Mudança climática é maior preocupação global sobre segurança

Pesquisa mostra que alterações no clima do planeta são fator de segurança que mais preocupa as pessoas no mundo, seguidas do terrorismo e ciberataques, e indica aumento dos temores sobre a influência dos EUA.

As mudanças climáticas encabeçam a lista das maiores preocupações mundiais sobre segurança, à frente do terrorismo e dos ataques cibernéticos, segundo estudo divulgado nesta segunda-feira (11/02) pelo Centro de Pesquisas Pew, com sede em Washington.

As ameaças ao clima do planeta foram apontadas como a maior causa de preocupação pela maioria dos entrevistados em 13 dos 26 países onde a pesquisa foi realizada, incluindo o Brasil. O terrorismo islamista do grupo "Estado Islâmico" ocupa o topo da lista em oito países, e em outros quatro, incluindo os EUA, os ciberataques foram indicados como a principal causa de temores entre a população.

As preocupações com as mudanças climáticas vêm crescendo acentuadamente desde 2013, com aumentos de dois dígitos em pontos percentuais registrados pela pesquisa em países como os EUA, México, França, Reino Unido e África do Sul. No Brasil, o tema foi apontado como principal fator de preocupação por 73% dos entrevistados, seguido pelos temores em relação à economia global (66%) e dos ciberataques (61%).

O levantamento revelou ainda o aumento das preocupações em vários países em relação ao poder e influência global dos Estados Unidos. Entre os brasileiros, 53% apontaram essa questão como um de seus principais temores, o mesmo percentual das preocupações com um ataque terrorista islâmico no país.

Em média, 45% dos entrevistados nos 26 países disseram temer a influência global americana em 2018, revelando um aumento significativo em relação aos 25% que deram a mesma resposta em 2013. No ano passado, essa preocupação foi apontada por aproximadamente a metade das pessoas em dez países, inclusive na Alemanha, no Japão e na Coreia do Sul. Em 2017 esse temor fora registrado em sete países e em 2013, em apenas três.

Na Alemanha, as preocupações com o clima também figuram no topo da lista (71%), seguidas da ameaça terrorista (68%) e dos ciberataques (66%). A influência americana foi apontada como ameaça à segurança por 49% dos entrevistados.

Em entrevista à DW, Jacob Poushter, diretor do Centro de Pesquisas Pew e principal autor do estudo, afirma que os temores em relação aos EUA superaram as preocupações registradas nos anos anteriores em relação à Rússia e à China. "Isso representa uma mudança em relação a 2013, quando uma leve maioria das pessoas dizia que a Rússia e a China representavam uma ameaça maior do que os EUA. Essa é uma mudança muito acentuada", observou.

Poushter ressaltou que, em 2018, uma quantidade significativamente maior de cidadãos americanos revelou preocupações com as mudanças climáticas, num aumento em 19 pontos percentuais desde 2013.

"É uma ameaça crescente para os americanos, assim como para os países europeus. A diferença é que, nos EUA, a divisão partidária é muito ampla, e os democratas são bem mais propensos a apontar as mudanças climáticas como uma grande ameaça do que os republicanos. Há uma diferença de 56 pontos percentuais, o que é muito grande."

O Centro de pesquisas Pew entrevistou 27.612 pessoas em 26 países entre maio e agosto de 2018.

Assuntos relacionados

RC/rtr/dpa/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Dez ações contra as mudanças climáticas

Usar menos carvão, petróleo e gás

A maioria dos gases estufa provém das usinas de energia, indústria e transportes. O aquecimento de edifícios é responsável por 6% das emissões globais de gases poluentes. Quem utiliza a energia de forma eficiente e economiza carvão, petróleo e gás também protege o clima.

Dez ações contra as mudanças climáticas

Produzir a própria energia limpa

Hoje, energia não só vem de usinas termelétricas a carvão, óleo combustível e gás natural. Há alternativas, que atualmente são até mesmo mais econômicas. É possível produzir a própria energia e, muitas vezes, mais do que se consome. Os telhados oferecem bastante espaço para painéis solares, uma tecnologia que já está estabelecida.

Dez ações contra as mudanças climáticas

Apoiar boas ideias

Cada vez mais municípios, empresas e cooperativas investem em fontes energéticas renováveis e vendem energia limpa. Este parque solar está situado em Saerbeck, município alemão de 7,2 mil habitantes que produz mais energia do que consome. Na foto, a visita de uma delegação americana à cidade.

Dez ações contra as mudanças climáticas

Não apoiar empresas poluentes

Um número cada vez maior de cidadãos, companhias de seguro, universidades e cidades evita aplicar seu dinheiro em companhias de combustíveis fósseis. Na Alemanha, Münster é a primeira cidade a aderir ao chamado movimento de desinvestimento. Em nível mundial, essa iniciativa abrange dezenas de cidades. Esse movimento global é dinâmico – todos podem participar.

Dez ações contra as mudanças climáticas

Andar de bicicleta, ônibus e trem

Bicicletas, ônibus e trem economizam bastante CO2. Em comparação com o carro, um ônibus é cinco vezes mais ecológico, e um trem elétrico, até 15 vezes mais. Em Amsterdã, a maior parte da população usa a bicicleta. Por meio de largas ciclovias, a prefeitura da cidade garante o bom funcionamento desse sistema.

Dez ações contra as mudanças climáticas

Melhor não voar

Viajar de avião é extremamente prejudicial ao clima. Os fatos demonstram o dilema: para atender às metas climáticas, cada habitante do planeta deveria produzir, em média, no máximo 5,9 toneladas de CO2 anualmente. No entanto, uma viagem de ida e volta entre Berlim e Nova York ocasiona, por passageiro, já 6,5 toneladas de CO2.

Dez ações contra as mudanças climáticas

Comer menos carne

Para o clima, também a agricultura é um problema. No plantio do arroz ou nos estômagos de bois, vacas, cabras e ovelhas é produzido o gás metano, que é muito prejudicial ao clima. A criação de gado e o aumento mundial de consumo de carne são críticos também devido à crescente demanda de soja para ração animal. Esse cultivo ocasiona o desmatamento de florestas tropicais.

Dez ações contra as mudanças climáticas

Comprar alimentos orgânicos

O óxido nitroso é particularmente prejudicial ao clima. Sua contribuição para o efeito estufa global gira em torno de 6%. Ele é produzido em usinas de energia e motores, mas principalmente também através do uso de fertilizantes artificiais no agronegócio. Esse tipo de fertilizante é proibido na agricultura ecológica e, por isso, emite-se menos óxido nitroso, o que ajuda a proteger o clima.

Dez ações contra as mudanças climáticas

Sustentabilidade na construção e no consumo

Na produção de aço e cimento emite-se muito CO2, em contrapartida, ele é retirado da atmosfera no processo de crescimento das plantas. A escolha consciente de materiais de construção ajuda o clima. O mesmo vale para o consumo em geral. Para uma massagem, não se precisa de combustível fóssil, mas para copos plásticos, que todo dia acabam no lixo, necessita-se uma grande quantidade dele.

Dez ações contra as mudanças climáticas

Assumir responsabilidades

Como evitar gases estufa, para que, em todo mundo, as crianças e os filhos que elas virão a ter possam viver bem sem uma catástrofe do clima? Esses estudantes estão fascinados com a energia mais limpa e veem uma chance para o seu futuro. Todos podem ajudar para que isso possa acontecer.

Siga-nos