O princípio do fim da era Merkel

Após quase duas décadas, chanceler federal passa adiante a liderança de seu partido, a União Democrata Cristã. Definição do sucessor pode indicar quem será, daqui a alguns anos, o próximo chefe de governo da Alemanha.

O próximo congresso da União Democrata Cristã (CDU), nesta sexta-feira (07/12), está cercado de expectativas. Está totalmente em aberto a decisão sobre quem sucederá a chanceler federal da Alemanha, Angela Merkel, na liderança da legenda – uma situação inédita para os democrata-cristãos, em se tratando de uma decisão central de pessoal.

Para a reunião em Hamburgo estão credenciados 1.500 representantes da mídia. O cientista político Frank Überall considera histórica a decisão de Merkel de entregar agora a presidência do partido, e o congresso é uma data que definirá os caminhos para a CDU trilhar no futuro.

A separação entre chefia de governo e presidência partidária é inusual na Alemanha, porém não inédita. Em março de 2004, o então premiê Gerhard Schröder entregou a liderança do Partido Social-Democrata (SPD), na disputa pela imposição de reformas sócio-políticas polêmicas, e seguiu chefiando por mais 18 meses a coalizão governamental com o Partido Verde. E a partir de 1974 Helmut Schmidt permaneceu chanceler federal por oito anos, enquanto Willy Brandt liderava os social-democratas.

No que concerne os democrata-cristãos, é preciso voltar 50 anos na história: na década de 1960, Ludwig Erhard foi premiê por três anos, sem encabeçar a legenda. Depois dele, seu correligionário Georg Kiesinger esteve um ano à frente do governo, mas não da CDU.

Política | 29.10.2018

O mais tardar com Helmut Kohl ficou claro que para a figura de liderança o ideal é controlar ambos os setores. Assim, ele foi o chefe de partido de 1973 a 1998, e de governo entre 1982 e 1998, com a CDU como sua base de poder e a Chancelaria como seu Executivo político.

Também para Angela Merkel ambas posições de ponta formavam um pacote. Por isso a mudança que se anuncia é uma ruptura tão importante. Mas a redistribuição dos dois cargos é um aspecto: pelo menos tão inusitada quanto ela é a competição aberta pela presidência democrata-cristã.

"Para a CDU, também é uma experiência nova, emocionante, os delegados terem, de fato, uma escolha, e haver uma corrida dos candidatos", comenta Überall, que leciona na Escola Superior de Mídia, Comunicação e Economia de Colônia.

Nenhum especialista arrisca antecipar quem sucederá a atual líder, se Annegret Kramp-Karrenbauer (considerada antes pró-Merkel) ou Friedrich Merz (no passado, um de seus oponentes internos). Só em relação a Jens Spahn todas as enquetes são unânimes: no momento atual, ele não tem a menor chance de assumir a liderança democrata-cristã.

A chanceler federal Merkel terá que se acostumar com o rosto de quem quer que seja eleito. Pois ele ou ela estará à mesa nas rodadas de coalizão, as reuniões do governo, realizadas a intervalos irregulares. Para Frank Überall, esse é "um ponto muito importante": quem participa dessas conversas na Chancelaria Federal pode influenciar os debates, dar-lhes uma direção. Isso confere grande poder ao líder do partido.

Seja como for, o politólogo prevê uma mudança sensível para a CDU. Sob Merkel, sem dúvida muito correu bem para o partido, "mas uma coisa praticamente não aconteceu, que foi realmente levar a fundo as controvérsias". Tradicionalmente, um grande partido estabelecido possui diversas alas, direcionamentos diversos sob um só teto. Na CDU, estas são: a que tende para a esquerda social, a mais conservadora de direita, e a liberal-econômica.

Assuntos relacionados

"E justamente a ala conservadora da CDU se sentiu, no passado, menos considerada e menos levada a sério", diz Überall. O novo presidente certamente deverá "introduzir mais cultura de discussão no partido", acredita. Pode ser que aí passe a se ver entre os democrata-cristãos mais daquela tensão positiva entre partido e missão governamental que há muitos meses agita o parceiro de coalizão SPD.

