade urbana

Promover sistemas sustentáveis de mobilidade é um desafio para as cidades no novo milênio. Isso não é fácil para uma metrópole de 11 milhões de habitantes como São Paulo, sem esquecer os demais nove milhões na área metropolitana. Além da expansão do metrô e da reestruturação de corredores de ônibus, a adoção do VLT (veículo leve sobre trilhos) poderia facilitar o deslocamento diário do paulistano.

Arquitetura

Violência

Apesar de a taxa de homicídios ter caído nos últimos anos em São Paulo, em alguns bairros da cidade, ela ainda é intolerável, ou seja, acima do limite de 10 mortes para cada 100 mil habitantes, estabelecido pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Em 2014, esse foi o caso de 38 de 93 distritos da cidade, incluindo não somente bairros mais afastados, mas também no centro, como a Sé e o Brás.

Arquitetura

Enchentes

Na capital paulista, as chuvas continuam provocando mortes, inundações e deslizamentos. O alagamento de corredores importantes de escoamento de veículos, como as marginais Pinheiros e Tietê, também provoca caos no trânsito. A resiliência a riscos naturais e criados pela humanidade também faz parte da Nova Agenda Urbana do Programa da ONU para Assentamentos Humanos (ONU-Habitat).

Arquitetura

Poluição do ar

Segundo a USP, a poluição do ar será responsável por mais de 50 mil mortes em São Paulo até 2030. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, os índices de poluição na cidade são duas vezes superiores ao teto estabelecido para se considerar a qualidade do ar aceitável. Na avaliação de responsáveis pela pesquisa da OMS de 2016, a cidade não conseguiu melhorar sua situação em comparação a 2012.

Arquitetura

Poluição sonora

Em São Paulo, a poluição sonora aparece com destaque no ranking das queixas encaminhadas à Ouvidoria Geral do Município. No ano passado, o PSIU (Programa de Silêncio Urbano) recebeu mais de 31 mil reclamações. Até agosto deste ano, já foram mais de 23 mil. As principais vias da cidade têm ruído acima da média. Além da perda de sono, isso pode levar a problemas auditivos e ao estresse.

Arquitetura

Falta de moradia adequada

Promover, proteger e assegurar o direito à moradia adequada é outra visão a se tornar realidade. Em São Paulo, no entanto, o crescimento populacional também é acompanhado do aumento de cortiços e favelas, que se expandem verticalmente devido à escassez de área urbana. Na foto, vê-se o edifício Prestes Maia. Com 22 andares, mais de mil pessoas moram no maior imóvel ocupado por sem-teto no Brasil.

Arquitetura

Igualdade urbana

Um dos compromissos da iniciativa da ONU é assegurar a igualdade urbana pela provisão do acesso igual de todos à infraestrutura física e social. Hoje, mais da metade da população de São Paulo vive em áreas periféricas, que nos últimos anos só têm ganhado moradores, mas concentram os piores índices de bem-estar urbano, com a menor a oferta de infraestrutura e serviços.

Arquitetura

Cracolândia

Um grande problema da capital paulista é a expansão das cracolândias, regiões de intenso tráfico de drogas e prostituição. Para o novo prefeito de São Paulo, João Doria, a erradicação dessas zonas aconteceria por meio da internação compulsória. Já o novo documento da ONU prevê "colocar as pessoas em foco e oferecer qualidade de vida para além da mera provisão de infraestrutura e serviço".

Arquitetura

Integração no transporte

Após atrasos, a linha férrea entre o centro e o aeroporto de Cumbica está prevista para ser inaugurada em 2018. Mas o projeto do trem-bala entre Rio de Janeiro e São Paulo não saiu do papel. Ele permitiria um acesso rápido aos grandes aeroportos que servem à cidade. A integração entre modais de transporte torna viagens mais rápidas e confortáveis, estimulando o paulistano a deixar o carro em casa.

Arquitetura

Exclusão e discriminação

A visão de uma cidade inclusiva e livre de discriminação ainda está distante para muitos habitantes de São Paulo, onde o processo de urbanização foi marcado pela assimetria entre a localização e as condições sociais. A requalificação urbana do centro da cidade também afeta a vida dos moradores que vivem nesse espaço e são excluídos no contexto de um processo de gentrificação.

Conteúdo relacionado