Quando a música se envolve na política

1969: Woodstock, hippies e rebeldia

O Festival Woodstock, nos EUA, definiu o espírito de uma época entre "flower power" e protesto político. O show com que Jimi Hendrix encerrou o evento, com grande atraso, ficou inesquecível para muitos: com selvagens distorções em sua guitarra, microfonia e outros efeitos, o roqueiro acompanhou o hino nacional americano com sons de bombardeios e metralhadoras, numa crítica à guerra do Vietnã.

Quando a música se envolve na política

1985: Ajuda para a África

O maior evento de rock de todos os tempos foi por uma excelente causa: o Live Aid realizou-se em parte no Estádio de Wembley, em Londres, tendo como clímax um show da banda Queen. Ao mesmo tempo transcorria um outro concerto na Filadélfia, nos Estados Unidos. Ao todo, os organizadores Bob Geldof e Midge Ure arrecadaram mais de 100 milhões de euros para as vítimas da fome na África.

Quando a música se envolve na política

1987: Um concerto para Berlim

No Concert for Berlin, apresentaram-se, diante do prédio do Reichstag, superstars como David Bowie e os grupos Eurythmics e Genesis. A metrópole completava os 750 anos de sua fundação: por relativamente modestos 50 marcos (cerca de 25 euros), os fãs puderam assistir durante três dias alguns dos maiores nomes da música pop. Enquanto isso, um outro espetáculo transcorria do outro lado do Muro.

Quando a música se envolve na política

1987: Cassetetes contra Bowie

A música da Alemanha Ocidental soava para além do Muro de Berlim, pelo Leste adentro, onde muitos jovens não queriam perder de jeito nenhum a apresentação de David Bowie. A intenção dos promotores do evento fora mesmo unir com o rock as duas metades da cidade. Porém, o governo comunista da Alemanha Oriental não gostou nem um pouco, e a polícia investiu de cassetete em punho contra os jovens.

Quando a música se envolve na política

1988: Concerto e "anticoncerto"

No ano seguinte, o "rei do pop" Michael Jackson apresentou-se em Berlim Ocidental. Mas desta vez o governo da RDA havia se preparado: para evitar um novo escândalo, realizou-se paralelamente em Berlim-Weissensee um grande concerto com Joe Cocker e Bryan Adams, entre outros. A tática de distração funcionou, e os eventos transcorreram basicamente tranquilos.

Quando a música se envolve na política

1988: Liberdade para Mandela

Em 11 de junho de 1988, o Estádio de Wembley, em Londres, foi palco de dez horas de músicas de rock em homenagem ao 70º aniversário de Nelson Mandela. A essa altura, o ativista sul-africano já passara 25 anos encarcerado, e só seria libertado em 1990. Os shows de Sting, Phil Collins, Peter Gabriel e Whitney Houston foram transmitidos para 60 países – a África do Sul não estava incluída.

Quando a música se envolve na política

2003: Música contra o HIV

Para alertar sobre os efeitos do vírus HIV e da aids, a Fundação Nelson Mandela promoveu a campanha "46664" – o número do ativista sul-africano na prisão. O próprio Mandela (esq.) esteve presente no primeiro e maior concerto da campanha em 2003, na Cidade do Cabo. Astros de porte mundial, como Bono, do U2 (no centro), Anastacia e Beyoncé, cantaram para mais de 40 mil espectadores.

Quando a música se envolve na política

2005: Combatendo a pobreza

Vinte anos após os espetaculares shows beneficentes do Live Aid, em Londres e Filadélfia, Bob Geldof promoveu mais um evento, pouco antes da cúpula do G8, na Escócia, cujo tema era a ajuda humanitária para os países africanos. Nos concertos do Live 8, em 11 locações espalhadas por quatro continentes, ele clamava: "Make Poverty History" (Faça a pobreza virar história).

Quando a música se envolve na política

2010: Esperança para o Haiti

Após um terremoto que devastou o Haiti, numerosos artistas recolheram doações para os sobreviventes. Entre os que participaram do evento A Song of Hope for Haiti, na República Dominicana, esteve Luis Fonsi (foto). Mas também em Los Angeles e Londres apresentaram-se pop-stars como Coldplay, Rihanna e Justin Timberlake.

Quando a música se envolve na política

2018: "Nós somos mais"

Poucos dias após os graves choques na cidade alemã de Chemnitz, na Saxônia, em que extremistas de direita atacaram imigrantes, diversos músicos alemães levantaram a bandeira contra a ultradireita num grande concerto. Sob o slogan #wirsindmehr (Nós somos mais), bandas como Feine Sahne Fischfilet (foto), Die Toten Hosen e K.I.Z. levaram mais de 65 mil espectadores até a cidade no leste alemão.

Albanian Shqip

Amharic አማርኛ

Arabic العربية

Bengali বাংলা

Bosnian B/H/S

Bulgarian Български

Chinese (Simplified) 简

Chinese (Traditional) 繁

Croatian Hrvatski

Dari دری

English English

French Français

German Deutsch

Greek Ελληνικά

Hausa Hausa

Hindi हिन्दी

Indonesian Indonesia

Kiswahili Kiswahili

Macedonian Македонски

Pashto پښتو

Persian فارسی

Polish Polski

Portuguese Português para África

Portuguese Português do Brasil

Romanian Română

Russian Русский

Serbian Српски/Srpski

Spanish Español

Turkish Türkçe

Ukrainian Українська

Urdu اردو