Cinema da República de Weimar

Raras cores

Os filmes em preto e branco dominaram a época. E assim também é a maioria dos itens da exposição "Kino der Moderne – Film in der Weimarer Republik" ("Cinema do Modernismo – O filme na República de Weimar"), até 24 de março de 2019 no espaço de exposições Bundeskunsthalle, em Bonn. O cartaz de "Nosferatu" mostra que os designers de pôsteres tiveram mais sorte, já podendo trabalhar com cores.

Cinema da República de Weimar

Todos em Berlim

O cinema da República de Weimar fez da Alemanha o centro da Sétima Arte, tendo apenas Hollywood como concorrente. Estrelas do cinema europeu vieram principalmente para Berlim. Da Dinamarca, por exemplo, Asta Nielsen. Em 1927, ela interpretou uma prostituta envelhecida no filme "A tragédia da rua", abordando um tema que chamava atenção para grupos marginais.

Cinema da República de Weimar

Tempo de ousadia

A República de Weimar foi a época do cinema de vanguardas. A vida moderna urbana inspirou inúmeros artistas e cineastas a experimentações. Hans Richter, também conhecido como artista plástico e fotógrafo, rodou um curta-metragem experimental que simplesmente chamou de "Estudo de cinema". Richter transformou fotografias, cenas reais e animação numa colagem arrojada.

Cinema da República de Weimar

Mutantes papéis de gênero

Na República de Weimar também romperam-se noções tradicionais do papel de gênero – pelo menos nos círculos boêmio e artístico. Estrelas de cinema e teatro como Marlene Dietrich e Elisabeth Bergner (foto) brincavam abertamente com clichês de masculino/feminino. A esse respeito, a década de 1920 antecipou muitas coisas – que depois se tornaram novamente um tabu por muito tempo, a partir de 1933.

Cinema da República de Weimar

Participação infantil

Os diretores e roteiristas da época voltaram os olhares para diferentes meios e estratos sociais. E não apenas no mundo dos adultos: as crianças também foram para a frente das câmeras. Ainda hoje, vale a pena ver a primeira filmagem do livro de Erich Kästner "Terrível armada", de Gerhard Lamprecht, que ensaia aqui em 1931 com os atores infantis.

Cinema da República de Weimar

Cada vez mais rápido

Na época, o tema da mobilidade abrangia toda a Europa. Além das artes plásticas, o cinema foi o meio ideal para mostrar as novas possibilidades da locomoção rápida. Automóveis apareciam de repente nas telas – e passavam a fazer parte do elenco. O filme "Atenção! Amor! Perigo de vida!" (1929, foto) foi um dos primeiros a abordar o tema do automobilismo.

Cinema da República de Weimar

Forças da natureza

Durante a República de Weimar, foram feitos muitos filmes em que urbanidade, velocidade e progresso foram capturados na tela. Mas ao mesmo tempo surgiu algo como um contramovimento. A natureza foi retratada em todas as suas facetas. Particularmente impressionantes eram as paisagens montanhosas que o diretor Arnold Fanck apresentou ao público em seus dramas alpinos.

Cinema da República de Weimar

Pessoas no domingo

O equilíbrio entre a vida na cidade e o idílio da natureza resultou num dos filmes mais famosos da República de Weimar: "Gente no domingo". A obra semidocumental, que marcou mais tarde o trabalho de diretores famosos como Billy Wilder, Robert Siodmak e Fred Zinnemann, mostrava um grupo de jovens em suas horas de lazer, no lago Wannsee em Berlim.

Cinema da República de Weimar

Interesse político

Cedo, a política reconheceu o poder que emanava do cinema. Esta foto de 1920 mostra o primeiro presidente da República de Weimar, Friedrich Ebert, nas filmagens de "Ana Bolena", de Ernst Lubitsch, junto às estrelas Henny Porten e Emil Jannings. Com a ascensão do nazismo, mais de uma década depois, o cinema tornou-se um poderoso instrumento de propaganda.

Cinema da República de Weimar

Culto do esporte e do corpo

O filme cult "Caminhos da força e da beleza", de Wilhelm Prager, foi posteriormente interpretado como pioneiro da estética nazista, tendo influenciado Leni Riefenstahl. Na estreia em 1926, no entanto, ele provocou reações positivas. O filme explorava a relação das pessoas com o corpo e quis dar impulsos a uma vida saudável, com referências da Antiguidade.

Cinema da República de Weimar

Prazer e vício

Hoje, a década de 1920 também é considerada um símbolo de uma sociedade ávida por diversão. Especialmente a Berlim daqueles anos é vista como uma "dança no vulcão". Uma visão que procede, mas também ignora muitos aspectos da vida das pessoas normais. Filmes como "Diário de uma garota perdida", com as estrelas Louise Brooks e Speedy Schlichter (foto), contribuíram para essa imagem.

Cinema da República de Weimar

Delírio de imagens

É indiscutível que o cinema alemão fez grandes conquistas durante a República de Weimar. Surgiram numerosas obras-primas com influência significativa em diretores de todo o mundo, até hoje. Entre outros, o trabalho dos figurinistas dos grandes estúdios de Berlim também marcou época: aqui se veem três senhoras do "Eterno Jardim de Delícias" do clássico de Fritz Lang "Metrópolis".

Cinema da República de Weimar

Preto, branco, sombra e luz

Além de épicos monumentais como "Metrópolis" e "Os Nibelungos", sobretudo os filmes expressionistas ainda estão entre os marcos da história do cinema atual. Obras-primas como "M, o vampiro de Düsseldorf", de Fritz Lang, desenvolveram suas histórias com uma impressionante linguagem visual que se concentrava em sombras e fortes contrastes.

Albanian Shqip

Amharic አማርኛ

Arabic العربية

Bengali বাংলা

Bosnian B/H/S

Bulgarian Български

Chinese (Simplified) 简

Chinese (Traditional) 繁

Croatian Hrvatski

Dari دری

English English

French Français

German Deutsch

Greek Ελληνικά

Hausa Hausa

Hindi हिन्दी

Indonesian Indonesia

Kiswahili Kiswahili

Macedonian Македонски

Pashto پښتو

Persian فارسی

Polish Polski

Portuguese Português para África

Portuguese Português do Brasil

Romanian Română

Russian Русский

Serbian Српски/Srpski

Spanish Español

Turkish Türkçe

Ukrainian Українська

Urdu اردو