Dez razões para amar Berlim

Vista do alto

A torre "Fernsehturm", com seus 368 metros de alturam é a estrutura mais alta da Alemanha. Em um dia claro, a plataforma de observação oferece visibilidade de até 40 quilômetros. Acima da plataforma, fica o restaurante giratório, que realiza uma rotação a cada 30 minutos.

Dez razões para amar Berlim

Um lugar feliz

Em 1989, quando o Muro de Berlim caiu, artistas de todo o mundo pintaram sobre a barricada de concreto cinza. A East Side Gallery é até hoje a mais longa galeria ao ar livre do mundo. A arte criada espontaneamente ainda reflete a alegria que se espalhou por toda a Berlim com a queda do Muro.

Dez razões para amar Berlim

Museus e galerias

Rodeada pelo rio Spree, a Ilha dos Museus foi nomeada Patrimônio Mundial pela Unesco em 1999. Lá, é possível admirar tesouros artístico de todo o mundo, como um busto da rainha egípcia Nefertiti e o Altar de Pérgamo, construído entre 160 e 180 a.C. em homenagem a Zeus, o reio do Olimpo. Berlim tem ainda outros 175 museus e cerca de 300 galerias de arte.

Dez razões para amar Berlim

Diversidade cultural

Cosmopolita, ricamente colorida e com um entusiasmo pela vida — assim Berlim apresenta-se durante o festival Carnaval das Culturas. Cerca de 180 nacionalidades chamam a cidade de casa. E todo o mês de maio eles — recém-chegados e berlinenses estabelecidos — celebram o que é, provavelmente, a melhor festa de rua da cidade.

Dez razões para amar Berlim

Em constante mutação

Desde a Reunificação, em 1990, os guindastes não param: a Potsdamer Platz foi reconstruída, o Reichstag (prédio do Parlamento alemão) ganhou uma cúpula e o quarteirão do governo foi construído. O Palácio de Berlim, que deverá ser concluído em 2019, está lentamente tomando forma. Ninguém sabe ainda, porém, se o novo - e muito atrasado - aeroporto de Schönefeld estará aberto até lá.

Dez razões para amar Berlim

Tapete vermelho

Em fevereiro, Berlim estende o tapete vermelho para receber estrelas do cinema. Desde 1951, o Festival Internacional de Cinema de Berlim, conhecido como Berlinale, é um dos principais do mundo. Estrelas do cinema amam a cidade, mesmo em outras épocas do ano, como Arnold Schwarzenegger e Emilia Clarke, que estiveram na capital para a estreia do mais recente "Exterminador do Futuro".

Dez razões para amar Berlim

Memória preservada

O Memorial do Holocausto, composto por 2.711 placas de concreto para lembrar os seis milhões de judeus europeus mortos pela Alemanha nazista, é o memorial mais visitado de Berlim. Outros monumentos incluem os dedicados às Forças Aliadas que libertaram a cidade no final da Segunda Guerra Mundial, aos que morreram tentando escapar pelo muro e aos herois da força aérea de Berlim.

Dez razões para amar Berlim

Parques e jardins

Há mais de 2.500 parques em Berlim, mas o "New York Times" nomeou, recentemente, o pequeno "Prinzessinnengarten" como um dos mais belos espaços verdes da cidade. Esse antigo terreno baldio no bairro de Kreuzberg foi transformado em um jardim orgânico, em que mais de 500 tipos de vegetais são cultivados por centenas de voluntários locais.

Dez razões para amar Berlim

Vida noturna

A vida noturna de Berlim, conhecida como uma das mais excitantes do mundo, oferece diversão para todos os gostos, do indie rock ao hip hop e house. Alguns dos melhores DJs do mundo tocam em clubes como Berghain e Watergate. Muitas pessoas vão a Berlim só para isso — elas chegam à cidade na sexta-feira à noite e passam o fim de semana inteiro na balada antes de voltarem para casa.

Dez razões para amar Berlim

Capital canina

Cerca de 100 mil cães vivem na cidade, fazendo de Berlim a capital canina da Alemanha. Mas quando os berlinenses dizem que "ladram, mas não mordem", eles estão se referindo a eles próprios. Os moradores são conhecidos por não serem muito simpáticos: "Berliner Schnauze", o termo em alemão para focinho, é usado para caracterizar a rispidez no trato considerada típica do berlinense.

Dez motivos para visitar a Baviera

Castelo Neuschwanstein

O castelo é a atração número um do estado. Cerca de 1,4 milhão de pessoas visitam o lugar a cada ano, fato que não agradaria seu construtor, o recluso rei Ludwig 2°. Ele mandou construir o prédio em 1869 principalmente como um refúgio, onde pudesse se isolar num mundo de contos de fadas e lendas. Hoje, ele incorpora romantismo puro para os turistas de todo o mundo.

Dez motivos para visitar a Baviera

Oktoberfest

Nela, o romantismo dá lugar à alegria de festejar. Conhecida localmente como "a maior festa popular do mundo", a Oktoberfest de Munique atrai anualmente cerca de 6 milhões de visitantes e já tem filiais em todo o mundo. Cerveja em canecas de um litro, mulheres em trajes típicos, homens em calça de couro e muita música e dança nas tendas. Tudo isso começou em 1810.

