Maduro anuncia que Rússia vai investir US$ 6 bilhões na Venezuela

Ao fim de visita a Moscou em busca de ajuda financeira, presidente venezuelano anuncia assinatura de contratos nos setores petrolíferos e auríferos de seu país, assolado por uma grave crise econômica.

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou nesta quinta-feira (06/12) que a Rússia pretende investir mais de 6 bilhões de dólares na Venezuela em projetos nos setores petrolíferos e auríferos.

"Temos garantias de um investimento superior a 5 bilhões de dólares no setor petrolífero e contratos de mineração de ouro no valor de mais de 1 bilhão de dólares", disse Maduro à emissora de televisão estatal venezuelana.

Quer receber as notícias da DW Brasil no Whatsapp? Clique aqui

Segundo Maduro, o investimento russo numa das maiores reservas de petróleo do mundo será baseado em joint ventures com empresas venezuelanas e seu objetivo será aumentar a produção para quase 1 milhão de barris por dia.

Os contratos de investimentos foram assinados durante uma visita de Maduro a Moscou. O presidente venezuelano viajou à Rússia em busca de apoio após ter se isolado cada vez mais no cenário internacional. Os Estados Unidos e União Europeia (UE) aplicaram sanções ao governo de Maduro, acusado de minar instituições democráticas para se manter no poder enquanto seu país enfrenta uma grave crise econômica e política.

"Estamos bem. Encerramos uma visita extraordinária", disse Maduro, num vídeo postado na sua conta do Twitter.

Maduro, que se reuniu na quarta-feira com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, também anunciou a assinatura de um contrato para garantir o fornecimento de 600 mil toneladas de trigo "para o pão para o povo venezuelano". Segundo o presidente, foram fechados ainda acordos militares.

A Rússia e a Venezuela mantêm laços de longa data. O antecessor de Maduro, Hugo Chávez, era um convidado bem-vindo no Kremlin.

A maior petrolífera russa, a Rosneft, investiu fortemente no país sul-americano, cuja produção de petróleo vem caindo a cada mês. Mesmo com a produção em queda, a Venezuela precisa continuar fornecendo para Rússia, China e Cuba para cobrir dívidas e agradar aos aliados políticos. Ao mesmo tempo, o país também vende petróleo para os EUA para obter dólares.

Recentemente, o CEO da Rosneft, Igor Sechin, visitou Caracas e pressionou o governo de Maduro a continuar se atendo a seus compromissos com a Rússia.

Críticos culpam duas décadas de governos socialistas, corrupção e má gestão pela destruição da antes próspera indústria petrolífera da Venezuela, sob comando da estatal PDVSA.

Assuntos relacionados

Com uma economia dependente do petróleo, o país sofreu com a queda global do preço da commodity. A grave crise econômica que afeta a Venezuela, marcada por hiperinflação e escassez de alimentos, medicamentos e outros produtos básicos, provocou um êxodo de centenas de milhares de venezuelanos. A ONU estima que 3 milhões deixaram o país desde 2015.

CN/efe/afp

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Economia

Frango milionário

Quem quer fazer compras na capital venezuelana, Caracas, tem que enfrentar longas filas e, até antes da reforma monetária, trazer montes de dinheiro vivo. Esse frango de pouco mais de dois quilos custava 14,6 milhões de bolívares, o equivalente a dois euros. As fotos desta galeria são de Carlos Garcia Rawlins, da agência Reuters.

Economia

Dinheiro sem valor

Cerca de 5 milhões de bolívares era o que se cobrava por um quilo de tomates. Apenas cerca de 40 centavos de euro, mas para os venezuelanos, muito mais, já que seus salários e economias se desvalorizam a cada dia. Segundo o FMI, em 2018 a inflação no país poderá chegar a 1 milhão por cento.

Economia

Fuga em massa

Quem precisa de papel higiênico, paga 2,6 milhões de bolívares por um rolo – se conseguir achar o artigo, pois é quase impossível obter muitos produtos do dia a dia. Os gargalos de abastecimento já levaram mais de 2 milhões de habitantes a deixar país, segundo dados da ONU.

Economia

Higiene como luxo

Um pacote de absorventes custava 5,5 milhões de bolívares, até que, em 20 de agosto de 2018, o governo socialista de Nicolás Maduro cortou cinco zeros da moeda nacional. Novas cédulas estão sendo impressas.

Economia

O próprio peso em dinheiro

Dois milhões e meio de bolívares pesam mais ou menos um quilo, e com eles se pode comprar, justamente, um quilo de arroz. A nova moeda se chama bolívar soberano. Mas esta não é primeira reforma monetária sob o governo socialista na Venezuela.

Economia

"Forte"... "soberano"...

Um pacote de fraldas passará de 8 milhões de bolívares a 80 bolívares soberanos. Menos de dez anos atrás, o governo venezuelano já substituíra o bolívar pelo bolívar fuerte, cortando três zeros.

Economia

Mudança em vão

Com a nova moeda, este quilo de queijo passará a custar "apenas" 75 bolívares soberanos. No entanto, especialistas partem do princípio que a inflação seguirá galopante, como nos anos anteriores. A reforma monetária provavelmente não trará nenhum benefício à população da Venezuela.