Trudeau diz que não vai dar "lições" a Trump sobre refugiados

Após encontro com presidente americano, primeiro-ministro canadense afirma que Canadá vai manter espírito de abertura para requerentes de asilo. Trump defende veto migratório e fala em "retoques" nas relações bilaterais.

O primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, afirmou nesta segunda-feira (13/02) que não vai dar "lições" ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, mas que o Canadá manterá seu espírito de "abertura para os refugiados".

Em entrevista coletiva junto com Trump depois de encontro na Casa Branca, o primeiro-ministro canadense destacou que o país recebeu mais de 40 mil refugiados da Síria e que a acolhida não comprometeu a segurança nacional.

Já Trump declarou que não vai "deixar que entrem as pessoas erradas" nos EUA ao defender o veto migratório que impedia a entrada de refugiados por um período de 120 dias no pais. No caso de sírios, o período era indeterminado. A ordem executiva do presidente, que também impedia a entrada de cidadãos de sete países de maioria muçulmana, foi suspensa pela Justiça. 

Trump defendeu que o veto pode ser "duro, mas é de bom senso". Ele também elogiou a postura das autoridades migratórias que já detiveram mais de 600 imigrantes com antecedentes penais considerados suspeitos de "ameaçar a segurança pública" dos EUA. O objetivo é "capturar os criminosos, os criminosos maus, com histórico de abusos e problemas, e expulsá-los", afirmou.

Natureza e meio ambiente | 13.02.2017

Relações comerciais

Trump também destacou que o comércio com o Canadá é "espetacular" e que fará apenas "retoques" nas relações bilaterais, ao se referir ao seu objetivo de renegociar o Tratado de Livre-Comércio da América do Norte (Nafta), assinado pelos dois países e o México.

"Temos uma relação de comércio espetacular com o Canadá. Vamos retocá-la, faremos certas coisas que vão beneficiar nossos dois países. É uma situação muito menos grave do que a da fronteira sul, onde a transação (comercial) foi extremamente injusta", disse em referência ao México.

"Vamos trabalhar com o México, vamos fazer com que seja um tratamento justo para ambas as partes. Acredito que vamos nos dar muito bem com o México", acrescentou Trump.

Trump disse que o tratado prejudicou os EUA e beneficiou o México significativamente. Já Trudeau defendeu o acordo e disse que uma possível renegociação preocupa os canadenses. "Milhões de bons empregos de classe média em ambos os lados da fronteira dependem desta relação", ressaltou.

KG/efe/dpa/ap

Os decretos de Donald Trump

Forma rápida de cumprir promessas eleitorais

Com menos de duas semanas na presidência, Donald Trump emitiu 17 medidas executivas. Embora este número em si não seja significativo – no mesmo período Barack Obama assinou praticamente o mesmo número de ordens – o conteúdo dos decretos de Trump é. Parece que o novo presidente dos EUA quer implementar muitas de suas promessas de campanha – incluindo as controversas - o mais rápido possível.

Os decretos de Donald Trump

O que são ordens executivas e memorandos?

As ações executivas (EA) permitem que o presidente dos EUA dê ordens que não precisam de aprovação do Congresso a agências governamentais, contornando o processo legislativo e acelerando sua implementação. Ordens executivas são uma forma mais abrangente de EA que muitas vezes lidam com diretrizes organizacionais maiores, enquanto memorandos presidenciais ordenam agências específicas a fazer algo.

Os decretos de Donald Trump

Enfraquecer Obamacare (ordem executiva)

A primeira ordem executiva assinada por Trump foi uma para retardar partes do Affordable Care Act (Obamacare) para "minimizar encargos regulatórios". Enquanto Trump sozinho não pode revogar a legislação instituída por Obama, ele pode minar a implementação do programa de saúde enquanto a maioria republicana no Congresso se prepara para revogá-lo.

Os decretos de Donald Trump

Retirar subsídio para aborto (memorando)

Trump reinstituiu uma política que impede o financiamento federal para ONGs que fornecem aconselhamento sobre aborto e defendem o direito ao aborto. Essa diretriz tem uma longa história: foi inicialmente instaurada pelo republicano Ronald Reagan, rescindida pelo democrata Bill Clinton, reinstituída pelo republicano George W. Bush, antes de ser reativada pelo democrata Barack Obama.

