Parlamento aprova troca de nome da Macedônia

Em votação histórica, parlamentares aprovam mudanças na Constituição para país passar a se chamar Macedônia do Norte. Alteração abre caminho para superar conflito de quase três décadas com a Grécia.

O Parlamento da Macedônia aprovou nesta sexta-feira (11/01) as mudanças necessárias na Constituição para que o país passe a se chamar Macedônia do Norte, como estipulou em um acordo com a Grécia para encerrar uma disputa aberta há quase 30 anos.

Todos os 81 parlamentares presentes votaram a favor das alterações. Outros 39 legisladores não compareceram à sessão. Para aprovar as mudanças eram necessários 80 votos. A aprovação abrirá ao país as portas da Otan e das negociações de adesão à União Europeia (UE).

O primeiro-ministro da Macedônia, Zoran Zaev, afirmou que a mudança no nome do país é uma decisão dura, mas necessária e destacou que o acordo alcançado com a Grécia foi o melhor possível. O tratado colocou fim a uma disputa em torno do nome Macedônia, que se iniciou quando o pequeno país balcânico se separou da antiga Iugoslávia, em 1991. 

Atenas era contra a utilização do nome Macedônia pelo país, temendo que isso pudesse levar a nação vizinha a reivindicar o território homônimo localizado no norte da Grécia, cuja capital é Salônica. A ex-república iugoslava, por sua vez, tem aspirações de entrar na UE e na Otan, o que vinha sendo dificultado pelo veto da Grécia, membro das duas organizações.

Zaev teve problemas para conseguir a maioria de dois terços necessária para reformar a Constituição, mas, na tarde desta sexta-feira, conseguiu o apoio de 81 parlamentares ao negociar com deputados do partido de minoria étnica albanesa, o BESA, que pediram mudanças técnicas em partes do projeto.

As mudanças aprovadas na Constituição também incluem artigos sobre a integridade territorial e a soberania do país vizinho. Elas eram parte fundamental do acordo assinado com a Grécia em 2018.

O VMRO-DPMNE, o principal partido da oposição, decidiu não participar da votação por considerar que a maior parte da população discorda das medidas do governo. Além disso, a oposição considera o referendo realizado no dia 30 de setembro do ano passado como um fracasso devido à baixa participação. O "sim" às mudanças venceu com 91% dos votos.

As alterações aprovadas pelo Parlamento da Macedônia só entrarão em vigor se a Grécia ratificar o acordo e suspender o veto que manteve durante os últimos anos para impedir a entrada do país na Otan e na UE. Caso isso não ocorra, a reforma constitucional perderá a validade.

O acordo precisa ser aprovado pelo Parlamento grego, cujo governo possui uma maioria apertada. A oposição conservadora grega é contra o acordo e tenta minar o futuro da coalizão de governo formada pelo esquerdista Syriza e os nacionalistas do Gregos Independentes (Anel).

O primeiro-ministro da Grécia, Alexis Tsipras, parabenizou Zaev após o voto histórico. O líder grego considerou o acordo um dos maiores legados de seu governo.

Assuntos relacionados

Nos próximos dias, Tsipras deve se reunir com o líder do Anel e ministro da Defesa, Panvos Kammenos, para decidir o futuro da coalizão. Kammenos antecipou que seu partido abandonaria o governo se o premiê aceitasse uma solução para a disputa que incluísse o termo "Macedônia".

Já Tsipras respondeu que, se as objeções do Anel sobre o acordo levarem a um rompimento da coalizão governista, ele apresentará uma moção de confiança no Parlamento. Em caso de derrota, a promessa do líder do Syriza é convocar eleições antecipadas.

CN/efe/lusa/ap/afp/rtr

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Política

Bolsonaro flexibiliza posse de armas

O presidente Jair Bolsonaro assinou um decreto que facilita a posse de armas, uma de suas principais promessas de campanha. Em cerimônia no Palácio do Planalto, ele classificou a medida de "um legítimo direito à defesa" concedido aos cidadãos. O texto se refere exclusivamente à posse de armas, em casa ou no trabalho, e não ao porte, e amplia a validade do registro de cinco para dez anos. (15/01)

Política

Prefeito polonês é assassinado a facadas

O prefeito da cidade polonesa de Gdansk, Pawel Adamowicz, morreu um dia depois de ter sido esfaqueado diante de uma multidão durante um evento beneficente que procurava levantar doações para hospitais. Os golpes atingiram seu coração e abdômen. O ataque ocorreu quando o prefeito estava no palco. O agressor, de 27 anos, disse que queria se vingar por ter sido preso. (14/01)

Política

Termina refúgio de Battisti na América do Sul

O ex-membro de guerrilha de esquerda condenado por assassinatos na Itália, foi detido na Bolívia e será extraditado, após 38 anos foragido. Ele desaparecera do Brasil desde 14 de dezembro, após o Supremo Tribunal Federal (STF) ordenar sua detenção. Contrariando afirmações do gabinete de Segurança Institucional (GSI), Cesare Battisti sai da Bolívia em voo direto. (13/01)