Quem for chefiar a União Democrata Cristã não apenas servirá a legenda, mas também vai querer colocar sua marca própria e, consequentemente, ser conhecido. A expectativa comum é o presidente do partido ser o favorito quando Merkel também renunciar como premiê, e for escolhido o candidato conservador para as próximas eleições legislativas.

Este terá, de qualquer forma, que indicar um novo secretário-geral, e assim apontar uma direção decisória. Kramp-Karrenbauer, a atual secretária-geral, não estará mais disponível para o cargo. Frank Überall não acha improvável que um representante "um pouco mais cortante" assuma, defendendo a linha partidária "de maneira mais intensiva e talvez mais ousada".

Aliás, o estatuto da CDU prevê a possibilidade de que um político seu seja chanceler federal, mas não presidente do partido. Assim, um chanceler federal democrata-cristão integrará sempre o quadro da liderança partidária, e, quem quer que seja o próximo líder, Merkel permanecerá no primeiro escalão da CDU.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Política

ONU aprova pacto global sobre refugiados

As Nações Unidas aprovaram um pacto global sobre refugiados. Ao todo, 181 países votaram a favor, enquanto EUA e Hungria foram contrários. República Dominicana, Eritreia e Líbia se abstiveram. O pacto procura promover uma resposta internacional adequada aos fluxos em massa e situações prolongadas de refugiados. No final de 2017, existiam quase 25,4 milhões de refugiados no mundo. (17/12)

Política

Pássaros sul-americanos invadem Norte alemão

A única população selvagem de emas da Europa, na fronteira entre os estados alemães de Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental e Schleswig-Holstein, aumentou recentemente de 205 para 566..Parentes sul-americanas da avestruz, elas crescem até 1,7 metro de altura, pesando até 40 quilos. Os fazendeiros não gostam das aves gigantes, que estão devorando suas plantações de colza e cereais. (16/12)

Política

Júbilo em Katowice

Michal Kurtyka, presidente da COP24, pula de alegria. Após 13 dias de encontros e intensas negociações, 197 países encerraram a Conferência do Clima da Organização das Nações Unidas com "livro de regras" que permitirá implementar o Acordo de Paris, regendo a luta contra o aquecimento global nas próximas décadas, numa importante etapa para a política climática internacional. (15/12)

Política

Temer decide extraditar Battisti

O presidente Michel Temer assinou o decreto de extradição de Cesare Battisti. Após o anúncio, o italiano, que é procurado pela Polícia Federal, tinha paradeiro incerto e era considerado foragido. Battisti, um ex-membro do grupo terrorista de esquerda, foi condenado à prisão perpétua na Itália por quatro assassinatos cometidos nos anos 1970. Ele vivia em liberdade no Brasil desde 2011. (14/12)

Política

Autor de atentado em Estrasburgo é morto

O autor do ataque em Estrasburgo, na França, foi morto pela polícia do país na noite desta quinta-feira após uma caçada que durou 48 horas. Chérif Chekatt, de 29 anos, foi localizado e abatido na própria cidade após uma troca de tiros com policiais, a dois quilômetros do local do ataque, No ataque executado por Chekatt morreram duas pessoas e 13 ficaram feridas. (13/12).

Política

May sobrevive à moção de desconfiança

A primeira-ministra britânica, Theresa May derrotou uma moção de desconfiança dentro do Partido Conservador por 200 votos contra 117. Com a vitória, May permanece na liderança do partido e no cargo de premiê e ainda fica imune durante um ano a uma nova contestação interna. A moção foi apresentada por deputados insatisfeitos com o acordo sobre o Brexit que May negociou com a União Europeia. (12/12)

Política

Homem mata quatro e se suicida na Catedral de Campinas

Um homem abriu fogo dentro da Catedral Metropolitana de Campinas (SP), matou quatro pessoas durante uma missa e depois se suicidou no início da tarde desta terça-feira. Outras quatro pessoas ficaram feridas e foram levadas para hospitais da cidade paulista. O atirador foi identificado como Euler Fernando Grandolpho, de 49 anos. (11/12).