Dez motivos para visitar a Baviera

Rothenburg ob der Tauber

A pequena cidade na região da Francônia é pura Idade Média. São muitos os turistas asiáticos que amam passear pelas casas em enxaimel, pelas muralhas e torres. A falta de dinheiro fez com que a cidade fosse esquecida após a Guerra dos Trinta Anos. Isso possibilitou que Rothenburg ob der Tauber se tornasse hoje uma joia à beira do roteiro turístico mais famoso da Alemanha, a Rota Romântica.

Dez motivos para visitar a Baviera

Munique

A capital da Baviera é uma das mais belas cidades da Alemanha. A Marienplatz é a primeira parada para os visitantes. Destaques da praça são a igreja Frauenkirche e a prefeitura, a Neues Rathaus, incluindo um carrilhão de sinos histórico. Além disso, há a Hofbräuhaus, o palácio Nymphenburg, o Englischer Garten e muitos museus, como o Deutsches Museum, maior museu tecnológico do mundo.

Dez motivos para visitar a Baviera

Bayern de Munique

Munique é, além disso, lar do clube de futebol de maior sucesso da Alemanha. Os jogos do time acontecem na Allianz Arena. E quem não conseguir uma entrada para um jogo mas, mesmo assim, quiser se sentir perto de Schweinsteiger, Robben, Müller & Co., pode participar de uma visita guiada ao estádio.

Dez motivos para visitar a Baviera

Zugspitze

A Bavária possui a montanha mais alta da Alemanha. Com 2.962 metros de altura, o Zugspitze fica nos Alpes Bávaros. Mas os visitantes não precisam necessariamente gastar muita energia física para desfrutar da vista do cume. O Zugspitze dispõe de dois teleféricos e um trenzinho, que levam os turistas até lá.

Dez motivos para visitar a Baviera

Königssee

Ele é considerado o rei dos cerca de 200 lagos da Baviera. Localizado nos Alpes de Berchtesgaden, ele espalha suas águas cristalinas em uma atmosfera quase mágica. A península de São Bartolomeu, onde existe uma capela de mesmo nome, é acessível, desde 1909, somente por barco.

Dez motivos para visitar a Baviera

Ópera em Bayreuth

Não foi a Festspielhaus de Wagner, mas a Markgräfliches Opernhaus (Ópera Margravina) que conseguiu em 2012 entrar na lista da Unesco. Com isso, ela é o mais nova das sete atrações bávaras a ganhar o título de Patrimônio Mundial da Unesco. A ópera, de 1744, é hoje considerada um dos mais belos e bem preservados teatros barrocos da Europa.

Dez motivos para visitar a Baviera

Mercado de Natal de Nurembergue

Nurembergue, segunda maior cidade Baviera, sempre vale a pena ser visitada. No entanto, a maioria dos visitantes vem em dezembro, para o mercado de Natal, o Christkindlemarkt. Todos os anos, mais de dois milhões de visitantes vão à cidade para ver uma das feiras de Natal mais antigas e famosas do mundo.

Dez motivos para visitar a Baviera

Hospitalidade bávara

Há uma razão pela qual os bávaros inventaram o "Biergarten". Originalmente, a cerveja deveria apenas ser armazenada e mantida gelada na sombra de árvores de grande porte, mas depois ela começou também a ser servida no lugar. Hoje, existem cerca de 800 "jardins da cerveja" na Baviera, que dão boas-vindas a fregueses de todo o mundo.

Dez motivos para visitar Hamburgo

Importância da água

Navios trafegam noite e dia pelo rio Elba, entre o Mar do Norte e o porto de Hamburgo. O barulho dos motores e das gaivotas acompanham os esportistas na praia. O porto de Hamburgo, um dos maiores da Europa, fica apenas atrás do de Roterdã, na Holanda. São mais de 800 anos de história. Praias, cais, ancoradouros, cargueiros gigantescos e navios-museus dão um ar marítimo singular à cidade.

Dez motivos para visitar Hamburgo

Novo símbolo arquitetônico

Hamburgo está recebendo um novo símbolo. Construída sobre um antigo depósito de cacau, a moderna construção em vidro da Filarmônica do Elba (Elbphilarmonie) terá 110 metros de altura. A sala de concertos deverá ser inaugurada em janeiro de 2017.

Dez motivos para visitar Hamburgo

Passar por debaixo do rio

Para atravessar o Elba mais rápido, em 1911 foi inaugurado um túnel por debaixo do rio, uma verdadeira sensação para a época. Elevadores transportam carros, pedestres e bicicletas para o nível da rua. Apenas quem passa de carro pelos tubos de 426,5 metros de comprimento paga uma taxa.

Dez motivos para visitar Hamburgo

Novo bairro Hafen City

Na antiga área do porto às margens do Elba é implementado um dos maiores projetos de desenvolvimento urbano na Europa. O quarteirão antes esquecido está recebendo prédios sustentáveis e projetos grandiosos, como a Filarmônica do Elba. A área reestruturada poderá abrigar mais de 10 mil moradores a partir de 2025. A torre de metal de cor laranja foi inspirada em guindastes portuários e periscópios.

Dez motivos para visitar Hamburgo

Cidade das pontes

Ninguém sabe exatamente quantas pontes há em Hamburgo. A estatística oficial diz que são 2.500. Ou seja, mais do que em Veneza, Amsterdã ou Londres. Depois do grande incêndio de 1842, muitas pontes de madeira tiveram de ser substituídas. E, com o crescimento da área portuária, seguiram-se mais pontes de ferro e aço sobre os rios Elba e Alster, seus canais e também no bairro Speicherstadt.