Política

"Coletes amarelos" em 9º fim de semana

Polícia de Paris empregou gás lacrimogêneo e canhões d'água durante confrontações com os manifestantes nas proximidades do Arco do Triunfo. ministro do Interior advertiu ativistas pacíficos que eles se tornam cúmplices ao participar de passeatas violentas. Está em planejamento cadastro dos agitadores semelhante ao mantido para controle de hooligans do futebol. (12/01)

Política

Nevascas castigam Europa

As maiores nevascas em 20 anos na Europa Central, que já duram vários dias, causaram transtornos em países como Alemanha, Áustria e República Tcheca. No sul do estado alemão da Baviera, centenas de motoristas na região de Rosenheim, entre Bernau am Chiemsee e Frasdorf, tiveram de passar a noite em caminhões e automóveis após uma rodovia ficar bloqueada pela neve. (11/01)

Política

Maduro toma posse na Venezuela

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, tomou posse em Caracas, para um segundo período de seis anos na presidência depois de vencer as polêmicas eleições de maio passado. A legitimidade do segundo mandato de Maduro foi questionada pela oposição venezuelana e por vários governos estrangeiros que não reconhecem os resultados do pleito. (10/01)

Política

João de Deus vira réu

A juíza Rosângela Rodrigues dos Santos, de Abadiânia, aceitou a denúncia contra o médium João Teixeira de Faria, conhecido como João de Deus, acusado de estupro de vulnerável e violação sexual. Feita pelo Ministério Público, a denúncia diz respeito a crimes praticados em 2018, entre os meses de abril e outubro. Ele é acusado por centenas de mulheres por abusos cometidos entre 1975 e 2018. (09/01)

Política

Drone causa transtornos em Heathrow

O maior aeroporto da Europa, Heathrow, em Londres, suspendeu todas as decolagens por cerca de uma hora após um drone ser visto nos arredores de suas pistas. A suspensão foi uma medida de precaução e ocorre quase três semanas após um incidente semelhante no aeroporto britânico de Gatwick. (08/01)

Política

Expansão territorial na Dinamarca

O governo da Dinamarca anunciou que planeja construir nove ilhas artificiais para expandir o distrito industrial de Copenhague e atrair investimentos. A construção das ilhas está prevista para começar em 2022 e terminar em 2040. A expansão aumentará em 3 milhões de metros quadrados o território da capital do país. A proposta precisa ser aprovada pelo Parlamento. (07/01)

Política

Cristãos ortodoxos celebram o Natal

O dia 7 de janeiro marca o nascimento de Jesus Cristo no calendário juliano, por isso os cerca de 260 milhões de cristãos ortodoxos no mundo celebram o Natal nessa data. A Rússia é o país com população mais predominantemente ortodoxa, seguida da Ucrânia. Na véspera do Natal, o presidente russo, Vladimir Putin (foto), visitou um hospital infantil em São Petersburgo para comemorar a data. (06/01)

Política

Parlamento da Venezuela declara ilegítimo novo mandato de Maduro

A Assembleia Nacional da Venezuela, controlada pela oposição, declarou ilegítimo o novo mandato de Nicolás Maduro. "A partir de 10 de janeiro, ele estará usurpando a presidência, e esta Assembleia Nacional será a única representante legítima do povo", disse o novo presidente do parlamento venezuelano, Juan Guaidó (foto), ao tomar posse no cargo durante a primeira sessão parlamentar do ano. (05/01)

Política

Centenas de políticos alemães têm dados vazados

Centenas de políticos alemães, incluindo a chanceler federal Angela Merkel e o presidente Frank-Walter Steinmeier, tiveram seus dados roubados e divulgados online, através do Twitter, segundo revelou a imprensa local. O vazamento, embora não tenha levado à revelação de informação sensível, atingiu todas as legendas representadas no Parlamento, exceto a populista de direita AfD. (04/01)

Política

Democratas retomam controle da Câmara

A democrata Nancy Pelosi foi eleita presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, cargo que já ocupou entre 2007 e 2011, depois que seu partido recuperou o controle dessa Casa nos pleitos legislativos de novembro do ano passado. A veterana representante da Califórnia, de 78 anos, somou 220 votos, superando o candidato republicano, Kevin McCarthy, que recebeu 192. (03/01)

Política

Líderes estrangeiros em Brasília

O presidente Jair Bolsonaro participou de quatro encontros com líderes internacionais em seu primeiro dia no cargo: o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, o presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, o premiê húngaro, Viktor Orbán, e o vice-presidente do Parlamento chinês, Ji Bingxuan. Pompeo se encontrou ainda com o novo ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo (foto). (02/01)

Política

Bolsonaro toma posse

Jair Bolsonaro tomou posse, em Brasília, como o 38° presidente da República. Após receber a faixa presidencial de Michel Temer, o novo presidente afirmou que sua posse marca o dia em que o povo brasileiro “começou a se libertar do socialismo, se libertar da inversão de valores, do gigantismo estatal e do politicamente correto”. (01/01).