Política

Após protestos, Macron anuncia "pacote de bondades"

Pressionado por manifestações e perda de popularidade, presidente francês anuncia aumento de 100 euros no salário mínimo e fim de impostos sobre horas extras para tentar apaziguar ânimos dos "coletes amarelos". Em discurso na TV, Macron condenou violência em protestos, mas disse reconhecer que “raiva” dos franceses é profunda e prometeu um debate sobre uma profunda reforma do estado. (10/12)

Política

River Plate conquista a Libertadores

Depois do adiamento da partida devido à violência nos arredores do estádio em Buenos Aires que culminou com o ataque ao ônibus do Boca Juniors, a final da Taça Libertadores foi realizada no estádio Santiago Bernabéu, em Madri. De virada, por 3 a 1, o River Plate venceu o Boca Juniors e conquistou no campo o quarto título no torneio. (09/12)

Política

“Coletes amarelos” voltam a protestar na França

Manifestantes voltaram a tomar as ruas de Paris e outras cidades francesas contra políticas do governo de Emmanuel Macron pelo quarto final de semana seguido. As novas manifestações ocorrem apesar de o presidente ter suspendido temporariamente um aumento de impostos sobre combustíveis. Mais de cem pessoas ficaram feridas em confrontos. (08/12)

Política

A sucessora de Merkel

Annegret Kramp-Karrenbauer, uma aliada de longa data da chanceler federal alemã, Angela Merkel, foi escolhida para sucedê-la como líder de seu partido, a União Democrata Cristã (CDU). A mudança marca o princípio do fim da era Merkel. Apesar de abrir mão da liderança da legenda, que assumiu há 18 anos, Merkel pretende seguir à frente do governo alemão até o fim de seu mandato, em 2021. (07/12)

Política

Executiva da Huawei é presa no Canadá

Autoridades canadenses revelaram que a diretora financeira da empresa chinesa de telecomunicações Huawei, Meng Whanzhou, foi presa, acusada de violar as sanções impostas pelo governo americano ao Irã. A prisão de Meng, filha do fundador da Huawei e uma das principais executivas da empresa, gerou novos temores sobre o agravamento das tensões comerciais entre a China e os EUA. (06/12)

Política

Putin recebe Maduro em Moscou

O presidente russo, Vladimir Putin, manifestou apoio ao seu homólogo venezuelano, Nicolás Maduro, que visita Moscou em busca de ajuda financeira para seu país. Maduro espera contar com o apoio da Rússia após ter se isolado cada vez mais no cenário internacional. A Rússia e a Venezuela mantêm laços de longa data. O antecessor de Maduro, Hugo Chávez, era um convidado bem-vindo no Kremlin. (05/12)

Política

Governo Macron cede aos manifestantes

A França suspendeu, ao menos temporariamente, o aumento dos impostos sobre os combustíveis, que foi o estopim dos protestos de rua que acabaram se transformando em manifestações de massa contra o governo do presidente Emmanuel Macron. Esta é a primeira vez que Macron cede sobre uma decisão importante desde que assumiu o cargo, em 2017. (04/12)

Política

Fim de símbolo do turismo de massa

Atendendo a um pedido de ambientalistas, a prefeitura de Amsterdã removeu da Praça dos Museus um dos cenários fotográficos favoritos dos turistas que visitam a capital holandesa: enormes letras vermelhas e brancas que compunham o slogan "I Amsterdam". Os políticos verdes argumentaram que as letras se transforaram num símbolo do turismo de massa e do "individualismo exagerado". (03/12)

Política

Começa conferência do clima COP24

Negociadores de quase 200 países iniciam em Katowice, na Polônia, duas semanas de conversações sobre as mudanças climáticas e como implementar medidas para manter aquecimento do planeta abaixo de 2 graus Celsius. Encontro em Katowice é visto como teste do comprometimento dos países signatários em implementar medidas para alcançar suas metas climáticas. (02/12)

Política

Confrontos entre polícia e "coletes amarelos"

Tropa de choque da polícia francesa e grupos de manifestantes conhecidos como "coletes amarelos" voltam a entrar em confronto em Paris, durante o terceiro fim de semana seguido de protestos contra o aumento de impostos sobre combustíveis e a redução do poder aquisitivo. Policiais lançam bombas de gás lacrimogêneo e jatos d'água contra parte dos manifestantes. (01/12)