Dez motivos para visitar Hamburgo

Antigo bairro dos armazéns

O complexo de armazéns Speicherstadt foi inaugurado em 1888. Antes disso, Hamburgo havia recebido um porto livre, onde a armazenagem e o processamento de produtos eram isentos de taxas. Assim surgiu o maior complexo de armazéns do mundo. Ainda hoje permanecem ali os aromas de café, chás e especiarias. Em 2015, o Speicherstadt foi reconhecido como patrimônio mundial pela Unesco.

Dez motivos para visitar Hamburgo

Mensageiros da primavera

A cidade de Hamburgo é proprietária de mais de cem cisnes. Há inclusive um cuidador oficial, que desde 1674 é responsável por retirar as aves do seu abrigo de inverno. Com a posse do elegante cisne branco, na realidade um privilégio dos reis, a cidade antigamente demonstrava sua soberania. Ainda hoje, Hamburgo é uma das cidades-estado da Alemanha.

Dez motivos para visitar Hamburgo

Noite agitada

A vida noturna de Hamburgo acontece na Reeperbahn, que é comparada à Red Light District de Amsterdã. O bairro St. Pauli concentra bares, restaurantes, teatros, sex shops e clubes eróticos. Nos anos 1960, artistas e músicos descobriram o charme empoeirado do bairro. No legendário Star-Club, os Beatles conquistaram o público alemão e iniciaram a carreira de sucesso.

Dez motivos para visitar Hamburgo

Torres que parecem dançar

Na rua Reeperbahn, número 1, há dois prédios que, pela sua arquitetura, parecem um par dançando. Nos andares superiores dos prédios de 105 metros de altura há um restaurante e um bar. Do terraço, há uma magnífica vista para a área portuária.

Dez motivos para visitar Hamburgo

Feira do peixe

O mercado do peixe (Fischmarkt) em Altona atrai milhares de visitantes a cada domingo. A feira é famosa não só pelos gritos dos vendedores ou pela oferta de peixes. Lá se podem comprar outros produtos frescos e tomar o café da manhã ao som de música ao vivo.

Por que vale a pena conhecer Colônia

A catedral e os Reis Magos

A terceira igreja mais alta do mundo é patrimônio da humanidade. O símbolo da cidade atrai seis milhões de turistas por ano, sendo o local turístico mais visitado da Alemanha. Em 1164, foram trazidas de Milão as supostas ossadas dos Três Reis Magos. Elas estão atrás do altar, numa arca de ouro e prata, ornamentada com pedras preciosas. Imperdíveis são também as 12 igrejas românicas na cidade.

Por que vale a pena conhecer Colônia

Origem da "água de Colônia"

Não é a do Reno! Pouca gente se dá conta que menciona o nome da cidade alemã quando está numa perfumaria. A origem da "Kölnisch Wasser" (eau de Cologne ou água de Colônia) é coloniana.

Por que vale a pena conhecer Colônia

A cerveja leve

Kölsch não é só cerveja, já é tradição para a cidade de Colônia. Foi declarada especialidade regional pela União Europeia em 1997. É servida num copo estreito de 0,2 litro. Não se deve recusar uma Kölsch, o que já é quase uma ofensa para um Köbes (assim são chamados os garçons nos recintos típicos da região).

Por que vale a pena conhecer Colônia

Carnaval é a "quinta estação do ano"

A época de Carnaval começa às 11h11 do dia 11/11 e vai até a Quarta-feira de Cinzas, quando de madrugada é queimado o Nubbel, o boneco que paga pelos pecados de todos. Em janeiro é proclamado o triunvirato que vai comandar a folia. Três homens representam o príncipe, o camponês e a virgem, como na foto. A Segunda-feira das Rosas é feriado, e a quinta antes do Carnaval é o "dia das foliãs".

Por que vale a pena conhecer Colônia

2 mil anos de história

Colonizada pelos romanos há 2 mil anos, a cidade preserva resquícios de muitas culturas. Essa diversidade pode ser vista nos inúmeros museus da cidade. Na foto, o mosaico de Dionísio, feito provavelmente entre 220/230 d.C e descoberto em 1941 perto da catedral, e que hoje pode ser visto no Museu Romano-Germânico.

Por que vale a pena conhecer Colônia

Prefeitura e antigo bairro judaico

Em frente ao prédio da prefeitura (à dir.) fica o sítio arqueológico do maior bairro judeu medieval ao norte dos Alpes, e um dos mais antigos da Alemanha. Ali pode-se ver uma mikvá, casa para ritual de banho judeu, do século 12. O prédio da prefeitura mistura antigo e moderno, com um salão do século 14, uma torre gótica e um portal da Renascença.

Por que vale a pena conhecer Colônia

Centro de feiras

O complexo do parque de exposições de Colônia é o quinto maior do mundo, com 11 pavilhões e dois centros para congressos numa área de 284 mil m2. Das cerca de 70 feiras realizadas nele a cada ano, as mais importantes são a Imm (móveis), a Gamescom (videogame), a Art Cologne, a Photokina (fotografia) e a Anuga, de alimentos e embalagens, que já tem uma edição em Curitiba.

Por que vale a pena conhecer Colônia

Cidade de megaeventos

Não só o carnaval atrai multidões, a cidade tem também megaeventos, como o festival de literatura lit.COLOGNE, o festival de música c/o pop, as "longas noites" das instituições culturais, que em determinados dias do ano não fecham à noite, as várias feiras de Natal, repletas de turistas, e o Kölner Lichter, show de fogos de artifício sincronizado com música, todos os anos em julho. •

Por que vale a pena conhecer Colônia

Cidade de muito verde

O centro da cidade é cercado por um cinturão verde, com muitos bosques e parques. No verão, os gramados costumam estar lotados de universitários e famílias fazendo piquenique. Também a arte ao ar livre é atração, como no parque de esculturas da foto.

