Pastora evangélica será ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos

Bolsonaro escolhe assessora do senador Magno Malta para a pasta, que ficará responsável pela Funai. Contrária a pautas do movimento feminista, Damares Alves é segunda mulher indicada para alto escalão do futuro governo.

A assessora do senador Magno Malta (PR) Damares Alves foi escolhida para comandar o novo Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos. O anúncio foi nesta quinta-feira (06/12) pelo futuro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. A pastora evangélica é a segunda mulher indicada para o alto escalão do governo do presidente eleito Jair Bolsonaro.

Advogada, Damares atualmente é assessora no gabinete de Malta e trabalha há mais de 20 anos no Congresso Nacional. Ela é pastora da Igreja do Evangelho Quadrangular e próxima da bancada evangélica, inclusive já tendo prestado assessoria jurídica ao grupo.

Quer receber as notícias da DW Brasil no Whatsapp? Clique aqui

Em entrevista após o anúncio nesta quinta, Damares disse querer dar protagonismo no governo a políticas públicas que ainda não chegaram a mulheres e defendeu a equiparação salarial. "Nenhum homem vai ganhar mais do que mulher nessa nação desenvolvendo a mesma função. Isso já é lei", destacou.

Damares afirmou ainda que pretende melhorar as condições para as meninas no país. Em declarações anteriores, no entanto, a futura ministra declarou que a mulher nasceu para ser mãe e já se posicionou contra o feminismo. Ela é contra a legalização do aborto e das drogas, que, segundo a Folha de São Paulo, considerou "pautas de esquerda" que seriam "a morte".

Ao ser questionada em entrevista ao jornal O Globo sobre como vai combater a violência contra a mulher, Damares respondeu que pretende fazer uma revolução cultural.

"Todos os meninos vão ter que entregar flores para as meninas nas escolas, para entender que nós não somos iguais. Quando a teoria de gênero vai para a sala de aula e diz que todos são iguais e que não tem diferença entre menino e menina, as meninas podem levar porrada, porque são iguais aos meninos. Somos frágeis, mas somos muito especiais", acrescentou.

Siga a DW Brasil no Instagram

Damares também já se posicionou contra políticas voltadas a diminuir a discriminação de homossexuais. Em 2014, apontando "riscos à família brasileira", a futura ministra criticou o Programa Nacional de Direitos Humanos, que prevê a desconstrução da heteronormatividade para a inclusão nos sistemas de informação do serviço público todos os tipos de configurações familiares.

A indicação de Damares põe fim às esperanças de Malta de participar do novo governo. Um dos maiores defensores de Bolsonaro durante a campanha, o senador não conseguiu se reeleger e passou a ser cotado como ministeriável. Bolsonaro descartou na quarta-feira essa possibilidade e declarou que o parlamentar não tinha o perfil do futuro governo.

Mudança da Funai

Onyx anunciou ainda que a nova pasta da Mulher, Família e Direitos Humanos será responsável pela Fundação Nacional do Índio (Funai), que atualmente está vinculada ao Ministério da Justiça. Além de tratar de políticas indígenas, a entidade é responsável pela demarcação de terras.

Damares defendeu a mudança e negou que a entidade seja um problema no futuro governo. "O presidente só estava esperando o melhor lugar para colocar a Funai. E nós entendemos que é o Ministério dos Direitos Humanos, porque índio é gente, e índio precisa ser visto de uma forma como um todo. Índio não é só terra, índio também é gente", ressaltou.

Assuntos relacionados

A mudança, porém, foi alvo de críticas. Representantes de povos indígenas defendem que a Funai permaneça sob o guarda-chuva da Justiça, argumentando que o ministério é o único capaz de lidar com conflitos fundiários.

As lideranças tentaram conseguir uma audiência com Bolsonaro na sede do governo de transição em Brasília, mas foram recebidos apenas por um integrante da equipe e deixaram uma carta ao presidente eleito.

Na carta, a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) condenou as recentes declarações de Bolsonaro sobre os indígenas, dizendo que elas maculam sua imagem e dignidade. "Repudiamos, portanto, o seu pejorativo e reduzido entendimento de nos considerar animais em zoológicos", destaca o texto. A Apib pede ainda a permanência da Funai na Justiça.

Na semana passada, Bolsonaro criticou a demarcação de reservas e disse que acredita que os indígenas querem se integrar à sociedade. "Por que no Brasil temos que mantê-los reclusos em reservas, como se fossem animais em zoológicos?", afirmou.