Os decretos de Donald Trump

Deportação de imigrantes (ordem executiva)

Trump ordenou que os agentes de imigração expandissem o escopo das deportações. Ele visa retirar concessões federais das chamadas cidades-santuário (onde imigrantes sem documentos não são processados) e que imigrantes suspeitos de um crime sejam detidos, mesmo sem acusação. Trump pretende contratar 10 mil novos agentes e publicar um relatório sobre crimes cometidos por imigrantes sem documentação.

Os decretos de Donald Trump

Construir o muro (ordem executiva)

Numa ordem executiva assinada em 25 de janeiro, Trump solicitou "a construção imediata de um muro físico", a fim de proteger a fronteira entre México e EUA. Ele também se referiu aos imigrantes sem documentos como "deportáveis", dizendo que o Poder Executivo deve "acabar com o abuso das disposições de liberdade condicional e refúgio usadas para impedir a remoção legal de estrangeiros deportáveis."

Os decretos de Donald Trump

Veto a muçulmanos (ordem executiva)

Trump assinou este controverso decreto em 27 de janeiro. Ele proibiu pessoas de sete países de maioria muçulmana de entrar nos EUA por três meses, suspendeu indefinidamente o programa de refugiados sírios e suspendeu a admissão de refugiados por 120 dias. Protestos contra a ordem estouraram em todo o país e até mesmo os senadores republicanos John McCain e Lindsey Graham criticaram a medida.

Os decretos de Donald Trump

EUA deixam TPP (memorando)

Não foi nenhuma surpresa Donald Trump ter abandonado a Parceria Transpacífico (TPP). Durante a campanha, ele criticou frequentemente o TPP e a Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento (TTIP), afirmando que outros países se beneficiaram desses acordos comerciais, em detrimento dos EUA. O porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, disse que Trump prefere lidar individualmente com os países.

Os decretos de Donald Trump

Sinal verde para oleodutos (memorando)

Três memorandos diferentes – um sobre a construção do oleoduto Dakota Access, outro sobre a continuação da construção do oleoduto Keystone e uma terceira ordem sobre o uso de materiais americanos nas obras – foram emitidos no quarto dia de Trump no governo. Obama tinha negado licenças para ambos os oleodutos após protestos em massa de ambientalistas, que temem o impacto de eventuais vazamentos.

Os decretos de Donald Trump

Expandir as Forças Armadas (memorando)

Trump cumpriu sua promessa eleitoral de investir num Exército maior ao assinar na sua primeira semana no cargo um memorando que pede mais tropas, navios de guerra e um arsenal nuclear modernizado. Quatro dias antes ele ordenou congelar a contratação de civis em agências federais por até 90 dias, para que seu governo possa desenvolver um plano de longo prazo para encolher a força de trabalho.

Os decretos de Donald Trump

Steve Bannon no NSC (memorando)

Trump ordenou uma revisão do Conselho de Segurança Nacional (NSC) para elevar o papel de Stephen Bannon. Trump retirou vários membros do painel responsável por tomar decisões de política externa, enquanto seu estrategista-chefe – conhecido por opiniões de extrema direita – servirá no comitê geralmente preenchido por generais. Isso rompe com a norma de longa data de não nomear políticos para o NSC.

Os decretos de Donald Trump

Desregulamentações (executiva e memorando)

Trump quer que agências federais eliminem ao menos duas normas para cada nova regulamentação e ordenou o congelamento de regulamentações federais, até que um chefe de departamento designado por ele possa revisá-las. Ele também pediu pela rápida aprovação de "projetos de infraestrutura de alta prioridade". Na campanha, Trump disse que o "excesso de regulamentações" feriu o comércio americano.

Os decretos de Donald Trump

Precedente presidencial

Obama emitiu um total de 277 ordens executivas – uma média de quase três por mês e um pouco menos do que seu antecessor, George W. Bush (291). Obama assinou 644 memorando presidenciais para contornar imposições no Congresso – um precedente do qual Trump aparenta estar tirando proveito, embora a maioria em ambas as Casas do Congresso seja republicana.

Siga-nos