Por que vale a pena conhecer Colônia

O que seria Colônia sem o Reno...

Para apreciar melhor a catedral, o centro histórico e a beira do rio, nada como um passeio de barco. Há várias opções: pode-se comprar bilhetes para um passeio acompanhado de jantar e dança, apenas café com bolo, ou mesmo para visitar outras cidades da região.

Dez razões para conhecer a Saxônia

Dresden

Cultura, arte e igrejas: Dresden, a capital da Saxônia, é um paraíso para turistas. A igreja Frauenkirche (no centro da foto) foi destruída no final da 2ª Guerra, e durante décadas suas ruínas foram um monumento à paz . A reconstrução começou só depois da reunificação alemã. Tentou-se usar a maior quantidade de material original possível. O símbolo de Dresden foi reaberto em 2005.

Dez razões para conhecer a Saxônia

Os gramados junto ao Elba

A silhueta marcante da cidade, com seu centro histórico barroco, pode ser observada dos gramados na outra margem do rio Elba. Nos 30 km de área em grande parte livre de construções, há muito espaço para passeios e piqueniques, ou mesmo projeções de filmes e concertos ao ar livre.

Dez razões para conhecer a Saxônia

"Suíça Saxônica"

Seguindo o Elba rio acima, em poucos quilômetros se chega na Suíça Saxônica, como é chamada a formação montanhosa de arenito. A principal característica da região, que é um parque nacional, são formações rochosas bizarras, de até 730 metros de altura. Um ótimo local para escaladas ou mesmo caminhadas.

Dez razões para conhecer a Saxônia

Leipzig

A cidade, que começou como centro de comércio e local de exposições, é profundamente ligada a Johann Sebastian Bach. O compositor e organista não nasceu em Leipzig, mas ali trabalhou. Lá ficam o Arquivo de Bach, o museu sobre ele e é realizado um festival anual em sua homenagem. Seu túmulo está na igreja de São Tomás, onde ele dirigiu o Thomanenchor, coral de crianças e jovens, de 1723 a 1750.

Dez razões para conhecer a Saxônia

Espírito vibrante e criativo

Leipzig já tem mais de mil anos, mas nem por isso é ultrapassada. Justamente os mais jovens gostam de morar na cidade porque o custo de vida é mais baixo do que em Berlim. Muitos artistas montaram estúdios nas antigas fábricas no oeste da cidade. Os inúmeros bares e galerias de arte refletem o espírito vibrante e criativo de Leipzig.

Dez razões para conhecer a Saxônia

Cordilheira Erzgebirge

Caminhadas no verão e esqui no inverno. E isso em dois países. A fronteira entre Alemanha e República Tcheca passa pela cordilheira Erzgebirge. No lado alemão, na montanha Fichtelberg, fica Oberwiesenthal, que com sua altitude de 914 metros é a cidade mais alta da Alemanha.

Dez razões para conhecer a Saxônia

Porcelana de Meissen

A cidade de Meissen é conhecida pela sua porcelana. Em 1708, foi produzida na cidade a primeira porcelana europeia. O símbolo da manufatura de porcelanas são duas espadas cruzadas. A porcelana de Meissen é um dos produtos alemães mais conhecidos no exterior.

Dez razões para conhecer a Saxônia

Görlitz

A cidade da Alemanha que fica mais ao leste do país resistiu praticamente imune à destruição da 2ª Guerra. Por isso, Görlitz se destaca por sua impressionante arquitetura, com 4 mil prédios históricos de diferentes épocas. Isso atraiu a indústria do cinema, que faz ali muitos filmes, como "O Grande Hotel Budapeste". Muitos até chamam a cidade de Görliwood.

Dez razões para conhecer a Saxônia

A minoria sórbia

Reconhecidos como minoria nacional na Alemanha, os sórbios são um povo de origem eslava que vive em partes de Brandemburgo e da Saxônia. Os sórbios são conhecidos por seus trajes típicos, usados apenas em datas especiais, como na foto, durante o festival internacional do folclore.

Dez razões para conhecer a Saxônia

Os jardins do Muskauer Park

A partir de 1815, o príncipe Hermann von Pückler fez esta obra-prima do paisagismo. O parque tem um castelo e se estende ao longo das margens do rio Neisse, que marca a fronteira entre a Alemanha e a Polônia. Com 522 hectares, o jardim com inúmeros lagos, prados, riachos e pontes, foi um dos primeiros em estilo inglês na Alemanha.

Os atrativos do estado de Hessen

O melhor do enxaimel

Ainda existem 400 mil casas em estilo enxaimel em Hessen. Há muito empenho para mantê-las. As fachadas refletem o talento dos artesãos medievais em fazer construções sustentáveis com madeira e barro. Em algumas casas em enxaimel, como a Gildenhaus na praça central de Fritzlar, os turistas podem até pernoitar.

Os atrativos do estado de Hessen

Rota dos contos dos irmãos Grimm

Jacob e Wilhelm Grimm são conhecidos em todo o mundo pelos seus 86 contos, entre eles "Chapeuzinho Vermelho" e "A Bela Adormecida". Eles nasceram em Hanau e estudaram em Marburg. Na cidade de Kassel, eles estabeleceram as bases da germanística, ao começar as compilações da gramática e de um dicionário alemães.