CN/rtr/abr/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Política

May sobrevive à moção de desconfiança

A primeira-ministra britânica, Theresa May derrotou uma moção de desconfiança dentro do Partido Conservador por 200 votos contra 117. Com a vitória, May permanece na liderança do partido e no cargo de premiê e ainda fica imune durante um ano a uma nova contestação interna. A moção foi apresentada por deputados insatisfeitos com o acordo sobre o Brexit que May negociou com a União Europeia. (12/12)

Política

Homem mata quatro e se suicida na Catedral de Campinas

Um homem abriu fogo dentro da Catedral Metropolitana de Campinas (SP), matou quatro pessoas durante uma missa e depois se suicidou no início da tarde desta terça-feira. Outras quatro pessoas ficaram feridas e foram levadas para hospitais da cidade paulista. O atirador foi identificado como Euler Fernando Grandolpho, de 49 anos. (11/12).

Política

Após protestos, Macron anuncia "pacote de bondades"

Pressionado por manifestações e perda de popularidade, presidente francês anuncia aumento de 100 euros no salário mínimo e fim de impostos sobre horas extras para tentar apaziguar ânimos dos "coletes amarelos". Em discurso na TV, Macron condenou violência em protestos, mas disse reconhecer que “raiva” dos franceses é profunda e prometeu um debate sobre uma profunda reforma do estado. (10/12)

Política

River Plate conquista a Libertadores

Depois do adiamento da partida devido à violência nos arredores do estádio em Buenos Aires que culminou com o ataque ao ônibus do Boca Juniors, a final da Taça Libertadores foi realizada no estádio Santiago Bernabéu, em Madri. De virada, por 3 a 1, o River Plate venceu o Boca Juniors e conquistou no campo o quarto título no torneio. (09/12)

Política

“Coletes amarelos” voltam a protestar na França

Manifestantes voltaram a tomar as ruas de Paris e outras cidades francesas contra políticas do governo de Emmanuel Macron pelo quarto final de semana seguido. As novas manifestações ocorrem apesar de o presidente ter suspendido temporariamente um aumento de impostos sobre combustíveis. Mais de cem pessoas ficaram feridas em confrontos. (08/12)

Política

A sucessora de Merkel

Annegret Kramp-Karrenbauer, uma aliada de longa data da chanceler federal alemã, Angela Merkel, foi escolhida para sucedê-la como líder de seu partido, a União Democrata Cristã (CDU). A mudança marca o princípio do fim da era Merkel. Apesar de abrir mão da liderança da legenda, que assumiu há 18 anos, Merkel pretende seguir à frente do governo alemão até o fim de seu mandato, em 2021. (07/12)

Política

Executiva da Huawei é presa no Canadá

Autoridades canadenses revelaram que a diretora financeira da empresa chinesa de telecomunicações Huawei, Meng Whanzhou, foi presa, acusada de violar as sanções impostas pelo governo americano ao Irã. A prisão de Meng, filha do fundador da Huawei e uma das principais executivas da empresa, gerou novos temores sobre o agravamento das tensões comerciais entre a China e os EUA. (06/12)

Política

Putin recebe Maduro em Moscou

O presidente russo, Vladimir Putin, manifestou apoio ao seu homólogo venezuelano, Nicolás Maduro, que visita Moscou em busca de ajuda financeira para seu país. Maduro espera contar com o apoio da Rússia após ter se isolado cada vez mais no cenário internacional. A Rússia e a Venezuela mantêm laços de longa data. O antecessor de Maduro, Hugo Chávez, era um convidado bem-vindo no Kremlin. (05/12)

Política

Governo Macron cede aos manifestantes

A França suspendeu, ao menos temporariamente, o aumento dos impostos sobre os combustíveis, que foi o estopim dos protestos de rua que acabaram se transformando em manifestações de massa contra o governo do presidente Emmanuel Macron. Esta é a primeira vez que Macron cede sobre uma decisão importante desde que assumiu o cargo, em 2017. (04/12)

Política

Fim de símbolo do turismo de massa

Atendendo a um pedido de ambientalistas, a prefeitura de Amsterdã removeu da Praça dos Museus um dos cenários fotográficos favoritos dos turistas que visitam a capital holandesa: enormes letras vermelhas e brancas que compunham o slogan "I Amsterdam". Os políticos verdes argumentaram que as letras se transforaram num símbolo do turismo de massa e do "individualismo exagerado". (03/12)

Política

Começa conferência do clima COP24

Negociadores de quase 200 países iniciam em Katowice, na Polônia, duas semanas de conversações sobre as mudanças climáticas e como implementar medidas para manter aquecimento do planeta abaixo de 2 graus Celsius. Encontro em Katowice é visto como teste do comprometimento dos países signatários em implementar medidas para alcançar suas metas climáticas. (02/12)

Política

Confrontos entre polícia e "coletes amarelos"

Tropa de choque da polícia francesa e grupos de manifestantes conhecidos como "coletes amarelos" voltam a entrar em confronto em Paris, durante o terceiro fim de semana seguido de protestos contra o aumento de impostos sobre combustíveis e a redução do poder aquisitivo. Policiais lançam bombas de gás lacrimogêneo e jatos d'água contra parte dos manifestantes. (01/12)

Conteúdo relacionado