Os atrativos do estado de Hessen

Paisagens para admirar

No parque natural Kellerwald-Edersee fica uma das maiores represas da Alemanha. Seu lago, o Edersee, tem 27 quilômetros de extensão. No sul de Hessen, fica a serra com floresta Odenwald. No oeste, a cordilheira do Taunus, e, no leste, o sistema de montanhas Rhön, com a montanha mais alta do estado: a Wasserkuppe, que tem 950 metros de altitude.

Os atrativos do estado de Hessen

Arte para todos

A Documenta, a mais importante exposição de arte contemporânea do mundo, acontece a cada cinco anos em Kassel. Em cada edição, a cidade adquire algumas das obras expostas, como esta escultura de bronze com um bloco de granito. A árvore artificial de Giuseppe Penone fica no Karlsaue, um dos mais belos parques urbanos da Alemanha.

Os atrativos do estado de Hessen

Parque de montanha Wilhelmshöhe

O declive natural faz correr a água no parque de montanha Wilhelmshöhe de Kassel, que em 2013 se tornou Patrimônio Mundial da Unesco. A atração turística reúne paisagismo e arquitetura de diferentes épocas em mais de dois quilômetros quadrados. O parque concebido no século 18 é conhecido principalmente por suas fontes de água. O complexo sistema hidráulico alimenta fontes, cascatas e um lago.

Os atrativos do estado de Hessen

Palco em ruínas

A abadia de Bad Hersfeld é a maior ruína de igreja românica do mundo. A cada verão europeu, ela é palco de um festival. O arquiteto Frei Otto, que projetou o telhado do estádio olímpico de Munique, criou um teto móvel para as ruínas. Ele pode ser aberto em poucos minutos, para proteger até 1.600 pessoas da chuva.

Os atrativos do estado de Hessen

Casamento Art Nouveau

Na colina Mathildenhöhe, em Darmstadt, fica o prédio chamado Hochzeitsturm (torre do casamento), que aponta como uma mão para o céu. Em 1900, criou-se aqui uma colônia de artistas que tornou conhecido no país o estilo Jugendstil, o Art Nouveau alemão. O marco da cidade de Darmstadt é dedicado ao mecenas e grão-duque Ernst Ludwig de Hessen. Aqui acontecem 500 cerimônias de casamento por ano.

Os atrativos do estado de Hessen

Bem-estar com estilo

Desde o século 19, Wiesbaden, a capital de Hessen, é famosa pelas suas fontes de águas termais e minerais. Antigamente, foram acima de tudo nobres russos que aproveitaram o centro termal com a mais longa colunata da Europa. Uma testemunha desses tempos é a igreja russa no monte Neroberg, em Wiesbaden.

Os atrativos do estado de Hessen

Acervo digitalizado

O Museu Städel, de Frankfurt, celebrou ano passado seus 200 anos. Para marcar o evento, disponibilizou um acervo digital com 700 obras. Entre elas, o quadro "Goethe na campanha romana".

Os atrativos do estado de Hessen

Panorâmica de Frankfurt

Frankfurt, o centro financeiro da Alemanha, é a maior cidade de Hessen. Mais de 500 prédios têm mais de 60 metros de altura, algo raro na Alemanha. Fora do centro, no leste da cidade, fica o edifício do Banco Central Europeu, com 185 metros de altura. Alguns o consideram um monolito. Para outros, é um elemento imprescindível na vista panorâmica de Frankfurt.

Dez razões para amar Heidelberg

Panorama inspirador

A ponte, o centro histórico, o castelo – esse panorama fascinou poetas, pintores e filósofos. Já o grande Johann Wolfgang Goethe escreveu há mais de 200 anos: "A cidade, com sua localização e todo seu entorno é, pode-se dizer, algo perfeito."

Dez razões para amar Heidelberg

Ponte antiga

A ponte antiga é um dos símbolos da cidade. Já em 1284 havia neste local sobre o rio Neckar uma ponte de madeira, mas que era regularmente destruída pelas enchentes. Apenas em 1788 foi construída a ponte de pedras, ligando o centro histórico às margens do rio, do outro lado.

Dez razões para amar Heidelberg

Ruínas famosas

Sobre o centro histórico se elevam as ruínas do castelo destruído no século 17 por tropas francesas. Justamente esta aura mista de pompa e finitude dá charme ao lugar até hoje.

Dez razões para amar Heidelberg

Cenários românticos

O castelo de Heidelberg é indiscutivelmente a principal atração da cidade. Alguns salões restaurados durante a reforma feita no século 19 podem ser visitados. Mas também as ruínas são uma atração interessante para os milhões de turistas do mundo todo.

Dez razões para amar Heidelberg

Centro histórico

A planta do centro histórico remonta à Idade Média, e a maioria das fachadas ainda é da era barroca. Há muitos pequenos cafés, restaurantes e lojas voltadas para o turismo. Especialmente os visitantes dos Estados Unidos e do Japão amam esta cidade de contos de fadas.

Dez razões para amar Heidelberg

Digníssima universidade

"Sempre aberta" é o lema da Universidade de Heidelberg, fundada em 1386 e, portanto, a mais antiga da Alemanha. Hegel, Bunsen, Habermas – filósofos e cientistas famosos se formaram aqui. E alguns estudantes nem sempre eram bem comportados...

Dez razões para amar Heidelberg

Cadeia para estudantes

"Distúrbios noturnos" causados por universitários bêbados ou brigões davam até quatro semanas de detenção. A peculiaridade é que eles podiam assistir às aulas, mas depois tinham que retornar à "cadeia para estudantes", onde muitos deixavam suas marcas.

Dez razões para amar Heidelberg

Cidade da leitura

Grandes pensadores escreveram poesias e livros inteiros sobre Heidelberg. Goethe, Eichendorff, Hölderlin, Jean Paul, Mark Twain: todos estiveram aqui. E ainda hoje a cidade se destaca pelos seus escritores. O ponto alto é o festival de literatura, que acontece todos os anos. Por isso, desde 2014, Heidelberg é considerada pela Unesco a Cidade da Literatura na Alemanha.

Dez razões para amar Heidelberg

Atração na ponte

Já no século 15 se falava de um macaco na antiga ponte de Heidelberg. A figura de bronze colocada ali em 1979 logo virou atração turística. Dizem que quem toca na figura algum dia voltará à cidade.

Dez razões para amar Heidelberg

Show de luzes

O show de fogos em meados do ano atrai milhares de visitantes nos meses do verão europeu. Já várias horas antes do começo do espetáculo, as pessoas ocupam os gramados ao longo do rio. E quando o Castelo de Heidelberg é iluminado pelos fogos de artifício durante a noite, a cidade faz jus à fama de destino favorito dos românticos.

Um passeio virtual por Leipzig

A ópera

Leipzig tem uma das mais antigas casas públicas de ópera na Europa. O primeiro prédio da casa de espetáculos foi construído no século 17. O de hoje, na bem localizada praça Augustusplatz, data dos anos 1950. Na lista dos grandes regentes que atuaram nela, aparecem Artur Seidl, Arthur Nikisch e Gustav Mahler.

Um passeio virtual por Leipzig

Sala de concertos Gewandhaus

Esta casa abriga a maior orquestra profissional do mundo, criada em 1781 e hoje com 175 músicos. O prédio original da Gewandhaus ficou completamente destruído na Segunda Guerra Mundial, e o novo foi inaugurado em 1981. A enorme pintura no teto de seu foyer é iluminada à noite, podendo ser vista através da fachada de vidro.

Um passeio virtual por Leipzig

Paulinum

Até 1968 ficava aqui a igreja Paulinerkirche, das freiras paulinas, datada do século 13. O prédio da igreja universitária mais antiga da Alemanha foi implodido pelo regime socialista alemão-oriental, a fim de ampliar o campus da universidade. A reconstrução da igreja, iniciada após a reunificação alemã, deve ficar pronta em 2014.

Um passeio virtual por Leipzig

Igreja Nikolaikirche

A Igreja de São Nicolau, no centro da cidade, ficou famosa em 1989 por ter sido palco dos "protestos das segundas-feiras". Os alemães-orientais insatisfeitos com seu regime se reuniam todas as semanas para rezar e depois saíam em passeata pelas ruas de Leipzig. Essa revolução pacífica marcou o início do fim da Alemanha Oriental. A história é lembrada por um pilar branco na frente da igreja.

Um passeio virtual por Leipzig

Restaurante Auerbach

Graças ao poeta Johann Wolfgang von Goethe, o restaurante Auerbachs Keller é conhecido em todo mundo. Durante seu tempo de estudo em Leipzig, Goethe frequentava o local, ao qual dedicou uma cena de "Fausto", a obra da literatura alemã mais citada no mundo.

Um passeio virtual por Leipzig

Prefeitura antiga

A prefeitura antiga (Altes Rathaus) é um dos prédios mais importantes do Renascimento alemão. Desde que a administração municipal se mudou para outro prédio no início do século 20, fica aqui o Museu de História da Cidade, com o único retrato autêntico de Johann Sebastian Bach.

Um passeio virtual por Leipzig

Igreja Thomaskirche

Um dos principais locais de atuação do compositor Johann Sebastian Bach foi a Igreja de São Tomás. Aqui ele dirigiu, a partir de 1723, o Thomanerchor, um dos coros de meninos mais antigos da Alemanha. Ao longo dos séculos, a igreja foi restaurada várias vezes. Em 1539, o reformador Martinho Lutero pregou aqui.

Um passeio virtual por Leipzig

Parque Clara Zetkin

Os parques e espaços verdes de Leipzig, como o parque Clara Zetkin, convidam a relaxar. Daqui se pode ver o prédio mais alto da cidade, a City Hochhaus. Também são populares os lagos dentro e fora do perímetro urbano, conectados através de ciclovias.

Um passeio virtual por Leipzig

Parque zoológico

O Jardim Zoológico de Leipzig abriga mais de 800 espécies, numa área de 26 hectares. Ele é um dos zoológicos europeus de maior diversidade. Uma das atrações é o pavilhão Gondwanaland, que reproduz a atmosfera das florestas tropicais da África, Ásia e América do Sul.

Um passeio virtual por Leipzig

Parque de exposições

Leipzig, que em 2015 comemora 850 anos, é um dos mais antigos centros de feiras do mundo. Por ela marcar o encontro de duas importantes rotas comerciais da Europa medieval, a Via Regia e a Via Imperii, o comércio florescia na cidade já na Idade Média. Hoje, um de seus principais eventos é a Feira do Livro de Leipzig.

Um passeio virtual por Leipzig

Monumento à Batalha dos Povos

O Monumento à Batalha dos Povos lembra a vitória das tropas da Prússia, Áustria, Rússia e Suécia sobre Napoleão, em 1813. Com 91 metros de altura, ele foi inaugurado 100 anos mais tarde. Imponente marco visual da cidade, o monumento pode ser também visitado por dentro.

Um passeio virtual por Leipzig

Arquitetura preservada

Na Segunda Guerra Mundial, Leipzig sofreu menos destruição do que outras cidades alemãs. Muitos prédios históricos do século 19 ficaram preservados, como estes na rua Gottschedstrasse. O Waldstrassenviertel é hoje um dos maiores bairros contíguos europeus da chamada "Gründerzeit", de meados ao fim do século 19.

Um passeio virtual por Leipzig

Fachadas coloridas

A arte mural de Michael Fischer-Art pode ser admirada na fachada de vários edifícios na cidade – como aqui, na rua Karl Liebknecht. Este bairro, repleto de bares e pubs, é muito apreciado pelo meio universitário.

Um passeio virtual por Leipzig

Plagwitz

O bairro de Plagwitz, na zona oeste de Leipzig, por muito tempo foi dominado pela indústria. Os edifícios antigos, nos quais quase não se investia nos tempos da Alemanha Oriental, estavam ameaçados de ruir. Após a reunificação alemã, artistas e outras cabeças criativas ocuparam o local e tornando-o mais vivo e colorido.

Um passeio virtual por Leipzig

Velha fábrica reaproveitada

A antiga fábrica de algodão transformou-se no centro da cena artística de Leipzig. No antigo complexo industrial, artistas como Neo Rauch abriram seus ateliês. Ali há também escritórios de arquitetura, oficinas, espaços para exposições e um teatro temporário.

Dez motivos para visitar Stuttgart

Cidade dos castelos

Antigamente morada dos reis de Württemberg, os castelos de Stuttgart testemunham a glória de uma época. No centro da cidade, fica o Neue Schloss (Castelo Novo), que abriga hoje as secretarias estaduais das Finanças e da Educação. Nos dias de sol, a praça do castelo atrai moradores e turistas.

Dez motivos para visitar Stuttgart

Carros e mais carros

A capital do estado de Baden-Württemberg também atrai muitos apaixonados por carros, pois o primeiro veículo foi inventado aqui, em 1886. Mais detalhes sobre essa história podem ser conferidos nos museus da Mercedes e da Porsche.

Dez motivos para visitar Stuttgart

Palco das artes

Stuttgart não deixa a desejar em termos de opções culturais. A cidade tem seis grandes teatros privados, 20 casas de espetáculos menores e ainda um teatro municipal que abriga ópera, balé e artes cênicas. A cada mês, pode-se escolher entre 700 apresentações.

Dez motivos para visitar Stuttgart

Museus e galerias

Stuttgart tem 11 grandes museus, além de 30 casas de exposição menores, com acervos especializados, como o Museu do Porco (isso mesmo!), dedicado a este animal no mundo das artes. Entre os museus clássicos está a Staatsgalerie, com pinturas e esculturas dos séculos 14 a 21. O próprio prédio é uma atração, com sua arquitetura pós-moderna combinada à parte antiga.

Dez motivos para visitar Stuttgart

Patrimônio Mundial da Unesco

Quando se trata de arquitetura, vale a pena ver também as casas da Weissenhofsiedlung. Elas foram projetadas por arquitetos famosos, como Le Corbusier e Ludwig Mies van der Rohe, para uma exposição de arquitetura em 1927. As duas casas feitas por Le Corbusier (foto), junto com mais projetos dele em seis outros países, foram declaradas em 2016 Patrimônio da Humanidade pela Unesco.

Dez motivos para visitar Stuttgart

Cidade entre bosques e vinhedos

Stuttgart fica em um vale e é cercado por vinhedos. Em nenhuma outra cidade alemã, o vinho é tão onipresente como aqui. Uma variedade de trilhas leva os visitantes através das videiras. A tradição vinícola em Stuttgart tem mil anos. Mais sobre essa história, você aprende no Museu da Vinicultura (Weinbaumuseum).

Dez motivos para visitar Stuttgart

A cozinha suábia

E um bom vinho tem de ser acompanhado por um bom prato. Pode ser o tradicional "Maultaschen", a especialidade suábia. É um tipo de ravioli recheado, que teria sido inventado por monges para esconder a carne durante a Quaresma. Locais tradicionais para se saborear a cozinha suábia incluem os chamados "Besenwirtschaften", vinícolas com licença especial de restaurante durante quatro meses do ano.

Dez motivos para visitar Stuttgart

O mercado público

Os ingredientes para as especialidades suábias podem ser encontrados em todas as variações possíveis no Markthalle, o mercado público de Stuttgart. Visitar o local vale a pena, não só porque pode-se encontrar cozinheiros famosos que compram ali seus ingredientes, mas também pela arquitetura do prédio, em estilo Art Nouveau.

Dez motivos para visitar Stuttgart

A festa Cannstatter Wasen

Duas vezes por ano, acontecem enormes eventos populares numa área chamada Cannstatter Wasen. O local, de 35 hectares, vira uma festa a céu aberto no outono e na primavera europeus, atraindo vários milhões de visitantes.

Dez motivos para visitar Stuttgart

O símbolo da cidade

A melhor maneira de ver toda a cidade é subir na torre das telecomunicações. Ela fica a 217 metros de altura e proporciona uma vista panorâmica da área urbana e dos vinhedos ao redor. Não é à-toa que é o símbolo de Stuttgart.

A beleza dos Alpes de Berchtesgaden

Uma vista impressionante

Um teleférico leva os visitantes até o alto dos 1.800 metros da montanha Jenner. Uma curta caminhada até o topo é recompensada com uma visão de tirar o fôlego: o Parque Nacional de Berchtesgaden, fundado em 1978, onde a natureza se desenvolve livremente. Do topo, é possível ver a Watzmann, terceira maior montanha da Alemanha, e o lago Königssee.

A beleza dos Alpes de Berchtesgaden

Berchtesgaden

A história do Berchtesgaden relembra a época em que surgiram as primeiras construções na região de Augustine, por volta do ano 1.102. O povoado se expandiu devido ao comércio crescente desenvolvido a partir das minas de sal e metal. Em 1.810 as construções ficaram sob o domínio da Baviera e, até hoje, servem de residência para descendentes da família real. Parte do local é aberta ao público.

A beleza dos Alpes de Berchtesgaden

Foco nas montanhas

No parque nacional “Haus der Berge” é possível aproveitar o local com todos os sentidos. Barulhos externos são simulados, fenômenos naturais são explicados e bichos de pelúcia podem ser tocados. Um dos caminhos vai do lago Königssee ao topo da montanha Watzmann. A mensagem da exibição é: veja a beleza da natureza – agora a proteja e a preserve!

A beleza dos Alpes de Berchtesgaden

Montanha Watzmann

Se elevando majestosamente sobre a área de Berchtesgaden, a Montanha Watzmann é o símbolo da região. Com 2.700 metros de altura, o local é conhecido por seu formato incomum. Diz a lenda que o cruel rei Watze certa vez aterrorizou a região, e, em punição, Deus o teria transformado em uma pedra (o pico à direita), junto com sua mulher (o pico à esquerda) e seus filhos (os pequenos picos do meio).

A beleza dos Alpes de Berchtesgaden

Lago Königssee

Ele é localizado entre as impressionantes paredes das montanhas do Parque Nacional de Berchtesgaden. O lago no estilo fiorde tem oito quilômetros de extensão e aproximadamente 200 metros de profundidade – o que o faz ser muito gelado, mesmo durante o verão. De poucos em poucos minutos, embarcações motorizadas transportam visitantes para o lago.

A beleza dos Alpes de Berchtesgaden

O famoso eco

No meio do caminho no lago, o capitão para o barco, pega um trombone e toca uma melodia. Os visitantes podem claramente ouvir o eco, criado pelo som que se alastra nos penhascos. Em um passado recente, canhões eram disparados, e os sons reverberavam mais de sete vezes, mas, com os riscos de incêndio nos barcos, eles foram trocados pelo trombone.

A beleza dos Alpes de Berchtesgaden

Igreja de São Bartolomeu

Depois de cerca de meia hora no barco, os visitantes chegam à península de Hirschau, no lado leste da montanha Watzmann. O local é conhecido pela igreja de São Bartolomeu, erguida no século 17 e de arquitetura barroca, com cúpulas em formato de cebola. Perto da capela encontra-se o antigo palácio de caça da realeza, onde hoje funciona um restaurante e Biergarten (“jardim de cerveja”).

A beleza dos Alpes de Berchtesgaden

Trilha por Wimbach

Altas cascatas se apresentam ao longo da trilha de Wimbach, nas proximidades da vila de Ramsau. Há, no caminho, pontes e passarelas de 200 metros de altura entre penhascos íngremes. A luz solar quebrada pelas partículas de cálcio presentes na água de Wildbach dão ao lago uma cor azul bonita e cristalina. A partir dali, demora cerca de uma hora de caminhada até o Castelo de Wimbach.

A beleza dos Alpes de Berchtesgaden

Ponte suspensa em Klausbach

Uma ponte suspensa de 51 metros de altura cruza o vale e o rio de Klausbach. A caminhada sobre ela, bastante popular no Parque Nacional de Berchtesgaden, é também conhecida como “vale das águias”: com um pouco de sorte, os visitantes podem assistir a um voo de águias douradas.

A beleza dos Alpes de Berchtesgaden

Pastagens na montanha

Um exemplo entre os muitos pastos nas montanhas do vale de Kalusbachtal é o Bindalm. É fácil chegar até lá a pé ou com o ônibus especial que leva os visitantes às pastagens. Carros são proibidos na área, que é protegida. Mas o gado só pode ser visto nos pastos das montanhas durante o verão – no outono os fazendeiros os levam de volta para o vale.

A beleza dos Alpes de Berchtesgaden

Gado da montanha

Em Bindalm é possível ver o gado Pinzgauer, raça bovina que está na lista de espécies ameaçadas de extinção. Os animais passam o dia nos estábulos e de noite saem para pastar nas montanhas. Os fazendeiros da área usam o leite das vacas para fazer queijo, o qual vendem junto a um copo de leite e um pedaço de pão para quem escala a montanha.

Albanian Shqip

Amharic አማርኛ

Arabic العربية

Bengali বাংলা

Bosnian B/H/S

Bulgarian Български

Chinese (Simplified) 简

Chinese (Traditional) 繁

Croatian Hrvatski

Dari دری

English English

French Français

German Deutsch

Greek Ελληνικά

Hausa Hausa

Hindi हिन्दी

Indonesian Indonesia

Kiswahili Kiswahili

Macedonian Македонски

Pashto پښتو

Persian فارسی

Polish Polski

Portuguese Português para África

Portuguese Português do Brasil

Romanian Română

Russian Русский

Serbian Српски/Srpski

Spanish Español

Turkish Türkçe

Ukrainian Українська

Urdu اردو